Disc jockey: uma profissão que exige respeito


Entre uma balada e outra, uma categoria que luta para conquistar mais dignidade

Podemos afirmar que eles são a alma de qualquer balada. Sim, estamos falando dos DJs, que são responsáveis pelo repertório musical em boates, discotecas, festas, shows etc. Mas, como é o dia a dia desses profissionais? Como se tornar um DJ de sucesso? Saiba as respostas para essas e outras perguntas lendo a reportagem a seguir.

O termo DJ é a abreviação de disc jockey. Ele é o artista que seleciona e reproduz as mais diferentes composições, previamente gravadas ou produzidas na hora para um determinado público, trabalhando seu conteúdo e diversificando seu trabalho em frequências moduladas (FMs), pistas de danças de bailes, clubes, boates e danceterias.

O DJ Alexandre Figueiredo revela que desde a infância preferia ouvir música e fazer sets, ao invés de assistir a desenhos animados. “Nunca tive muito talento para dançar, mas adorava frequentar festas. Então, comecei a comandar o som animando e tendo a oportunidade de passar meus sets lists, para todos ouvirem e dançarem. Isto me deixava extremamente feliz e era prazeroso. Assim descobri a minha vocação para ser DJ e com o tempo passei a atuar profissionalmente”, lembra o profissional de São Paulo.

DJ Alexandre
DJ Alexandre Figueiredo

Com o DJ Marcos Taskila, também de São Paulo, o início não foi muito diferente. Seus pais sempre compravam vinis e promoviam festas em casa. Taskila acredita que isso tenha colaborado bastante para que se tornado um DJ. “Lembro-me quando ganhei de presente do meu pai um aparelho dois em um. Na época era uma sonata. Recebi também uns compactos do John Lennon, Nikka Costa, Michael Jackson e isso só fez aumentar o meu gosto por musica”, acredita ele, que logo decidiria se tornar um disque jóquei.

“Com nove anos, já tinha a minha boate”, diverte-se o DJ Cacharrel Werner. Como desde pequeno se sentia atraído por equipamentos eletrônicos, ele juntou um toca fitas e duas caixas de som e pronto, “jurava que era uma boate”, declara. Segundo ele, assim começou sua admiração por música, e em especial a eletrônica. “Acredito que nasci para ser DJ, pois ninguém vira algo, mas sim já nasce para ser”, afirma Werner, que é de Santa Catarina. Saiba Mais sobre a carreira de DJ

O DJ Dan Victor não esconde que buscou atuar no ramo musical de diversas formas. “Toquei teclado, tentei tocar violão, cheguei até a compor algumas canções, e ainda componho, mas não me encaixava como imaginava”, admite. O primeiro contato com o universo dos disque jóqueis foi aos 17 anos através de um amigo DJ. “Há três anos sou residente da Bubalooo Produções (produtora de eventos) e em agosto deste ano completo cinco anos de carreira”, comemora o baiano.

Mas, o que é necessário para se tornar um disque jóquei? Na opinião de Cacharrel, depende de qual tipo de DJ se almeja ser.  Caso o objetivo for ser artista de um estilo só, por exemplo, é necessário ouvir e conhecer o que há de novo especificamente no estilo que adotou.  Para ser especialista em casamentos é preciso ter uma boa bagagem, conhecer e ouvir de tudo (preferencialmente o melhor de cada estilo), ter um repertório aberto e, também, após cada contratação, buscar conhecer (estudar) o público alvo. “Porém, continuo afirmando: você nasce para ser DJ e isso ninguém ensina! O talento tem que estar dentro de você”, garante.

Como qualquer profissão, a de DJ também tem seus desafios. Segundo Dan Victor, o assédio é um deles. “Lidar com o público é a parte mais gostosa e também mais complicada do ‘ser DJ’. Algumas pessoas nos tratam como técnicos de som, que apenas estão ali para não deixar que a festa pare. Já outros tratam como um grande artista, idolatram, beijam, pedem foto, pelo simples fato da pessoa que está atrás da mesa de som ter tocado uma música que marcou a vida deles de alguma forma. Manter esse equilíbrio exige muito mais da gente do que se imagina”, garante.

DJDan Victor (2)
DJ Dan Victor

Para o DJ Alexandre Figueiredo, o maior desafio é agradar a todos em uma festa. “Em celebrações particulares tais como festas de casamentos, aniversários, debutantes, temos que ter um repertório bem eclético por tratar-se de público que atravessa todas as faixas etárias, diferente de tocar em uma balada (ex. casas noturnas) onde o set list é determinado, voltado para um perfil de público, geralmente um só estilo, neste caso o desafio é consolidar minha identidade dentro perfil musical escolhido”, explica.

Já Cacharrel Werner defende que o desafio é mudar a imagem que muitos têm do disque jóquei. “Muitos julgam o DJ como um desocupado ou fanfarrão. Percebi que poucas pessoas acreditavam que se pode vencer na vida sendo um DJ. Meu desafio foi mostrar que se pode. Eu pude”, garante.

DJ Cacharrel Werner (1)
DJ Cacharrel Werner

Para o presidente da Associação dos DJs do Paraná, Sandro Tanck, uma das dificuldades que o disque jóquei enfrenta é a transição de ser artista para ser trabalhador CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).  “Agora o DJ tem que ter a carteira assinada”, alerta o líder da categoria. Tanck destaca que, atualmente, não há um nivelamento no que é pago para que esse artista faça sua apresentação. “Vemos DJs famosos ganhando 10 mil dólares e outros recebendo R$150,00 por duas horas de apresentação. Essa é a realidade de nosso país”, denuncia.

Considerada cidade modelo, Curitiba também é conhecida como a capital da música eletrônica. Segundo Tanck a ideia é que a associação se torne um sindicato. “Assim poderemos atender aos nossos DJs com mais austeridade”, acredita. Entre as conquistas da entidade, Tanck cita os projetos de lei que criaram e a Semana do Fomento da Música Eletrônica, a Semana do Skate, a Semana do Surf, e a Semana da Moda. “Todos esses eventos entraram no calendário oficial do Paraná”, declara.

Tramitando no Congresso já há algum tempo, o Projeto de Lei nº2081/15, propõe a regulamentação ofício de disque jóquei. De acordo com a proposta, para exercer a profissão será necessário um curso técnico aprovado pelo MEC com carga horário mínima de 800 horas. Ou, que o interessado esteja executando esse trabalho há pelo menos cinco anos. O documento também trata das relações trabalhistas. A lei já foi vetada pelo poder executivo e sua aprovação neste momento encontra-se pendente.

As condições de trabalho é outro assunto que preocupa os disque jóqueis. Segundo Alexandre Figueiredo, “Por ter uma agenda bem cotada, a maioria das vezes não é possível fazer uma visita técnica prévia ao local. Acabando sendo obrigados a nos adequarmos no momento em que acontecerá o evento”, afirma.

Dan Victor lamenta o fato de ocorrerem casos de produtores que não tratam o DJ profissional como ele realmente merece. “Não digo só por mim, quase todos os disque jóqueis que conheço já sofreram algum tipo de negligencia”, revela.

 

A busca diária por novos trabalhos


Conquistar clientes é uma luta diária. O DJ Taskila lança mão das redes sociais para auxilia-lo nessa tarefa. “Uma boa discotecagem também ajuda bastante, além dos flyers de festas”. Aposta.  O DJ Cacharrel Werner também utiliza a internet como ferramenta para divulgar seu trabalho. “Trabalho há 10 anos no segmento casamentos, já fiz um bom nome, o que ajuda muito! A internet é algo também que atrai muitos clientes, pois Santa Catarina, especialmente o litoral, é um destino de casamentos e por isso realizamos casamentos de pessoas de todo o Brasil e até de fora”, declara.

DJtaskila (3)
DJ Taskila
Sandro Tanck2
Sandro Tanck, presidente da Associação de DJs do Paraná

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando o assunto são projetos, a paixão pelo que se faz é ainda mais evidente. Cacharrel Werner pretende alcançar o reconhecimento similar a de seus ídolos (Djs Irai Campos, Memê, Patife, Andre Werneck, Milton Chucker, Avicci, Calvin Harris e Bob Sinclair). “Com um bom trabalho (como o que faço) espero ‘chegar lá’, pois sempre trabalho de forma diferenciada, unindo o talento de DJ com atrações em conjunto, estudo,  me dedico e ofereço sempre o que for de melhor. Tudo para ser reconhecido como pioneiro em casamentos aqui ! Espero ter saúde pra continuar fazendo isso por muitos anos”, torce.

Alexandre Figueiredo garante que pretende permanecer muitos anos atuando. “Quero continuar tocando nas festas e baladas por pelo menos uns 20 anos. Amo muito o que faço e não pretendo parar”, derrete-se. Já Marco Taskila pretende levar sua arte à Europa. “Quero discotecar pelo mundo”, garante.

Dan Victor tem muitos planos para por em prática. “Muita coisa mudou na minha agenda profissional, desde que foi lançado o clipe “Miga Sua Loka”, há dois meses, no YouTube”, garante. No clip, o dj faz uma participação como o Divo dos Paredões, o que serviu para abrir-lhe várias portas. “Estou com eventos fechados até fevereiro do ano que vem”, comemora. O artista adianta que seus fãs, carinhosamente conhecidos como lovers podem prestigiar seu trabalho em dois eventos que acontecerão em Itabuna (BA). “Dia 13, toco na Bubalooo Birthday, edição de 10 anos da produtora de eventos LGBT. No dia 20, toco na Electroland, uma rave que divido as pick-ups com mais dois profissionais da região e outros dois de Salvador”, finaliza.

Resta torcer para que os disc jockeys consigam o reconhecimento e o respeito que tanto almejam. E que o Projeto de Lei nº 2081/15, seja enfim aprovado para que esses profissionais obtenham os direitos e obrigações a eles devidos.

Saiba mais

DJ Alexandre
www.djalexandre.com.br
email: [email protected]
Tel. 11 3449-4686 ou 4113-8954
Cel. e WhatsApp: (11)98537-3448 e 98538-6353

 

DJ Dan Victor

email: djdanvictor@gmail.com

https://www.youtube.com/user/MrDanVictor

Cel e Whatsapp: (73)99133-2033

 

DJ Taskila

email: [email protected]

Cel e Whatsapp: (11)98121-7529

 

DJ Werner

email: [email protected]

Cel e Whatsapp: (47)99167-7088

http://www.cacharrelproaudio.com.br/

https://www.youtube.com/channel/UCWEUK7gKntiOwecv2bc-dqg

Forma de recolhimento dos recursos do FGTS é alterada pela Fazenda


Em portaria publicada na última sexta-feira (5), o Ministério da Fazenda altera os procedimentos para recolhimento e contabilização dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). De acordo com o órgão, a medida tem o objetivo de proporcionar maior transparência e previsibilidade aos repasses.

De acordo com a norma, as receitas oriundas da multa de 10% por despedida sem justa causa do empregado, bem como a contribuição mensal devida de 0,5%, sobre a remuneração, deixarão de transitar na Conta Única do Tesouro Nacional.

O documento legal restabelece os procedimentos anteriores à Portaria STN nº 278/2012, que determinava que esses recursos, por serem receitas da União, deveriam transitar pela respectiva conta para registro contábil. A disponibilização dessa receita, por sua vez, estava sujeita à programação financeira feita pelo Ministério do Trabalho junto à Secretária do Tesouro Nacional.

Pelas novas regras, as receitas relativas à LC nº 110/2001, que forem transferidas pela rede bancária à Caixa Econômica Federal, agente operador do FGTS, deverão permanecer naquela Instituição, que passará a ser responsável pelo registro contábil de receita e despesa no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi).

A alteração tem como base o entendimento de que as contribuições instituídas pela LC 110/2001, de natureza tributária, constituem receitas integralmente destinadas ao FGTS e, ainda que integrem o orçamento da União e devam ser registradas e executadas no Siafi, não há necessidade de seu trânsito financeiro na Conta Única do Tesouro Nacional.

Indicador de confiança de pequenos empresários sobe 20%


O Indicador de Confiança (IC) dos micro e pequenos empresários dos segmentos do varejo e de serviços avançou 20,7% na comparação entre julho e o mesmo mês de 2015.

Calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o IC passou de 37,06 pontos para 44,72 pontos, atingindo o maior patamar em 15 meses de série histórica. Na comparação com junho deste, quando o indicador estava em 42,93 pontos, o crescimento foi de 4,2%.

Segundo o SPC Brasil, apesar da melhora registrada nas variações anual e mensal, a maior parte dos entrevistados ainda avalia que as condições gerais da economia e de seus negócios pioraram no último semestre, uma vez que segue abaixo do nível neutro de 50 pontos. A escala do indicador varia de zero a 100 – acima de 50 pontos mostra otimismo e abaixo mostra pessimismo.

O IC é composto pelo Indicador de Condições Gerais e pelo Indicador de Expectativas. O Indicador de Condições Gerais, que avalia a percepção do micro e pequeno empresariado sobre o desempenho de suas empresas e da economia brasileira nos últimos seis meses, avançou de 21,32 pontos para 25,53 na comparação entre julho e o mesmo mês do ano anterior.

Percepção de empresários

O resultado, porém, segue abaixo do nível neutro de 50 pontos, o que indica que, para a maior parte dos entrevistados, a economia piorou ao longo dos últimos seis meses. Esse indicador avalia a percepção do micro e pequeno empresário em duas dimensões: a dos negócios e da economia. A avaliação sobre os últimos meses da economia pontuou 22,82 pontos, enquanto a avaliação sobre os últimos meses dos negócios atingiu 28,24 pontos.

Os micro e pequenos empresários do varejo e serviços melhoraram suas expectativas para os próximos seis meses. Em julho, o indicador marcou 59,11 pontos, alta de 20,9% com relação a julho de 2015, quando marcava 48,87. Na comparação mensal, as expectativas para a economia passaram de 54,78 pontos, em junho, para 56,07 pontos, em julho.

Com essa alta, o indicador manteve-se acima da marca neutra de 50 pontos, sinalizando que a maior parte desses empresários espera que a economia melhore nos próximos meses. O mesmo foi observado nas expectativas para os negócios, que atingiram 62,16 pontos, informou o SPC Brasil.

 

Ilhéus promove IV Festival de Capoeira


Contemplado pelo edital de apoio Calendário da Capoeira, mantido pela Secretaria de Cultura (Secult) de Ilhéus, o Grupo de Capoeira Malê promove, durante os dias 5, 6 e 7 deste mês o IV Festival Ilheense de Capoeira. O evento, gratuito, com início às 17h30, no Colégio Vitória, situado no Alto da Conquista.

A programação será iniciada com relatos sobre a história da capoeira, desde a retirada dos negros do continente africano para serem escravizados até a chegada e resistência dos mesmos no Brasil e a importância dos Mestres Pastinha e Bimba; em seguida, às 18h30, terá apresentação de maculelê e dança afro; às 19h a roda de capoeira aberta e às 19h20 o batizado e troca de cordéis. Para finalizar, às 20h30, serão distribuídos acarajés e abarás para o público presente.

Evento capoeira

No sábado, dia 6, o evento terá início às 9h com a puxada de rede, na Praia da Avenida Soares Lopes; às 10h, será realizada a Caminhada Cultural, que partirá da Praça Dom Eduardo, em frente à Catedral de São Sebastião, passando pela Praça J.J. Seabra (do Palácio Paranaguá), Avenida Dois de Julho, finalizando na Praça Pedro Mattos, em frente ao Teatro Municipal de Ilhéus.

Pela tarde, a partir das 15h, no Condomínio Morada do Porto, na rodovia Ilhéus-Itabuna, serão oferecidas gratuitamente para comunidade oficinas de Maculelê, Samba de Roda, Capoeira Angola e Regional. Também haverá oficina para o público infantil, com movimentos lúdicos, recreativos e educativos que induzem e desenvolvem. Às 19h será ministrada a palestra com o tema “3 de agosto, o Dia do Capoeirista”.

No último dia de evento, no domingo, dia 7, a partir das 8h, no Colégio Modelo Luis Eduardo Magalhães, a programação terá início com um café da manhã, logo em seguida, às 9h, serão realizadas palestras e apresentações culturais. Às 10h ocorrerá o batizado e troca de cordéis do Grupo Arte Malê e Grupo Aliança de Ouro.

 

Ilhéus: prefeitura aplica mais 50 multas nas empresas de transporte coletivo


A secretaria de Infraestrutura, Transporte e Trânsito (Seintra) de Ilhéus, através da Superintendência Municipal de Transportes (Sutran), aplicou, somente no mês de julho, mais de 50 multas às empresas que operam o sistema de transporte coletivo do município devido ao não cumprimento de horários e trajetos de linhas destinadas a atender comunidades rurais. Durante audiência concedida a representantes das comunidades de Acuípe do Meio, Santana e Santaninha, na última segunda-feira, o prefeito em exercício, Carlos Machado (Cacá), ouviu reclamações a respeito do serviço de transporte e determinou q        eu seja intensificada a fiscalização junto às empresas do sistema.

“Sabemos que os trabalhadores, estudantes, precisam de um meio de locomoção seguro e pontual, por isso esse é um problema que afeta diretamente aquela população e precisa ser sanado”, disse o prefeito. Ele também autorizou à Gerência de Ações Regionais do Município que execute o serviço de melhoramento das estradas de acesso a esses locais, como forma de permitir o deslocamento de moradores e o escoamento da produção agrícola. De acordo com o gerente da área, Nilton Montargil, devido à chuva, o trabalho será iniciado na próxima segunda-feira, dia 8.

Na oportunidade, o presidente da Associação de Moradores e Produtores Rurais da Vila Santaninha, Erivaldo Souza, afirmou que a reunião, realizada no gabinete do Centro Administrativo, foi muito importante, pois a comunidade precisa estabelecer relações com o governo municipal, “buscando sempre o diálogo para encaminhar nossas demandas”.

Segundo o secretário de Relações Institucionais, Fred Vésper, em comum acordo com as lideranças, foi definida uma pauta de demandas como regularização dos horários dos ônibus, melhoria das estradas, assim como das pontes, e ampliação dos serviços de saúde. Também participaram do encontro, o superintendente de Trânsito, Paulo Machado, secretário de Infraestrutura, Dernerval Furtunato, o superintendente da Secretaria de Saúde, Edvaldo Soares, o administrador de Olivença, Rogério Matos, o Cacique Gildo, e o presidente da Associação de Moradores do Acuípe do Meio, Domingos Ferreira.

Ilhéus investe na construção de espaços esportivos


A instalação da estrutura de suporte da cobertura do ginásio de esportes do Banco da Vitória, bairro localizado à margem da Rodovia Ilhéus-Itabuna, já está em execução.  A construção do espaço faz parte de programa do governo municipal que visa ampliar a quantidade de equipamentos voltados para o estímulo à prática de modalidades esportivas em vários pontos do município.

 O ginásio de esportes do Banco da Vitória está sendo erguido no local onde funcionou o matadouro municipal. Segundo o secretário de Infraestrutura, Transporte e Trânsito de Ilhéus, Derneval Furtunato, a obra é realizada com recursos próprios, no valor de R$ 564.594,36, e o equipamento contará com quadra poliesportiva, cobertura, vestiários e arquibancada. “O governo municipal faz um grande esforço para beneficiar a população e, principalmente, a juventude do bairro”, comenta o secretário.
 Hermano Fahning, superintendente de Obras da Prefeitura de Ilhéus, lembra que, no distrito de Inema, localizado a cerca de 90 quilômetros da sede urbana, outro espaço poliesportivo também se encontra em construção. A obra conta com recursos de R$ 499.864,58, provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do governo federal.
Obra dea quadra poliesportiva do Banco da Vitória, em Ilheus. Foto Roberto Santos Secom Ilheus (3) (1)
Obra da quadra poliesportiva do Banco da Vitória, em Ilheus. Fotos: Roberto Santos
 
 Fahning lembra que a construção das quadras segue no bairro da Conquista, no Teotônio Vilela, na zona oeste da cidade, e em Sambaituba, vila  localizada na zona rural. “É importante lembrar que todos esses equipamentos terão cobertura, vestiários e arquibancadas”, salienta Fahning. Também em andamento, a construção das obras do Centro de Esportes Unificado (CEU), no bairro Nossa Senhora da Vitória, na zona sul, e do Ginásio de Esportes do Alto do Basílio.
 Informa que já foi realizado o levantamento topográfico para construção da quadra poliesportiva da nova sede da Escola Municipal do Salobrinho, bairro situado à margem da Rodovia Ilhéus-Itabuna”. O governo chama atenção para o fato de que 50% da    obra de construção do novo espaço educacional já se encontra concluída.

A missão de combater o núcleo jurídico das organizações criminosas


Polícias Judiciárias
A missão de combater o núcleo jurídico das organizações criminosas

Claudio Marques Rolin e Silva

 

No ano de 1988, o Ministério Público brasileiro conquistou grande parcela de poderes, alegando que exerceria uma rigorosa fiscalização dos atos do  poder público para combater a corrupção. Quase 30 anos depois, a corrupção tornou-se endêmica e como um ‘câncer em fase de metástase’,  corroendo   a esperança de toda uma nação. O Ministério Público não só falhou em sua missão, mas desavergonhadamente juntou-se aos que promoviam verdadeiras farras com verbas públicas. De um lado, políticos sem escrúpulos se enriqueciam com os “pixulecos” e de outro, os “fiscais da lei” se enriqueciam com os “penduricalhos”,  tornando-se uma espécie de “fiscal do pudor com as nádegas de fora” . O Conselho Nacional do Ministério Público como órgão de controle é uma verdadeira piada. Pune um procurador de justiça que pronunciou a palavra “merda” em uma palestra e arquiva denúncias graves de corrupção, desvios de verbas públicas e homicídios, tais como a Operação Derrama no Espírito Santo, a CPI do Ministério Público de Santa Catarina e o caso João Marcos, no Paraná.

O tal Conselho Nacional do Ministério Público, presidido por Rodrigo Janot é tão “respeitado” que, ao proibir o pagamento de auxílio moradia retroativo aos promotores de justiça do Rio de Janeiro (o Procurador Geral de “Justiça”) compensou a perda corrigindo o valor do auxílio transporte. Uma aberração, um abuso contra a sociedade que vive em um estado em que os servidores públicos comuns estão com salários atrasados e sem perspectivas de recebimento, somado ao fato inédito da decretação de estado de calamidade “financeira”. Com fiscais da lei se comportando desta maneira, o mais correto seria o governador ter decretado estado de calamidade moral.

Um juiz de Santa Catarina, ao adotar medidas contra corruptos e denunciar atos de corrupção jurídica no âmbito do Ministério Público, foi afastado por insanidade. Considero insanos os promotores de justiça, fiscais da lei, que alheios ao cenário de crise, recebem salários maiores que o Ministro da Suprema Corte da Suécia e ainda se julgam no direito de receber auxílios moradia, saúde, alimentação, educação, creche e outros. Prova incontestável de insanidade é processar  repórteres pelo simples fato de divulgar salários que constam no portal da transparência. A Ministra Carmem Lúcia afirma taxativamente que os auxílios são “penduricalhos” incompatíveis com a regra dos subsídios que deve ser parcela única. Não basta cessar os pagamentos, tais valores devem ser devolvidos  com incidência de juros e correção monetária, em uma espécie de “Acordo de Devolução  Premiada, pois trata-se de corrupção na modalidade jurídica, conforme narro no livro Operação Sepulcros Caiados I- Desvendando a “face oculta” do Ministério Público Brasileiro. Normalmente as  Polícias investigativas do resto do mundo quando buscam desmantelar organizações criminosas,  procuram  atingir o núcleo operacional, o núcleo econômico e o núcleo ´político.

A corrupção no Brasil atingiu níveis tão alarmantes, que entidades que representam a Polícia Judiciária do Paraná, promoverão um curso avançado de combate às organizações criminosas para desenvolver mecanismos legais e estratégias que possibilitem o desmantelamento do núcleo jurídico da organização criminosa. Um dos primeiros passos será dar efetividade ao princípio constitucional de que todos são iguais perante a lei, buscando acabar com qualquer tipo de foro privilegiado. No  Brasil, o Ministério  Público que detém foro privilegiado vitalício, acumula também o poder de escolher o que investigar, escolher a quem investigar, sustentar a acusação e ainda arquivar procedimentos contra detentores de foros privilegiados, sem nenhum remédio jurídico para contestar o arquivamento. A soma destes “poderes”, além de permitir uma perseguição pessoal, é tão salutar para ampliar a capacidade operacional da corrupção jurídica, que pela primeira vez na história do Brasil os magistrados estão prevendo em sua nova lei orgânica a “simetria” com os membros do Ministério Público.

A nova lei é tão abusiva e exagerada em penduricalhos, que a chamo de “Programa meu Auxílio Minha vida”. O sistema de investigação no Brasil é um dos mais seguros do mundo contra erros judiciários, pois copiado do modelo inglês, foi ainda mais aperfeiçoado ao não permitir que a Polícia Judiciária ofereça a denúncia, separando rigorosamente os profissionais que buscam a verdade e os profissionais que promovem a acusação. Infelizmente, na busca insana por mais penduricalhos e garantia total de impunidade, esta rigorosa divisão de atribuições foi violada, permitindo assim o alastramento da corrupção jurídica. As Polícias Judiciárias do Brasil serão as primeiras polícias investigativas do mundo a propor alterações na legislação e desenvolver técnicas para combater o núcleo jurídico das organizações criminosas. Conforme já citado, dentre estas alterações está o fim do foro privilegiado, que previsto inicialmente nas 10 medidas de combate à corrupção, foi ardilosamente retirada pelo Ministério Público, um dos principais “beneficiados” da corrupção jurídica.

 

 

Foto Marques

 

 

O autor: Claudio Marques Rolin e Silva

Delegado de Polícia do Paraná, professor de Ética, Liderança e Direitos  Humanos da  Escola Superior de Polícia Judiciária. Graduado em Direito e Teologia, Especialista em gestão de segurança pública, pós graduado em  Direito Público .

Autor do livro Operação Sepulcros Caiados I- Desvendando a “face oculta” do Ministério `´Público brasileiro

Lidera uma campanha pelo fim do foro privilegiado e combate à corrupção jurídica.

Apoie a campanha, acesse os sites:

www.operacaosepulcroscaiados.com.br

www.fimdoforoprivilegiado.com.br

Aumenta o número de casos de hiv em Itabuna e região


Só neste ano, o Centro de Referência em Prevenção, Assistência e Tratamento de Itabuna (CERPAT), registrou 149 casos da doença, sendo 78 pacientes de Itabuna e 71 de outros 22 municípios da região que buscam os seus serviços de diagnóstico e tratamento.

O secretário municipal de Saúde, Paulo Bicalho, lembra que o CERPAT é a única unidade do Sul da Bahia a prestar assistência integral à pacientes com HIV/AIDS e Hepatites Virais, com serviços de Alta e Média Complexidade. O atendimento inclui desde a prevenção, diagnóstico e assistência ao acompanhamento permanente às pessoas portadoras de AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis (DST), a exemplo de hepatites virais B e C.

“Qualquer pessoa de qualquer cidade do país pode e deve ser atendida no Centro”, informou a coordenadora do CERPAT, Suse Mayre Martins Moreira Azevedo. Segundo ela, a orientação é do Ministério da Saúde (MS) que determina que os municípios que possuem os Centros de Referência prestem atendimento a paciente de quaisquer regiões esteja em trânsito ou não.

“Essa decisão é muito importante porque em função do preconceito e da discriminação que ainda estão presentes na nossa sociedade muitos pacientes preferem ser acompanhados clinicamente fora do município de residência”, justificou Suse Mayre.

CERPAT é a única unidade referência para casos de DST no Sul da Bahia - Foto Divulgação
CERPAT é a única unidade referência para casos de DST no Sul da Bahia – Foto Divulgação

EXTRAMUROS

Com relação aos registros de casos do HIV, o secretário diz que os números de 2016 não são apenas de pacientes infectados este ano. “Os 149 casos só foram diagnosticados em função do trabalho intensivo, realizado tanto no CERPAT quanto em atividades extramuros, a exemplo de campanhas, oficinas e atividades nos bairros e na área central de Itabuna, além da participação dos profissionais da saúde em eventos similares de promovidos por outras instituições”, explicou.
CERPAT é a única unidade referência para casos de DST no Sul da Bahia

Paulo Bicalho destaca que uma das mais importantes campanhas de promoção da saúde é a “Fique Sabendo” cujo objetivo é o incentivo ao teste rápido e gratuito disponível tanto no Centro de Referência quanto nas Unidades Básicas de Saúde do município. “Além deste trabalho temos uma equipe multiprofissional treinada que vem intensificando as ações de prevenção por meio de palestras, oficinas e distribuição de material educativo e preservativo durante todo o ano”, reforçou o secretário.

A coordenadora Suse Mayre informou que cotidianamente são realizadas visitas e reuniões nas maternidades para levar informações sobre as medidas que devem ser adotadas durante a gestação e o pós- parto. Dentro essas medidas estão incluídas a liberação dos antirretrovirais para a gestante e o recém-nascido e de inibidores de lactação, já que uma mãe com HIV positivo não pode amamentar. “Com essa ação o CERPAT contribui para eliminar a transmissão vertical do HIV, evitando que filhos de mães soropositivas nasçam com o vírus”, concluiu.

Brasil e Reino Unido farão parceria


O Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) e a agência de inovação do Reino Unido, Innovate UK, anunciaram, nesta quinta-feira (4), o lançamento de uma chamada para empresas que atuam na área de tecnologia e inovação dos dois países.

A chamada será voltada para projetos de desenvolvimento de tecnologias para smart cities e ambientes urbanos sustentáveis. A ação envolve internet das coisas, big datasmart grids, tecnologias de transporte multimodais e para controle de tráfego, energia limpa, controle e gasto de água e infraestrutura blue-green. 

O memorando de cooperação bilateral foi assinado pelo ministro Marcos Pereira e o ministro de Comércio e Investimento do Reino Unido, Mark Price. A iniciativa vai ter financiamento do Newton Fund, fundo britânico para desenvolvimento científico, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Empresa Brasileira de Inovação Industrial (Embrapii).

“Para diversas atividades que envolvem pesquisa científica, como planejar cidades inteligentes e desenvolver energia limpa, a colaboração internacional é crucial. Com parcerias entre os melhores pesquisadores do Brasil e do Reino Unido, estaremos mais preparados para enfrentar os desafios do mundo e melhorar a vida de milhões de pessoas”, afirmou Price.

Relações comerciais bilaterais

O ministro Mark Price ressaltou a janela de oportunidade para fortalecer as ações bilaterais de comércio entre o Brasil e o Reino Unido, após decisão do seu país de deixar a União Europeia.

Marcos Pereira aproveitou a visita de Price para demostrar o interesse em aprofundar o diálogo bilateral. “Agradeço a iniciativa do Reino Unido de começar pelo Brasil as conversas para ampliar o comércio com a América do Sul. Acho importante iniciarmos prontamente as iniciativas para intensificar os fluxos de comércio e investimentos entre nossos países.” 

Price confirmou que a saída do Reino Unido da União Europeia é um fato. Ele reafirmou a importância do Brasil como um dos principais parceiros comerciais do continente e espera que os dois países aprofundem ainda mais suas relações comerciais e de investimentos.

Intercâmbio Comercial

Em 2015, o Brasil exportou para o mercado britânico cerca de US$ 2,9 bilhões em produtos e importou US$ 2,8 bilhões, com superávit de US$ 106 milhões para o Brasil.

Os principais produtos brasileiros exportados ao Reino Unido, no ano passado, foram ouro, minério de ferro, café, soja e carnes. Compramos em 2015 do Reino Unido, principalmente, medicamentos para medicina humana e veterinária, automóveis, inseticidas e compostos heterocíclicos.

O Reino Unido foi 15° principal mercado para as exportações e 14° para as importações brasileiras, no ano passado. A expectativa é aumentar o intercâmbio bilateral a partir do estreitamento das relações entre os dois países.