Itabuna: Claudevane se diz satisfeito com reestruturação da CEPLAC


O prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, se disse satisfeito com a reestruturação da Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira (Ceplac) anunciada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu. Nota divulgada pela Assessoria de Comunicação do Mapa informa que o principal organismo de pesquisa e extensão rural, que atende às regiões cacaueiras do pais, nos biomas Mata Atlântica e Amazônia, ganhará ainda mais investimentos e a contratação de pessoal.prefeito

De acordo com a nota, a Ceplac terá ampliada suas ações em pesquisa e inovação, defesa agropecuária e abertura de mercados internacionais. “O objetivo é fortalecer e modernizar a companhia, que está defasada devido a sucessivas perdas de orçamento e a falta de renovação do quadro de servidores”, diz a nota divulgada. “Desde sua criação, em 1957, a Ceplac é órgão vital ao desenvolvimento regional do sul da Bahia e sua revitalização é essencial”, completa Vane,

O prefeito de Itabuna afirma que a Região Cacaueira baiana sofreria ainda mais prejuízos na sua economia com o rebaixamento institucional da Ceplac. “No momento, o sul da Bahia enfrenta a mais severa estiagem de sua história. Pelo menos 12 municípios na microrregião estão sofrendo para fornecer água potável e de qualidade à população, porque os mananciais onde há captação estão secos e não chove com regularidade há pelo menos oito meses”, afirma o prefeito Vane. “Desde o início do cultivo do cacau há 270 anos essa é a mais grave período da história”, alerta.

CONFIANÇA

Há falta d’água também para a dessedentação animal, que sofre com a seca, e há perdas econômicas de mais de R$S 300 milhões com a morte de cacaueiros, seringueiras e outros cultivos sem contar a pecuária bovina de corte e de leite. “Com ansiedade desejamos que a Ceplac seja reerguida para que seus pesquisadores e técnicos continuem prestando serviços tecnológicos aos produtores rurais do sul da Bahia e de outras regiões produtoras de cacau do país. Sempre confiamos no Governo da presidenta Dilma Roussef e a nova postura em relação à Ceplac só reforça nossa crença”, sublinha Vane.

No texto divulgado, o MAPA reconhece que há 29 anos, a Ceplac não realiza concurso público e, nos últimos anos, vem enfrentando cortes significativos de orçamento. De 2010 a 2016, os recursos da Ceplac, conforme a Lei Orçamentária Anual (LOA), caíram de R$ 32,4 milhões para R$ 19,8 milhões, redução de 63%.

“É fundamental investir em pesquisa, inovação e tecnologia. Precisamos investir no quadro de pessoal. Nosso país tem todo potencial de voltar a ser um grande exportador de cacau, produto que está ligado à identidade nacional brasileira, juntamente com o café”, diz a ministra. Em 2015, o Brasil aumentou em 10% as exportações de cacau e seus produtos, alcançando US$ 374 milhões em 89,7 mil toneladas. “Mas é só o começo. O produto entrou na pauta do Mapa e das negociações internacionais”.

DEFESA AGROPECUÁRIA

De acordo com o Ministério da Agricultura para aumentar o valor agregado do produto e estimular toda a cadeia produtiva está sendo realizado um estudo detalhado sobre o potencial exportador não apenas do cacau, mas também de chocolates. Tem se preocupado ainda em garantir a Defesa Fitossanitária do cacau. Aumentou de R$ 3 milhões, em 2015, para R$ 5 milhões, em 2016, os recursos destinados a ações de defesa na lavoura cacaueira.