Mourão não tem coronavírus afirma exame


Segundo informou a assessoria da vice-presidência da República, na manhã deste domingo, os exames de coronavírus do vice-presidente Hamilton Mourão deram negativo,. Os resultados da mulher dele, Paula, também deram negativo.

Mourão e Paula entraram em isolamento social neste sábado, na residência oficial do Palácio do Jaburu, depois que o vice-presidente entrou em contato com um servidor que foi diagnosticado com covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

O vice-presidente deve retomar as atividades na quarta-feira, de acordo com o resultado da contraprova.

 

Nota na Íntegra

VICE-PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Assessoria de Comunicação Social

Nota Informativa nº 8/2020/VPR-ASSCOM

Assunto: Resultado negativo do exame para covid-19 do Vice-Presidente da República

Negativo foi o resultado dos exames a que o Senhor Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, e sua esposa, Paula Mourão, foram submetidos ontem para o covid-19.

O Vice-Presidente da República e sua esposa permanecem em isolamento na residência oficial do Jaburu, só devendo o Vice-Presidente Hamilton Mourão retornar ao expediente normal na quarta-feira, caso os exames de contraprova assim o autorizem.

Brasília, 17 de maio de 2020.

Atenciosamente,

SÉRGIO PAULO MUNIZ COSTA

Chefe da Assessoria de Comunicação Social da Vice-Presidência

 

“Delegado da PF informou Flávio Bolsonaro sobre operação que buscava Queiroz”, afirma Paulo Marinho


A família Bolsonaro realmente não atravessa uma boa fase. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o empresário e suplente de senador Paulo Marinho afirmou que o senador Flávio Bolsonaro (PSL) foi avisado com antecedência por um delegado da Polícia Federal sobre a deflagração da Operação Furna da Onça, que culminou na prisão de diversos parlamentares do estado do Rio em novembro de 2018.

Marinho foi um dos principais apoiadores da campanha presidencial de Jair Bolsonaro. Segundo ele, um delegado da Polícia Federal tentou entrar em contato com o senador Flávio Bolsonaro por meio de telefone.

Ainda de acordo com as informações de Marinho, o coronel Miguel Braga, chefe de gabinete do parlamentar, acompanhado do advogado Victor Alves e de Val Meliga, ex-presidente do PSL no Rio e irmã de dois milicianos, encontraram o delegado na porta da Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro, na Praça Mauá, Zona Portuária da cidade.

De acordo com Marinho, o delegado saiu da superintendência, encontrou os três na calçada e teria feito a seguinte afirmação: “Vai ser deflagrada a operação Furna da Onça, que vai atingir em cheio a Assembleia Legislativa do Rio. E essa operação vai alcançar algumas pessoas do gabinete do Flávio. Uma delas é o Queiroz e a outra é a filha do Queiroz (Nathalia), que trabalha no gabinete do Jair Bolsonaro (que ainda era deputado federal) em Brasília”. “Nós vamos segurar essa operação para não detoná-la agora, durante o segundo turno, porque isso pode atrapalhar o resultado da eleição (presidencial) ”, teria dito o delegado, segundo Marinho.

paulo-marinho-jair-bolsonaro-e-luiz-marinho Foto: divulgação
Paulo Marinho, Jair Bolsonaro-e-Luiz-Marinho Foto: divulgação

Na entrevista, o empresário afirmou ainda que o delegado, identificando-se como adepto e simpatizante da campanha presidencial de Jair Bolsonaro, recomendou providências e essas vieram na forma das demissões de Queiroz e sua filh ambos exonerados no dia 15 de outubro de outubro de 2018.

Nathalia foi exonerada do cargo no gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados no mesmo dia em que Fabrício José Carlos de Queiroz foi exonerado do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Jair Bolsonaro venceu as eleições no dia 28 de outubro e a Operação Furna da Onça foi deflagrada no dia 8 de novembro.

De acordo com Marinho, as revelações foram feitas a ele pelo próprio Flávio, em 13 de dezembro de 2018, quando a Furna da Onça já havia sido realizada. Segundo Marinho, Flávio Bolsonaro afirmou ter parado de falar com Queiroz. Ainda de acordo com o empresário, o presidente Jair Bolsonaro foi informado sobre a situação por Gustavo Bebbiano.

Em nota, Flavio Bolsonaro rebate as acusações:

“O desespero de Paulo Marinho causa um pouco de pena. Preferiu virar as costas a quem lhe estendeu a mão. Trocou a família Bolsonaro por Dória e Witzel, parece ter sido tomado pela ambição. É fácil entender esse tipo de ataque ao lembrar que ele, Paulo Marinho, tem interesse em me prejudicar, já que seria meu substituto no Senado. Ele sabe que jamais teria condições de ganhar nas urnas e tenta no tapetão. E por que somente agora inventa isso, às vésperas das eleições municipais em que ele se coloca como pré-candidato do PSDB à Prefeitura do Rio, e não à época em que ele diz terem acontecido os fatos, dois anos atrás? Sobre as estórias, não passam de invenção de alguém desesperado e sem votos”.

Colômbia militariza fronteira com Brasil e Peru por causa da covid-19


O presidente da Colômbia, Iván Duque, decidiu reforçar a presença militar nas fronteiras para evitar um aumento no contágio pelo novo coronavírus na região. O estado colombiano do Amazonas, fronteiriço com Peru e Brasil, é o mais atingido pela doença no país. A principal preocupação é a contaminação por populações flutuantes, aquelas que transitam de um país para o outro em zonas de fronteira.

A Colômbia tem, até o momento, mais de 12 mil casos confirmados de contaminação pela Covid -19 e 493 mortes. O Brasil registra mais de 178 mil casos e 12.461 mortes, e o Peru, mais de 72 mil casos e 2.057 mortes.

Na Colômbia, a população está em isolamento desde 24 de março, duas semanas após a detecção do primeiro caso de covid- 9 no país. O estado do Amazonas, com maioria de população pobre e indígena, tem a maior taxa de infecção per capita na Colômbia, com 94 pessoas contaminadas para cada 10.000 habitantes.

Duque afirmou que, além do reforço militar nas fronteiras, é preciso endurecer as medidas de isolamento preventivo obrigatório e a exigência de medidas como uso de máscaras e distanciamento social pela população que vive na fronteira.

“Foi tomada a decisão de militarizar com mais presença todos os pontos de fronteira e exercer o devido controle, para evitar que cheguem casos de populações flutuantes”, disse Duque.

Enem 2020 está confirmado


O ministro Gurgel de Faria, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou o pedido da União Nacional dos Estudantes (Une) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) para adiar a data do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Na segunda-feira, as entidades entraram com um pedido de liminar no STJ solicitando a adequação do calendário do Enem à “realidade do atual ano letivo” e que o MEC consulte as secretarias de estado de educação sobre o tema. O ministro argumenta que o STJ não tem competência para julgar o mandado de segurança uma vez que ele diz respeito a atos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame.

O magistrado citou também que não foi anexado o edital do exame no processo, o que impossibilitaria apreciação da ação. Nessa modalidade processual todas as provas devem vir junto com a petição inicial.

No pedido, as entidades argumentaram que a suspensão de aulas em todos os estados do país pode aprofundar desigualdades e prejudicar os estudantes: “Considerando o contexto da falta de aula e reorganização dos períodos letivos em decorrência das medidas de isolamento derivadas da pandemia, que poderia colocar em uma situação de ainda maior desigualdade os estudantes de escola pública, que não vêm tendo aulas, em relação àqueles de escolas particulares que mantém a atividade letiva virtualmente”.

As inscrições para o Enem 2020 começaram na segunda-feira. De acordo com o cronograma, as provas presenciais ocorrerão em 1 e 8 de novembro. A prova virtual, por sua vez, será aplicada nos dias 22 e 29 de novembro.

Ilhéus: Prefeitura cria Central de Atendimento Remoto para mulheres que sofrem violência


A Prefeitura de Ilhéus (BA) criou, aravés da Secretaria de Desenvolvimento Social , a Central de Atendimento para Mulheres que sofrem violência. O atendimento remoto é uma nova forma de atendimento do Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM)  e funciona  de segunda a sexta, das 08h às 17 horas, pelo WhatsApp (73) 98899-5269.

“No cenário atual, de isolamento social, as famílias permanecem mais tempo juntas. Muitos agressores têm agido em suas casas, achando que o acesso aos órgãos de proteção está mais difícil.  Mas eles estão funcionando e essas mulheres devem buscar ajuda dos órgãos competentes”, ressalta o secretário de Desenvolvimento Social, Rubenilton Silva.

As formas de violência contra a mulher podem ter o seu início de forma muito sutil, tornando difícil para a própria mulher identificar que se encontra em situação de violência. São elas: psicológica, moral, patrimonial, física, sexual. Nesse sentido, é importante a busca por apoio, esclarecimentos e fortalecimento através da rede de apoio.

A gestora da média complexidade da SDS, Liane Cruz informa que a Delegacia da Mulher está com atendimento todos os dias pela manhã e que a Defensoria Pública vem realizando atendimento remoto através do telefone (73) 3234-5275.

Confira os telefones em caso de agressões e violência contra a mulher:
CRAM (73) 9 8899-5269
DEAM (73) 3234-5275
Polícia Civil – 190
Polícia Militar – 190
Defensoria Pública – 129

Procon-RJ lança cartilha que explica direitos do consumidor nos serviços de entrega


Você tem alguma dúvida sobre direitos do consumidor em relação a serviços de entregas em domicílio? Pois o Procon do Rio de Janeiro criou uma cartilha para responder às principais dúvidas sobre os direitos dos consumidores que contratam serviços de entregas em domicílio, o delivery, que aumentaram muito diante das necessidades de isolamento social. O material foi lançado nesta segunda-feira (dia 11) e está disponível nas redes sociais e no link https://bit.ly/cartilhaentregas.

Desde que as primeiras medidas de isolamento social foram implementadas no estado, o Procon-RJ vem recebendo queixas de consumidores que fazem compras por telefone, aplicativos ou por serviços online e recebem suas encomendas por serviços de delivery. As demandas variam, mas o não cumprimento de prazos, a existência ou não de prioridades nas entregas e os erros nos produtos entregues são alguns dos principais relatos.

Denúncias podem ser de forma remota

Os consumidores que desejarem fazer denúncias ou reclamações podem fazer isso sem sair de casa. Basta baixar gratuitamente o aplicativo Procon-RJ, em que é possível inclusive enviar fotos, ou acessar o site http://www.procononline.rj.gov.br/ . As denúncias também podem ser feitas pelo WhatsApp (21) 98104 5445.

Bolsonaro garante que não falou em PF no vídeo de reunião, entretanto ministros afirmam o contrário


O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira que o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, “se equivocou” ao confirmar a menção, em depoimento na terça-feira. Bolsonaro continua insistindo que não citou a Polícia Federal no vídeo da reunião com ministros do último dia 22 de abril.  Além de Ramos também o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, atestou em depoimento à Polícia Federal que Bolsonaro citou a PF ao reclamar de relatórios de inteligência produzidos pelo governo.

À Polícia Federal, Ramos afirmou que o presidente “se manifestou de forma contundente sobre a qualidade de órgãos de inteligência produzidos pela Abin, Forças Armadas, Polícia Federal”. Heleno disse o mesmo.

A cobrança de Bolsonaro por mais relatórios da PF foram relatada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro ao pedir demissão do cargo. Segundo Moro, além de supostamente tentar interferir politicamente na Polícia Federal com a troca do diretor-geral e também do superintendente do órgão no Rio de Janeiro, Bolsonaro também queria ter acesso aos documentos produzidos pela PF.

Nos depoimentos, Ramos e Heleno ressalvam que o presidente queria apenas ter mais informações para aprimorar as ações do governo e não se referia a relatórios de investigações policiais.

Contrariando depoimento de ministros militares, Bolsonaro garante que não citou PF em vídeo
Contrariando depoimento de ministros militares, Bolsonaro garante que não citou PF em vídeo Foto: divulgação

Questionado na manhã desta quarta-feira se o vai divulgar o vídeo entregue na semana passada ao Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente disse ser favorável, mas que o assunto está sendo tratado pela Advocacia-Geral da República (AGU), que o representa no inquérito.

– Eu não sei se eu posso conversar, porque eu faço parte do processo… eu não posso conversar com o Celso de Mello, porque eu faço do processo. Mas eu vou levar, aproveitando a tua sugestão aí, ao AGU, o ministro Levi, se a gente pode divulgar essa parte. Se eu não me engano, o Celso de Mello ontem oficiou aí o advogado do Moro, a AGU e a Justiça exatamente para ver se a gente entra nessa linha para divulgar, mesmo com os palavrões que eu falo sempre – declarou, encerrando a entrevista na portaria do Palácio da Alvorada.

Antes, Bolsonaro havia dito que não teve acesso aos depoimentos dos três ministros que falaram na terça, Ramos, Heleno e o chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto.

 

Bolsonaristas que ameaçaram juiz do STF durante protesto em frente a residência do ministro agora são réus


A Justiça de São Paulo aceitou a denúncia contra Antonio Carlos Bronzeri e Jurandir Alencar, que participaram de um protesto em frente ao prédio onde mora Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal, no último dia 2 de maio. Os manifestantes foram denunciados pelo Ministério Público estadual pelos crimes de ameaça, difamação, injúria e perturbação do sossego.

O grupo de manifestantes ficou em frente ao prédio de Moraes por cerca de duas horas e levaram até um “caixão”, ameaçando o ministro. A decisão foi tomada ontem pelo juiz Márcio Sauandag, da 22ª Vara Criminal de São Paulo, que deu um prazo de dez dias para que os dois réus apresentem defesa por escrito.

O grupo de manifestantes se reuniu em frente ao prédio de Moraes para protestar contra a decisão do ministro de suspender a nomeação de Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal e pediram a saída do ministro da Suprema Corte. Moraes suspendeu a nomeação de Ramagem alegando que a medida feria a impessoalidade do cargo de presidente, uma vez que o indicado ser amigo pessoal da família Bolsonaro.

No dia 3 de maio, a Justiça já havia determinado punições para os dois manifestantes que foram presos em flagrante. Segundo a decisão, eles deveriam manter uma distância mínima de 200 metros do ministro, além de impedir qualquer outro contato por meios de comunicação.

Foi determinado, ainda, o recolhimento domiciliar durante a noite e nos dias de folga para os dois. Eles também estão proibidos de deixar a cidade por mais de oito dias sem autorização judicial e devem comparecer em juízo quando o Tribunal de Justiça de São Paulo retomar as atividades.

Bronzeri e Jurandir Pereira Alencar viraram réus Foto: divulgação
Bronzeri e Jurandir Pereira Alencar viraram réus Foto: divulgação

A promotora Alexandra Milaré Santos afirmou que os manifestantes permaneceram por cerca de duas horas em via pública, realizando diversas ameaças à vítima, tais como “você e sua família jamais poderão sair nas ruas deste país, nem daqui a 20 anos”. Além disso, usaram um caixão para simular a morte do ministro. Ela pediu que as penas sejam agravadas porque os crimes foram cometidos contra um funcionário público e a manifestação ocorreu durante período de calamidade pública em função da pandemia de Covid-19.

O grupo levou bandeiras do Brasil e dirigiu ataques também ao governador de São Paulo, João Dória (PSDB-SP). De acordo com imagens divulgadas nas redes sociais, cerca de 20 pessoas estavam no local. Um dos vídeos registra o momento em que o grupo diz palavrões.

Bonzeri, inclusive, é alvo de outra ação do Ministério Público, que retirou do ar vídeos de sua autoria que difundiam a falsa informação de que a pandemia da Covid-19 não existia.

AGU entrega exames de Bolsonaro para Lewandowski


Na calada da noite, do dia 12, mais especificamente por volta das 22h,  a AGU (Advocacia-Geral da União) entregou ao ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), o resultado dos exames de Covid-19 realizados pelo presidente Jair Bolsonaro para detectar o novo coronavírus.

Em nota, a AGU informou que “os laudos confirmam que o presidente testou negativo para a doença”. Já o gabinete de Lewandowski afirmou que o documento foi lacrado e que será encaminhado na manhã de hoje, 13, para o ministro, que decidirá sobre a sua divulgação.

A polêmica em torno dos exames realizados por Bolsonaro começou logo após ele voltar de uma viagem aos Estados Unidos, durante a qual mais de 20 integrantes da sua equipe foram diagnosticados com a Covid-19. Entre os infectados estavam o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e o secretário especial de Comunicação, Fábio Wajngarten. Segundo a Presidência, Bolsonaro foi submetido a dois exames, ambos em março e com resultado negativo. Apesar das cobranças, ele se recusa a mostrar os resultados publicamente.

O presidente chegou a dizer que se sentiria violentado se fosse obrigado a apresentar o resultado, mas disse que cumpriria uma decisão judicial.

Chega ao fim o período de sinal aberto dos canais por assinatura


Essa informação é da Coluna do Ricardo Feltrin. A partir de hoje, 13/05, os assinantes que possuem pacote básico da TV por assinatura deixarão de ter acesso a boa parte dos canais que estavam liberados para todos desde o início da quarentena social causada pela pandemia de coronavírus.

Vale destacar que, os sinais da maioria dos canais de filmes, séries e esportes já está fechado. Esse conteúdo volta a ser acessível apenas aos respectivos pacotes de seus assinantes. Para compensar, as operadoras decidiram manter liberados os sinais de todos os canais de notícias e os infantis até o próximo dia 31.

Então seguem liberados por mais 18 dias: GloboNews, CNN Brasil, Bandnews, Bloomberg, RecordNews e CNN Internacional. O mesmo vale para Discovery Kids, Cartoon Network, Gloob, NatGeo Kids, Disney, Disney Jr., Disney XD, Nickelodeon. Nick Jr., Tooncast, ZooMoo, TV Rá Tim Bum, Boomerang e Baby TV. Canais premium como HBO e Telecine já haviam Canais premium como HBO e Telecine já haviam deixado o “pool” de livre acesso no início do mês passado.