Alesp abre comissão de ética contra o deputado Cury


O deputado anunciou hoje que contratou um especialista em gestão de risco para ajudar a prosseguir com o caso

O caso do Deputado estadual, Fernando Cury, que assediou a deputada Isa Penna do PSOL, na ultima quinta feira em sessão Pública na Alesp (Assembleia legislativa do estado de São Paulo), foi um dos principais assuntos da semana passada. 

A comissão de ética da Alesp abriu uma cessão extraordinária e alcançou o quórum que era preciso para iniciar apuração sobre o caso. Isa Penna em entrevista ao UOL falou sobre o processo de apuração e sobre querer a cassação do mandato do deputado Cury pela justiça.   

É muito importante a cassação, porque assediador e assediada não podem conviver juntos no mesmo espaço, E a notícia de que agora nós temos o quórum e as assinaturas necessárias para abrir o Conselho de Ética dia 7 de janeiro é fruto de um trabalho coletivo da deputada Mônica (Seixas), Érica (Malunguinho) e Carlos Giannazi”.

A deputada do PSOL ainda falou sobre o apoio que recebe dentro da Alesp de todos os partidos, também citou o presidente da Câmara dos deputados Cauê Macris e do governador do estado João Doria, ambos do PSDB, que não foram solidários com a vítima do crime ocorrido na quinta feira passada.

No decorrer da entrevista a deputada conta que não foi nem a primeira nem a trigésima vez que isso ocorreu com ela, não só na Alesp mas também na época como vereadora, ela já passou por diversos casos do tipo. Relembrou da vez que o parlamentar Camilo Cristófaro xingou a parlamentar de vagabunda e terrorista, antes disso ele assediou ela dentro do elevador, durante messes ele distribuiu indiretas e piadinhas de mal gosto, e ela que era assessora na época não podia falar somente ouvir os ataques preconceituosos. Isa ainda disse:  

“São homens que são herdeiros do poder no Brasil há séculos. São homens que não foram criados com limites na vida. É a minha única explicação. Para você ter uma ideia, na Câmara Municipal tiraram foto da minha bunda e ficaram circulando em grupo de homens. Já perguntaram o meu preço.”

Nessa segunda feira o caso teve um novo capítulo hoje, o deputado acusado Fernando Cury anunciou que contratou um especialista e gestão de crises para lidar com o caso e proteger sua imagem. O especialista é o diretor da empresa CDN desde abril de 2012, Milton Abrucio  Junior, que é certo e de crises segundo seu perfil no LinkedIn. 

O deputado estar afastado do seu partido, Solidariedade, até o fim do processo. O partido organizou uma comissão de ética para apurar o caso e tomar uma decisão sobre o futuro do deputado estadual no partido. A comissão da Alesp estar composta por Adalberto Freitas (PSL), Emidio de Souza (PT), Barros Munhoz (PSB), Wellington Moura (Republicanos), Delegado Olim (PP), Alex de Madureira (PSD),  Campos Machado (Avante) e a presidente, Maria Lúcia Amary (PSDB). O deputado Carlos Giannazi  cedeu sua vaga para a deputada Erica Malunguinho (PSOL). 

Fernando Cury foi proucurado pela imprensa para se explicar, mas não aceitou dar entrevista e se resumiu a emitir uma nota para esclarecer seu posicionamento.

“Também ressalto que não houve qualquer notificação de procedimento interno do Conselho de Ética, e por isso, tão logo seja formalmente comunicado, irei apresentar a versão dos fatos, exercendo assim meu direito de defesa…”