Voce conhece a Encantada?


Alberto Santos Dumont, gênio, inventor do 14 Bis, reconhecido por nós como o “Pai” da aviação dispensa apresentações. Mas, o que muita gente ainda não conhece é a sua casa, que se tornou museu, sendo mais conhecida como “A Encantada”. O imóvel foi construído entre 1918 e 1932 e ainda chama a atenção, não apenas por ser residência de verão desse fabuloso inventor, mas por ser moderno e bem projetado. Uma curiosidade: “A Encantada” esta localizada à Rua do Encanto – Centro – Petrópolis (RJ).

A construção revolucionou alguns conceitos, aproveitando muito bem os espaços do local, que a princípio é elevado e acidentado. Em completa harmonia com a natureza, a casa de Santos Dumont possui escadas com degraus que lembram raquetes de ping pong (que obrigam o visitante a entrar com o pé direito), além de um chuveiro aquecido a álcool. E só citei alguns detalhes que chamam logo a atenção.

Lá além de objetos pessoais do gênio, voce encontra livros, cartas, mobiliários. Enfim, tudo para fazer uma viagem rápida no tempo. Anexo à Casa esta o Centro Cultural 14 bis, onde é possível assistir a um curta metragem sobre Sobre Santos Dumont. O local vale uma visita com certeza.

Maiores informações podem ser obtidas através do telefone (24)2247-5222 (segunda à sexta-feira de 10h às 16h). Fotos: divulgação.

 

Daniel


Ele é um dos artistas mais queridos do cenário nacional. José Daniel Camillo, ou simplesmente Daniel, possui um lista considerável de sucessos, como por exemplo a canção “Eu Adoro Amar Voce”. Ele também se aventurou pelas artes cênicas com participações na novela ‘Paraíso’, da Rede Globo, e no filme ‘O Menino da Porteira’, “do qual fui protagonista”, acrescenta, com simplicidade. Daniel falou ao blog Carvalho News sobre família, carreira, projetos, bem como do DVD ‘Daniel in concert em Brotas”. Boa leitura!

daniel-0079

Blog Carvalho News – Seu trabalho mais recente é o “Daniel in concert em Brotas”. Quanto tempo foi necessário para produzi-lo?

Daniel – Foi muito rápido entre a concepção do show e a realização dele, cerca de dois meses, e na verdade nem seria um DVD, seria um show apenas, mas depois decidimos registrar.

CN – Você decidiu restaurar o Cine São José, um cinema da década de 1950, no centro de Brotas que permaneceu 20 anos fechado. Hoje é o único cinema em funcionamento em Brotas. O que o levou a tomar essa iniciativa?

Daniel – Este lugar sempre teve algo de especial para mim, pois ali me apresentei pelas primeiras vezes em festivais, e também era onde funcionava a rádio Brotense, onde eu tinha um programa junto com meu pai, ainda na infância. Além de ter um histórico emocional com esse prédio, eu queria devolver o cinema à cidade e também ter um espaço cultural onde pudessem acontecer apresentações, shows, peças de teatro, e graças a Deus consegui realizar esse sonho. O primeiro filme exibido após a restauração foi “O Menino da Porteira”, do qual participei como protagonista.

 CN – No “Daniel in concert em Brotas” você canta de Guilherme Arantes a Raul Seixas, sem abandonar seus próprios sucessos. Encontrou alguma dificuldade no momento da escolha do repertório?

Daniel – Neste projeto eu queria cantar músicas que sempre cantei mas que nunca havia gravado, canções que fazem parte da minha memória afetiva, e quando comecei a listar, cheguei em 60. Impossível um show e um projeto com tantas músicas, então fomos cortando até chegar em 29 canções.

CN – São mais de 30 anos de carreira. Você se considera um cantor amadurecido artisticamente?

Daniel – Acredito que com o passar dos anos é impossível a gente não amadurecer, adquirir experiências que nos fazem saber aquilo que gostamos ou não, descobrir nosso próprio estilo, enfim, eu acredito que sim mas isso não significa que esteja fechado para novos desafios, pelo contrário, tenho vontade de fazer muitas coisas, de me reinventar sempre, não podemos parar no tempo.

CN – Quais os artistas que influenciaram a sua arte?

Daniel – São muitos, porque eu sempre ouvi de tudo. Este mais recente DVD mostra um pouco isso, sou eclético, ouvia Tião Carreiro e Pardinho, Liu e Léo, Milionário e José Rico, e também Jerry Adriani, Jessé, Raul Seixas e tantos outros. A influência na minha música vem de todos os lados.

CN – Você conquistou um Grammy Latino com a trilha sonora do filme, O Menino da Porteira.Também já foi agraciado com outros prêmios. De que forma esse reconhecimento impactou sua vida?

Daniel – Sou muito grato por esse reconhecimento, não só os prêmios mas o carinho do público principalmente, você fazer um show e as pessoas cantarem suas músicas, isso nos faz ver a responsabilidade que temos em nossa carreira.

CN – Como é o seu dia a dia?

Daniel – Muito normal, agora tenho as minhas tarefas de pai também, tão prazerosas, e quando não estou viajando para compromissos, procuro participar de tudo na vida delas.

 CN – O que o Daniel costuma ouvir, quando está em períodos de folga?

Daniel – De tudo, ouço muita coisa, de moda de viola a música internacional, novas duplas, gosto de ouvir o que está tocando no rádio também.

CN – Lara e Luiza são suas filhas. Planeja ser pai mais uma vez? O que a família representa para você?

Daniel – minhas jóias raras, agradeço a Deus por essa oportunidade de ser pai, e por enquanto não pensamos em aumentar a família. Família é tudo para mim, minha base, meus pais sempre nos mostraram isso, que não há nada mais importante do que a família.

CN – Quais as parcerias musicais que gostaria de firmar?

Daniel – Ah eu sou aberto a parcerias, nunca me fechei para isso, mas a parceria que eu mais gosto e que me faz muito completo, é com meu pai. Cantar com o pai é um privilégio que tenho e enquanto puder, vou levá-lo comigo para termos esses momentos juntos nos palcos.

CN  – Quais seus projetos?

Daniel – Apesar de o DVD In Concert em Brotas ser recente, já estou em produção de um novo álbum, desta  vez com músicas inéditas. Este projeto deve sair no segundo semestre e estou bem contente com esse início de gravações.

Bancários anunciam greve a partir do dia 6


Sindicatos de bancários de várias regiões do país decidiram nesta quinta-feira, em assembleias separadas, deflagrar uma greve por tempo indeterminado a partir do dia 6, disse a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Segundo o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, uma das entidades que aprovaram a greve, a categoria entregou pauta com reivindicações em 9 de agosto e, após cinco rodadas de negociação com a federação dos bancos, não houve acordo para alguns itens prioritários, como a manutenção do emprego e o índice de reajuste salarial.

Os bancários reivindicam reajuste de 14,78 por cento (o que inclui aumento real de 5 por cento) e os bancos propõem 6,5 por cento, além de abono de 3 mil reais.

Representante da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) não foi encontrado imediatamente pela Reuters para comentar.

(Por Aluisio Alves)

1DiaGreve_Cred_JacksonZanini062_resize-800x417@2x

Espécie rara de baleia é reencontrada


Uma orca albina, espécie considerada rara por cientistas, foi encontrada, nesta semana, nadando perto das Ilhas Curilas, que formam um arquipélago vulcânico no extremo oriental da Rússia, após quatro anos sem ser vista. O mamífero marinho, batizado de Iceberg, foi fotografado pelo pesquisador americano Erich Hoyt, que faz um trabalho com animais da espécie. As informações são do jornal “Daily Mail”.

baleia albina

De acordo com especialistas, apenas uma em cada 10 mil orcas são completamente brancas – neste caso, albinas. Por isso, cientistas sempre quiseram acompanhar o crescimento de Icerberg, um macho visto pela primeira vez quando tinha 16 anos, em 2010. Em 2012, o animal desapareceu e pesquisadores temiam que ele pudesse ter morrido. Por isso, ficaram felizes com o reencontro.

Segundo Hoyt, os cientistas pretendem agora ficar de olho no animal e saber como ele tem sobrevivido todo esse tempo. “Queremos descobrir mais sobe Iceberg. Queremos saber como ele conseguiu sobreviver como uma orca albina”, disse Hoyt.

Saeb é suspenso pelo MEC


O pente-fino que o ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciou que faria nas portarias e resoluções da gestão anterior – a do PT – chegou ao programa que avalia a educação básica em todas as escolas do País, públicas ou privadas. A portaria que ampliava o sistema e instituía a participação da sociedade civil nas avaliações foi suspensa, motivando nota de repúdio da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, que reúne organizações e associações ligadas ao tema.

A justificativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável por aplicar exames de avaliação como o Enem e a Prova Brasil, toma por base a lógica de que “não se mexe em time que está ganhando”. “Para que criar outro sistema se já temos um extremamente consolidado?”, questiona a professora Maria Inês Fini, presidente do instituto.

A portaria previa que o Sistema de Avaliação de Educação Básica (Saeb) fosse rebatizado de Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Sinaeb), mas as mudanças não estavam restritas ao nome. Segundo o texto, na hora de radiografar a escola o Sinaeb levaria em conta não só o desempenho dos alunos em Português e Matemática.

Também seriam analisados a formação do professor na área em que leciona (no ensino médio, 74% dos docentes vivem esse descompasso), os indicadores socioeconômicos do entorno do colégio e a evolução dos estudantes durante a vida escolar. “Transformaríamos a fotografia em um filme”, compara o ex-ministro de Dilma, Aloizio Mercadante, lamentando a extinção da portaria. A criação do Sinaeb está prevista na lei que institui o Plano Nacional de Educação (PNE).

Saeb

Maria Inês Fini nega que a revogação tenha a ver com contingenciamento na pasta. “Não há por que ampliar, não tem nenhum requisito de avaliação que esteja faltando no atual sistema”, prossegue a presidente. Sobre a participação da sociedade civil em reuniões ordinárias para aconselhar, acompanhar e supervisionar o Sinaeb – algo que a portaria anulada também menciona – ela também considera que não há necessidade. “Nosso sistema já é reconhecido internacionalmente e o Inep dá conta de fazer a gestão.”

Extinção. Na carta da Campanha Nacional, as organizações dizem que a revogação “reforça” a tese de que o novo governo quer “extinguir as ações e programas, em vez de analisá-los e fortalecê-los”.

A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE) são algumas das entidades que assinam o documento.

Extensão de navegador altera termo ‘Michel Temer’ para ‘Temer Golpista’


Uma extensão criada para o navegador Google Chrome altera todas as menções ao presidente da República Michel Temer para “Temer golpista”. Após instalar o plugin, os termos são alterados todas as vezes que aparecem. Em buscas, no wikipedia, em notícias e até mesmo nos textos do site da Presidência da República.

A extensão foi criada na última segunda-feira, dois dias antes do Senado definir o destino da então presidente afastada, Dilma Rousseff. O plugin já foi comentado por mais de 750 pessoas. “Deixe seu navegador dizer a verdade com esse plugin que troca ‘Michel Temer’ por ‘Temer Golpista'”, diz a descrição da aplicação.

golpista

Reforma prevê idade mínima de 65 anos para aposentadoria


E as surpresas desagradáveis continuam surgindo. A proposta de reforma da Previdência que está na mesa do presidente Michel Temer propõe estipular a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres no Brasil tanto para trabalhadores da iniciativa privada quanto para servidores públicos. No entanto, a transição para essa regra deve ser mais gradual para mulheres e professores.

De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ponto de corte para se inserir na nova regra será 50 anos. Ou seja, os trabalhadores abaixo dessa idade terão que obedecer às novas exigências. Para a faixa etária de 50 anos ou mais o enquadramento será obrigatório em uma regra de transição de 40% ou 50% a mais no tempo que falta para a aposentadoria integral

reforma-da-previdencia-sem-segredos-reinhold-l3-14385-MLB4377868217_052013-F

“Para preservar, temos que reformar a Previdência. Se não fizermos nada, a Previdência acaba”, disse Padilha ao Estado. Pelas contas oficiais, o rombo da Previdência – que fechou em R$ 86 bilhões em 2015 – deve alcançar R$ 180 bilhões em 2017 e, em breve, não caberá no Orçamento Geral da União.

Os detalhes do texto da reforma só serão divulgados depois da volta de Temer da China. O projeto seguirá para o Congresso com ou sem consenso com as centrais sindicais. O governo só conseguirá aprovar as mudanças, no entanto, se tiver apoio de três quintos da Câmara e do Senado, em duas votações.

Padilha disse que o governo ainda negocia “com afinco” o endurecimento das regras na aposentadoria com as centrais sindicais e as confederações dos empregadores. “São partes indispensáveis neste processo”, afirmou. “Mas o cidadão deverá orientar o posicionamento de seus representantes”, completou.

Atualmente, no Brasil, é possível se aposentar por idade ou por tempo de contribuição. A regra em vigor diz que é possível se aposentar com 65/60 anos (homens/mulheres) se o trabalhador tiver 15 anos de contribuição. Na aposentadoria por tempo de contribuição, não há fixação de idade mínima, o que é uma raridade no mundo. A regra diz que é preciso ter 35/30 anos de contribuição. As idades médias de aposentadoria, neste caso, são de 55/52 anos.

A transição da regra atual para a nova é estimada em 15 anos para os homens. Mulheres e professores terão um tratamento diferenciado nessa transição porque o ponto de corte será de 45 anos e não o limite de 50 anos fixado para os homens. Isso significa que, na prática, para esses dois segmentos a aposentadoria poderá chegar mais cedo durante a fase de transição.

“Quem realmente tem que ter interesse na reforma da Previdência? O cidadão brasileiro. Ele é quem tem mais interesse. Quer ter a garantia de que vai ter direito à aposentadoria e vai receber o valor correspondente”, disse Padilha.

A proposta também deve estipular um piso para as aposentadorias por invalidez, que vão deixar de ter benefício integral. O governo também pretende impedir o acúmulo no recebimento de aposentadoria e de pensão por morte. Temer orientou que trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos devem seguir as mesmas regras, embora com institutos separados.

Casal é pego fazendo sexo oral em público


Se a moda pega. Um casal foi flagrado fazendo sexo oral no bar de uma boate em Vladivostok, na Rússia. Desprovidos de qualquer constrangimento, os dois não se importavam com as pessoas ao redor. A mulher estava sentada em um banco e o homem agachado. A imagem viralizou na web.

Um segurança da boate viu a cena e resolveu intervir, segundo o jornal “Metro”. “Eles estavam se aquecendo, mas o segurança acabou com o show”, contou uma testemunha.

casal animado

Consene tem novo presidente


O secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Teles Barbosa, foi eleito na última quinta-feira (1º), por unanimidade, o novo presidente do Conselho de Segurança Pública do Nordeste (Consene). A votação ocorreu durante encontro do colegiado realizado em Fortaleza e contou com a participação de secretários e chefes de inteligência dos estados da região.

Criado em 1996, o Consene tem como objetivo integrar o planejamento das ações de segurança. “Fico feliz em ser escolhido para ser o porta-voz da Segurança Pública no Nordeste. Tenho certeza de que o fortalecimento do colegiado será importante para que consigamos mais investimentos na área”, afirmou Barbosa, acrescentando que a padronização na contagem de homicídios será um ponto importante a ser conquistado.

“A metodologia utilizada pelos estados nordestinos é mais criteriosa e diferente das empregadas por outras federações. Diante disso, somos rotineiramente listados em pesquisas entre os locais mais perigosos do país, mesmo sabendo que isto é por conta de procedimentos distintos”, ressaltou, observando ainda que mudanças no Código Penal serão pleiteadas junto ao Poder Legislativo, com intuito de reduzir a impunidade.

1
Maurício Barbosa, presidente do Consene Foto: Alberto Maraux

Há cinco anos a frente da pasta na Bahia, Barbosa tem como principais filosofias a integração das forças federais, estaduais e municipais no combate à violência, o investimento na inteligência policial, a ampliação do uso de novas ferramentas tecnológicas, dentre outras ações. Na última semana de outubro deste ano, os integrantes do Consene farão uma nova reunião, dessa vez em Salvador, onde assinarão um documento com os pleitos dos nove estados.

As reivindicações serão encaminhadas ao Ministério da Justiça e ao Secretário Nacional de Segurança Pública. Entre elas está a reserva de recursos federais específicos para a área, além da maior participação do Governo Federal nas ações de combate ao narcotráfico e ao crime organizado.

Estudo comprova que apenas 24% das cidades brasileiras são eficientes


Ferramenta inédita lançada para comprovar quais prefeituras entregam mais serviços básicos à população usando menor volume de recursos financeiros. O Ranking de Eficiência de Municípios (REM) foi produzido em conjunto pelo Instituto Datafolha e o Jornal Folha de São Paulo.  O estudo leva em conta indicadores de saúde, educação e saneamento para calcular a eficiência da gestão e apresenta dados de 5.281 municípios, ou 95% do total de 5.569.

Numa escala de 0 a 1, só 24% das cidades ultrapassam 0,50 e, por isso, podem ser consideradas eficientes. Pesquisa nacional do Datafolha mostra que só 26% dos brasileiros aprovam a gestão de suas prefeituras.statistics

No topo do ranking está Cachoeira da Prata (MG), com 3.727 habitantes e heranças deixadas pelo passado industrial forte. Na rabeira estão cidades do Norte, Centro-Oeste e o Rio Grande do Sul.

O levantamento revela que nos 5% menos eficientes, com índice de até 0,30, o funcionalismo cresceu 67% entre 2004 e 2014, em média. A população aumentou 12% no período.

Em crise, os municípios espelham também alguns dos principais desafios do país, como o crescimento do gasto público, a dependência de verbas federais, a perda da dinâmica da indústria e a ascensão do agronegócio.