Ainda magoada com Ximbinha, Joelma se cansa de ser chamada de brega


A cantora Joelma virou uma página de sua vida, mas ainda guarda muito rancor de Ximbinha.

Em seu primeiro disco solo, a cantora fez váriasssssss músicas falando de chifre, de falta de amor etc. Uma delas diz: “Eu não sou mulher de brincar/ Eu odeio traição/ Dividir amor, não vai dar/ O que fez não vai ter perdão”.

joelmA
Foto: divulgação

Sobre o seu visual, Jô não aguenta mais que a chamem de cafona e brega. Isso já virou uma tortura para ela.

A cantora agora quer passar outra imagem e resolveu dar uma repaginada no visual. O primeiro passo foi melhorar o figurino. Contratou até personal stylist.

Fora isso, tirou a cor de amarelo ovo dos cabelos, colocou botox, mexeu nos dentes e fez preenchimento labial (mas não tanto como Anitta).

Os dentes ficaram parecendo dentadura, mas isso tem acontecido direto com os famosos com essa mania que eles estão de mexer na boca.

HQs continuam a encantar brasileiros


O tempo passa, mas algumas coisas não mudam. A paixão do brasileiro por histórias em quadrinhos, por exemplo, é uma delas.  Esse passatempo possui mais de 18,3 milhões de leitores ativos no Brasil. Quem revela é o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE). Mas, quem são esses mestres das HQs em nosso país? Saiba as razões lendo a reportagem abaixo.

O mundo dos quadrinhos é mesmo envolvente. Poucos de nós nunca embarcou numa viagem alucinante lendo as aventuras dos Vingadores, Liga da Justiça (Super Amigos para os maiores de 35 anos), Batman, Super Homem e X Men. Claro que tem os que preferem a Turma da Mônica, Tio Patinhas, Mickey Mouse, Mangás etc.

Neicy Velloso Foto: divulgação
Neicy Velloso Foto: divulgação

Os alunos da Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação (Esamc) de São Paulo realizaram um estudo bastante interessante sobre os leitores de brasileiros de histórias em quadrinhos (HQ). Segundo a pesquisa, 85% desse público é masculino, a maioria já completou o Ensino Médio (52%), outros 25% possuem formação universitária e 3,7% possuem ou fazem pós-graduação. Outro detalhe que chama atenção é, 61% dos leitores preocupam-se com o português das revistinhas. E, 8,1% começaram a ler os gibis como parte do processo de alfabetização, e 19,2% foram influenciados por desenhos animados e filmes. Estes dados foram colhidos e analisados pelos alunos Adriana Mesquita, Fernanda Segala, Francisco Lima, Maria Carolina Giacomelli e Rodolfo Scachetti, do curso de Comunicação Social.

A verdade é que os HQs agradam pessoas de idades variadas. A estudante Milene Kelly Avelar Santos admite que lê os gibis desde muito pequena. “Prefiro os da Turma da Mônica, pois vejo os desenhos desde pequena e acho muito engraçado”, justifica.

JWilson inker alta
José Wilson Magalhães   Fotos: divulgação

O personal Trainer, Neicy Velloso não esconde que é grande apreciador das HQ da Marvel e DC Comics. “Leio desde os seis anos de idade e sou fã do trabalho de Stan Lee, John Bucena e Jack Kirb”, derrete-se ele que também desenha nas horas vagas.

Às vezes não nos damos conta, mas o Brasil está muito bem servido de talentos no mercado dos quadrinhos.  O arte-finalista e professor de Arte Final, José Wilson Magalhães é um deles. Prestes a completar 29 anos de carreira, o profissional iniciou no estúdio Ely Barbosa.  “Comecei trabalhando numa fotocopiadora (máquina de xerox), e ali fui aprendendo como se produzia quadrinhos, aprendi letras, arte-final, cor, desenho, roteiro. Acabei optando por arte-final e me especializei, depois fui para a Editora Abril, redação Disney, onde até hoje faço trabalhos como freelancer”, conta ele, que fez arte-final de super-heróis para os Estados Unidos, ilustrações de livros didáticos para diversas editoras, livros infantis em parceria com o autor Luiz Carlos Sales, da Contos e Encantos Editora. Atualmente, Magalhães ensina desenho a nanquim em escolas de arte e centros culturais.

IMG_7064
Marcio Fiorito

O carioca Márcio Fiorito não iniciou sua carreira como desenhista.  “Para mim, tudo relacionado a quadrinhos era apenas um hobby, uma diversão, coisa de criança mesmo. Não era uma carreira viável”, acreditava. Ele se formou em Jornalismo e trabalhou com Publicidade e Marketing. Após  alguns anos, desiludido com o mercado e conhecendo mais sobre os bastidores dos quadrinhos, Fiorito resolveu trocar de carreira e realizar um sonho de infância. “Virei ilustrador de livros e passei alguns anos trabalhando apenas com isso, até decidir tentar a sorte nos quadrinhos. De lá pra cá (pelos idos de 2006) me tornei quadrinista “full-time” e sigo fazendo trabalhos para várias editoras estrangeiras”, conta com orgulho.

Veja também: O mundo das HQs exige empenho e dedicação

O colorista Carlos Lopez afirma que sempre laborou com arte, “já trabalhei em gráficas e agencias de publicidade” declara. A oportunidade de colorir uma HQ surgiu por volta de 2005 e, desde então, o profissional tem atuado como colorista. Lopez atua no mercado americano de quadrinhos desde 2006. Ele já trabalhou em várias editoras desde as menores até as maiores, e desde 2014 trabalha com a Marvel Comics. “Já colori personagens como Hulk, Homem de Ferro, Capitão América entre outros”, revela.

carlos lopez
Carlos Lopez

Formado em Design (Programação Visual e Projeto de Produto), Rafael Oliveira sempre direcionou sua carreira para ilustração e quadrinhos. Segundo ele, desde quando era criança ficava copiando os desenhos das hqs e sonhava em trabalhar como quadrinista. Mas só em 2013, quando publicou suas  primeiras hqs que resolveu se dedicar fortemente ao universo dos quadrinhos. Oliveira trabalhou como designer gráfico no Jornal da Cidade, em Bauru, onde fazia peças gráficas para serem publicadas, algumas ilustrações e hqs para o caderno infantil. “Trabalhando no jornal tive que aprender a ser rápido para desenvolver as ilustrações e isso me ajuda até hoje”, avalia. Desde 2015, o design atua como ilustrador freelancer e quadrinista. Entre um job e outro, procuro desenvolver algum projeto autoral de quadrinhos. Tenho como meta pessoal publicar um novo trabalho autoral a cada ano.

Publicados em 2013, “O Pagamento” e “Esperança” são os primeiros quadrinhos autorais de Oliveira. Em 2014, foi a vez de “A Busca”, junto com o coletivo Red Door HQs, “Feira Livre” e “Red Door HQs – Vol. 1”. Também em 2014, em parceria com o amigo e roteirista Alex Mir, ocorreu a participação no hq “Clássicos Revisitados – Monstros Noir”, com a história Capelobo, lançado pela editora Quadrinhópole.  No ano de 2015,  “Momentos” e, novamente junto ao coletivo, publicamos “Red Door HQs – Vol. 2”. “Para esse ano, estou envolvido em alguns projetos e trabalhando no roteiro da minha próxima hq”, adianta Oliveira.

12247196_10206742701180322_8545732505150894221_n
Rafael Lopes

Apaixonado pelos Cavaleiros do Zodíaco, Elyan Lopes (nome artístico de Elenildo Lopes) é autor, ator, publicitário e quadrinista. Formado em Produção publicitária propaganda e marketing e atualmente cursando a Faculdade de Artes Cênicas na Casa de Artes Laranjeiras.  “Entrei no ramo das HQs em 2007 lançando o site Meu Herói (www.meuheroi.com.br), que após quatro anos se tornou selo editorial), declara.

Em 2012, Lopes lançou seu primeiro herói ‘o Capitão R.E.D – Distrito de Risco e Emergência’ nas bancas de jornais e lojas do RJ e vizinhanças. Em 2014, ele cria o projeto junto com vários autores chamado: A Ordem que reúne mais de 30 autores, com os maiores heróis e super-heróis brasileiros incluindo o Capitão R.E.D em sua superaventura.  A revista foi lançada no site de financiamento coletivo Catarse, entretanto, a meta estabelecida não foi atingida. Em 2015, o projeto foi reformulado conseguindo enfim seu objetivo.

“Em maio, lançaremos a revista, agora batizada de Protocolo: A Ordem, em um evento simultâneo no RJ e SP. Ela possui 100 páginas coloridas em papel de ótima qualidade em tamanho 16×25.”, revela Lopes e acrescenta “Esse ano ganhamos um prêmio da ABRAHQ – Academia Brasileira de Quadrinhos por Melhor Talento por esse projeto”, orgulha-se.

Eduardo Cunha e Aécio Neves estão na mira do STF por crime de corrupção


O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, no último dia 11, a abertura de inquérito contra o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), por denúncias de corrupção em Furnas e autorizou o início da coleta de provas. Também no Supremo, o ministro Gilmar Mendes será o relator do pedido de abertura de inquérito contra o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), por suposto envolvimento no mesmo esquema. Se Gilmar definir que há elementos suficientes para autorizar a abertura do inquérito, Aécio será formalmente investigado no STF.

Os pedidos para investigar Aécio e Cunha foram feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com base na delação premiada do ex-senador do PT, Delcídio Amaral. Ele apontava uma grande organização criminosa que tinha Cunha como um dos líderes. Delcídio afirmou que, “sem dúvida”, o tucano recebeu propina no esquema de Furnas e o caso envolvia inclusive as mesmas empreiteiras investigadas na Lava Jato.

Também na última quarta-feira  o ministro do STF, Edson Fachin, anunciou que pretende submeter em breve ao plenário da Corte o oferecimento da denúncia contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no caso da jornalista Monica Veloso, com quem ele mantinha relacionamento extraconjugal. Se os ministros aceitarem a acusação, Renan passará a ser réu na denúncia por crimes de peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso, o que pode afastá-lo da linha sucessória da presidência da República.

A denúncia tem como base um escândalo investigado desde 2007 e tramita em segredo de justiça na Corte. O caso chegou a ser liberado para julgamento pelo plenário em fevereiro, mas o ministro o retirou da pauta dias depois. “Estou examinando (os autos) porque acabei fazendo algumas diligências. O processo está no meu gabinete e pretendo em breve dar algum encaminhamento”, garantiu.

Propina para beneficiar ex-amante

A denúncia contra Renan chegou ao STF em 2013. A Procuradoria-Geral da República (PGR) considerou, na denúncia oferecida ao STF, que Renan recebeu propina da construtora Mendes Júnior para apresentar emendas que beneficiariam a empreiteira. Em troca, o peemedebista teria as despesas pessoais de Monica pagas pela empresa.

Na decisão da semana passada de afastar Eduardo Cunha da presidência da Câmara e do mandato eletivo, o STF entendeu ser inadmissível que um parlamentar, por ser réu em processo penal, ocupe cargo com prerrogativa de assumir a presidência da República na hipótese de vacância do titular e do vice. O mesmo entendimento pode ser aplicado a Renan, que também está na linha sucessória do cargo máximo do Executivo. Renan é investigado em outros dez processos, nove dos quais na Lava Jato. O décimo apura o envolvimento do senador em esquema de venda de emendas provisórias revelado pela Operação Zelotes.

Igreja Evangélica entra na mira da Operação Lava Jato


A Assembleia de Deus Ministério Madureira e seu presidente Samuel Cássio Ferreira entraram na mira da Lava Jato. O plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quinta-feira manter a decisão do ministro Teori Zavascki de março que determinou a remessa para o juiz Sérgio Moro de investigação envolvendo a suspeita de lavagem de dinheiro para o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por meio da Igreja e do pastor.

No julgamento, os ministros da Corte rejeitaram o argumento da defesa da igreja, que alegou que o caso deveria ser analisado pela Justiça Federal em São Paulo, onde fica a sede da Assembleia de Deus presidida por Samuel Ferreira.

Essa investigação é um desdobramento da denúncia criminal contra Eduardo Cunha por corrupção passiva e lavagem de dinheiro que o Supremo já aceitou no ano passado.

Na denúncia, a Procuradoria-Geral da República aponta que o peemedebista teria usado a igreja para operacionalizar o repasse de parte da propina de US$ 5 milhões recebida por ele referente à contratação de dois navios-sonda da Petrobras.

Na ação contra o peemedebista, Janot detalha as negociações de Cunha e Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção instalado na Petrobras, para receber o pagamento. O procurador afirma que o lobista Julio Camargo foi orientado por Cunha a fazer “doações” para a igreja.

DF - CUNHA/JORNALISTAS - POLÍTICA - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), concede entrevista aos jornalistas setoristas da Câmara fazendo um balanço do primeiro semestre do ano, em uma café da manhã oferecido no anexo IV na Câmara dos Deputados, em Brasília. 16/07/2015 - Foto: ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO
Eduardo Cunha – Foto: André Dusek

 

A Polícia Federal e a Procuradoria identificaram duas transferências em agosto de 2012 para a Assembleia de Deus via empresas de Júlio Camargo, a Piemonte e a Treviso, no valor de R$ 125 mil cada. O dinheiro teve como destino uma filial da igreja em Campinas, no interior de São Paulo. Os repasses tiveram como “falsa justificativa pagamento a fornecedores”.

Na acusação, o procurador afirma que “não há dúvidas de que referidas transferências foram feitas por indicação de Cunha para pagar parte do valor da propina referente às sondas”.

O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende o pastor evangélico Samuel Cássio Ferreira, considera desnecessário a abertura de inquérito para investigar supostas relações da igreja evangélica com o deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

“Bastaria ter mandado um ofício para que o pastor Samuel justificasse a doação. Evidentemente, ele não sabia a origem desse dinheiro. São feitas doações pelo Brasil todo”, declarou Kakay.

A assessoria do deputado afastado Eduardo Cunha disse desconhecer o caso e afirma, em nota, que o deputado não recebeu “qualquer vantagem indevida de quem quer que seja”.

Regalias de Cunha estão mantidas

A Mesa Diretora da Câmara decidiu que o deputado Eduardo Cunha, afastado da presidência da Casa por suspeita de corrupção, terá direito a salário integral de R$ 33.763,00, uso da residência oficial em Brasília, segurança pessoal, assistência médica, carro oficial reserva e transporte aéreo da Força Aérea Brasileira.

O peemedebista também terá R$ 92.053,20 para gastar com os funcionários. Só foi cortado de Cunha a verba adicional de R$ 35.759,20 para atividade parlamentar destinada ao pagamento, por exemplo, de aluguel de carros e passagens aéreas — e o auxílio-moradia de R$ 4.253,00 (recurso que ele já não utilizava por dispor da residência oficial).

Num primeiro momento, técnicos da Câmara do Deputados recomendaram que todos os benefícios oferecidos a quem está fora do exercício do mandato parlamentar fossem retirados.

No entanto, aliados de Cunha pressionaram para que as regalias fossem mantidas. Como o afastamento do peemedebista foi algo inédito e não havia regras preestabelecidas, foi negociado um critério de concessões que se assemelhasse ao oferecido à presidente Dilma, afastada não por acusação de corrupção, mas por pedaladas fiscais.

Japoneses não esperam pedido de desculpas de Obama em visita a Hiroshima


Os japoneses estão satisfeitos com a visita do presidente do Estados Unidos, Barack Obama, a Hiroshima, cidade devastada por uma bomba atômica jogada pelos norte-americanos no dia 6 de agosto de 1945, e não esperam um pedido de desculpas, revela uma pesquisa realizada nesta semana.

Essa será a primeira vez que um presidente norte-americano vai à cidade, onde cerca de 140 mil pessoas foram mortas. Obama visitará Hiroshima com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, no dia 27 de maio, depois de participar da Cúpula do G7 no Japão.

Mesmo aqueles que querem um pedido de desculpa, não se opõem à visita. “É claro que todos querem ouvir desculpas. Nossas famílias foram mortas. Mas decidimos eliminar as dificuldades que colocamos a líderes mundiais de visitar (o território). Nós primeiro gostaríamos que eles viessem e sentissem o solo de Hiroshima e Nagasaki (onde uma segunda bomba atômica foi lançada) e dessem uma boa olhada no que há em frente a eles para refletirem”, disse Terumi Tanaka, secretário da Confederação das Vítimas de Hiroshima.

obama
obama

Uma pesquisa feita nesta semana pela imprensa nacional mostrou que 70% dos japoneses querem que Obama visite Hiroshima e apenas 2% são contrários.

Nos Estados Unidos, a visita é controversa, porque muitos norte-americanos acreditam que a bomba atômica terminou a Segunda Guerra e salvou inúmeras outras vidas. A Casa Branca já informou que Obama não fará um pedido de desculpas.

“Ouvi dizer que a América continua dividida sobre bombas atômicas, mas são quase 71 anos desde que a guerra terminou e acho que já é tempo de Obama visitar Hiroshima”, afirmou o professor aposentado Kohachiro Hayashi.

O secretário da Confederação das Vítimas de Hiroshima declarou esperar que Obama se mantenha firme em eliminar as armas nucleares do mundo. “Para mim, essa seria uma verdadeira forma de se desculpar”, disse.

“Não moro em Hiroshima ou Nagasaki, mas sou tomada de emoção quando penso que alguém que quer mostrar compreensão chegará em breve”, afirmou Mieko Mori, 74 anos, que rezava em frente ao memorial das vítimas da bomba atômica em Tóquio. Fonte: Associated Press.

Rainha Elizabeth chama autoridades chinesas de “grosseiras”


A Rainha Elizabeth II foi ouvida em vídeo descrevendo as autoridades chinesas como “muito grosseiras” durante uma conversa com uma autoridade de polícia em um evento no Palácio de Buckingham em comemoração ao seu aniversário de 90 anos.

O vídeo mostra a rainha chegando na festa no jardim do Palácio e sendo apresentada à policial Lucy D’Orsi, que supervisionou as operações de segurança durante a visita de Estado do presidente da China Xi Jinping ao Reino Unido em outubro. Na ocasião, a oficial disse à rainha que tinha sido um “tempo de teste”. Elizabeth disse então que “eles foram muito grosseiros com o embaixador”.

O governo chinês e o Palácio de Buckingham disseram que a primeira visita de Estado do presidente chinês Xi Jinping ao Reino Unido em outubro tinha sido bem sucedida.

Esse tipo de comentário, que se tornou público nesta quarta-feira, é incomum porque a monarca sempre teve o cuidado com suas orientações políticas durante o seu longo reinado. O jornal The Guardian disse que a discussão foi registrada pelo cameraman oficial do Palácio.

650x375_rainha-elizabeth-china_1634546
Presidente chinês, Xi Jinping, e Rainha Elizabeth II fazem brinde durante banquete no Palácio de Buc Foto: Agência Reuters

Seus comentários vieram depois que primeiro-ministro britânico, David Cameron, também foi flagrado por uma câmera que estava ligada, dizendo a rainha que “os líderes de alguns países ‘fantasticamente’ corruptos” estavam vindo para a Inglaterra para uma conferência anticorrupção que o país está sediando. Ele acrescentou que a Nigéria e o Afeganistão são “possivelmente, os dois países mais corruptos do mundo”.

Um porta-voz da Downing Street disse nesta na quarta-feira que “tanto o presidente Buhari da Nigéria e quanto o presidente Ghani do Afeganistão reconheceram a escala do desafio de enfrentar a corrupção em seus países”, e que ambos os líderes foram convidados para a cúpula “porque eles estão liderando a luta contra a corrupção em seus países”. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Thammy Miranda critica Patrícia Abravanel: “falou besteira”


Assim como Tiago Abravanel e Luana Piovani,  Thammy Miranda decidiu se posicionar sobre a polêmica envolvendo as declarações da apresentadora Patrícia Abravanel no programa de seu pai, Silvio Santos, no último fim de semana. Ele gravou e compartilhou um vídeo em seu perfil oficial no Facebook na noite desta terça-feira, 10.

“Eu queria gravar esse vídeo para falar sobre o vídeo da Patrícia Abravanel, que ela falou lá no Jogo dos Pontinhos sobre homossexualidade. Patrícia, estou assistindo há meia hora vários vídeos tentando te defender, mas não tem condições. Realmente você falou besteira”, iniciou.

1157950-thammy-miranda-contou-em-entrevista-ao-950x0-4
Thammy Miranda Foto: divulgação

Thammy seguiu explicando para Patrícia que não se usa mais a terminação “ismo” ao se falar de sexualidade e identidade de gênero. “Acho que você deve procurar sobre transexualidade e homossexualidade. O ‘ismo’, homossexualismo como você falou, é mais prova de que você não sabe do que está falando. Porque nem existe mais ‘ismo’, porque ‘ismo’ remete a doença. Já está mais do que comprovado que não é uma doença. Mas eu acredito do fundo do meu coração que não é por maldade que você fez isso”, disse.

“Sua família não é homofóbica, seu pai sempre me recebeu muito bem no programa dele, com muito carinho, muito respeito. Então acredito que não foi por maldade, mas você é uma formadora de opinião. Então você tem que tomar cuidado com o que fala porque muitas pessoas seguem o que você fala”, completou, enfatizando a posição da apresentadora como formadora de opinião.

O ator, então, finalizou o vídeo pedindo para que Patrícia buscasse saber mais sobre o assunto antes de comentá-lo e sugeriu uma outra forma de retratação.

“Dá uma pesquisada, de boa, de coração, sobre o que é transexualidade e homossexualidade. E aí quem sabe a gente pode até propor uma roda de conversa pra você participar e quem sabe conhecer mais sobre esse universo e, quem sabe mudar sua opinião. Respeito muito sua opinião, assim como quero que respeitem a minha. Mas como você disse na sua retratação, você quer propagar o amor. Então vem conhecer um pouquinho do que a gente passa, do que a gente vive, sobre o que a gente conversa e quem sabe você mude de opinião e você vai se retratar de uma forma diferente”, argumentou.

 

Pesquisadores da USP comprovam que vírus Zika causa má formação em fetos


Um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) comprovou, experimentalmente, a capacidade do vírus Zika de atravessar a placenta e infectar bebês no útero da mãe. O trabalho, publicado hoje (11) na revista Nature, também mostrou como a infecção afeta a formação do sistema nervoso central dos embriões.

“Esse é o primeiro modelo experimental comprovado que mostra que o vírus é capaz de passar a barreira placentária, atingir o feto, ser albergado no sistema nervoso e, a partir de então, todas as outras repercussões foram observadas”, enfatizou o professor do Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, Jean Pierre Schatzmann Peron.

Para os experimentos foram usados camundongos e os chamados minicérebros, modelos do órgão humano elaborados a partir de culturas de células-tronco. Com os animais foi possível observar o comportamento do Zika em relação à, gestante e o filho. A partir dos minicérebros, a ação sobre as células que vão formar o sistema nervoso e até contra neurônios maduros.

Entre as conclusões, foi identificado que, ao infectar o embrião, o vírus Zika tem preferência por atacar as células que formam o cérebro e o sistema nervoso. Essa ação, que mata as células antes que os tecidos se desenvolvam, causa más formações nesses órgãos, como a microcefalia.

A variedade que circula no Brasil causou muito mais danos do que o tipo africano, que havia sido estudado anteriormente. “Nós observamos que o vírus que está circulando aqui é muito mais agressivo do que a cepa isolada em 1947 na África”, enfatizou a professora doutora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP Patricia Cristina Baleeiro Beltrão Braga sobre os efeitos nos fetos ainda no útero.

Foto Gidelzo Silva
Foto Gidelzo Silva
Segundo a pesquisadora Patricia Baleeiro Beltrão Braga, o vírus Zika que está circulando no Brasil é muito mais agressivo do que o isolado em 1947 na ÁfricaRovena Rosa/Agência Brasil

Apesar de a microcefalia ser o efeito mais difundido da infecção em bebês ainda não nascidos, Patrícia destaca que o vírus também ataca outros órgãos, afetando o desenvolvimento de diversas partes do corpo: “O que nós temos visto é que existe uma síndrome congênita da infecção pelo Zika vírus”.

O coordenador da Rede Zika Vírus e professor do Departamento de Microbiologia da USP, Paolo Zanotto, exemplifica: “Tem crianças crescem com má formação de membros, tem sobreposição de dedos no pé e nas mãos”. Segundo Zanotto, estão sendo acompanhados diversos casos de crianças que tiveram alterações no desenvolvimento devido ao zika, inclusive, problemas de má formação no cérebro mais discretos do que a microcefalia, que pode ser observada pelo tamanho do crânio.

A extensão dos danos aos embriões está ligada, de acordo com os pesquisadores, ao estágio da gestação em que houve a infecção. Quanto mais cedo houver o ataque pelo vírus, mais drásticos são os efeitos sobre a criança.

Vacina

Os resultados dos experimentos com camundongos mostraram, entretanto, que uma linhagem de animais tem resistência aos efeitos do vírus sobre os fetos. “O que a gente especula é que a resposta imune que ele tem seja suficiente para conter o vírus e, pelo menos, impedir que a replicação viral aconteça em níveis muito elevados, e impedir que ele passe a placenta”, explica Peron.

Essa descoberta abre espaço, segundo o cientista, para pesquisas que permitam a elaboração de uma vacina contra o vírus.

O mundo das HQs exige empenho e dedicação


Prazos apertados e uma rotina diária de várias horas são comuns na vida dos que trabalham na indústria dos quadrinhos. Segundo o colorista Carlos Lopez, o trabalho é puxado. “Começo cedo e o dia é bem corrido, os prazos são sempre bem curtos e exige um comprometimento total por parte do artista.  É normal colorir de 4 a 5 paginas por dia, quadro por quadro. Ao contrario do que muita gente pensa o computador não faz nada sozinho, não existe um botão mágico que a gente aperta e pronto, tudo fica colorido na cor certa, pelo contrario, o processo é quase artesanal. Cada quadrinho de uma pagina envolve trabalho duro, quadro por quadro, personagem por personagem, detalhe por detalhe”, ressalta.

Silver Halks
Silverhawks, José Luiz cores: Carlos Lopez

Se adequar aos prazos e manter a qualidade na arte são, segundo o design Rafael Oliveira, o grande desafio. ” Isso, algumas vezes, acaba gerando estresse. Mas claro, tem seus momentos de diversão”, revela.  Ele acredita que cada artista tenha sua maneira de se divertir quando está desenhando. “Eu me divirto fazendo detalhes de cenários”, garante.

O arte-finalista José Wilson Magalhães acredita que os trabalhos cômicos, com um ótimo prazo e preço justo, podem ser sim só uma diversão. Entretanto, na maioria das vezes, mesmo num projeto prazeroso temos espinhos pelo caminho. “É alguma correção pedida pelo editor, prazo curto que nos faz trabalhar mais rápido sob estresse, internet ou energia que caem de vez em quando e outras coisas que acontecem, como em qualquer trabalho”, minimiza. O artista defende que  trabalhar no que gosta, torna o ofício muito prazeroso. ” Principalmente, quando encontro os leitores e fãs da minha arte, principalmente as crianças, para quem eu adoro trabalhar. Meu filho Pedro Henrique, de 9 anos, poe exemplo, é meu maior fã, e a minha mulher Carla, minha maior apoiadora. Ver o sorriso e o brilho nos olhos das crianças quando autografo as publicações ou originais que produzi, não tem preço”, derrete-se.

Veja também: Talentos brasileiros das HQs
JLA1PrintSample
Liga da Justiça arte: Marcio Fiorito

DC e Marvel Comics são as grandes referencias mundiais em quadrinhos. Para Lopez é uma grande satisfação trabalhar na Marvel. “O processo é difícil, os prazos são sempre muito apertados, mas vale pena. Parece contraditório. Sinto mais segurança trabalhando em grandes editoras do que nas menores. Acredito que, quando uma editora desse porte lhe passa um trabalho, é porque ela confia em você e na sua capacidade de criação. Tenho mais liberdade de criação nas editoras grandes do que nas menores”, justifica o colorista.

book2013
Elyan Lopes   Foto: divulgação

Magalhães atuou na DC Comics e posteriormente na Marvel. “Em 2006, tive a oportunidade de trabalhar em parceria com o desenhista Renato Guedes produzindo as revistas Omac, Supergirl, Action Comics, Superman, Arqueiro Verde e Canário Negro para a DC Comics. Depois fomos para a Marvel produzir Wolverine e Vingadores, até 2012. Foi uma ótima experiência onde aprendi muito e tive o meu trabalho reconhecido”, comemora o arte-finalista.

Veja também: Mais talentos brasileiros das hqs

Como acontece em outras categorias, os artistas dos quadrinhos também lidam com baixas remunerações e crises financeiras. Na opinião de Magalhães,  os valores pagos a esses profissionais em nosso país são bem inferiores em comparação com os dos Estados Unidos e Europa. “Para ser bem remunerado com quadrinhos no Brasil, o profissional tem que ter algum trabalho autoral com uma grande editora, ou produzir algum trabalho grande para ter um bom salário, ou vários trabalhos pequenos, ou então trabalhar para as editoras estrangeiras”, afirma.

De acordo com Fiorito, nas grandes editoras, a remuneração é o suficiente para que se viva de forma razoável. Mas muitas editoras pequenas ainda pagam pouco a seus artistas, tornando o início de carreira uma época meio turbulenta pra quem está entrando no mercado. “O grande diferencial é o paradigma de trabalhar como freelancer. Você é um empreendedor autônomo. Não possui grandes garantias trabalhistas por conta disso. Em compensação, existe a chance de ganhar notoriedade e reconhecimento, o que se transforma mais tarde em remuneração”, aconselha o quadrinista.

CAP-RED-CAPA-SEMFUNDO
Capitão Red, Elya Lopes

Uma pergunta paira sobre a cabeça de muitos leitores. Por que os super heróis nacionais não obtém o mesmo sucesso que os estrangeiros? Fiorito afirma que há dois motivos pra isso. O primeiro, segundo ele, seria a falta de identidade nacional única que permita que o mesmo personagem faça sucesso de norte a sul do país. “O Brasil é um país muito plural e muito rico em culturas diferentes. Isso, ao mesmo tempo que nos traz muitos benefícios, também traz uma dificuldade de nos identificarmos como brasileiros. Somemos a isso uma grande descrença com figuras de autoridade, como políticos por exemplo, e é difícil crer que alguém seria idôneo e filantropo o suficiente para ajudar as pessoas, ao invés de se beneficiar disso”, esclarece.

O outro motivo, de acordo com o quadrinista,  é simplesmente a falta de grandes investimentos em um projeto como esse. “Existem muitas iniciativas autorais, mas essas não possuem o alcance necessário, nem a segurança financeira, para criar e manter um personagem novo no mercado até que ele efetivamente se popularize. Talvez com mais investimentos das grandes editoras isso fosse possível. Mas também não dá para simplesmente copiar materiais existentes. É preciso entender o que torna um herói “brasileiro” e trabalhar a partir disso”, afima Fiorito.

Magalhães defende que no Brasil valorizam mais a cultura lá de fora, e a maioria dos artistas se inspiram nos heróis estrangeiros, se esquecendo das nossas raízes. “Acredito que aos poucos esse conceito possa mudar e surgirão mais heróis inspirados na nossa realidade. Temos muito potencial para isso”, alerta.

O colorista Lopes  acredita que o quadrinho nacional de heróis ainda esta se encontrando. “É difícil competir com tantos personagens famosos que vem de fora. Porém, nós temos alguns dos melhores profissionais do mundo, gente de peso! Atualmente tem muita gente publicando material autoral no Brasil. Eu tenho certeza que surgirá coisas boas a partir daí”, afirma esperançoso.

O design Rafael Oliveira também aposta na valorização dos heróis nacionais. “O importante é continuarmos criando nossos heróis seguindo a nossa cultura e folclore. Acredito que, em breve, estaremos lendo boas hqs de heróis nacionais”, acredita.

A vida de quem atua no universo das HQs não é muito diferente do das demais profissões. São necessários muito esforço de criatividade para lançar novos projetos. Elyan Lopes já tem alguns em andamento ” alguns de meus lançamentos serão: Capitão R.E.D #2 em produção, uma nova visão de Capitão R.E.D em pré-produção e uma heroína que está em também pré-produção“.

Talentos brasileiros das HQs


Conheça melhor a arte de nossos quadrinistas:

 

 A arte de Rafael Oliveira –   

A arte de José Wilson Magalhães –

 

As cores de Carlos Lopez –