Crivela denunciado pelo Ministério Público Eleitoral


O Prefeito em exercício até Janeiro, pode perder seus direitos políticos e ficar inelegível por oito anos

André Lucas

Nessa quarta feira, dia 16 de dezembro, o ministério público eleitoral (MPE)  denunciou o Prefeito Marcelo Crivela e mais duas pessoas pelo caso dos guardiões de Crivela. O fato ficou conhecido numa reportagem da Globo na televisão que detalhou como o esquema funcionava. No decorrer do ano outras reportagens de outros meios de comunicação eram publicadas e o caso ia ganhando forma. O caso foi usado ate na eleição contra o prefeito que acabou perdendo para Eduardo Paes que assume no começo do ano que vem.

 Marcelo Crivella (Republicanos), a candidata à vice em sua chapa, Andrea Firmo, e Marcos Paulo de Oliveira Luciano, assessor especial da prefeitura do Rio, esses são os três denunciados e acusados de serem os líderes do grupo dos guardiões.

O órgão acusa os três de abuso de poder político, conduta vedada prevista na Lei Eleitoral e pede que eles sejam declarados inelegíveis por oito anos e paguem multa.

Os “ guardiões do Crivela” era um grande grupo formado por funcionários públicos que recebiam cerca de R$4 mil para ficar na frente de hospitais públicos, com o intuito de dificultar a produção de reportagens.

Os “guardiões do Crivella”, funcionários públicos que ficavam na frente de hospitais públicos, com o intuito de dificultar a produção de reportagens. Fotos: divulgação

Naquele momento a cidade do Rio de Janeiro vivia um momento critico de caos na saúde pública. Leitos lotados, filas, falta de aparelhos, hospitais de campanha de faixada (essa denúncia é contra o ex governador não o prefeito), entre outros problemas que a cidade vivia, em relação aos hospitais.

O prefeito via essas denúncias nas manchetes de jornais como uma grande inimiga. Em ano de eleições, ter esse tipo de denúncia na televisão e jornais seria um grande problema. Daí, Crivella decidiu impedir que essas denúncias continuassem, e assim nasce os “guardiões”.

Os funcionários públicos que recebiam para isso tinha o dever de impedir as gravações e entrevistas. Quando os repórteres começavam a trabalhar os guardiões gritavam, xingavam e tentavam expulsar os agentes da imprensa. Até um certo ponto o plano de Crivela dava certo, os vídeos das pessoas gritando e xingando com repórteres da Globo faziam muito sucesso entre apoiadores, além de incentivar que eles também fizessem isso. Porém quando a Rede Globo de televisão descobriu e noticiou a popularidade do prefeito despencou. Nas eleições candidato do PSL Luiz Lima atacou o Crivela dizendo que “dinheiro para os hospitais não tem, mais para gastar 4 mil com guardiões…”

Em apuração do jornal O Globo – O promotor Rogério Pacheco Alves declaro que durante este ano – mais intensamente na pandemia – funcionários públicos foram designados para impedir ou dificultar reclamações e a realização de reportagens sobre a situação precária da saúde municipal.

Na denúncia, o MPE aponta que Crivella participou de pelo menos um dos grupos e que teve “a oportunidade de tomar parte das conversas e acompanhar os relatórios publicados pelos funcionários”.. 

O MPE denunciou os envolvidos e pediu a suspensão dos direitos políticos de Crivela. O prefeito pode ficar ate oito anos inelegível, ou seja, sem poder concorrer a cargos públicos.  Qualquer atualização do caso, você encontra aqui no Carvalho News (CN).