Quando a ignorância vence a solidariedade


O discurso de ódio fez uma mãe desistir do caminho mais eficiente para reencontrar a filha: a divulgação da informação e pedido de ajuda através dos meios de comunicação.

A menor de 15 anos desapareceu de casa no último dia 4. Desesperada, a família entrou em contato com o jornal e pediu ajuda. Imediatamente, o Extra publicou a notícia e os telefones para quem tivesse informações. A reação de parte dos internautas foi chocante: muitos leitores atacaram a menina pelo fato de ela ter uma namorada.

A mãe da garota fez um apelo:

“Boa tarde gente aqui é a mãe da adolescente,acho desnecessário os comentários de ofensa ela é uma menina de família criada na igreja,ela esta desorientada,ninguém sabe o que esta acontecendo sou uma mãe desesperada”.

Uma das leitoras do Extra sugeriu que o jornal suprimisse a informação de que a menina poderia estar com a namorada.

“Ana Clara Jabur Legal, Jornal Extra, expondo uma pessoa com menos de 18 anos pro Brasil inteiro com essa manchete em troca de um par de comentários criminosos que só disseminam ódio.”

É importante ressaltar: a leitora sustentou sua posição com argumentos e não com ofensas ou preconceito. Apenas discordou da linha editorial. O jornal, por sua vez, discordou da leitora. Entendeu que omitir a informação seria adotar o mesmo procedimento que está na raiz dos comentários que ofenderam a família, o preconceito. E mais: como a família sabe onde a suposta namorada mora, a informação poderia ser importante na localização. O jornal respondeu:

“Jornal Extra Oi, Ana Clara Jabur.  Tudo bem? Estamos expondo a foto e a história a pedido da família, para facilitar a busca. Nós noticiaríamos exatamente do mesmo jeito caso ela tivesse fugido com um namorado, ou com um amigo, ou com uma amiga, ou…. Enfim. Mas, infelizmente, não podemos conter o olhar homofóbico das pessoas.”

Muitos leitores apoiaram a postura da família em não ter vergonha ou preconceito em divulgar a informação. Mas no final da tarde, a mãe jogou a toalha. Assustada com os comentários agressivos a família pediu para tirar a reportagem que noticiava o desaparecimento do ar.

– Lamentamos ter que tirar a matéria do ar por causa de ataques de homofobia, por causa das agressões que estamos sofrendo – disse o padrasto.

O Extra, mais uma vez, atendeu ao pedido da família e retirou a matéria do ar.

Fonte: Jornal Extra