Ministério da Saúde promete destinar R$522 milhões para bancar processamento final da vacina contra a Covid-19


O Ministério da Saúde quer garantir R$ 1, 9 bilhão para a produção de 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19. De acordo com o órgão, a Medida Provisória para viabilizar o crédito está em estudo no Ministério da Economia. Ontem, em coletiva de imprensa, secretários da pasta explicaram que o valor é necessário para subsidiar as despesas com a vacina. Do total, R$ 1,3 bilhão será destinado ao pagamento do laboratório AstraZeneca, previsto no contrato de encomenda tecnológica feito pelo Ministério da Saúde.

O restante do valor será utilizado para pagar o processamento final da vacina pela Bio-Manguinhos, da Fiocruz ( R$ 522,1 milhões); e para investimentos necessários de absorção da tecnologia de produção pela Fiocruz ( R$ 95,6 milhões).

Na última sexta-feira, a Fiocruz assinou um Memorando de Entendimento com o laboratório AstraZeneca para estabelecer os termos e condições para o contrato de produção da vacina. De acordo com informações do ministério da Saúde, o contrato deve ser assinado até o dia 14 de agosto.

Grupos de risco e profissionais de serviços essenciais terão prioridade quando a vacina contra o novo coronavírus começar a ser aplicada. De acordo com o secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Helio Angotti Neto, após comprovada a eficácia da imunização esse cronograma será definido.

O secretário executivo da pasta, Élcio Franco, afirmou que o país tem capacidade para ministrar a vacina sem grandes problemas. “ O Brasil detém o maior programa nacional de imunização do mundo, tem expertise, não só de definir o público-alvo prioritário, como também a logística para chegar a cada um dos municípios as doses das vacinas e acompanhar a cobertura, fazendo a logística dentro de uma gestão tripartite”, declara.