Em Maceió, dia de Iemanjá é celebrado na praia


Celebração acontece com adaptações devido à pandemia de Covid-19

Thais Paim

O cenário de pandemia tem provocado mudanças em diversas celebrações e esse ano o dia de Iemanjá foi celebrado diferente dos anos anteriores, em que milhares de pessoas se reuniam na orla de Pajuraça, em Maceió, para festejar.

Apesar das restrições, os devotos não deixaram com que o dia fosse esquecido. Religiosos da Umbanda celebraram a festa das águas neste 8 de dezembro com menos pessoas, além do uso da máscara e a adoção de medidas de prevenção ao coronavírus.

Enquanto na Bahia o dia da mãe dos Orixás é comemorado 2 de fevereiro, em Alagoas, a data é a mesma de Nossa Senhora da Conceição.  Os dias da celebração sofrem mudanças de um estado para outro por causa do sincretismo religioso.

“Hoje é o dia para eles cultuarem esse Orixá, eles fizeram uma correlação entre Nossa Senhora Conceição e Iemanjá, como fizeram com São Jorge e outros santos da igreja católica. E hoje, dia 8, é o dia de comemoração à Iemanjá, é o dia que nós comemoramos as águas, a nossa mãe da natureza. Nós adoramos à natureza, o rio, o mar, a água. Hoje o dia de oferendar a grande rainha do mar, que é Iemanjá”, explica o babalorixá Pai Célio.

As pessoas que faziam suas homenagens na praia, também fizeram  uso do álcool gel, para higienização das mãos. Grupos da capital e do interior levaram oferendas à Deusa das Águas e seguiram as recomendações sanitárias.

Os terreiros foram orientados que poucas pessoas de cada grupo levassem as homenagens para a praia e que a celebração fosse em pontos espalhados da orla. O intuito é evitar aglomerações.

A festa começou de madrugada e se estende durante todo o dia.