Mato Grosso do Sul amplia para 20% cota para negros em concursos públicos


Sancionada pelo governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), a lei que amplia de 10% para 20% o percentual de vagas reservadas para candidatos negros nos concursos públicos estaduais entrou em vigor ontem (28), com sua publicação no Diário Oficial do estado.

A Lei 4.900/16 altera a legislação que estava em vigor desde dezembro de 2008. Até ontem (27), segundo a Lei nº 3.594/08, o Poder Executivo estadual devia reservar aos candidatos negros 10% das vagas oferecidas em todos os concursos estaduais como forma de “promover a igualdade de oportunidades no mercado de trabalho”. Além da cota para negros, 3% das vagas ofertadas no estado são reservadas a candidatos indígenas.

A nova redação ajusta a lei estadual à legislação federal (Lei 12.990/2014), que estabelece a reserva de 20% das vagas dos concursos públicos federais para candidatos negros ou pardos, mas não cita o termo “pardo”.

A nova lei sul mato-grossense vale para concursos da Administração Direta e Indireta.

african college boy

Autodeclaração

A previsão de número de vagas reservadas deverá constar dos editais dos certames. É considerado negro ou índio todo o candidato que assim se declarar, mas, caso seja constatada a falsidade na autodeclaração, o infrator poderá ser punido com a demissão, caso já tenha sido nomeado, ou com a anulação da inscrição, caso ainda esteja aguardando a nomeação. Se não ficar comprovada a má-fé, o candidato será eliminado apenas da lista de cotistas, passando a concorrer com os outros inscritos.

Segundo o último Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Mato Grosso do Sul tinha, em 2010, 2.449.024 habitantes. Desses, 1.200.083, cerca de 49% do total, se reconheciam como pretos ou pardos. Já os autodeclarados índios eram 73.295, ou 3% da população do estado – e 9% da população indígena de todo o país.

MEC cria comitê para discutir base curricular comum do ensino médio


O Ministério da Educação instituiu um comitê gestor da Base Nacional Comum Curricular e Reforma do Ensino Médio para acompanhar o processo de discussão da segunda versão preliminar do programa de conteúdos e saberes que servirão de base para os currículos das escolas de ensino médio públicas e privadas do país. A proposta final do documento será encaminhada ao Conselho Nacional de Educação. A portaria de criação do grupo foi publicada hoje (28) no Diário Oficial da União.

Até agosto, o comitê vai participar dos debates sobre o currículo base nos estados e no Distrito Federal. O grupo também vai convidar especialistas sobre temas específicos e sugerir alternativas para a reforma do ensino médio, propondo definições, orientações e diretrizes para a elaboração e implementação do programa.

O grupo também vai indicar especialistas para redigir o documento final e estabelecer orientações para a implantação gradativa das diretrizes pelas redes de ensino públicas e particulares. O texto seguirá para o Conselho Nacional de Educação e, depois, voltará ao MEC para ser homologado.

A secretária executiva do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro, vai presidir o comitê. O secretário de Educação Básica, Rossieli Soares, atuará como secretário executivo. Também compõem o colegiado os titulares das Secretarias do MEC; Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi); de Educação Profissional e Tecnológica (Setec); de Educação Superior (Sesu); de Articulação dos Sistemas de Ensino (Sase), e pelo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

livros-sobre-empreendedorismo-1024x640

Base Nacional Comum Curricular

A Base Nacional Comum Curricular está prevista no Plano Nacional de Educação e definirá o conjunto de conhecimentos e habilidades que os alunos devem adquirir e desenvolver em cada etapa de ensino e em cada ano de escolaridade. O documento vai orientar sistemas e redes de ensino a desenvolverem os próprios currículos.

A intenção é que os conteúdos definidos na base ocupem cerca de 60% da carga horária dos estudantes da educação básica. No restante do tempo, as redes de ensino poderão definir o que ofertar – desde conteúdos regionais e atividades extras à formação técnica, por exemplo.

A previsão inicial era de que o documento fosse aprovado em junho deste ano. Em audiência na Câmara dos Deputados, o ministro da Educação, Mendonça Filho, afirmou que as discussões sobre a Base Nacional Comum Curricular não estão paradas e que o prazo foi estendido a pedido do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o que postergou o cronograma.

Ensino Médio

Segundo o Ministério da Educação, a portaria também  prevê, para o ensino médio, a proposta de uma nova formatação, que terá como diretriz a diversificação da oferta a fim de possibilitar aos jovens diferentes percursos acadêmicos e profissionalizantes de formação.

Justiça bloqueia R$ 38 milhões do Facebook por não repassar dados do Whatsapp


A Justiça Federal do Amazonas determinou o bloqueio de R$ 38 milhões da empresa Facebook do Brasil por descumprir decisão judicial que a obrigava a fornecer dados de cadastros e quebrar o sigilo de mensagens trocadas pelo aplicativo WhatsApp para fins de investigação. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o valor corresponde à soma das multas individuais de R$ 1 milhão estipuladas para cada dia de descumprimento da decisão judicial.
Em nota enviada à imprensa, o MPF afirma que a proteção absoluta à intimidade dos usuários do WhatsApp faz com que o Facebook crie “um ambiente propício para a comunicação entre criminosos, favorecendo aqueles que cometem crimes graves, como terrorismo, sequestro, tráfico de drogas etc”.

3d illustration of a series of transparent blue signal waves radiating away from a metallic Facebook logo over a reflective blue surface
O órgão afirma que o Facebook do Brasil, na condição de administrador e representante no país da rede social de mesmo nome e do aplicativo WhatsApp, “vem demonstrando enorme desprezo pelas Instituições brasileiras, principalmente a Justiça, o Ministério Público e a Polícia ao não atender a ordens judiciais que determinam o fornecimento de informações”.
O procurador da República Alexandre Jabur afirma que a medida é um importante instrumento para buscar a devida aplicação das leis brasileiras em casos envolvendo pedido de acesso a dados sob a guarda de empresas estrangeiras antes de recorrer diretamente ao bloqueio do próprio serviço como medida inicial.

Itabuna: projeto incentiva a leitura na praça


Projeto da TV Santa Cruz UESC e FICC incentiva a leitura na praça - Foto Wilson Oliveira 1
Projeto da TV Santa Cruz UESC e FICC incentiva a leitura na praça – Fotos: Wilson Oliveira

Um projeto da TV Santa Cruz em parceria com a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Faculdade de Ilhéus e de empresas, com o apoio da Prefeitura, através da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC), exibiu fotografias históricas de Itabuna, que comemora nesta quinta-feira, dia 28, 106 anos de emancipação político-administrativa, ao mesmo tempo em que incentiva crianças e adolescentes à leitura. É mais uma edição do Projeto Lápis na Mão, que ofereceu livros na Praça Octávio Mangabeira (Camacan), no centro da cidade.

Através do projeto, a emissora busca incentivar a leitura e contribuir para o desenvolvimento da educação e cidadania nas regiões Sul e Extremo Sul da Bahia. As ações envolvem também música, contação de histórias e recitação de poesia, promovendo a reflexão sobre a importância da leitura e suas influências na sociedade regional. O projeto Lápis na Mão é composto de atividades como Concurso de Desenho e Redação, Desafio Mãos da Esperança e Concurso Escola Cidadã.

A professora da UESC e coordenadora do evento na praça, Glória de Fátima Lima, explica que foi um momento importante de incentivo à cultura e a leitura. “Isso é uma forma de demonstrar que a leitura é direito de todos e nada mais justo do que promover essa atividade como presente para Itabuna nesse período de festejos”, disse. Glória acrescenta ainda que a exposição foi um espaço de aproximação coma a leitura e com o livro em um momento bastante descontraído e que promoveu conhecimento sobre a história da cidade através de fotografias.

Itabuna: prefeitura apoia cooperativa de catadores de reciclagem


A Cooperativa Popular dos Trabalhadores de Reciclagem (Cooprotec), contando com o apoio da Prefeitura de Itabuna, vai inaugurar às 8 horas desta sexta-feira, dia 29, o Galpão de Triagem na Rua Independência, 220, no Loteamento Monte Líbano, no São Roque, pela programação das comemorações do 106º aniversário da cidade, que transcorre amanhã 28 de julho. Mais de 50 recicladores de plástico, papel, metal e vidro serão atendidos pelo projeto a partir da entrada em operação do galpão, que atualmente já beneficia dez catadores de reciclagem.

Além do Galpão, a Prefeitura, através da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (Seagrima), entregará aos cooperados dez bicicletas adaptadas para coleta seletiva, fardamento completo, com equipamentos de proteção individual (PI), composto de botas e luvas para igual número de catadores e 100 coletores de material reciclável, que serão distribuídos em pontos estratégicos da cidade. A solenidade contará com a presença do prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, do secretário Sandro José Lopes e de outras autoridades.

PREFEITURA DE ITABUNA APOIA COOPERATIVA DE CATADORES DE RECICLAGEM

 

O projeto da Coopotrrec também conta com o apoio de instituições de ensino superior como a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), que fez a doação da prensa, que será utilizado no dia a dia pelos catadores, da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), que participa através do Projeto Eco Time, e a Unime, que se integra com o projeto Sustenta Cidade. O projeto vem sendo desenvolvido há três anos em Itabuna.

“A participação da Prefeitura foi essencial para implantação da Cooprotec, pois conseguimos apoios essenciais para o desenvolvimento técnico e educacional. As universidades são essenciais para o crescimento e consolidação dos projetos que terão todo o suporte técnico e cientifico necessário. Com certeza em um futuro muito próximo colheremos bons frutos, pois não basta recolher o material reciclável das ruas, mas precisamos educar as pessoas a fazerem a separação para a coleta seletiva e buscar disseminadores dessa ideia necessária e ambientalmente justa”, explicou o presidente da Cooprotec, Cassius Patrick Oliveira Santos.

SERVIÇO

Cooperativa Popular dos Trabalhadores de Reciclagem – Coopotrec

Rua Independência, 220, no Loteamento Monte Líbano, no São Roque.

(73) 3613-6171

Ministério anuncia compra de 35 mil kits de tratamentos contra hepatite C


O Ministério da Saúde celebrou ontem (29) o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais anunciando que já fechou contrato para a compra, até o fim de 2016, de mais de 35 mil kits de tratamentos com os novos medicamentos para a hepatite C. Desde que o tratamento foi incorporado ao Sistema Único de Saúde (SUS), em outubro do ano passado, 23.599 foram comprados e mais de 22,8 mil pessoas atendidas.

Segundo o ministério, outros 6.925 tratamentos já foram aprovados e serão encaminhados aos pacientes na próxima semana. O custo desses novos tratamento até o momento é de R$ 1,028 bilhão. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, não revelou o valor do novo contrato, mas disse que a negociação foi bem sucedida.

“É um tratamento altamente eficaz. Temos estoque suficiente para atender a demanda e estamos fazendo o acompanhamento dos casos para que aquelas pessoas que se enquadram no protocolo possam iniciar ou continuar o tratamento”, afirmou.

tamanho-grande-viagem-kit-de-primeiros-socorros

Músico

O novo tratamento para hepatite C, com os medicamentos simeprevir, sofosbuvir e daclastavir, tem taxa de cura de 95%, com efeitos colaterais mais leves. As medicações, entretanto, não estão disponíveis a todos os pacientes, mas beneficiam àqueles que não podiam receber tratamentos oferecidos anteriormente, como portadores de HIV, cirrose descompensada e pré e pós-transplantados.

O músico Gilson Peranzzetta, 70 anos, conviveu com a hepatite C por 50 anos. Adquiriu a doença aos 19 anos, quando passou por uma cirurgia e precisou de transfusão de sangue. Ele foi atendido com o novo tratamento e agora está curado.

“A minha música mudou de som, minha vida mudou de som. Faço as coisas com mais alegria e sem essa espada na cabeça. Tenho uma gratidão enorme por esses profissionais [do SUS] que trabalham com tanto carinho”, acrescentou Peranzzetta.

Os resultados foram apresentados durante a reunião da Comissão Intergestores Tripartite, em Brasília, quando o ministério também lançou a campanha deste ano com foco no diagnóstico da hepatite C. O objetivo é incentivar pessoas acima de 40 anos a fazerem o teste da hepatite, já que é a faixa etária com maior taxa de detecção da doença.

A hepatite C tem cura, mas os sintomas só aparecem em fases avançadas da doença.

Hepatites virais

No Brasil, 514.678 mil pessoas têm hepatites virais: 31,4% tem hepatite A, 38,2%, hepatite B, 29,7%, hepatite C e 07% das pessoas têm hepatite D.

Entretanto, só para a hepatite C, a estimativa é que de 1,4 milhão a 1,7 milhão de pessoas sejam portadoras da doença, que é uma importante causa de cirrose e câncer de fígado. De 2000 a 2014, mais de 56 mil pessoas morreram em decorrência de hepatites virais, 75,2% das mortes associadas à hepatite C.

Gato de Louça


Para os roqueiros de plantão, eles dispensam apresentações. A Banda Gato de Louça possui sim “várias vidas” e mantém ao longo dos seus 30 anos de estrada, energia de iniciantes, para realizar shows alucinantes e produzir músicas de qualidade através das décadas. Então sem mais rodeios a Banda Gato de Louça!

banda gato de louça

Blog Carvalho News – Por que o nome Gato de Louça?
Antônio Albuquerque – Nome gato de louça foi criado para gerar um contraste entre a fragilidade da louça e o peso do som da banda.

CN – Como a banda é composta atualmente?

Albuquerque – Vocal, André Lar Belle; Douglas Freires – guitarra (MIDI); Léo Barcellos – baixo; Marquinho Azevedo – bateria; e eu, Antônio Albuquerque na guitarra.

CN -Nos dias de hoje, uma banda de Hard Rock consegue ter êxito em nosso país?
Léo Barcellos – Achamos que as condições não são favoráveis para o hard rock porque a mídia não divulga esse estilo de música, dando preferência a um gênero mais simples de ser assimilado pelo público, assim como o pagode,o sertanejo universitário e o funk.

CN – Como surgiu a banda?

Albuquerque – A Gato de Louça surgiu em meados dos anos 80,na UFRJ, fazendo um som instrumental pesado e bem progressivo. Com o tempo, a banda sentiu a necessidade de um vocalista… Temos mais de 30 anos de estrada.

CN – Como voces avaliam o nosso atual cenário musical?

Barcellos – Atualmente, com a criação dos coletivos de rock, temos uma abertura maior para apresentação das bandas autorais, porém, as rádios “rocks” ainda não têm espaço para divulgar esse tipo de trabalho. Por esse motivo, não existe a renovação de bandas na mídia.

CN – Led Zeppelin, Deep Purple são algumas das bandas internacionais que influenciam a sua arte. No Brasil, quais as que mais chamam atenção de voces?

Albuquerque – Mutantes, Angra e Sá, Rodrix & Guarabira.

CN – O que os membros da Gato de Louça  costumam ouvir e apreciar?

Barcellos – Parte da banda ouve progressivo e outra parte, heavy metal.

CN – Sobre o repertório. Como é feito esse processo de composição e escolha das melodias? Além do Antônio quem mais compõe?

Barcellos -O Toninho é quem compõe as músicas da banda. O processo de composição e escolha de melodia é feito de forma intuitiva, onde o resultado aparece naturalmente.

CN – Como andam os preparativos para o novo cd de vocês?

Albuquerque – Para o novo cd, já possuímos várias composições instrumentais e cantadas. Executamos as músicas nos shows para sentir a aceitação do público. Estamos em processo de gravação independente, precisando no momento de patrocínio. O novo trabalho da banda já conta com a presença do novo vocalista André Lar Belle.

CN – No  imaginário popular, todo roqueiro é revolucionário e politizado. Isso é verdade?

Barcellos – Achamos que hoje em dia, a maioria das pessoas sejam roqueiros ou não, são politizadas e não revolucionárias.

CN – Quais os projetos da banda?

Albuquerque – Possuímos alguns projetos a serem alcançados, como: ingressar no circuito de eventos motociclísticos, conseguir espaço para levar nosso show a outros estados e divulgação do nosso trabalho no Brasil e no exterior.

CN – Vocês possuem fãs extremamente fieis. Qual a mensagem que gostaria de deixar para eles?

Barcellos – Queremos agradecer a todos os fãs da banda que nos acompanham nas redes sociais, YouTube e nos shows. Também não podemos deixar de agradecer as mais de 11 mil visualizações do vídeo instrumental da música ” a cruz e a espada”, de autoria própria. Queremos convidar a todos para o nosso próximo show que será realizado no dia 03 de setembro, no aniversário do Nephillins de Aço Moto Clube em Pilares – RJ.

Saiba mais:

Banda Gato de Louça no You Tube

https://www.facebook.com/GatoDeLouca/

O valor de um professor


O valor de um professor

Professora Fernanda Belarmino

O professor é considerado pela sociedade, em muitos casos, como alguém que não conseguiu fazer outra coisa. Esquecem que o mesmo, para exercer tal função, graduou-se em uma área específica e, portanto, possui capacidade para lecionar. A relação entre professor e aluno se encontra comprometida em razão de vários fatores, dentre eles a perda do respeito pelo professor, pois é notável a desvalorização por parte da sociedade e dos alunos. 

Em muitos casos, os próprios alunos não acham importante o trabalho do professor: corrigir centenas ou até milhares de provas, trabalhos  bimestrais e anuais, elaborar diversos planos de aulas, projetos, participar de frequentes reuniões, manter-se  atualizado tanto com o conteúdo quanto  às novas tecnologias e as novas formas de ensinar, tudo faz parte das tarefas da profissão de professor.

Além disso, o professor ainda precisa trabalhar como psicólogo para tratar das diferentes personalidades de seus alunos e de conflitos que influenciam no aprendizado; lidar com crianças,  adolescentes e jovens sem nenhuma ou pouca educação,sem modos , sem limites pois, muitos pais transferem a incumbência de ensinar boas maneiras para a escola. Com isso o professor enfrenta o desafio de ensinar, em muitos casos,  quem não quer ou não se interessa em aprender.

Mesmo com tantas responsabilidades e afazeres o professor não é devidamente  valorizado. Seu trabalho de formador não é reconhecido. O declínio da profissão se deve pelos baixos salários praticados pela maioria das secretarias municipais e estaduais, além das particulares; aliada ao desprovimento de meios de trabalho e  da devida valorização por parte do governo e da sociedade. 
Professor está sempre errado

(Jô Soares)

O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!

Se É jovem, não tem experiência.

Se É velho, está superado.

Se Não tem automóvel, é um pobre coitado.

Se Tem automóvel, chora de “barriga cheia’.

 Se Fala em voz alta, vive gritando.

Se Fala em tom normal, ninguém escuta.

Se Não falta ao colégio, é um ‘caxias’.

Se Precisa faltar, é um ‘turista’.

 Se Conversa com os outros professores, está ‘malhando’ os alunos.

Se Não conversa, é um desligado.

Se Dá muita matéria, não tem dó do aluno.

Se Dá pouca matéria, não prepara os alunos.

Se Brinca com a turma, é metido a engraçado.

Se Não brinca com a turma, é um chato.

Se Chama a atenção, é um grosso.

Se Não chama a atenção, não sabe se impor.

 Se A prova é longa, não dá tempo.

Se A prova é curta, tira as chances do aluno.

Se Escreve muito, não explica.

Se Explica muito, o caderno não tem nada.

 Se Fala corretamente, ninguém entende.

Se Fala a ‘língua’ do aluno, não tem vocabulário.

Se Exige, é rude.

Se Elogia, é debochado.

 Se O aluno é reprovado, é perseguição.

Se O aluno é aprovado, deu ‘mole’.

É …….. o professor está sempre errado, mas se conseguiu ler até aqui,

agradeça a ele!

 IMG-20160726-WA0009

A autora: Fernanda Belarmino é licenciada em Língua Portuguesa e Inglesa.

E ministra aulas de Inglês no Colégio Irmão Lucas (MG).

Itapé realiza sua II Audiência Pública em Educação Inclusiva


O Conselho Municipal de Educação de Itapé (CME), a Secretaria Municipal de Educação de Itapé e a Comissão de Avaliação e Regularização da Escolarização realizaram, no último dia 28 de junho, no horário das 8h às 16h, no Centro Educacional a II Audiência Pública Sobre Educação Inclusiva do Conceito à Prática. O evento foi iniciado pelo presidente do CME,professor Sandro Lyra que falou sobre a importância da temática trabalhada na educação municipal; logo após foi a vez da da secretária de Educação, a professora Luzinete Miranda, que fez um breve histórico de sua gestão na Educação Municipal desde 2013, deixando claro os esforços da Prefeitura Municipal de Itapé, para manter em meio a crise nacional as ações da educação municipal.

Ao audiência pública, segundo o presente do CME, tem como o objetivo construir um documento prepositivo, para o atendimento especializado dos estudantes com deficiência no sistema municipal de ensino. O documento será construído a partir de uma análise dos resultados dos trabalhos ouvidos escritos pelos participantes do evento. Para nortear as atividades na audiência pública, contou-se com a participação de palestrantes especializados nas áreas afins, como: a professora Fátima Santa Fé Borges, Pedagoga e Psicopedagoga, com práticas no Atendimento Especializado em Educação Inclusiva, em Itabuna; a professora Ana Lúcia Fernandes, pedagoga psicóloga (deficiente visual), que falou sobre a legislação que contempla a Educação Inclusiva; a professora Thaísa Costa Rodrigues,enfermeira sanitarista e biomédica,que detalhou o papel do programa “Saúde na Escola” e, ainda, um relato de experiências e monitoria em sala de aulas com crianças especiais, a estudante Andressa Oliveira, que trabalha como monitora na rede pública municipal de Itabuna.

IMG-20160724-WA0052
Luzinete Miranda, secretária de Educação de Itapé fez breve histórico sobre Educação

A audiência também contou com um momento cultural, com os dançarinos Antônio Carlos Moura, também artista plástico, e cadeirante Áquila Silva em uma apresentação que emocionou o público. O evento foi concluído pelo presidente do CME agradecendo a todos os conselheiros: Joabes Chagas, Armando Vieira, Cátia Oliveira, Jekeline Silva, Marconi França, Maria Jeane Silva, Maria Cardoso Soares, e a secretária executiva do Conselho Maria Helena Iglessias pelo empenho ao evento. Bem como, a secretária de Educação de Itapé, Luzinete Miranda. E ainda a CARE com a dedicação da professora Elisangela Messias, Naiara Pólvora, Iracélia Alves e Adriana Trindade, que participaram ativamente no diagnóstico, planejamento e execução da Audiência Pública, ficando para um outro momento a apresentação do documento na íntegra para possíveis ajustes aos interessados. (Fotos: Sandro Lyra, Naiara Pólvora e Eliudes Miranda)

Feira de Santana: concurso de fotografias para crianças e adolescentes carentes


Desde o início do mês, a Base Comunitária de Segurança da Rua Nova, em Feira de Santana, associada a escolas públicas do bairro e a Associação dos Fotógrafos Profissionais da região, lançou o concurso de fotografias ‘Retratos da Rua Nova’.

O certame escolherá as 12 melhores fotografias, que serão posteriormente transformadas em calendários e expostas no shopping, museu e no Centro de Cultura e Arte do município. Os três primeiros vencedores receberão prêmios, ainda não definidos pelos organizadores.

BCS Rua Nova

O objetivo é proporcionar aos jovens a oportunidade de retratar o bairro sob a perspectiva artística da fotografia, elevando a autoestima dos participantes e da comunidade. Os candidatos, que se cadastrarem até o final do mês, participarão de uma oficina de Técnicas de Fotografia.

As inscrições são gratuitas e estarão abertas até o dia 5 de setembro. Poderão participar alunos da rede pública do bairro, entre 11 e 17 anos, com autorização dos pais ou responsáveis.