Jane Fonda foi estuprada durante a infância


A atriz Jane Fonda, de 79 anos, decidiu abrir uma parte delicada de sua história e revelou em entrevista publicada nesta quinta na revista ‘The Edit’ que foi abusada sexualmente quando era pequena. “Fui estuprada e abusada sexualmente quando era criança. Também já fui demitida por não querer dormir com o meu chefe. Sempre pensei que tudo isso fosse minha culpa, que isso aconteceu porque eu não tinha falado ou feito a coisa certa”, afirmou. “Isso ilustra bem o peso de uma sociedade patriarcal em cima das mulheres.” Jane não deu mais detalhes das duas situações.

As declarações foram feitas em uma conversa com Brie Larsson, que no ano passado ganhou o Oscar de melhor atriz pelo filme ‘O Quarto de Jack’, sobre uma mulher sequestrada por um homem que abusa sexualmente dela.jane fonda

Jane Fonda, uma grande ativista dos direitos das mulheres, fundou em 2001 o Centro de Saúde Reprodutiva para Adolescentes, que ajuda a prevenir a gravidez na adolescência. Ela também faz parte do movimento global V-Day, que trabalha para acabar com a violência machista. Na entrevista, ela reafirmou o compromisso de tocar as causas até o resto de sua vida.

“Conheço meninas que foram estupradas e não sabiam nem mesmo no que consistia um estupro. Elas pensam: ‘Deve ser porque eu disse não de um jeito errado.’ Uma das melhores coisas que o movimento das mulheres alcançou foi percebermos que estupro e abusos não são nossa culpa”, disse.

Em 2014, a atriz revelou que a mãe, Frances Ford Seymour, também foi abusada e se matou quando ela tinha 12 anos. Jane Fonda descobriu o caso quando escrevia sua biografia e encontrou o histórico médico da mãe.

“No momento em que li aquilo, tudo desmoronou para mim. Soube então as razões de sua promiscuidade, suas incontáveis cirurgias plásticas, sua culpa, sua incapacidade de amar ou falar de intimidades. Finalmente pude perdoá-la e me perdoar”, manifestou.

Na conversa, Brie também falou de empoderamento. “Aprendi que o único poder que eu tinha na minha carreira era dizer ‘não’. Não pude escolher os papéis que me deram, mas tive como recusar trabalhos que não eram legais para mim”, contou. No que Jane respondeu: “Demorei 60 anos para aprender a fazer isso. Eu cresci nos anos 50 e custei a adotar o feminismo. Os homens da minha vida eram maravilhosos, mas vítimas de um sistema patriarcal. Eu me senti menor”, concluiu Jane.