Encerrada etapa do Projteto com internas do Conjunto Penal da Mata Escura


Foi encerrada ontem (19) a etapa do Projeto de Capacitação em Direitos Humanos e Cidadania realizada com internas do Conjunto Penal da Mata Escura, em Salvador, que teve início no último dia 11 de abril.
A capacitação é uma das etapas do projeto “Promoção dos Direitos Humanos das Mulheres na Bahia”, que é fruto de uma parceria entre a Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA), a Secretaria de Secretaria Nacional de Direitos Humanos (SDH), e a Secretaria de Administração Penal e Ressocialização da Bahia (SEAP).
Nesta etapa, cerca de 50 internas, dentre elas provisórias e sentenciadas, participaram de uma série de atividades, que tiveram como objetivo principal possibilitar o diálogo sobre diversos problemas sociais presentes em seus cotidianos e de seus familiares.
Dentre os temas abordados estiveram: Direitos Humanos e cidadania; Gênero e relações sociais; Conceitos de raça e racismo; e Violência contra as mulheres. As atividades envolviam dinâmicas com exibição de filmes e discussões sobre as questões identificadas nas obras; exercícios práticos e em grupo estimulando as mulheres a elencarem ideias e realizarem comparações e conclusões a cerca de temas atuais e polêmicos, como por exemplo, a realização de uma divisão do que supostamente seriam atividades exclusivas de homens e mulheres, para que o grupo pudesse desconstruir estas concepções com debate e esclarecimentos das facilitadoras Taysa Seixas, Izabela Prado e Larissa Khouri.
Fotos_Capacitacao_ConjuntoPenitenciariodaMataEscura_CreditoASCOMSPMBA_001
Para E. M. M., um dos aspectos mais importantes da capacitação foi o aprendizado sobre seus direitos enquanto mulher, e os meios para evitar violência de gênero: “Através deste curso, eu aprendi que não devemos fazer justiça com as próprias mãos. E, sim, procurar os meus direitos. Não deixarei mais que homem nenhum e nem ninguém possa me agredir verbalmente e fisicamente”, concluiu.
Para L., 32 anos, que possui quatro filhos, o curso foi interessante por proporcionar o conhecimento dos seus direitos e formas de lutar para conquistá-los. Segundo ela, seu principal objetivo é reconstruir a própria vida, ser tratada como uma cidadã, e ser um bom exemplo para seus próprios filhos. A interna L. chegou a escrever uma música sobre o curso, em que menciona a gratidão pelo aprendizado e a esperança por uma vida mais digna: “Professora, eu vou sentir saudade de vc. As meninas da cadeia nunca vai te esquecer. […] Eu sou negra e vou pretender voltar meus estudos agora e lutar para ser uma grande defensora. (sic)”.
O encerramento da etapa contou com uma apresentação da cantora Ludmillah Anjos, que levou entretenimento e entusiasmo para as internas do Conjunto Penal da Mata Escura. Além de Salvador, as cidades de Feira de Santana e Teixeira de Freitas também serão contempladas com a capacitação de internas do sistema prisional.

Trifil pode deixar Itabuna


A crise hídrica que afeta Itabuna está prejudicando e muito às atividades da Trifil. E isso poderia obrigar a direção da fábrica a mudar-se para outro local. O que seria péssimo, pois a empresa é a segunda empregadora do município, com mais de 2 mil funcionários, ficando atrás apenas da prefeitura.Foto0777

Há informações que, a fábrica estaria negociando uma transferência para o município de Brumado, próximo dos produtores de algodão e não enfrenta problema com a falta de água.

O possível fechamento da fábrica da Trifil causou uma grande preocupação no meio empresarial. A possibilidade deste fechamento está causando preocupação, já que pode causar um grande impacto na economia local.

Diretores da companhia asseguram que a produção está sob total controle e que não há absolutamente nenhuma intenção do grupo em deixar Itabuna.

A Trifil que é uma produtora Têxtil sofre bastante na sua operação por conta da falta de água, que dificulta o processo de coloração e outras operações.

 

Belém: o projeto Roda Palavra recebe Rosangela Darwich


A Casa das Artes da Fundação Cultural do Pará realiza dia 27 (quarta-feira), das 19h às 21h, mais uma edição do projeto “Roda Palavra”, com entrada franca. A convidada será a escritora e doutora em psicologia Rosângela Darwich, autora de “Quando Fernando VII Usava Paletó” e “Levasse as Coisas na Flauta”. O bate-papo literário será mediado pelo escritor e produtor cultural Vasco Cavalcante.DSC_0022

Segundo o mediador, o projeto “Roda Palavra” é uma grande oportunidade para o público ter um contato direto com os autores. “O autor literário é distanciado do público. Às vezes o leitor se pergunta: ‘O que será que ele (o autor) quer dizer com isso? ’. Então esse contato direto de autor e público possibilita um entendimento maior sobre a obra e o perfil daquele escritor”.

O projeto Roda Palavra é destinado a todos aqueles que possuem apreço pela literatura, poetas iniciantes ou profissionais, estudantes, professores, pesquisadores e curiosos.  No evento, são expostos os poemas do escritor convidado e o público participa de uma análise junto com ele em torno da construção poética de cada obra.

Rosângela Darwich deve apresentar ainda poemas de seu novo livro, “Há Horas”. A obra chega para preencher um intervalo de 28 anos após seu último livro, como ela própria comenta: “Lancei dois livros há muito tempo atrás. O primeiro é de 1982, ‘Quando Fernando Sétimo Usava Paletó’, com poemas que escrevi aos 19 anos. O segundo, ‘Levasse as Coisas na Flauta’, foi lançado em 1988, em uma época em que eu morava na Alemanha, e reúne alguns poemas que escrevi entre 1982 e 1985”.

A escritora ressaltou ainda a importância do projeto “Roda Palavra”, dizendo que este tem uma característica muito interessante, que é ser uma conversa aberta. “Considero que todo espaço que se abre para a arte seja uma vantagem, um ganho para todos. Fico feliz por sermos agraciados pelo projeto e por poder fazer parte dele. Agradeço pela confiança depositada no meu trabalho e espero proporcionar a todos uma troca interessante com a poesia que mora em cada um de nós”.

Participe:

Projeto Roda Palavra – com Rosângela Darwich

Quando: Dia 27 (quarta), às 19h;

Onde: Auditório da Casa das Artes (Praça Justo Chermont, 236, ao lado da Basílica de Nazaré);

Quanto: Gratuito;

Informações: (91) 4006-2929/3202-4391.

Ilhéus realiza 1º Festival Literário entre 28 e 30 de abril


Entre os dias 28 e 30 de abril, acontece a primeira edição do Festival Literário de Ilhéus, com apoio da Secretaria Municipal de Turismo e Esporte (Setur), Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz (Editus), Fundação Pedro Calmon e Academia de Letras de Ilhéus (ALI). O evento terá atividades na sede da ALI – na Rua Antônio Lavigne, centro, e na Praça Castro Alves.

A programação engloba feira de livros, mesas literárias, palestras, programação infanto-juvenil, saraus, oficinas, exposição fotográfica e circuitos literários, que vão girar em torno do tema “Fazer Literário e Diversidade Cultural”. O circuito terá visitação guiada aos cenários das obras de Jorge Amado, como o Vesúvio, Bataclan e outros espaços do centro histórico.

Flios - Ilheus (1)

De acordo com o professor André Rosa, um dos organizadores do evento, o Festival vem coroar a riqueza literária não só de Ilhéus, que tem a marcante história das obras de Jorge Amado em sua rua e seu povo, mas também da região sul da Bahia, que revelou autores de grande relevância, como Sosígenes Costa, Cyro de Mattos, Adonias Filho, entre outros.

Concurso – Um dos pontos altos do Festival Literário de Ilhéus será a cerimônia de entrega I Prêmio Literário Sosígenes Costa, que vai premiar um autor de obra inédita de poesia com a quantia de mil reais e a publicação do livro pela Editus. A solenidade marcará a abertura do festival, no dia 28, na Academia de Letras. O concurso recebeu inscrições de escritores de 14 cidades baianas. Mais informações e a programação completa estão disponíveis no site do evento – http://www.flios.com.br/.

Itabuna: Claudevane se diz satisfeito com reestruturação da CEPLAC


O prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, se disse satisfeito com a reestruturação da Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira (Ceplac) anunciada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu. Nota divulgada pela Assessoria de Comunicação do Mapa informa que o principal organismo de pesquisa e extensão rural, que atende às regiões cacaueiras do pais, nos biomas Mata Atlântica e Amazônia, ganhará ainda mais investimentos e a contratação de pessoal.prefeito

De acordo com a nota, a Ceplac terá ampliada suas ações em pesquisa e inovação, defesa agropecuária e abertura de mercados internacionais. “O objetivo é fortalecer e modernizar a companhia, que está defasada devido a sucessivas perdas de orçamento e a falta de renovação do quadro de servidores”, diz a nota divulgada. “Desde sua criação, em 1957, a Ceplac é órgão vital ao desenvolvimento regional do sul da Bahia e sua revitalização é essencial”, completa Vane,

O prefeito de Itabuna afirma que a Região Cacaueira baiana sofreria ainda mais prejuízos na sua economia com o rebaixamento institucional da Ceplac. “No momento, o sul da Bahia enfrenta a mais severa estiagem de sua história. Pelo menos 12 municípios na microrregião estão sofrendo para fornecer água potável e de qualidade à população, porque os mananciais onde há captação estão secos e não chove com regularidade há pelo menos oito meses”, afirma o prefeito Vane. “Desde o início do cultivo do cacau há 270 anos essa é a mais grave período da história”, alerta.

CONFIANÇA

Há falta d’água também para a dessedentação animal, que sofre com a seca, e há perdas econômicas de mais de R$S 300 milhões com a morte de cacaueiros, seringueiras e outros cultivos sem contar a pecuária bovina de corte e de leite. “Com ansiedade desejamos que a Ceplac seja reerguida para que seus pesquisadores e técnicos continuem prestando serviços tecnológicos aos produtores rurais do sul da Bahia e de outras regiões produtoras de cacau do país. Sempre confiamos no Governo da presidenta Dilma Roussef e a nova postura em relação à Ceplac só reforça nossa crença”, sublinha Vane.

No texto divulgado, o MAPA reconhece que há 29 anos, a Ceplac não realiza concurso público e, nos últimos anos, vem enfrentando cortes significativos de orçamento. De 2010 a 2016, os recursos da Ceplac, conforme a Lei Orçamentária Anual (LOA), caíram de R$ 32,4 milhões para R$ 19,8 milhões, redução de 63%.

“É fundamental investir em pesquisa, inovação e tecnologia. Precisamos investir no quadro de pessoal. Nosso país tem todo potencial de voltar a ser um grande exportador de cacau, produto que está ligado à identidade nacional brasileira, juntamente com o café”, diz a ministra. Em 2015, o Brasil aumentou em 10% as exportações de cacau e seus produtos, alcançando US$ 374 milhões em 89,7 mil toneladas. “Mas é só o começo. O produto entrou na pauta do Mapa e das negociações internacionais”.

DEFESA AGROPECUÁRIA

De acordo com o Ministério da Agricultura para aumentar o valor agregado do produto e estimular toda a cadeia produtiva está sendo realizado um estudo detalhado sobre o potencial exportador não apenas do cacau, mas também de chocolates. Tem se preocupado ainda em garantir a Defesa Fitossanitária do cacau. Aumentou de R$ 3 milhões, em 2015, para R$ 5 milhões, em 2016, os recursos destinados a ações de defesa na lavoura cacaueira.

Unidade móvel do Sesc Saúde Mulher é apresentada


Aconteceu na manhã desta sexta-feira (15), no Sesc Piatã, a apresentação da unidade móvel do Sesc Saúde Mulher. A Secretária Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia, Olívia Santana, marcou presença no evento.
A apresentação foi realizada pelo presidente da Fecomércio-BA, Carlos de Souza Andrade e pelo diretor regional do Sesc Bahia, José Carlos Boulhosa Baqueiro. O presidente da Fercomércio ressaltou que além de se tratar de um projeto importante por atender as mulheres trabalhadoras, é também essencial por se tratar de um trabalho de prevenção.
A Secretária Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia, Olívia Santana, afirmou que esta unidade é fundamental para atender e proteger as mulheres da Bahia, oferendo serviços que são essenciais, e ajudando a diagnosticar precocemente doenças que podem ser tratadas e curadas. Ela também mencionou que parcerias com a Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA) serão bem vindas, sobretudo, no Outubro Rosa, que é um mês dedicado à conscientização do diagnóstico precoce do câncer de mama.
A Assistente de Gerência do Restaurante do Sesc Comércio, Sandra Meire, também participou do ato, contando sua história de prevenção e luta contra o câncer de mama, emocionando e trazendo à tona uma reflexão sobre a importância dos cuidados preventivos com a saúde das mulheres.
00
A unidade móvel
Composta por uma equipe com um médico, uma enfermeira, duas técnicas de radiologia, uma educadora em saúde, artífice de manutenção e motorista, a unidade tem como objetivo atender gratuitamente as mulheres baianas, oferecendo exames de mamografia e citopatológico, no intuito de rastrear e prevenir as doenças que mais atingem o público feminino ─os cânceres de mama e do colo do útero.
O projeto irá beneficiar, prioritariamente, as comerciárias e suas dependentes habilitadas ao Sesc, e toda a comunidade. Na Bahia, 125 mil mulheres são habilitadas ao Sesc. A unidade começou a operar no Sesc Piatã, onde deve permanecer por cerca de dois meses. Após esse período, o Sesc leva o serviço para cidades do interior, com significativo número de comerciários, sempre em parceria com as prefeituras.
A previsão é de que a unidade Saúde Mulher realize mensalmente 540 mamografias e 540 preventivos (Papanicolau), totalizando 1.080 exames, além de atender a um público de 700 pessoas por mês nas atividades de educação em saúde, por meio de palestras e orientações.
Os exames e o agendamento prévio podem ser feitos na própria unidade, que funciona de segunda a quinta-feira, das 8h às 17h e sexta das 8h às 12h, no Sesc Piatã. Os documentos necessários são o Cartão Nacional de Saúde, RG, comprovante de residência e carteira do Sesc atualizada.

CDDM realiza debate sobre mulher e democracia


Foi realizado, ontem (18), na Reitoria da Universidade Federal da Bahia, o debate “O empoderamento das Mulheres, a Mídia e a Luta pela Democracia”, realizado pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos das Mulheres da Bahia (CDDM).
Juristas, jornalistas, mulheres que exercem cargos públicos e ativistas dos movimentos sociais deram o tom ao debate, que teve como objetivo analisar a crise nacional, o estado democrático e de direito, tendo foco nas manifestações de machismo e misoginia que têm ganhado expressão nos meios de comunicação e no debate político entre grupos que se confrontam em torno da pauta do impeachment da presidenta Dilma Rousseff.
 Imagemparasite_Debate_18.04.16
Isto porque os permanentes ataques à Presidenta da República tem forte viés de violência de gênero, que atinge a todas as mulheres. São inúmeras as situações de tratamento misógino, mas destacamos os exemplos da recente publicação da capa e da reportagem da Revista Isto É, de 06 de abril de 2016, ou mesmo o artigo “Uma pessoa para namorar a Dilma”, do jornalista Joaquim Mota. São abordagens que transformam questões políticas em um problema de sexualidade e de incapacidade das mulheres, o que fortalece estereótipos que dificultam ou afastam as mulheres dos espaços de Poder.
Estarão presentes: Olívia Santana, Secretária Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia e Presidenta do CDDM; Nadja Vladi, jornalista e professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia; Fátima Oliveira, articulista do Portal Geledés e Conselheira da Rede de Saúde das Mulheres Latino-americanas e do Caribe; Daniela Portugal, Mestra em Direito Público e Professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA); Rosangela Araújo, Coordenadora do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM), Anna Carvalho, professora de Literatura.
O debate, que foi aberto ao público, foi coordenado por Cássia Virgínia Maciel, Pró- Reitora de Ações Afirmativas e Assistência Estudantil da UFBA, e contou com o apoio da Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA) e da UFBA.

Procuradoria repatria US$ 54 milhões desviados da Petrobras


A Procuradoria-Geral da República (PGR) conseguiu repatriar neste mês US$ 54 milhões desviados da Petrobras em contratos da estatal com empresa holandesa SBM Offshore, investigados na Operação Lava Jato. Segundo a PGR, o valor foi desviado por intermédio do lobista Julio Faerman, que assinou o acordo de delação premiada e se comprometeu a devolver as quantias depositadas em bancos da Suíça.

A SBM, especializada na construção de plataformas de exploração de petróleo, é acusada pelo MPF de pagar cerca de U$S 42 milhões em propina para ex-funcionários e diretores da Petrobras, em troca de negócios com a estatal, entre 1997 e 2012.

Em janeiro, executivos da SBM Offshore aceitaram acordo extrajudicial com o Ministério Público Federal (MPF) no qual se comprometeram pagar multa de R$ 500 mil em troca do encerramento do processo em que são acusados de favorecimento pessoal. O valor da multa é referente às acusações contra o CEO (principal executivo) da SBM Bruno Chabas e o membro do conselho fiscal Sietze Hepkema. Cada um vai pagar R$ 250 mil.

maxresdefault

No ano passado, o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco detalhou, em depoimento de delação premiada na Operação Lava Jato, como começou a cobrar propina de empresas que pretendiam firmar contratos com a Petrobras. Barusco disse que começou a receber os pagamentos indevidos em 1997 ou 1998 da SBM, quando ocupava o cargo de gerente de Tecnologia de Instalações.

De acordo com dados recentes levantados pela força-tarefa de procuradores, que atua na Lava Jato, os desvios na Petrobras envolvem cerca de R$ 6,4 bilhões em propina a ex-diretores da estatal, executivos de empreiteiras que assinaram contratos com a empresa e agentes públicos.

Até o momento, foram recuperados R$ 2,9 bilhões e repatriados R$ 659 milhões, por meio de 97 pedidos de cooperação internacional. O total do ressarcimento pedido pelo Ministério Público Federal a empreiteiras e ex-diretores da Petrobras chega a R$ 21, 8 bilhões.

“Se é arte, estou dentro”


Ele é de Camacã (BA), foi modelo, é arquiteto, artista plástico, pintor, bailarino e ator de cinema. Antônio Carlos Moura é um dos muitos talentos baianos que com muito estudo e esforço vem marcando presença no cenário brasileiro. “A gente não vê uma grande valorização do trabalho do artista”, lamenta. Moura se prepara para a próxima exposição “Ave Avis Rara” e também para mais uma produção cinematográfica: ‘Um velho amigo do mar’, no qual dará vida a um velho pescador. Quer conhecer melhor esse artista? Então não perca mais tempo e leia a entrevista abaixo.

20150702_210024

 

Blog Carvalho News – Você foi modelo, é artista plástico, ator, bailarino e fotógrafo. Quando descobriu que possuía esses múltiplos talentos?

Antônio Carlos Moura – Como artista sempre fui autodidata. Desde criança  gostava de pintar, desenhar e procurei por conta própria adquirir livros que ensinavam técnicas de desenho e pintura. Sou uma pessoa muito curiosa em relação à arte. Costumo dizer que se é arte eu estou dentro.

BCN – Morar distante de grandes centros urbanos é empecilho à carreira artística?

Antônio Carlos Moura – Um pouco porque no interior a gente não sente uma grande valorização ao trabalho do artista até pelo fato da nossa região, passar por uma situação econômica complicada devido a crise. Há também a crise motivada pelo declínio do cacau, a maior riqueza econômica dos municípios do Sul baiano. Outro empecilho, às vezes,  é a falta de visão dos políticos que consideram sempre a arte algo supérfluo. Infelizmente, já tive a oportunidade de escutar um dirigente político falar que o importante é educação e saúde e arte é supérfluo. E não é bem assim, pois a arte direciona caminhos, cura, é o retrato da cultura de um povo, que é conhecido pelo o que ele realiza a nível cultural e isso podemos observar em países europeus e na América do Norte onde a cultura é extremamente valorizada.

BCN – Você é autodidata em pintura. De onde vem sua inspiração? E como é seu processo criativo?

Antônio Carlos Moura – Em pintura sou autodidata. Em artes, sou curioso e gosto de tentar várias técnicas, mas encontrei na colagem minha expressão artísticas por isso venho trabalhando com ela. A inspiração vem  de tudo. Seja a beleza, alguma mensagem que se gostaria de passar. Eu gosto sempre de realizar uma exposição com um tema, um conceito. No “Faces da Beleza Negra e Mestiça”, escolhi esse tema porque foi um dos primeiros trabalhos, que realizei em colagem, colagem arte como eu chamo. A beleza negra e a mestiça são uma beleza de traços raros e marcantes e a gente passa um momento, a nível mundial, onde evoluímos muito no sentido científico e tecnológico, mas nas relações humanas e sociais ou paramos de evoluir ou retrocedemos. Hoje em dia, vemos pessoas negras sendo humilhadas em redes sociais e estádios de futebol. Onde fica a evolução do ser humano? A gente sabe que a base de toda relação humana é o respeito. Se você quer ser respeitado, tem que respeitar o seu próximo.

 

Mais da carreira de Antônio Carlos Moura

BCN – Em 2015, você lançou a  exposição “Faces da Beleza Negra e Mestiça”. Como surgiu a ideia de apresentar suas peças de arte desta forma?

Antônio Carlos Moura – Vi alguns trabalhos de Derek Gores, Anderson Thieves e Vik Muniz e resolvi experimentar. Acabei descobrindo a minha maneira de trabalhar com a colagem, que é diferente das desses artistas. Acho que cada artista tem a sua forma de trabalhar e a minha colagem é diferente de todos os outros. Acredito que a colagem tem  um colorido vibrante, algo que nenhuma outra técnica oferece. Por isso que a escolhi para desenvolver minhas obras.

BCN – É possível viver exclusivamente da arte no Brasil?

Antônio Carlos Moura – Existem alguns poucos que conseguem viver, mas infelizmente aqui na nossa região ainda não é uma realidade. Eu, por exemplo, não conseguiria viver exclusivamente da arte aqui no momento, mas isso não me desanima. A gente sabe que é um caminho longo a ser percorrido. Quando você tem o talento reconhecido ai pode alcançar esse status e conseguir viver exclusivamente de arte.

BCN – Sabemos que você integra o elenco de uma produção cinematográfica. O que pode nos falar desse novo personagem?

Antônio Carlos Moura – Trabalhei como gestor de Cultura aqui em Camacã, de 2013 a 2015. Nesse período, participei de alguns fóruns de cultura pela região até Feira de Santana. Nesses eventos, em algumas mesas de trabalho você desenvolve alguns temas e depois tem que apresentar. Em um deles também participava o diretor J. Melo de Ubaitaba. Ele viu minha apresentação, gostou muito e de início me convidou para fazer uma ponta no filme. Depois ele sentiu um certo potencial em mim e me convidou para fazer o vilão do filme “Cobiçado coração de um homem“. J.Melo realiza um filme todo o ano, com tema e atores regionais. O que ele quer? Que as pessoas que assistem a produção se identifiquem com a estória, que reflitam sobre a realidade deles e se identifiquem com os personagens. Esse  ano ele me convidou para trabalhar na produção “Um velho amigo do mar” no qual irei interpretar um velho pescador, para isso estou deixando crescer a barba para ajudar a compor o personagem. É muito legal trabalhar com ele… Trabalhamos de forma voluntária. Ele consegue apoio das prefeituras onde se passa as filmagens e de alguns empresários. A gente aprende muito. Ele também consegue apoio de muitos jovens que trabalham no filme. É uma forma de exercitar o comprometimento, a disciplina, realizar alguma coisa. Isso é muito importante para a formação do jovem.

 

BCN – Já ganhou algum tipo de prêmio como ator?

Antônio Carlos Moura – Ganhei o prêmio de ator revelação com o filme “Cobiçado coração de um homem”. Esse ano estou me preparando para concorrer ao Prêmio de Melhor Ator.

BCN – Quais os projetos futuros?

Antônio Carlos Moura – Tem a minha próxima exposição, Ave Avis Rara, devo fazer o circuito Shopping Jequitibá, Fundação Itabunence de Cidadania e Cultura, Universidade UFSB a fazer o circuito  . Tenho um convite também para expor na Assembleia Legislativa de Salvador, e isso deve ocorrer mais para o final do ano e também vou atuar no filme do J. Melo, “Meu Amigo do Mar”. Eu tenho o meu instagran @antoniocarlosmoura e através dele uma pessoa da Ilha de Sardenha,Itália, gostou do meu trabalho e encomendou quatro telas em colagem, que vou encaminha até maio e isso pode abrir um caminho para o mercado europeu. Quem sabe.

BCN – Qual o conselho que daria para os iniciantes no mundo das artes?

Antônio Carlos Moura – Não desista e invista em você. Invista em conhecimento, técnica em aprimorar o que você faz para que faça cada vez melhor. Dessa maneira você será reconhecido e terá sucesso. É um mundo complicado com grande concorrência. A gente sabe que nem sempre os mais talentosos chegam ao reconhecimento. Arte é vida e  enquanto a  gente viver sente a necessidade de produzir arte e que as pessoas gostem e apreciem o nosso trabalho.

 

 

Vasco é campeão da Taça Guanabara


O Vasco conquistou a 12ª Taça Guanabara da sua história. Neste domingo (17), o Cruzmaltino venceu o Fluminense por 1 a 0, na Arena da Amazônia, em Manaus. O gol de Riascos garantiu o título e a vantagem do empate ao time de São Januário na semifinal do Campeonato Carioca.

O adversário do Vasco (17 pontos) será o Flamengo, que somou 12 pontos e encerrou a Taça GB na quarta colocação. Já o Fluminense pega o Botafogo e também pode empatar para chegar à final e manter vivo o sonho do título.

vasco

FLUMINENSE 0 X 1 VASCO

Local: Arena da Amazônia, em Manaus (AM)
Árbitro: João Batista de Arruda
Auxiliares: Jackson Lourenço Massarra e Diego Luiz Couto Barcelos
Renda: R$ 2.214.000,00
Público: 28.291 pagantes / 32.061 presentes
Cartões amarelos: Douglas, Fred, Renato Chaves e Edson (Fluminense); Jorge Henrique e Marcelo Mattos (Vasco)
Cartões vermelhos: Edson (Fluminense); Marcelo Mattos (Vasco)
Gol: Riascos, aos 20min do segundo tempo

FLUMINENSE
Diego Cavalieri; Wellington Silva, Marlon, Renato Chaves (Nogueira) e Giovanni; Edson, Douglas, Gerson, Marcos Junior (Higor Leite) e Osvaldo; Fred (Magno Alves)
Técnico: Levir Culpi

VASCO
Martín Silva; Madson, Luan (Rafael Vaz), Rodrigo (Diguinho) e Henrique; Marcelo Mattos, Julio dos Santos (Eder Luis), Andrezinho e Nenê; Jorge Henrique e Riascos
Técnico: Jorginho