Concurso Dia dos Pais


No próximo dia 13, comemoramos o Dia dos Pais. O Blog Carvalho News quer ajudar a você a homenagear essa pessoa tão especial. Para isso, basta mandar uma pequena mensagem contando uma história sua e de seu pai ou dizendo porque esse ser é tão especial para você, com uma foto sua e de seu pai.

Uma comissão julgadora definirá os grandes vencedores, que terão suas histórias contadas no Carvalho News. As mensagens e fotos podem ser encaminhadas para o e-mail do Blog: [email protected] ou pelo nosso whatsapp (73)98870-0406. Contamos com sua partipação até o dia 09 de agosto.

WhatsApp Image 2017-08-04 at 11.21.35

Bruna Lombardi lança Rede Felicidade


Criar novas experiências para o crescimento pessoal, bem como, inspirar e motivar todos nós a vivermos mais felizes. Esta é a proposta da Rede Felicidade, um projeto da atriz, escritora e roteirista Bruna Lombardi. O primeiro encontro da nova plataforma será realizado no teatro  do Sesc Pinheiros, no dia 12 de agosto, às 14h. Será cobrado um ingresso simbólico, já disponível através do link:Novas escolhas para transformar o mundo

Bruna afirma que está muito feliz com o lançamento da Rede Felicidade. “Equilíbrio, atenção plena, criatividade, inovação, existem uma série de novas escolhas que podem transformar nossa vida e uma série de pequenas diferenças que podem transformar o mundo”, declara Bruna.

bruna lombardi2
Bruna Lombardi lança Rede Felicidade Fotos: divulgação

 

Mais brasileiros são barrados nos aeroportos da Europa


Cresce uma vez mais o número de brasileiros barrados nos aeroportos europeus, sob a suspeita de estarem tentando migrar de forma irregular. Dados publicados nesta semana pela Agência de Fronteiras da Europa (Frontex) revelam que, entre janeiro e março, o volume aumentou em 9,5% em comparação com o mesmo período de 2016.

A crise econômica no Brasil e o desemprego foram os motivos citados pelos especialistas como motivo para um fluxo maior de brasileiros registrados nas fronteiras europeias. Sem conseguir mostrar que são meros turistas ou muitas vezes até com passaportes falsos, brasileiros são barrados nos pontos de entrada da Europa, principalmente em Portugal, na Espanha, na Inglaterra e na França.

No total, foram 923 brasileiros que foram obrigados a voltar ao País, contra 843 no mesmo período de 2016. Com esses números, o Brasil é hoje o país sem fronteira direta com o continente da Europa com o maior número de pessoas barradas, superando a China e todos os demais países latino-americanos.

aeroportoporto

 

Novo Fies não agrada faculdades privadas


Ao que parece, os donos de instituições de ensino superior particulares não estão nada satisfeitas com as novas determinações do Governo Temer. As faculdades privadas se mobilizam no Congresso para fazer alterações na Medida Provisória que cria para 2018 o novo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O texto desagradou às empresas de educação, que querem que o governo se comprometa com uma parte maior do financiamento, entre outros pontos. A MP já recebeu 278 propostas de emendas, 42 delas sugeridas e apoiadas pela Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup), uma das principais entidades do setor.

As empresas de educação se queixam, por exemplo, de um trecho da MP que diz respeito ao fundo responsável por cobrir a inadimplência do Fies. De acordo com as regras anunciadas, o fundo será capaz de cobrir uma taxa de inadimplência de até 25% dos contratos, com limitação de aporte de R$ 2 bilhões.

Caso a inadimplência consuma os recursos do fundo garantidor no futuro, o programa inteiro estaria ameaçado de extinção, segundo as entidades. Uma das emendas apoiadas pelo setor, do senador José Pimentel (PT-CE), suprime justamente essa limitação de aportes. Para Sólon Caldas, diretor da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (Abmes), mudanças do fundo garantidor podem impedir que faculdades menores ofereçam vagas.

A questão da alta inadimplência é uma das que mais preocupam o governo. Em fevereiro, por exemplo, a inadimplência medida por atrasos acima de 360 dias no Fies era de 16,4%, segundo o Tesouro Nacional. Ainda há, no entanto, uma parcela relevante de contratos que não atingiu a fase de amortização porque os alunos não concluíram o curso. Assim, avalia-se que é possível que essa taxa de inadimplência suba.

Formada em 2015 em Recursos Humanos em uma faculdade particular de São José dos Campos, no interior paulista, a assistente administrativa Amanda Rocha Silva, de 27 anos, obteve um financiamento de 75% do valor da mensalidade e começou a pagar as parcelas, de R$ 100, em julho deste ano. Apesar de estar conseguindo quitá-las, Amanda se preocupa com uma dívida tão longa. “Estou sempre preocupada em me organizar e com receio de ser mandada embora porque minha dívida vai até 2024.”

novofies2018
Cerimônia de lançamento do Novo Fies 2018 Foto: divulgação

Sustentável

Com o novo programa, a expectativa do governo é justamente reduzir os gastos e tornar o programa sustentável. “Enquanto mais de 1 milhão de novas matrículas (não financiadas) foram realizadas na rede privada entre 2009 e 2015, o Fies concedeu, no mesmo período, mais que o dobro de novos financiamentos, alcançando 2,2 milhões de estudantes. Assim, boa parte dos contratos foi celebrada com estudantes que já cursavam, ou já cursariam, o ensino superior”, destaca Nota Técnica preparada para análise do tema pelo Legislativo. O saldo devedor dos financiamentos que compõem a carteira atual alcançou, em abril, o volume total de R$ 74 bilhões.

Atualmente, há 2,6 milhões de contratos ativos. Conforme anunciado há um mês, o novo Fies terá 310 mil vagas em três modalidades, sendo 100 mil com juro zero para os alunos e correção apenas pela inflação.

Outra questão é o aporte maior das universidades privadas. Hoje, essas instituições destinam 6,5% do valor das mensalidades para o fundo e com as novas regras esse patamar ficará entre 13% e 20%.

Rodrigo Capelato, diretor executivo do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp), criticou. “Aumentar o porcentual é bom para quem tem uma inadimplência alta, mas é muito injusto para aquelas que trabalham com cuidado para evitar o problema.”

Nas emendas, contesta-se também um antigo ponto de divergência entre empresas e governo: o de que caberia às universidades pagar a tarifa de 2% sobre as mensalidades financiadas, que é a remuneração aos agentes financeiros (Caixa e Banco do Brasil). As empresas passaram a arcar com essa parcela em 2016. Recentemente, o ministro da Educação, Mendonça Filho, afirmou que o novo Fies economizará aos cofres públicos cerca de R$ 300 milhões ao ano somente em taxas bancárias.

 

Tiririca pode deixar a politica


O deputado Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP), está desiludido com a política e propenso a encerrar a carreira parlamentar em 2018. Um dia após votar pela abertura de investigação contra o presidente Michel Temer (PMDB) por corrupção passiva, ele criticou o Congresso Nacional e diz não ter o “jogo de cintura” exigido para ser político. “Não vai mudar. O sistema é esse. É toma lá, dá cá”, afirmou.

Um dos deputados mais assíduos da Câmara, mas que só usou o microfone três vezes no plenário, Tiririca vê a maioria dos parlamentares trabalhando para atender interesses próprios. Ele avalia que há parlamentares bem intencionados, mas que não conseguem trabalhar porque o “sistema” não deixa. “A partir do exato momento que você entra, ou entra no esquema ou não faz. É uma mão lava a outra. Tu me faz um favor, que eu te faço um favor. Eu não trabalho dessa forma”, desabafou. “Fiquei muito decepcionado com muita coisa que vi lá”, acrescentou.

Tiririca acha que não tem como continuar na política. “Do fundo do meu coração, estou em dúvida, e mais para não disputar”, confessou. Questionado se a aversão a políticos tradicionais não poderia favorecê-lo, ele respondeu: “Pode ser que sim ou que não. Mas, para fazer o que? Passar oito anos e aprovar um projeto”, disse o deputado, que só conseguiu aprovar uma de suas propostas em sete anos de mandato: a que inclui artes e atividades circenses na Lei Rouanet.

Tiririca confessa que disputou o primeiro mandato, em 2010, apenas para tentar ganhar visibilidade como artista. Mudou de ideia quando foi eleito com 1,3 milhão de votos, o que o tornou o deputado mais votado do País. “Aí disse: opa, espera aí. Teve voto de protesto, teve. Mas teve voto de pessoas que acreditam em mim. Não posso brincar com isso”, afirmou. À época, o deputado foi eleito ao usar o slogan “Pior do que está não fica” durante sua campanha.

Em 2014, decidiu disputar reeleição “para provar que não estava de brincadeira e que fiz a diferença na política”. E foi reeleito com 1,016 milhão de votos.

tirica2017
Deputado Tiririca Fotos: divulgação

No segundo mandato, Tiririca votou tanto a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e pela abertura de investigação contra Temer, mesmo com a pressão da direção partidária sobre ele. “Tem um ditado que minha mãe fala sempre: errou, tem que pagar”, disse.

Para o deputado, os indícios apresentados contra o presidente “era coisa muito forte”. “Acho que ele tinha que entregar os pontos e pedir para sair. Foi muito feio, muito agressivo para o País essas denúncias”, afirmou.

Quando perguntado se o Brasil tem jeito, lembrou uma música “das antigas” de Bezerra da Silva, cujo refrão diz “para tirar meu Brasil dessa baderna, só quando morcego doar sangue e saci cruzar as pernas”.

Com toda a desilusão e os planos de deixar a política, Tiririca voltou a fazer shows como palhaço há cinco meses. O espetáculo conta a história de vida dele e é exibido de sexta a domingo, cada fim de semana em um estado. De segunda a quinta-feira fica em Brasília, onde mora com a esposa e uma das filhas.

 

 

 

 

 

tiririca-triste-nacao-juridica

Autor de homicídio no restaurante Paraíso Tropical é apresentado


Fabilson Nascimento Silva foi apresentado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) na manhã desta quarta-feira (2). ‘Barriga’, como é mais conhecido, é autor confesso da morte de Guilherme dos Santos Pereira da Silva, 17. O crime ocorreu numa área do restaurante Paraíso Tropical, no bairro do Cabula, no dia 17 de abril deste ano.

1 (3)
Fotos: Alberto Maraux

O coordenador da 2ª Delegacia de Homicídios, Guilherme Machado, explicou que Fabilson foi capturado na cidade pernambucana de Serra Talhada, na casa de parentes. “Parabenizo todos os policiais envolvidos nesta investigação. As ações de inteligência nos permitiram chegar ao foragido e efetuarmos a prisão”, destacou o delegado.

A delegada Jussara Andrade, que trabalhou na apuração dos fatos, acrescentou que o inquérito ainda não está concluído e que é possível o indiciamento de outras pessoas. O acusado pela morte do adolescente foi indiciado por homicídio e ocultação de cadáver.

3 (5)
Fabilson Nascimento ‘Barriga’

 

Domésticos estrangeiros são mantidos em situação análoga à escravidão


O Ministério Público do Trabalho em São Paulo (MPT-SP) investiga um esquema de agenciamento de homens e mulheres imigrantes (vindos das Filipinas, do Chipre, de Hong Kong, de Dubai, de Cingapura e do Nepal) para trabalho doméstico em residências de classe alta no Brasil.

Segundo o MPT, 180 pessoas foram trazidas para o país por intermédio das agências estrangeiras Global Talent e SDI. Essas empresas não foram localizadas pela reportagem para falar sobre o assunto. No Brasil, os imigrantes eram conduzidos, sem contrato formal de trabalho ou garantia de direitos, às famílias, que pagavam mais de R$ 10 mil às agências.

As investigações, iniciadas em 2014, mostram que os domésticos pagavam taxas superiores a US$ 2,50 mil  (R$ 7 mil) às agências, com a promessa de trabalho no Brasil, recebimento de salário de R$ 2,2 mil, benefícios como décimo terceiro e bônus de horas extras. Os valores, no entanto, não eram pagos.

Além disso, as condições de trabalho eram análogas à escravidão, com maus-tratos e jornadas exaustivas, das 6h às 20h todos os dias. Alguns trabalhadores tinham de ficar à disposição 24 horas por dia. As vítimas também permaneciam no Brasil sem documentos de identificação e de imigração.

Imagem ilustrativa Foto: Flávio Cannalonga
Imagem ilustrativa Foto: Flávio Cannalonga

Denúncia

A agência Global Talent, cujo nome anterior era Domésticas Internacionais CMIS Brasil, foi denunciada em 2014 por ligação anônima do Disque 100. Pela denúncia, o MPT descobriu que uma mulher vinda das Filipinas recebia valor bem abaixo da remuneração prometida e teve seus documentos retidos, além de ser ameaçada de deportação caso tentasse denunciar.

Na época, a Global Talent firmou termo de ajuste de conduta (TAC) comprometendo-se a formalizar o contrato de trabalho de estrangeiros cuja mão de obra tivessem intermediado e a regularizar documentos dos trabalhadores, com obtenção de concessão de autorização de trabalho fornecida pelo Conselho Nacional de Imigração. Os domésticos teriam de receber o visto temporário ou permanente do Ministério das Relações Exteriores.

Passados três anos, porém, a fiscalização do Ministério do Trabalho flagrou as mesmas irregularidades e as investigações foram reabertas. Três filipinas que fugiram das casas onde trabalhavam recorreram à Missão Paz, instituição que é referência na capital paulista em atendimento a refugiados, e formalizaram denúncia.

Fonte: Agência Brasil

País consome mais energia no semestre


O consumo de energia elétrica no país totalizou 233.221 gigawatts-hora (GWh) no primeiro semestre do ano, um crescimento de 0,4% na comparação com o mesmo período de 2016. Os dados constam da Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica, divulgada hoje (1º) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Segundo a empresa, o aumento de 0,4% indica uma estabilidade.

Ligada ao Ministério de Minas e Energia, a EPE é responsável pelo planejamento energético do país. Em junho, o consumo de energia chegou a 37.816 Gwh, com expansão de 1,1% em relação ao mesmo mês do ano passado.

O resultado nos primeiros seis meses deste ano reflete o crescimento, principalmente, do setor residencial, cuja expansão de janeiro a junho foi de 1,2%. A indústria fechou com alta de apenas 0,1%, e o comércio, com queda de 0,7%.

Regionalmente, o avanço de 0,4% no primeiro semestre foi puxado pela demanda do Sul do país, que cresceu 2,2% no período. O Centro-Oeste registrou expansão de 0,6%. No Sudeste, maior centro consumidor do país e que responde por mais de 60% de toda a demanda, houve alta de apenas 0,3%.

Na outra ponta, nas regiões Norte e Nordeste, o consumo fechou em queda 0,5% e 1%, respectivamente.

Consumo industrial

O resultado do setor industrial no primeiro semestre deste ano (alta de 0,1%) é mais favorável do que nos anos anteriores. No primeiro semestre do ano passado, o consumo de eletricidade nas indústrias havia fechado em queda de 5%, depois de já ter registrado retração de 4,5% em igual período de 2015.

A expansão da demanda por energia elétrica, desta forma, reflete um pouco do comportamento da indústria nacional. Números divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que a indústria fechou os primeiros seis meses do ano com expansão de 0,5%, o melhor resultado desde 2013.

Segundo a EPE, o resultado da demanda industrial nacional, que totalizou 81.322 GWh de janeiro a junho, reflete, principalmente, o avanço expressivo da Região Sul do país, que fechou o período com alta acumulada de 4,3%; mas também as taxas negativas mais suaves do Sudeste e do Nordeste, respectivamente -0,1% e -4,9%.

Os segmentos têxteis (4,9%) e automotivo (4,4%) lideraram os avanços no consumo industrial de energia no primeiro semestre do ano. Enquanto no ramo têxtil se destacaram os estados de Santa Catarina (8,3%), São Paulo (3,6%) e Ceará (9,8 %), no automobilístico o aumento na demanda foi mais relevante em São Paulo (4,1 %), maior polo do país no setor.

Junho 2017/junho 2016

No que diz respeito à expansão de 1,1% (37.816 GWh) na demanda por energia elétrica na rede em junho deste ano, comparativamente a junho do ano passado, o crescimento reflete resultados positivos em três das quatro regiões do país, mas principalmente no Centro-Oeste, cuja alta foi 4,2%.

Na Região Norte, houve crescimento de 2,3% e no Sul, de 1,6%. A única região do país a fechar junho com resultado negativo na comparação com igual mês do ano passado foi o Nordeste, onde a queda do consumo chegou a 1,6%.

Usuários da Cracolândia (SP) mudam de lugar


A Guarda Civil Metropolitana (GCM) realizou uma ação na tarde desta terça-feira para mover os dependentes químicos da Cracolândia para o ponto onde se encontravam até ontem, na Alameda Cleveland em frente à estação Julio Prestes do trem, no centro de São Paulo. Após uma operação de limpeza na região, realizada na noite de segunda, o fluxo havia se deslocado para a esquina entre as ruas Helvétia e Barão de Piracicaba, a apenas um quarteirão de distância da concentração original.

Alguns dos dependentes retornaram voluntariamente para a Alameda Cleveland, mas aqueles que se recusaram a deixar a Barão de Piracicaba foram levados à força pela GCM. A operação, no entanto, não utilizou bombas de efeito moral ou gás lacrimogêneo. O maior contingente policial deixou o local após a operação.

Na noite da última segunda-feira, os guardas-civis realizaram um serviço de limpeza na região. A remoção de algumas barracas revoltou os usuários, que atearam fogo em colchões e outros objetos. Em nota, a Prefeitura afirmou se tratar de uma operação rotineira: “De acordo com informações preliminares, a GCM apoiava uma ação de zeladoria de rotina e, no momento em que foi solicitada a retirada de barracas das calçadas, algumas pessoas que estavam no local colocaram fogo nos materiais”. Apesar do confronto, a administração garante que as ações sociais “de acolhimento, saúde e segurança” serão mantidas.

A mudança de endereço, ainda que temporária, é comum após ações policiais no fluxo. Oliveira afirmou que, nesta manhã, os usuários estavam calmos e que o comércio local não sofreu outros problemas. Ao passar pelo local onde a concentração havia se instalado, reparou no aumento das forças policiais, que já planejavam a ação desta tarde.

Marinha do Brasil abre concurso


A Marinha abre, nesta terça-feira, as inscrições do Concurso Público para Ingresso no Corpo Auxiliar de Praças (CPA-CAP). São 90 vagas para candidatos de ambos os sexos, que tenham concluído curso técnico de nível médio. É necessário ter entre 18 e 25 anos de idade, no dia 1º de janeiro de 2018. As inscrições ficarão abertas até 31 de agosto, pelo site da Marinha. A taxa de participação custa R$ 60.

As chances são para jovens com curso técnico em contabilidade, desenho de arquitetura, estatística, eletrônica, enfermagem, estruturas navais, gráfica, geodésia e cartografia, marcenaria, metalurgia, meteorologia, motores, processamento de dados e química.Marinha_do_Brasil_07102016120822

O processo seletivo terá prova de conhecimentos profissionais, redação, inspeção de saúde, teste de aptidão física e Verificação de Dados Biográficos. O candidato será matriculado no curso de formação como Praça Especial, no grau hierárquico de Grumete, e ao ser aprovado no curso, que terá a duração de até 17 semanas, será nomeado Cabo do CAP. O soldo dos grumetes é de R$ 936 e de cabo engajado de R$ 2.243.