Banda Uns e Outros


“Cartas aos missionários” e “Dias vermelhos ” são dois dos sucessos de uma banda que talvez voce, que tem menos de 35 anos, não tenha tido a oportunidade de conhecer. Estamos falando da Uns e Outros. A boa notícia é que Marcelo Hayena, vocalista da banda, aceitou falar com a reportagem do Carvalho News sobre a politica, carreira, Rock nacional e, lógico, a Uns e Outros. Quer saber mais sobre esse grupo musical? Então não perca a entrevista a seguir!

Uns e Outros

Blog Carvalho News – Nos anos de 1980 era comum ouvirmos musicas cujas letras criticavam o momento político da época. Outras demonstravam indignação com questões sociais, tudo isso embalado por arranjos musicais coerentes que nos divertiam mais também nos levavam a uma reflexão. Por que isso quase não acontece nos dias atuais?

Marcelo Hayena: Sinceramente não sei…Os tempos são outros, né? Talvez não tenhamos mais problemas…Talvez tenhamos nos transformado na Suécia? Quem sabe? rsrsrsrsr. A verdade é como poesia, o problema é que a grande maioria das pessoas detesta poesia….rsrsrsrsrsrsrs

CN – Nos dias de hoje, uma banda de Rock alternativo consegue ter êxito em nosso país?

Marcelo Hayena: Hoje, no Brasil, qualquer um que não faça música sertaneja está fazendo música alternativa. O Rock nacional tem seu público e este público está ávido por coisas novas. Se você faz um trabalho honesto, acredita e aposta na proposta, a chance de conseguir alguma coisa, mesmo neste monopólio do mercado, é plausível. O conselho que dou é: Não pensem muito sobre essas questões de mercado. Peguem seus instrumentos e mandem ver!!!

CN – Como surgiu a Banda Uns e Outros? E qual era a proposta inicial dos músicos?

Marcelo Hayena: A banda surgiu em 1983. Eu e Gueu nos conhecemos desde garotos e montamos primeiro uma banda chamada Extrema Unção que nem chegou a se apresentar ao vivo e durou bem pouco. Logo depois, formamos o Uns e Outros. No início, nossa pretensão era tomar umas cervejas de graça e sair com as garotas que normalmente não nos dariam bola rsrsrsrsr. A coisa foi crescendo a partir do momento que fomos sendo chamados para fazer apresentações em shows maiores. O que começou como uma brincadeira de adolescentes, este ano completa 30 anos de carreira.

CN – A Banda teve um hiato entre 1991 e 2002. Por que houve essa parada? O que fizeram nesse período?

Marcelo Hayena: Na verdade nunca paramos. Tivemos sim um período em que não estávamos com contrato com nenhuma gravadora e não lançamos CD, mas nunca deixamos de ir para a estrada.

Uns e Outros 3
Uns e Outros Fotos: divulgação

CN – Como vocês avaliam o nosso atual cenário musical?

Marcelo Hayena: Tudo está muito voltado para o entretenimento, para a diversão. Parece que há uma obrigação em ser feliz a qualquer preço e não ter de pensar nos problemas tão comuns à vida de qualquer cidadão. Ninguém é feliz o tempo todo!!! Música também não serve somente para diversão, também serve para reflexão, para questionar, para se colocar diante do mundo, mas parece que as pessoas preferem viver numa realidade distorcida. Como se não pensar nos problemas poderia fazê-los desaparecerem…Opa!!! Peraí!!! Não é assim que um viciado foge da sua infeliz realidade? Interessante não? Já dizia o grande Frejat: “…Rir é bom, mas rir de tudo é desespero…”

CN – Das bandas e cantores estrangeiros. Quais os que mais chamam atenção da Uns e Outros?

Marcelo Hayena: Nossa, são muitas!!! Desde as clássicas como: Beatles, Rolling Stones, The Doors, Beach Boys, The Kinks, The who, Led Zeppelin, Bowie, Iggy Pop, Deep Purple, Black Sabbath, Police, The Clash, The Cure, U2, The Smiths, Eccho And The Bunnyman, entre outros. Até as mais recentes como: Smashing Pumpkins, Pixies, Nirvana, Pearl Jam, Alice and Chains, Stone Temple Pilots, Soundgarden, Muse, Foo Fighters, Kaiser Chiefs, Keane, Red Fang, Coldplay, Artic Monkeys, Kings Of Lion,The Killers, The Cooks. E por mais que eu passe uma tarde inteira escrevendo, vou acabar me esquecendo de muitas, rsrsrsrsrsrsr.

CN – O que os membros da Uns e Outros costumam ouvir e apreciar?

Marcelo Hayena: Ultimamente, temos ouvido muita coisa de nossos vizinhos Sul Americanos como: Soda Stero, Fito Paez, Charly Garcia, NoTe Va a Gustar, Libido, Viniloversus, La Luz Mandarina, La de Roberto, La Máquina Camaleón, Guerreros de Cartón. Também Vetusta Morla (Espanha) e Ligabue, Negramaro, Modà e Subsonica (Itália)

CN – Vocês são muito felizes na escolha do repertório. Como é feito esse processo? Algum de vocês compõe?

Marcelo Hayena: Todos nós compomos, mas as composições mais frequentes são de autoria minha e do Nilo. Compomos especificamente para o trabalho da vez. Não compomos 40 canções e depois escolhemos as 12 ou quatorze que farão parte do CD. Vamos compondo a canção que achamos que o trabalho precisa tanto no que diz respeito a mensagem como em relação as melodias e arranjos.

marcelo haiena
Marcelo Hayena

 

CN – “Uns e Outros Ao Vivo” é o cd mais atual. Qual foi o critério de seleção do repertório?

Marcelo Hayena: Nesse nosso primeiro trabalho Ao Vivo, queríamos mostrar a nossos fãs um pouco mais de quem somos e o que nos influenciou. Quais bandas e que tipo de som nos fizeram ser a banda que somos. Escolhemos as músicas mais significativas de nosso repertório autoral e, aqui e ali, fizemos releituras de bandas e canções que foram importantes para nossa formação musical.

CN – No imaginário popular, todo roqueiro é revolucionário e politizado. Isso é verdade?

Marcelo Hayena: No imaginário popular também nos enchemos de drogas, bebemos excessivamente e participamos de orgias diariamente, hahahahahah!!! Como todo cara que se preza, aos 20 anos eu tinha certeza que faríamos a revolução e mudaríamos o mundo, hoje, aos 50 anos, dou graças aos céus que ele não me mudou!!! Quanto à política, me posiciono como o atirador no alto do campanário. Tenho uma bela visão do terreno, armamento preciso, munição suficiente e licença para atirar em quem mereça ser abatido. E isso não exclui em nenhum dos lados do conflito!!! Hoje sinto o país dividido, mas, infelizmente, no Brasil escolher um dos lados é perder sempre. Mais dia menos dia, aquele cara a quem você confiou seu voto vai te trair, porque na verdade ele não sente estar a serviço da sociedade que o elegeu, e sim a serviço dele mesmo e de seus interesses pessoais e políticos.

CN – Em relação ao atual momento político brasileiro, com número recorde de denúncias de corrupção, desvios de verbas públicas, superfaturamentos em obras etc. Imaginavam que nossa situação chegaria a esse ponto?

Marcelo Hayena: Nunca duvidei do potencial dos nossos representantes!!! Sempre tem como piorar as coisas por aqui !!! rsrsrsrsrsr. Precisamos nos reinventar. Temos que repensar nosso papel. Nosso problema é de falta de ética ou de ética distorcida. O Prefeito, o Governador, o deputado, o Senador, o Presidente não vieram de Marte , Vênus ou de outra galáxia. Todos eles vieram do mesmo lugar de onde você e eu viemos: do seio da nossa sociedade!!! A “cervejinha” do guarda, a fila “furada” na padaria, o uso indevido da vaga do deficiente, o desrespeito com os idosos, a exploração de menores, o golpe no turista inocente, etc. Talvez sejam o começo de tudo isso que vai desembocar nesse teatro de horrores que assistimos hoje nos telejornais.

CN – Vocês possuem fãs extremamente fieis. Qual a mensagem que gostaria de deixar para eles?

Marcelo Hayena: Sim. Foi por eles que nunca pensamos em desistir da luta, mesmo nos momentos mais difíceis. Há tempos descobrimos que mais importante que estar num palco e tocar um instrumento, é tocar pessoas. E isso tem sido nossa bandeira. Esperamos estar mais próximos de vocês este ano. Aguardem amigos!!!