Pablo


pablo
Divulgação

Ele tem 30 anos, 15 de carreira, já lançou 13 CDs, 4 Dvds e possui uma agenda concorrida que lhe garante 25 apresentações mensais. Estamos falando do inventor do Arrocha, Agenor Apolinário dos Santos Neto, mas conhecido como Pablo A Voz Romântica. O cantor deu uma pequena parada e, gentilmente, recebeu a reportagem do Blog Carvalho News para uma entrevista. Você sabia, por exemplo, que ele admira o Esporte Clube Bahia, mas não torce para nenhum time de futebol? Saiba um pouco mais sobre Pablo lendo a entrevista a seguir.

 

Blog Carvalho News – Você atravessa um período de consolidação da carreira a nível nacional. Tem feito participações em programas importantes como, por exemplo, Altas Horas, Encontro, Estrelas e até novelas. Suas canções são executadas em todo o Brasil, além de fazer muitos shows. Enfim, Pablo se tornou sinônimo de sucesso. Esse era seu objetivo? Imaginava que isso aconteceria?

Pablo – Todo artista batalha na busca de reconhecimento. Graças a Deus, o público brasileiro e até do exterior abraçaram meu trabalho, minha carreira… Isso é gratificante!

 

BCN – O que o Pablo costuma ouvir? Quais seus cantores e  cantoras preferidos? Com quem gostaria de gravar uma música?

Pablo – Meu sonho era gravar com meus ídolos Zezé Di Camargo e Luciano.  Deus me deu essa oportunidade de conseguir. Temos a faixa “Chora não bebê”, desse trabalho atual.

 

BCN – São 13 cds, quatro dvds e, muitas músicas que são executadas frequentemente nas rádios. Como você seleciona o seu repertório?

Pablo –  Tenho parceiros que já sabem o que eu gosto e o que combina comigo. Meu escritório faz a seleção das músicas. Recebemos muitas canções.

foto magaly moraes
Ao lado dos ídolos Zezé de Camargo e Luciano                         foto: Magaly Moraes

 

BCN – Qual o maior desafio que você enfrenta ou enfrentou ao longo de sua carreira?

Pablo – O começo de tudo é sempre bem complicado. Chegar até o topo é difícil. Mas, manter nas paradas é mais difícil. Lutamos para isso acontecer.

 

BCN – Quais foram as principais pessoas que o auxiliaram para que chegasse onde está atualmente?

Pablo – Sem dúvidas os fãs. Sem eles não estaria aqui nunca. Eu costumo dizer que eles são os principais responsáveis pelo meu sucesso. A imprensa que nos ajuda muito. A família que entende a distância e a saudade. Minha equipe, por que ninguém chega sozinho a lugar nenhum. E também ao meu empresário, Josué.

 

BCN – Qual a melhor lembrança que você guarda da sua infância? Como era a vida do Agenor antes do sucesso?

Pablo – Eu não tive infância. Tinha que ajudar em casa. Desde muito cedo eu toco com meu pai nos bares de Candeias e região.  Era uma vida muito simples e pacata, com muita humildade. E graças a Deus, pude alcançar coisas muito boas e ajudar a  minha família.

 

BCN – O que costuma fazer quando não está se apresentando?

Pablo – Gosto de ficar em casa, pois sou muito caseiro. Curtir a esposa e os filhos pra mim, é o que eu preciso para recarregar as energias.

 

BCN – Quais suas perspectivas pessoais e profissionais?

Pablo – Eu sou grato por tudo que conquistei até aqui. Penso no lado profissional em gravar um DVD.

No Programa da Sabrina Divulgação
No Programa da Sabrina   Foto: Divulgação

 

BCN – Há alguma diferença entre os públicos do Sudeste, Norte e Nordeste? Já  passou por alguma situação engraçada ou curiosa envolvendo público?

Pablo – O púbico é bem caloroso comigo. Independente da região. Claro que, eu gosto de cantar em casa. Amo fazer show na Bahia, e no meu Nordeste.

 

BCN –  Já se apresentou no exterior?

Pablo – Tivemos uma procura boa, mas não concretizou.

 

BCN – Já sofreu algum tipo de discriminação?

Pablo – Nunca

 

BCN – O Pablo é politizado? Como você avalia a situação política do Brasil?

Pablo – Vou confessar que eu sou alheio a isso. Claro que, sei das corrupções e da crise que o Brasil enfrenta na economia. Mas, é o que leio e assisto nos noticiários.

 

BCN – O que você espera para nosso país nessa próxima década?

Pablo – Que tenhamos governantes a nossa altura. Chega de fazer o pobre sofrer na saúde, na educação, nos transportes. Eu tenho fé que tudo vai ficar bem.

 

BCN – Se não fosse cantor e compositor, o que seria?

Pablo – Homem do campo. Sou bicho do mato.

 

BCN – Qual sua cor preferida?

No Programa Encontro Foto: Divulgação
No Programa Encontro Foto: Divulgação

Pablo – Branca.

 

BCN – Tem um livro de cabeceira?

Pablo – A Bíblia.

 

BCN – Qual seu prato preferido?

Pablo – Comida baiana.

 

BCN – Qual o seu time de coração?

Pablo – Não torço para ninguém. Não ligo para futebol. Sou admirador do Bahia.

 

BCN – Qual a mensagem que gostaria de deixar para o seu público?

Pablo – Gostaria de agradecer o carinho ao longo desses anos e dizer obrigado por tudo.