Fumaça de queimadas tem potencial cancerígeno revela estudo da USP


Marcelo Carvalho

Além do desastre ambiental e potencial de prejuízo patrimoniais, as queimadas que atingem áreas em diversos estados do Brasil também trazem riscos à saúde das pessoas. Além dos já conhecidos problemas pulmonares e cardíacos, os compostos resultantes das queimadas causam a morte de células e têm potencial cancerígeno. A constatação foi feita por pesquisadores da USP e foram trazidas em reportagem do jornal Estadão.

Pesquisa foi conduzida em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Os cientistas identificaram elevada concentração de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos no ar respirado pela população da cidade.

Para chegar aos resultados, amostras do material particulado do ar e a exposição de células do fígado às substâncias fixadas no extrato da filtragem foram coletadas e filtradas. De acordo com o Estadão, o resultado impressionou as pesquisadoras. Em 72 horas de exposição, houve a morte de parte das células. Em apenas quatro horas, já havia danos ao DNA, revelando o potencial de câncer.

O estudo foi conduzido pela professora Maria Lúcia de Arruda Moura Campos e a pesquisadora Caroline Sacaramboni, ambas da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto.

Conforme a reportagem, os resultados vão compor a tese de doutorado de Caroline e mostram que a concentração desses hidrocarbonetos, uma classe de mais de cem substâncias químicas conhecidas pela sigla HPA, se torna muito elevada quando a cidade está imersa em uma nuvem de neblina e fumaça por causa das queimadas.

Mais de 50% da população brasileira adulta já recebeu as duas doses da vacina contra Covid


Marcelo Carvalho

O sistema do Ministério da Saúde já computa mais de 222 milhões de doses das vacinas contra a Covid-19 aplicadas na população brasileira. De acordo com a pasta, o país alcançou nesta segunda-feira (20) a marca de 50% da população adulta, estimada em 158 milhões de pessoas, com o esquema vacinal completo com as duas doses ou a dose única da vacina Covid-19. O número corresponde a 80,5 milhões de brasileiros.

Na última semana, o Ministério da Saúde recomendou a redução do prazo entre as duas doses da Pfizer, de 12 para oito semanas. Com a medida, deve acelerar o processo de imunização da população.

Segundo o Ministério, a visão é de que com cada vez mais brasileiros protegidos, o sistema de saúde fica menos sobrecarregado, podendo atender com mais eficiência pacientes com outros tipos de enfermidades. Mais de 22 estados apresentaram taxa de ocupação abaixo de 50%, parâmetro considerado como dentro da normalidade.

Desde o começo da campanha, em janeiro deste ano, cerca de 141 milhões de pessoas já tomaram a primeira dose da vacina, o que equivale a quase 90% da população maior de 18 anos.

Consumo de carne reduziu em 67%, segundo Datafolha


Marcelo Carvalho

Pesquisa Datafolha realizada de 13 a 15 de setembro mostra que 85% dos brasileiros reduziram o consumo de algum item alimentício desde o início do ano, com destaque para carne de boi, refrigerantes e sucos e laticínios. No sentido contrário, cresceu o consumo de ovo como proteína substituta.
 

De acordo com o levantamento, 67% cortaram o consumo de carne vermelha; 51% o de refrigerantes e sucos e 46% o de leite, queijo e iogurte. Pão francês, pão de forma e outros pães aparecem com 41% de redução.
 

Outros itens básicos, como arroz, feijão e macarrão, estão sendo menos consumidos por 34%, 36% e 38% da população, respectivamente.
 

O consumo de frango, porco e outros tipos de carne e do grupo frutas, legumes e verduras também teve queda relevante. Nesses casos, no entanto, também se destaca o percentual de entrevistados que disse ter aumentado a compra desses itens (ver tabela neste texto). Isso pode indicar uma substituição de itens da cesta básica.
 

Esse fenômeno é percebido melhor na questão dos ovos: 50% das pessoas aumentaram o consumo do produto e 20% reduziram.
 

O índice de inflação ao consumidor em 12 meses está próximo de 10%, mas a alta da alimentação em domicílio chega a 17%, com destaque para produtos como arroz (33%), carnes (31%), ovos (14%) e leites e derivados (12%).
 

De acordo com a pesquisa Datafolha, não há grande diferença entre o percentual de pessoas com redução no consumo de itens alimentícios na abertura por idade ou escolaridade, todos com percentual em torno da média de 85%.
 

Por faixa de renda, os percentuais são altos mesmo nas famílias com renda acima de dez salários mínimos: 67% relatam ter cortado algum desses produtos. Na faixa até dois salários, são 88%.
 

Por ocupação, destacam-se abaixo da média os empresários (67%).
 

O percentual fica em 75% no Sul e 89% no Nordeste. Há diferenças também entre homens (82%) e mulheres (87%); pretos (91%) e brancos (82%); pessoas que avaliam o governo positivamente (73%) e negativamente (89%).
 

A perda de renda causada pelo aumento do desemprego na pandemia também pressiona o poder de compra dos mais pobres.
 

Há 19 milhões de brasileiros em situação de fome no Brasil, segundo dados de 2020 da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan). A comparação com 2018 (10,3 milhões) revela que são 9 milhões de pessoas a mais nessa condição.

Bill de Blasio critica postura de Bolsonaro em Nova York


O prefeito de Nova York declarou “se o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, não quer se vacinar contra a Covid-19, que “não incomode vindo” à cidade americana”.

Marcelo Carvalho

Prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio afirmou nesta segunda-feira (20) que, se o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, não quer se vacinar contra a Covid-19, que “não incomode vindo” à cidade americana.
 

A crítica foi feita em meio à viagem do presidente brasileiro aos Estados Unidos para participar da Assembleia-Geral da ONU, onde discursará nesta terça-feira (21). A cidade tentou exigir que chefes de Estado e representações diplomáticas só participem do evento se estiverem vacinados, mas a ONU tem dito que não pode exigir isso dos líderes mundiais.
 

Nova York exige comprovante de vacinação para entrar em centros de eventos e restaurantes –o que resultou na imagem do presidente brasileiro comendo uma pizza na calçada, por exemplo.
 

Nesta segunda, Bill de Blasio elevou o tom e citou Bolsonaro nominalmente. “Nós devemos mandar uma mensagem a todos os líderes mundiais, incluindo, mais notavelmente o presidente do Brasil, Bolsonaro. Quem quer vir precisa estar vacinado. Se você não quer se vacinar, não incomode vindo”, afirmou o prefeito americano.
 

A transmissão oficial da Prefeitura de Nova York ainda colocou uma foto de Bolsonaro com a legenda: “vacine-se”. “Todos devem estar seguros juntos, ou seja, todos devem estar vacinados. A ampla maioria do pessoal das ONU e a ampla maioria dos Estados-membros estão fazendo a coisa certa”, disse o prefeito.
 

De Blasio ressaltou que a cidade instalou um centro móvel de vacinação em frente à sede das Nações Unidas para imunizar os que participarem do evento. “Estamos felizes em vacinar todo mundo para manter esta cidade segura, para manter todo mundo que está envolvido seguro”, disse.
 

Nova York foi um dos locais mais afetados pela Covid-19 nos Estados Unidos, com 34 mil mortes. No pico da doença, em abril do ano passado, a cidade sozinha registrou dias com média de mais de 800 mortes. Com a vacinação em massa e restrições como a exigência de comprovante de vacinação, a cidade conseguiu sobreviver a outras ondas da doença que atingiram os Estados Unidos, inclusive a atual, com o avanço da variante delta, quando o país voltou a registrar mais de 2.000 mortes por dia.
 

Bill de Blasio já teve outros atritos públicos com Bolsonaro. Em 2019, quando o Museu de História Natural dos EUA se recusou a sediar um jantar em homenagem ao brasileiro, De Blasio elogiou a iniciativa e afirmou que o presidente é um “homem perigoso”.
 

Após troca pública de ofensas, o prefeito nova-iorquino afirmou que Bolsonaro “fugiu, nenhuma surpresa, valentões não aguentam um soco. Já vai tarde”.

Autor de parecer contrário à Festival de Jazz do Capão é denunciado pela MPF


Marcelo Carvalho

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou, nesta segunda-feira (20), à Justiça Federal do Rio de Janeiro, Ronaldo Daniel Gomes, autor do parecer contrário ao Festival de Jazz do Capão no âmbito da Lei Rouanet. Ele teria negado apoio público ao evento após os realizadores publicarem nas redes sociais de que tratava-se de um “festival antifascista e pela democracia”.

Ronaldo Gomes está sendo denunciado de acordo com uma previsão do artigo 39 da Rouanet, que estabelece: “constitui crime, punível com a reclusão de dois a seis meses e multa de vinte por cento do valor do projeto, qualquer discriminação de natureza política que atente contra a liberdade de expressão, de atividade intelectual e artística, de consciência ou crença, no andamento dos projetos a que se refere esta Lei”.

Ex-coordenador de Análise Técnica de Projetos Culturais do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), Ronaldo era o responsável na Fundação Nacional de Artes (Funarte) por analisar os projetos culturais apresentados no âmbito da Lei Rouanet.

Em janeiro de 2021, o denunciado recebeu o projeto referente ao Festival de Jazz do Capão e indicou a parecerista credenciada Daniela Correa Braga para emitir opinião técnica sobre a proposta. Entre fevereiro e março, a indicada emitiu pareceres favoráveis ao evento realizado na Chapada Diamantina, Bahia, pois, segundo ela, “o festival já estava em sua 9ª edição, era totalmente gratuito à população, promovia o intercâmbio com artistas de outras regiões e não teria por quê não habilitá-lo”.

Entretanto, o parecer de Daniela Braga foi substituído por um outro, elaborado por Ronaldo e que, segundo o MPF, discrepa totalmente do padrão de pareceres da área, apresentando citações a respeito de uma suposta “natureza divina da música” para justificar a reprovação do projeto para apoio da Lei Rouanet.

“Verifica-se, assim, que o denunciado, no exercício da função de Coordenador de Análise Técnica de Projetos Culturais da Funarte, dolosa e conscientemente discriminou, por motivos políticos, o andamento do projeto “Festival de Jazz do Capão” (PRONAC 204126)”, afirma a ação do MPF.

Conforme a denúncia, a discriminação consistiu na exclusão dolosa do parecer técnico favorável elaborado pela profissional designada, e na inclusão de seu próprio parecer, contrário ao projeto, apenas porque os organizadores do festival declararam, em rede social, que o evento era “antifascista e pela democracia” e que “não podemos aceitar o fascismo, o racismo e nenhuma forma de opressão e preconceito”.

Ouvido pelo MPF, Ronaldo afirmou que não recebeu ordem superior para excluir o parecer favorável elaborado pela profissional credenciada e substituir pelo de sua autoria.

Na Bahia, diabéticos ficam sem insulina após atraso do Ministério da Saúde


Ainda não há uma previsão para o abastecimento 

Thais Paim

Setembro começou difícil para os pacientes portadores de Diabetes mellitus e dependentes de insulina do tipo glulisina na Bahia. O motivo? Até o momento não há certeza e nem previsão de recebimento das canetas com o hormônio.

Assim como outros medicamentos, as canetas de insulina são enviadas pelo Ministério da Saúde para o estado, e ainda não há uma sinalização por parte da pasta federal para o abastecimento do medicamento neste mês. 

Histórico de reabastecimento 

Em julho, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) confirmou que os estoques de insulina na Bahia chegaram a ficar zerados. 

Segundo informações da Sesab, em 19 de agosto chegaram 5.580 insulinas do tipo glulisina, completando um quantitativo para atender as pendências de julho e agosto. “Mas para o mês de setembro ainda nada nos foi enviado”, destacou a pasta estadual.

A secretaria ainda sinalizou que tem feito cobranças e enviado notificações ao Ministério da Saúde cobrando a regularização do fornecimento por meio de planejamento trimestral.

Outros médicos 

A questão dos atrasos nas entregas de fármacos não é exclusiva da insulina. Na semana passada aumentou para 22 o número de medicamentos com estoque zerado ou em iminência de falta para pacientes da Bahia por falta de distribuição do Ministério da Saúde.

Um mês antes, pacientes baianos com HIV/Aids, meningite e anemia falciforme estavam com seus respectivos tratamentos ameaçados e alguns já prejudicados por falta de estoque de alguns medicamentos no estado. Na época eram 18 os fármacos nesta. 

Fonte: Bahia Notícias 

Prazo para regularização do MEI encerra na próxima terça-feira (31)


Marcelo Carvalho

Os Microempreendedores Individuais (MEIs) com impostos atrasados têm até a próxima terça-feira para regularizarem suas dívidas. Para quitar o débito,  o contribuinte acessar o site do Simples Nacional até 31 de agosto. Clique aqui.

A partir de setembro, os débitos não regularizados serão encaminhados para inscrição em dívida ativa da União. Fique atento ao prazo e fuja da inadimplência.

Ilhéus: prefeitura abre cadastro para profissionais da dança


Marcelo Carvalho

A Prefeitura de Ilhéus, por meio da Secretaria Especial de Cultura, abriu cadastro para profissionais da dança que desenvolvem suas atividades no município. Os interessados precisam preencher o formulário disponibilizado no link abaixo.

Setorial da Dança – Cadastramento. Clique aqui

Conforme a secretaria, o cadastro tem o objetivo de compor um banco de dados, visando mapear os artistas e traçar o diagnóstico para obter dados mais precisos sobre o movimento da dança na cidade e região.

Vitória: sábado de esperança e alívio com segunda dose da imunização


Marcelo Carvalho

A dona de casa Gleice Kelly Luzia Silveriano, de 35 anos, acordou cedinho e foi a primeira pessoa a receber a vacina no mutirão contra o coronavírus deste sábado (28), na Unidade Básica de Saúde de Maria Ortiz. Ela perdeu o marido para a doença. “Estou muito feliz por ter sido imunizada. O meu marido, que tinha 49 anos, pegou a Covid-19, mas não resistiu. Desejo que todas as pessoas daqui da comunidade tenham a mesma oportunidade”, afirmou.

No Maanaim, no bairro Mário Cypreste, próximo à rodoviária de Vitória, também teve mutirão. No Dia do Voluntário, tinha até colaborador vestindo fantasia de palhaço.

Muita gente foi ao Maanaim receber a segunda dose do imunizante Fotos: Jansen Lube

Dona Tereza Lisboa Silva, de 53 anos, estava se sentindo mais aliviada depois de receber a segunda dose. “Eu sou cuidadora de idosos. Preciso ter a saúde em dia porque fico em contato direto com pessoas que fazem parte de grupos de risco. Hoje é um dia especial para mim”, comemorou.

Ao todo, foram 9.100 doses ofertadas no mutirão, sendo 8.700 da Pfizer e 400 da Astrazeneca. A segunda dose da Pfizer foi aplicada no Maanaim Vitória, Ginásio UniSales, Igreja Batista em Jardim da Penha, Casa do Cidadão e unidades de saúde Santo Antônio, Jardim Camburi, Conquista e Vitória (Centro).

Já a segunda dose da vacina Astrazeneca foi aplicada em pessoas que receberam a primeira até 24 de junho. A vacinação aconteceu na Unidade de Saúde Vitória (Centro).

Vacinação avança

Até o momento, Vitória já aplicou 473.502 doses da vacina contra a Covid, sendo 296.422 da primeira dose, o que representa 104,20% da população adulta vacinável com a primeira dose e 177.090 da segunda dose e dose única, o que representa 62,25% totalmente imunizada.

Indivíduo que tentava furtar fiação é detido pela Guarda Municipal


Marcelo Carvalho

Um indivíduo que tentava furtar a fiação elétrica, na altura da agência da Caixa Econômica Federal, localizada na avenida César Hilal, foi detido pela Guarda Civil Municipal de Vitória deteve, na manhã deste sábado (28),

O homem foi flagrado pelo agente Rodrigues, que estava dentro do ônibus quando viu a situação. Imediatamente, pediu ao motorista para descer e fez a abordagem. 

O indivíduo foi conduzido ao DPJ de Vitória, no bairro Consolação. A ocorrência terá continuidade na Polícia Civil.

Desde o início do ano, a Guarda Municipal intensificou as operações para inibir os crimes de furto e receptação de fios de cobre da iluminação pública e de semáforos. Mais de 850kg já foram apreendidos nas prisões e operações em diversos pontos da capital.