Aparições de OVNIs e ETs para além do susto


Quais os efeitos que a crença na existência de discos voadores deixam para trás?

João Pedro Neri

Clique para ouvir a matéria.

Indo de filmes, livros e até mesmo teorias da conspiração passadas boca-a-boca, os extraterrestres são algo que sempre mexeu com a cabeça da humanidade. Perguntas como “será que estamos sozinhos?” e “existe vida fora da terra?” são frequentes e, no momento, ainda não há resposta oficial de órgãos que monitoram possível vida espacial. De toda forma, a FAB, Força Aérea Brasileira, guarda relatos, áudios, fotos e vídeos de Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs) feitos por civis e militares. Esses documentos são enviados para o Arquivo Nacional (AN), órgão que os arquiva, preserva e deixa os registros disponíveis ao público.

Esse arquivo possuía, até 2018, cerca de 750 registros de aparição de OVNIs somente no Brasil. É importante deixar claro, aqui, a definição de OVNI como qualquer objeto voador não identificado, não necessariamente discos voadores. Partindo desse pressuposto, um OVNI pode ser um balão meteorológico, um satélite ou até mesmo um fenômeno natural.

Casal de ETs recepcionam visitantes em Jardinópolis (SP) Foto: Marco Aurélio Esparza

Casos famosos no Brasil

O primeiro registro de aparição de objetos voadores não identificados no Brasil foi em 1952, quando, na Barra da Tijuca, foi avistado e fotografado no céu um objeto similar a uma aeronave, porém que em alguns ângulos se assemelhava bastante ao formato de um disco, lembrando um prato.

Um dos mais famosos acontecimentos referentes ao assunto no país foi a “Noite dos Discos Voadores”, quando, em 1986, mais de 21 objetos voadores não identificados forma avistados no céu do estado de São Paulo. 5 caças da Força Aérea Brasileira foram mobilizados para persegui-los, porém nenhum teve sucesso.

O aspecto econômico

Praça do Disco Voador, em Morro do Chapéu (Chapada Diamantina) Foto: divulgação

Dentro do ciclo de entusiastas de OVNIs e extraterrestres, se criou um grande aspecto econômico da coisa. Em cidades com aparições noticiadas de ETs e discos voadores, como São José dos Campos, Morro do Chapéu e Varginha, o mercado de “lembrancinhas”, artesanato e até turístico é bastante guiado pelo misticismo ao redor dos seres de outro planeta.

No Morro do Chapéu, inclusive, há uma “Praça do Disco Voador”, fundada em junho desse ano e que é um dos principais pontos turísticos da pequena cidade baiana, contando com mais de 6 mil visitantes no seu primeiro mês, segundo dados da prefeitura. Ainda em Varginha, em Minas Gerais, uma pesquisa feita pelo G1 em 2016

constatou que mais de 70% dos moradores da cidade mineira gostam que a cidade seja associada ao famoso aparecimento de extraterrestres por lá, e mais 62% dos que estavam vivos durante o acontecimento citam que o aparecimento gerou, na época, aspectos financeiros positivos em suas vidas.

João Pedro Nieri é paulista de Mogi Mirim, tem 20 anos e é graduando em jornalismo pela UNESP. Ele ama escrever, além de ser fã de futebol, basquete e tênis de mesa. Instagram: joaopnieri