Consulta pública sobre diagnóstico do câncer de pele é aberta pelo Ministério da Saúde a população em geral


Os interessados devem apresentar seus relatos de acordo as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Melanoma Cutâneo do Ministério da Saúde.

William Gama

O Ministério da Saúde abre hoje, (20) através da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (CONITEC), consulta pública para quem deseja contribuir com informações sobre o Melanoma Cutâneo, um dos tipos de câncer de pele mais agressivos e comuns no Brasil.

As pesquisas e experiências dos interessados devem estarem relacionadas diretamente sobre as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Melanoma Cutâneo do Ministério da Saúde. Todos os relatos que forem enviados serão analisados pela Secretaria-Executiva da pasta.

O câncer de pele atinge mais de 30% dos casos de tumores malignos diagnosticados no país. Sendo considerado grave, pois sua probabilidade de se espalhar para as demais partes do corpo é de aproximadamente 4%.

Mais casos surgem

Segundo os dados do Instituo Nacional de Câncer (INCA) em 2022, o Brasil deve registrar 185,6 mil novos casos de câncer de pele entre a população nas regiões brasileiras. Esses fatores se devem as altas temperaturas registradas nos últimos anos.  O Instituto estima que aproximadamente 2.000 pessoas percam a vida por este tipo de câncer no território nacional. 

Os fatores de risco de obter a doença aumentam com o avanço da idade, a partir dos 40 anos. Outras estão relacionadas as características físicas, como a tonalidade da pele de pessoas claras, cabelos loiros ou ruivos, presença de sardas, dificuldade de bronzeamento da pele, exposição excessiva ao sol, queimaduras solares, histórico de câncer de pele na família. Pessoas com estes biotipos estão mais vulneráveis a doença.

Os sintomas de Melanoma Cutâneo no corpo são apresentados através de pintas ou manchas com bordas irregulares, que descamam e causam coceiras no local. Esses sintomas podem aparecer entre manchas já existentes ou que vierem a surgir com a manifestação da doença. 

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado através de um dermatoscópio, onde serão analisadas as manchas e pintas que apresentam alterações ou que estejam coçando. Identificadas, serão removidas através de cirurgias para serem submetidas em biopsias e encaminhadas a um especialista para análises.

Confirmando o Melanoma Cutâneo, o paciente se submeterá ao tratamento cirúrgico, radioterapias e quimioterapias. Caso o câncer já tenha se espalhado para outros órgãos, o Melanoma tornasse incurável, existindo apenas o tratamento paliativo da doença.

Neste caso, assim que surja algo inalterado no corpo, a orientação é procurar o especialista o quanto antes, pois o tratamento realizado no início, aumentam as chances de cura.  

Por este motivo, o Ministério da Saúde realiza consultas públicas para que as pessoas possam contribuírem contando as suas experiências e pesquisas baseadas nas Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Melanoma Cutâneo. A consulta pública é um mecanismo que permite a Administração Pública adquirir informações, opiniões e críticas da sociedade civil, a respeito de temas proporcionados pela pasta da Saúde. Este tem o objetivo de fomentar e ampliar a discussão sobre o tema proposto e assim fundamentar e tomar decisões e definir políticas públicas sobre o assunto abordado. 

Para quem deseja participar da consulta pública, vai precisar entrar no site da Conitec http://conitec.gov.br/, e realizar o preenchimento do formulário disponível para esta consulta. O período será de hoje (20) até o dia 8 de junho.

A Conitec disponibiliza um período de 20 dias e orienta a todos a observarem as recomendações disponibilizadas na página da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema único de Saúde (CONITEC).