Itabuna: encontro discute processo de doação de transplantes


Os acadêmicos do curso de Medicina que participaram do I Encontro de Médicos Residentes no Processo de Doação e Transplante de Itabuna, na noite de terça-feira, dia 20, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, elogiaram a iniciativa e saíram do evento com mais informações sobre o tema na bagagem. “Para nós que estamos chegando agora realmente foi muito importante conhecer mais de perto a questão doação/transplante repassada de forma técnica, mas de conteúdo rico, amplo e compreensível, por profissionais experientes na área”, disse um deles.

A declaração foi dada por Caique de Santana, do 9º semestre do curso de Medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e confirmada pelo seu colega Johaber Medrado Azevedo, que, entretanto, ressalta: “É preciso realmente uma equipe preparada para tocar adiante uma ação tão importante com o ato de doar, o transplante, as consequências, enfim, todo o processo que envolve, desde solidariedade ao salvamento de muitas vidas”, completou.

O Encontro de Médicos Residentes foi aberto pelo secretário municipal de Saúde, Paulo Bicalho, que demonstrou, através de gráficos, o processo e a evolução de doação/transplante de órgãos, incluindo as notificações nos hospitais de referência na Bahia e a fila nacional de espera. Destacou que no transplante de órgãos como rins, fígado e córneas tem havido perdas consideráveis no estado.

Secretário de Saúde de Itabuna Paulo Bicalho fala na abertura do 1º Encontro sobre Doação e Transplantes - Foto Pedro Augusto 2
Secretário Paulo Bicalho fala sobre Doação e Transplantes – Foto Pedro Augusto

Entretanto, o secretário acredita que, em função de campanhas de conscientização e a realização de eventos que vem ocorrendo com mais freqüência, haverá sempre uma oferta crescente de doadores, principalmente por parte de familiares de pacientes com morte encefálica reconhecida. Segundo Paulo Bicalho, desde 2010 a evolução histórica de doações e transplantes no Brasil e na Bahia deu um salto importante porque a questão começou a ser vista com mais profissionalismo.

“Atualmente existem equipes qualificadas nos hospitais que entendem de todo o processo, que envolve desde a identificação de um doador em potencial a captação, o transporte, e a realização do transplante propriamente dito”. Na sequência da programação, a neurologista Soraya Almeida falou sobre a morte encefálica e as novas técnicas de reanimação de pacientes a partir dos avanços da medicina. “Todo médico deve saber fazer o diagnóstico de morte encefálica e, principalmente, os critérios para a abertura de protocolo para captação de órgãos”, salientou.

BANCO DE OLHOS

Outros palestrantes foram o médico residente Osvaldo Neto, que destacou a manutenção do potencial doador, e o urologista Fernando Cruz, que abordou de forma técnica e mais objetiva sobre o transplante renal. Segundo ele, a insuficiência renal crônica atinge atualmente cerca de 10% da população mundial, tendo destacado que a hemodiálise vive um colapso no Brasil.

Como última palestrante da noite, a oftalmologista Yana Lavigne destacou o processo de transplante de córnea e falou sobre o banco de olhos que deve ter a função de preparar o doador. Por fim, citou a reconstituição estética do doador de córnea, para manter uma aparência perfeita diante da família e para evitar traumas ou recusa de outros possíveis doadores.

O I Encontro de Médicos Residentes no Processo de Doação e Transplante de Itabuna foi promovido pela Organização de Procura de Órgãos (OPO) do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães e faz parte da Campanha Nacional de Doação de Órgãos, lançada no inicio deste mês em Itabuna. Tem como objetivos sensibilizar a comunidade e profissionais de saúde sobre a importância da doação de órgãos e tecidos para transplante.