Oito detentos custodiados do Pará conquistam primeiro lugar no vestibular


Oito internos custodiados pela Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe) conseguiram o que muitos não conseguem, apesar de se esforçarem bastante. Por incrível que possa parecer, as condições pouco favoráveis foram apenas um incentivo para conquistar a tão sonhada vaga no ensino superior. E, como prêmio, pela dedicação três internos do Presídio Estadual Metropolitano I (PEM I) conquistaram o tão sonhado primeiro lugar a três internos do Presídio Estadual Metropolitano I (PEM I).

A notícia veio com o resultado do Sistema de Seleção Unificada, o Sisu, um programa do governo federal, que seleciona estudantes para instituições federais, estaduais e institutos federais de educação de ensino superior, com base nas notas do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem). Divulgado nos dias 18 e 19 de janeiro, os candidatos puderam escolher até duas opções de curso e alternar as opções durante as inscrições.

Alan Kleiton Piteira, de 30 anos, é um desses vitoriosos. “Comecei a estudar em 2009, passei por muitas adversidades, mas nunca parei de me dedicar. Quanto mais as pessoas diziam que eu não iria conseguir, mais eu lutava por aquilo. E foi no presídio que eu terminei o ensino fundamental e o médio. Vi a educação como a única chance para recomeçar a minha vida”, revelou o detento.

O interno Alan Piteira é um dos aprovados no vestibular em primeiro lugar FOTO: THIAGO GOMES / ASCOM SUSIPE – MARITUBA – PARÁ

 

Até mesmo a família de Piteira chegou a duvidar de sua aprovação no exame. “Ouvi muito que eu iria sair daqui pior, por eu ter uma ficha de assaltante de banco e envolvimento com o tráfico. Meus familiares acreditavam que por eu já estar há nove anos cumprindo pena não teria chances. Agora eu já estou indo para o regime semiaberto, com uma classificação no vestibular e em primeiro lugar. Tudo está dando certo, eu estou muito feliz”, comemorou. O interno garantiu uma vaga no Instituto Federal do Pará (IFPA), em primeiro lugar para o curso de Saneamento Ambiental.

“Eu não pretendo parar os estudos e por isso continuei, mesmo estando no cárcere. Tenho muita esperança de voltar para uma sala de aula e acredito que tenho muitas chances. Já vi condenados há dezenas de anos de reclusão conseguirem a autorização do juiz para estudar, então porque eu não conseguiria? Tenho muita fé de que também vou ter essa oportunidade”, disse Carvalho.

Além de Piteira e Carvalho, outros seis detentos também passaram em universidades públicas da capital e do interior do Estado, sendo quatro internos do PEM I, que conseguiram aprovação no IFPA e na UFRA. Os outros quatro detentos estão custodiados em casas penais de Marabá (Centro de Recuperação Agrícola Mariano Antunes e Central de Triagem Masculina de Marabá) e foram aprovados na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa).

Dentre as vagas nos cursos conquistados estão Saneamento Ambiental, Engenharia de Pesca, Letras/Inglês, Geografia, Ciências Sociais e Licenciatura em Física. Os aprovados terão até o dia 26 de janeiro para efetuar a matrícula.

“A gente já esperava esses resultados pelo desempenho que vínhamos acompanhando no segundo semestre de 2015, desses internos. Estamos muito satisfeitos, felizes e sempre em busca de alcançar mais, porém só o fato de termos internos que passaram em primeiro lugar mostra que o nosso trabalho está surtindo efeito. A nossa meta agora é duplicar o número de aprovados de 2015 e, em 2017 triplicar este número. A cada ano fazer uma formação melhor para mudar a realidade desses homens e mulheres que querem seguir a vida longe do crime”, afirmou a titular da Coordenadoria de Educação Prisional (CEP) da Susipe, Aline Mesquita.

Educação – Em 2015, a Susipe teve cerca de 400 participantes na prova do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) Para Pessoas Privadas de Liberdade (PLL). Valendo mil pontos e com o peso três, a prova de redação, considerada a mais difícil pela maioria dos alunos e professores, foi a de maior destaque para os internos, que chegaram a marcar até 920 pontos.

A preparação específica para o exame foi realizada em parceria entre a CEP da Susipe e o Pro Paz, que conseguiu cumprir o objetivo de aumentar o número de aprovados no Enem. Em média, 100 alunos de unidades prisionais da Região Metropolitana de Belém participaram das aulas do Pro Paz Enem.

A expectativa é de que o número de detentos aprovados cresça ainda mais com o resultado do Programa Universidade para Todos (ProUni), do governo federal, que oferece bolsas de estudos em faculdades particulares para estudantes de baixa renda que ainda não tenham um diploma de nível superior. O resultado deve sair já na próxima semana e em seguida ocorrerá também a segunda chamada do Sisu, com mais oportunidades de aprovação.

Fonte: Lais Menezes – Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará