Asilo onde ocorreu a 1ª morte causada pela variante Ômicron registra mais quatro casos


Marcelo Carvalho

O Brasil registrou na data de ontem (06/01), a primeira morte decorrente da variante ômicron da Covid-19. A vítima foi um homem, de 68 anos, que estava vacinado com três doses da vacina contra o vírus e tinha uma doença pulmonar obstrutiva crônica pré-existente e hipertensão arterial.

Ele estava internado em um asilo na cidade de Aparecida de Goiânia, em Goiás, e novas informações da Secretaria de Saúde da cidade indicam que a instituição hospitalar apresentou outros 52 testes positivos para COVID-19 entre pacientes.

De acordo com informações do Portal G1, dos 52 testes positivos, cinco foram sequenciadas e confirmaram a contaminação pela variante ômicron. Vale lembrar que Aparecida de Goiânia é uma das poucas cidades do Brasil que faz o sequenciamento genético em laboratório, trabalho este que determinou que mais de 90% dos casos de COVID-19 na cidade, são da variante ômicron. 

Apenas dois dos moradores do asilo precisaram ser internados, um deles foi o homem de 68 que morreu, mas sobre a segunda internação ainda não se sabe seu estado de saúde. Os outros 50 idosos receberam alta, de acordo com a secretaria. 

No boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde de Aparecida de Goiânia divulgado na tarde de ontem, 42 novos casos de COVID-19 foram registrado na cidade. Ao todo, são 167 casos ativos, que estão hospitalizados ou monitorados pela Telemedicina, oxímetros e exames. “De 93.161 casos confirmados, 91.228 estão recuperados e 1.766 vieram a óbito por COVID-19, com um óbito confirmado nas últimas 24h”, afirma o boletim. 

Na cidade, a taxa de ocupação de leitos de UTI para tratamento da COVID-19 na rede pública de saúde está em 52% e as enfermarias têm ocupação de 50%.