Governo Bolsonaro gasta R$ 47 milhões em carnes nobres para militares do Exercito e Marinha


A JBS volta a ficar em evidência. O frigorífico fechou 30 novos negócios com o Ministério da Defesa desde o início de 2019, quando Bolsonaro foi empossado. Entre os fornecimentos, estão mais de R$ 47 milhões em carnes nobres, como maminha, picanha e filé mignon, para fornecer alimentos congelados para os militares do Exército e da Marinha. As informações, que constam no  Portal da Transparência.

A assinatura dos contratos estaria relacionada à tentativa de salvar acordo de delação premiada da JBS na PGR (Procuradoria-Geral de República) em escândalo revelado pela Crusoé e que envolveu os nomes do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido); de seu advogado Frederick Wassef; e do procurador-geral da República, Augusto Aras. A revista Crusoé apontou, ainda,  que a JBS pagou R$ 9 milhões ao advogado do presidente, Frederick Wassef, nos últimos cinco anos.