Caso de sucesso: startup atrai o maior investimento já feito em novas empresas no Brasil


Cenário do empreendedorismo feminino tem conquistado vários avanços 

Thais Paim

 A startup brasileira Pipo Saúde, comandada pela economista Manoela Mitchell, atraiu cerca de R$ 100 milhões em investimentos para o negócio. É um dos maiores da história do mercado para empresas que estão começando e representa mais uma conquista feminina nos negócios. 

A Pipo é uma healtech que administra uma plataforma de gestão de benefícios de saúde das empresas. Com a pandemia, o negócio cresceu na plataforma virtual e se mostrou promissor. A grana levantada por eles para desenvolver o negócio é um aporte de um grupo conhecido por investir em cases de saúde e tecnologia.

E só tem peixe grande nesse grupo aí, como o ex-CEO e fundador do Peixe Urbano Julio Vasconcelos, empresas como Thrive Capital, Monashees, Kaszek e OneVC e investidores como o cofundador do Nubank, David Vélez, do sócio-gestor da GGV Capital, Hans Tung, e do ex-sócio da XP Investimentos Henrique Loyola. 

Sobre a empresa 

A empresa tem se mostrado a mais eficiente do segmento auxiliando empresas de até mil funcionários a administrarem os benefícios de planos de saúde de seus funcionários e já tem mais de 100 clientes corporativos. A intenção é estender suas operações com o surgimento de novos clientes. 

“O que nos motivou foi ver o quanto era difícil para as empresas e seus funcionários lidarem com os planos de saúde. Nascemos então para ajudar as empresas, mas além disso, queremos ajudar as pessoas, porque sabemos que saúde é a coisa mais importante da vida delas“, avaliou.

Motivações e surgimento da parceria 

Manoela foi criada pela mãe, que trabalhou muito para lhe dar educação. Com esse incentivo e o sonho de criança de se tornar Presidente do Brasil nas atividades escolares, ela se formou em Economia pela USP, passou a atuar no mercado financeiro e decidiu empreender com os dois colegas.

“Como empreendedora gosto muito de desmistificar a ideia de que empreender é ter uma ideia na fila da padaria que vai mudar o mundo. Empreender é muito sobre o processo: enxergar um problema, testar, aprender e fazer tudo de novo, por muitas e muitas vezes. Não é a toa que demorou quase 18 meses pra Pipo”, contou.

As características de mulher forte e decidida lhe ajudaram muito nesse processo. “Eu sempre tive uma personalidade autêntica e diferente”, conta. Manu se inspirou somente na Cris Junqueira, CEO do Nubank, e hoje alcançou esse resultado massa para o empreendedorismo feminino.

Fonte: Razões para acreditar