Veja como se inscrever no curso de empreendedorismo para pessoas trans


Aulas começam na próxima segunda-feira (26) 

Thais Paim

Começa nesta segunda-feira (19) o curso gratuito de empreendedorismo voltado à população trans. Se você se interessou pela oportunidade é só se inscrever através da internet. Lembrando que as aulas acontecem até sexta (23), das 19h às 22h, no canal do Youtube da Agência Besouro.

A coordenadora dos Direitos da Diversidade Sexual e de Gênero, Camila Rodrigues, explica um pouco sobre a iniciativa. “O objetivo do projeto é tirar as boas ideias do papel e fazer com que a comunidade trans conquiste, cada vez mais, sua autonomia”. 

A proposta do curso é usar a vivência de cada um dos participantes para a criação de um negócio com baixo ou nenhum custo. Ao final das 11 etapas do método, o aluno está pronto para tirar o negócio do papel. Nas aulas, são abordados temas como: produto/serviço, ações de divulgação, pesquisa de mercado, projeção de vendas, fluxo de caixa e comunicação.

O material didático inclui apostila, matriz e cartões, que auxiliam na visualização e organização da abertura e manutenção do negócio. Após o curso, o novo empreendedor e a nova empreendedora contam com acompanhamento por 90 dias (mentoria), para tirar dúvidas e assegurar a continuidade do negócio.

As aulas são uma parceria da coordenação dos Direitos da Diversidade Sexual e de Gênero da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS), com o programa IGM Impulsiona, do Instituto General Motors (IGM), e executado pela Agência Besouro.

Fonte: G1 

6ª edição do Prêmio Kindle Literatura está com inscrições abertas


Prêmio para vencedor é de R$ 50 mil

Thais Paim

Para quem é escritor e busca uma oportunidade de reconhecimento na profissão, essa é uma excelente oportunidade. A Amazon e o Grupo Editora Record anunciaram a 6ª edição do Prêmio Kindle de Literatura. 

O vencedor dessa edição receberá um prêmio de R$ 50 mil. Sendo R$ 40 mil e um adiantamento de direitos autorais de R$ 10 mil pelo contrato de publicação da versão impressa do livro pelo Grupo Editorial Record em qualquer de seus selos editoriais.

Assim como já aconteceu nas edições anteriores, os títulos participantes serão avaliados por especialistas editoriais, selecionados pela própria Amazon em parceria com o Grupo Editorial Record. A iniciativa tem o objetivo de reconhecer autores brasileiros independentes e suas obras literárias.

Serão escolhidos cinco finalistas a serem avaliados por um júri especial. Os selecionados vão receber um selo de “livro finalista” para inserir na capa da versão original não editada do eBook. Além disso, uma versão em audiolivro da obra também será disponibilizada no Audible.

Os autores que desejem participar da 6ª edição do Prêmio Kindle de Literatura devem publicar suas obras inéditas pelo KDP entre os dias 15 de julho e 15 de setembro de 2021. É necessário incluir #PrêmioKindle no campo de metadados de palavras-chave durante o processo de autopublicação e cadastrá-lo na categoria Ficção.

Mais informações sobre o prêmio estão disponíveis no site oficial.

O anúncio dos finalistas será feito até dezembro deste ano e a previsão é de que o reconhecimento do vencedor seja feito no início de 2022.

Fonte: Jovem Nerd 

Produtora de Xand Avião demite DJ Ivis após artista aparecer em vídeo agredindo ex-mulher


As imagens foram compartilhadas nas redes sociais neste domingo (11)

Thais Paim

A internet foi tomada por uma grande repercussão neste domingo após vídeos gravados por câmera de segurança interna mostrarem Iverson de Souza Araújo, conhecido como DJ Ivis, agredindo a ex-mulher na frente da filha e de outras duas pessoas.

Apesar de não ser possível identificar nas imagens quais os dias das agressões, a vítima, Pamella Holanda, divulgou os registros em seu perfil neste domingo. 

Logo após a notícia tomar conta da internet, a produtora Vybbe, responsável pelo gerenciamento da carreira do DJ Ivis, informou que desligou o artista da empresa. Além disso, Xand Avião também informou no seu perfil que o artista teria sido desligado da empresa e destacou ainda que não compactua com nenhum tipo de violência. 

Ivis era produtor de Xand Avião desde a época do Aviões do Forró e, neste ano, se lançou como artista, tendo sucesso nacional com músicas como “Volta Bebê, Volta Neném” e “Esquema Preferido”.

No seu perfil, além dos vídeos, Pamella também postou fotos de como o seu rosto teria ficado após as agressões. Depois da publicação, ela não comentou mais o caso nas redes sociais.

A arquiteta e influenciadora havia feito um boletim de ocorrência contra o ex-marido há pouco mais de um mês. A Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSPDS) informou que Pamella registrou ocorrência de lesão corporal no âmbito da violência doméstica em 3 de junho, no Eusébio, município da Região Metropolitana de Fortaleza.

Segundo informações, o inquérito policial foi instaurado, mas não foi possível prender Ivis em flagrante, porque as agressões ocorreram no dia 1º. Com isso, a Polícia Civil solicitou ao Poder Judiciário medidas protetivas de urgência em favor de Pamella. 

DJ Ivis se pronuncia sobre o caso 

Após a divulgação dos vídeos, DJ Ivis se pronunciou por meio de nota e nas redes sociais. No comunicado, o artista foca no término com Pamella e não menciona as agressões.

“Infelizmente não temos vivido uma relação saudável há algum tempo e já faz uma semana que estamos separados de fato. Estamos tentando de todas as maneiras que tudo isso tenha uma solução. Temos uma filha que não precisa viver no meio de conflitos. Desde a separação, semanalmente, envio um valor para as despesas, já deixei pago pediatra e vacinas da nossa filha”, comentou DJ Ivis.

Já em uma série de vídeos publicados numa rede social, o artista falou do relacionamento conturbado que tinha com Pamella, confirmou as agressões e disse que vinha sendo ameaçado. Ele não dá detalhes sobre o teor das ameaças, nem os motivos.

2ª Semana do Empreendedorismo Musical começa nesta segunda


Evento será transmitido através do Instagram 

Thais Paim

Um tema que desperta grande interesse das pessoas é como empreender no mundo da música, tão cobiçado e também tão concorrido. Para trazer um debate sobre esse assunto de forma ampla, a 2ª Semana do Empreendedorismo Musical acontecerá do dia 12 a 16 de julho, a partir das 19h. 

Para quem deseja acompanhar os conteúdos, o evento será totalmente online, gratuito e transmitido pelo perfil do Instagram @gugagoncalvesoficial.

Motivação para o projeto 

O organizador do evento, Gustavo Gonçalves, também conhecido como Guga Gonçalves, contou que o objetivo da iniciativa é inspirar estudantes e profissionais a enxergarem a música como um negócio altamente lucrativo. 

De acordo com Gonçalves, a música é um processo intangível, difícil de mensurar se fará sucesso ou não, fazendo com que seja um pouco mais difícil dos profissionais se destacarem. Apesar dessas circunstâncias, é também altamente lucrativo, uma vez que é um espaço onde empresas e marcas conseguem patrocinar e anunciar.

“Por exemplo, no Rock in Rio, há diversas marcas grandes patrocinando, além de fazer a economia girar, gerando empregos para produtores, pessoal da limpeza, segurança, gastronomia, técnicos e etc.”, explica o empreendedor. “Inclusive, no início da pandemia houve um investimento alto na música, laboratórios farmacêuticos, lojas de shopping e outros empreendimentos de campinas e região patrocinaram Lives e até mesmo convidaram músicos para participar das suas próprias Lives”, relata ele. 

Gustavo conta que com o evento, quer mostrar para os profissionais e estudantes de música as várias etapas presentes, desde a pré-produção, produção e pós-produção, além de abordar também assuntos como monetização no mercado musical, principalmente com as tecnologias streaming. Além disso, o organizador também destaca que percebeu uma mudança no cenário atual da música durante a pandemia. 

Confira abaixo as atrações do evento online:

Marcello Pompeu, da banda Korzus; Gustavo Missola, sócio proprietário da SALA V; Daniel Neves, curador e diretor da Conecta+ Música & Mercado; José Celso Rodrigues Guida, sócio fundador da CulturaXchange; Célio Ramos, dono e atual Diretor do IG&T-Instituto de Guitarra e Tecnologia; Marcelo Claret, fundador do Instituto de Áudio e Vídeo; a cantora Feh Simionato; Neila Abrahão, guitarrista e jurada do Reality Canta Comigo da TV Record; Maurício Adorno Cunha, CEO da Odery Drums, Jonas Henrique Campedelli e Silva, diretor da Timbres Instrumentos Musicais e Guga Gonçalves, produtor multimídia e coach personal branding.

Além dos conteúdos apresentados ao longo da semana, no último dia do evento será realizado um sorteio de uma guitarra. Para quem deseja participar, é só seguir o perfil @gugaconcalvesoficial no Instagram ou confirmar presença através do evento criado no Facebook, dessa forma você terá acesso ao link redirecionando para o Instagram no horário da transmissão.

Fonte: A Cidade ON 

Programa oferece curso gratuito de marketing e empreendedorismo a pequenos negócios


As aulas serão iniciadas na próxima terça-feira (13)

Thais Paim

Se você tem um pequeno negócio e não sabe o que fazer para conquistar novos clientes ou tornar seu empreendimento conhecido, essa pode ser a oportunidade de adquirir novos conhecimentos no ramo do empreendedorismo. O Ensino a Distância, Dominando o Marketing e Empreender ao Sucesso da Agência de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas e do Empreendedorismo do Estado (Aderes) está com algumas vagas abertas para novas turmas. 

As aulas estão sendo ofertadas através do Programa Capacitar para Empreender e serão iniciadas na próxima terça-feira (13), em formato on-line, no endereço eletrônico www.ead.aderes.es.gov.br, para quem já fez sua inscrição.

Se você não conseguiu se inscrever, novas turmas serão formadas e as inscrições permanecem abertas. Os interessados em realizar os cursos podem acessar o site do Aderes para fazer a inscrição. De acordo com a instituição, serão ofertadas 100 vagas e os candidatos serão selecionados de acordo com a ordem de inscrição até o preenchimento total do número de vagas de cada curso.

É preciso ter no mínimo 16 anos, acesso à internet e noções básicas de informática e de navegação na web para participar. 

Segundo a professora Luciana Stabile, o curso tem a finalidade de ajudar o empreendedor a melhorar o seu negócio. “O aluno pode fazer o curso no seu tempo, no conforto de sua casa, utilizando de um computador a um celular, então, não perca tempo e vamos rumo ao sucesso”, ressaltou.

A proposta da autarquia é colocar à disposição da sociedade cursos de Ensino a Distância em diversas modalidades, possibilitando maior comodidade para os participantes. 

“Isso vai permitir que as pessoas possam fazer uma atividade de formação, na comodidade de suas casas e, com isso, preparar empreendedores para o mercado, principalmente nesse tempo de pandemia. “Essa é mais uma ação do Governo do Estado que vai permitir que as pessoas se qualifiquem, tenham o seu trabalho e gerem sua própria renda, por meio do empreendedorismo”, afirmou o diretor-presidente da Aderes, Alberto Farias Gavini Filho.

Fonte: Jornal Fato 

Empreendedorismo digital: veja o que você precisa saber para começar o seu negócio


Detalhes podem fazer toda a diferença na hora de colocar os planos em prática

Thais Paim

Para quem sonha em abrir o próprio negócio, talvez esse seja um ótimo momento. Com o atual cenário, o Brasil encerrou 2020 com o maior número de empreendedores de sua história: foram registrados cerca de 11.316.853 MEIs no Portal do Empreendedor. 

Esses números podem indicar um cenário positivo para o setor, especialmente para o empreendedorismo digital. Devido ao distanciamento social e a aceleração digital dos negócios, as empresas passaram a focar suas operações de vendas e relacionamento com o cliente pelos canais online, uma das únicas formas de conciliar a manutenção de seus negócios sem colocar em risco a saúde de seus funcionários e consumidores. 

Dados importantes 

Um levantamento realizado pela Big Data Corp., divulgado em agosto do ano passado, o comércio online cresceu 40,7% de 2019 a 2020, chegando a 1,3 milhão de lojas virtuais. A alta é relativamente maior do que o crescimento de 37,6% reportado de 2018 até o ano consecutivo.

Além disso, a curva ascendente de acessos à internet pelos brasileiros também tem estimulado a abertura de novos negócios online, bem como a migração de serviços que, até então só existiam em pontos físicos, para os canais digitais.

É importante ter em mente que além de uma boa ideia e um projeto que seja promissor, é importante se ambientar com as ferramentas para empreender no meio digital. Questões como ter o seu próprio site, contratação de hospedagem e domínio, otimizações de SEO, entre outros, são imprescindíveis para que o negócio seja bem sucedido. Especialmente para os novos empreendedores.

Tenha seu próprio site 

Por mais que as redes sociais estejam em alta, a criação de um site próprio não só ajuda na meta de ganhar mais visibilidade no meio online, como também passa mais credibilidade à empresa.

Basta se colocar no lugar de um consumidor: é muito mais seguro (e confiável) contratar um serviço de uma empresa que tenha uma página própria na web do que uma companhia presente apenas no Facebook, não é mesmo?

De acordo com um levantamento do Sebrae, 40% das empresas têm perfis em redes sociais e 70% usam WhatsApp, mas somente 27% possuem site (e domínio) próprio.

As redes sociais são grandes aliadas 

Após a criação do seu próprio site, a participação nas mais diversas redes sociais pode ser uma grande aliada para o empreendedorismo digital.

Vale ficar atento às novas tendências e investir na produção de conteúdo voltada para o seu segmento. Os engajamentos no setor também são úteis: como os algoritmos das plataformas costumam direcionar assuntos de interesse dos usuários, a chance de expandir o seu alcance ao participar das tendências do setor também serão grandes.

Domínio e hospedagem

O domínio virtual nada mais é do que o endereço físico de uma página de web — sim, aquele digitado na URL dos navegadores. É ele que vai ajudar na fidelização de sua empresa com o consumidor.

As terminações mais populares são “.com”, “.net” ou “.org”, por exemplo. Mas existem diversas opções personalizadas como “.tech” ou “.design”, que podem ser um diferencial em meio à concorrência do empreendedorismo digital.

Esses domínios personalizados também ajudam o usuário a identificar mais facilmente sobre o que é o seu negócio: se é sobre produtos de arte, por exemplo, há a opção “.art”; se for uma agência, há o “.ag”; se for um comércio, há o “.biz” – do inglês “business”; entre outros.

Já a hospedagem são os servidores responsáveis por manter a sua página ativa na internet e possibilitar o armazenamento de todos os seus dados, como fotos, vídeos, textos, arquivos, páginas de web e diversos outros.

Certamente essas dicas te ajudarão a impulsionar o seu negócio, mas claro, isso também dependerá de todo o planejamento feito — além de demandar muito esforço e uma “pitada” de paciência.

Conheça a história da mulher empreendedora mais jovem do setor varejista da BA


Na contramão de um mercado majoritariamente masculino, Daniela Lacerda se destaca 

Thais Paim

Dados da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), realizada pelo IBGE, revelam que cerca de 9,3 milhões de mulheres estão à frente de negócios no Brasil. Apesar dos resultados, a luta por uma maior representatividade das mulheres no empreendedorismo segue sendo uma importante aliada na busca por igualdade social e mais espaço no mercado de trabalho. 

Na Bahia, Daniela Lacerda, 29 anos, vem caminhando na contramão de um mercado que possui uma maioria masculina e acaba de se tornar a mulher mais jovem do setor varejista alimentício, de acordo com a Associação Baiana de Supermercados (ABASE).

A empreendedora Dani Lacerda. Foto: Taila Silva

História de sucesso 

Ceo da rede Corujão, localizada em Feira de Santana, a empresária possui BA em Gestão de Empreendedorismo e Pessoas e graduação em Direito pela UNIFAN. A empresária revelou as dificuldades de ocupar um lugar de liderança em um ambiente majoritariamente masculino. “No meu âmbito profissional, lido com muitos homens que, por eu ser mulher, mãe e casada, diversas vezes questionam a minha competência e capacidade de gerir grandes negócios”, revela. 

Lacerda conta que em sua trajetória profissional, percebeu que o empreendedorismo despertava a sua atenção ao enxergar o quão longe conseguiria ir e quantas transformações poderiam se realizar na sociedade. “O empreendedorismo com propósito sempre foi meu alvo. Não enxergar apenas números, mas o sucesso e a possibilidade da construção de negócios, apostando em sustentabilidade, geração de empregos e crescimento socioeducativo está na minha história”. 

A história de Dani, assim como de muitas empreendedoras, começou de maneira informal, como “sacoleira”, e em menos de um ano conquistou o faturamento de 100 mil reais, vendendo roupas e acessórios. “Sempre busquei diferencial no que proponho ao consumidor/cliente, e nesse período já fazia importação de vestidos de bandagem, que na época era uma grande tendência com escassez no mercado local”, explica. 

Filha de uma dona de casa e de um comerciante com berço no sertão, ela conta que o reconhecimento pela ABASE lhe proporciona novos desafios.  “No cenário supermercadista, o meu destaque como mulher mais jovem à frente do setor foi realmente sensacional. Saber que sou relevante em um ramo ainda tão voltado para o público masculino, com certeza me impulsiona a abrir ainda mais frentes de trabalho para que outras mulheres se sintam encorajadas e motivadas”, finaliza.

Baiana se reinventa após queda da demanda para costura de roupas juninas; conheça essa história


Analice da Paixão precisou mudar de foco para não sofrer grandes perdas em sua renda

Thais Paim

A empreendedora Analice da Paixão, de 46 anos, relembra como o trabalho de costureira foi movimentado no último São João, em 2019. Da sua casa, na zona rural de Serrinha, a 190 quilômetros de Salvador, ela costumava produzir roupas juninas para quadrilhas e quem mais batesse à sua porta.

Com o cenário de pandemia, tudo está diferente. Analice relembra a grande demanda que sempre teve em busca do seu trabalho e conta como foi o início da sua trajetória. “Em 2005 comecei a ser requisitada para coisas de São João. Fizemos uma festa de São João aqui em Mandacaru [zona rural de Serrinha], e um foi falando para o outro, foi o boca a boca, até que um monte de gente foi me conhecendo”, lembra ela.

Mudança e adaptação

Costureira há mais de 10 anos, a paixão aprendida com a mãe deu espaço a outra coisa que ela também herdou: o amor pela plantação. Após sofrer com a redução dos trabalhos de costura, foi esse amor que fez com que Analice não encontrasse problemas financeiros para sobreviver.

Se reinventar para encontrar uma nova fonte de renda trouxe bons frutos para a empreendedora, que afirma: “Graças a Deus não sofremos impacto nesse sentido [econômico]”.

Há dois anos ela decidiu focar na plantação de frutas, verduras e legumes, por meio de uma horta em casa, que cuida junto com o marido. “A agricultura familiar traz vida para o agricultor. A gente que vive na zona rural não tem oportunidade. É uma força e tanto para nós que vivemos da roça”, destaca.

Histórias de mulheres empreendedoras

Com 35 anos de fundada, a Associação Comunitária Agropastoril de Curral Novo e Jacaré, em Juazeiro, no norte da Bahia, nunca havia passado por uma crise como a causada pela pandemia da Covid-19. Para não reviver o cenário do ano passado, a solução encontrada foi a venda dos produtos pela internet.

“Vendemos somente para a Bahia, e no São João tinha muita saída. Mas com a crise, essas vendas pararam e a gente foi para a internet. Foi o que salvou a gente. Temos vendido bastante, até para Salvador, e acredito que nosso faturamento já é 50% maior do que no ano passado”, conta Marineide Arcanjo, que faz parte da associação.

Ainda segundo Marineide, os produtos que mais têm saída são o doce de umbu e o licor tamarindo.

Quem também gera renda com uma iguaria muito apreciada no período de festejos juninos é a Associação das Mulheres Empreendedoras de Buerarema (Ameb). As integrantes produzem balinhas de genipapo no município de Buerarema, no sul da Bahia.

Mesmo sem São João existe a expectativa de maior procura das balinhas para este ano. Elas também produzem licores variados e esperam aumento de vendas neste período junino.

“A nossa demanda, há dois anos, é direcionada para a loja da Cesols, mas a gente quer expandir e ter essa demanda no período junino, caso seja possível”, explica Maria das Graças Silva Santos, presidente da Ameb.

Além desse doce, as mulheres da Ameb produzem geleia de mel de cacau, farinha de Buerarema, balas de cupuaçu, mel de cacau, torrão de cacau no pilão, nibs de cacau e barrinhas de chocolate com semente do cupuaçu, entre outros produtos orgânicos.

Caso Tom Veiga parece estar longe do fim


Roberto Cabrini investiga o caso em reportagem do programa Domingo Espetacular, da Rede Record

O ‘Domingo Espetacular’ deste domingo (11), traz detalhes da disputa pela herança de Tom Veiga e os novos elementos que levantaram suspeitas sobre a morte do intérprete do Louro José. O jornalista Roberto Cabrini investiga a relação conturbada de um dos humoristas mais queridos do Brasil com a terceira e última mulher, Cybelle Herminio, e a questiona sobre as denúncias da família e de funcionários de Tom de que o teria agredido. E ainda: uma entrevista exclusiva com Alessandra Veiga, que também foi casada com Tom e é mãe dos dois filhos caçulas do artista. Tom ainda deixou mais dois filhos da união com Cristina Rilco.

Auxílio emergencial terá uma nova rodada


Marcelo Carvalho

Após uma reunião, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmaram que o auxílio emergencial será viabilizado por meio de uma ‘cláusula de calamidade’ a ser incluída em medidas de ajuste fiscal defendidas pela equipe econômica.

“É fundamental que haja cláusula de calamidade pública para que possamos fazer flexibilização necessária para o auxílio”, afirma Pacheco, em pronunciamento à imprensa. O parlamentar acredita que o benefício e a vacinação só deixarão de ser prioridades após o fim da pandemia de Covid-19.

“Nessa reunião externamos ao ministro Guedes e ao ministro Ramos (Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo) o que é o desejo e expectativa do Congresso em relação a esse momento. A prioridade absoluta é vacina e auxílio emergencial, que só deixarão de ser prioridade quando a pandemia acabar”, garante Pacheco.

Guedes tem cobrado do Congresso a aprovação de medidas de corte de gastos como compensação para uma nova rodada do auxílio emergencial. Nesta quinta-feira, ele indicou que o programa pode durar até quatro meses com uma mensalidade de R$ 250.

Pacheco disse ser “fundamental” que o Congresso também faça sua parte e há um cronograma de reformas, citando como exemplo a reforma tributária. Ele afirmou que a expectativa é que o auxílio seja pago a partir de março.

A “cláusula de guerra” que permitirá ao governo gastar mais durante a pandemia em 2021 e abrirá caminho para o auxílio emergencial deve ser inserida no Pacto Federativo, proposta por meio da qual Guedes pretende fazer um ajuste fiscal com corte de gastos.

Pacheco disse que irá submeter o assunto à reunião de líderes da próxima quinta-feira, além de conversar com o relator da proposta, o senador Márcio Bittar (MDB-AC).

Já o presidente da Câmara afirmou que o Congresso irá cumprir uma “agenda básica, mínima” após o carnaval.