Palmeiras usa e abusa da vantagem e se classifica a final da Liberta


No primeiro jogo o time paulista aplicou 3 a 0 no River, e mesmo perdendo de 2 a 0 na volta o time estará na final

André Lucas

O Palmeiras foi  salvo do céu ao “quase inferno” em uma semana. Primeiro na noite de terça feira no dia 5, o Palmeiras teve uma partida dos sonhos, fez 3 a 0 no River Plate, fora de casa e construiu uma vantagem muito grande suficiente para classificar o time até que perdesse dois gols de diferença. 

Na noite de ontem contra o mesmo River Plate, o time quase viveu um pesadelo, o River aplicou 2 a 0 só no primeiro tempo e dominava o jogo completamente, apesar do Palmeiras ainda conseguir sair no contra  ataque, as melhores chances era do time argentino. O Palmeiras no primeiro tempo não deu nenhum chute ao gol do goleiro Armani.

O River construía jogadas pelos lados e infiltrava a área com facilidade, o Palmeiras assistiu uma bola na trave, e duas tirou em cima da linha fora as incríveis defesas de Weverton. Parecia questão de tempo até sair o terceiro e o jogo ir para os pênaltis. A pose era toda do River que chutava o tempo todo, e a cada chute um suspiro mais fraco dos torcedores do verdão.  

O Var 

O Var ainda teve um protagonismo importante no jogo, primeiro aos 54 minutos, no lance do terceiro gol, um impedimento na origem do terceiro gol do River Plate, começava aí a participação do Var no jogo.   Depois aos 78 minutos o var anula um pênalti marcado em campo, Alan derrubou Suáres o Juiz marcou e depois da revisão na tela do Var o pênalti foi anulado. 

Depois de mais um lance de pênalti contra o Palmeiras dessa vez o contato foi claro, e o jogador do palmeiras derrubou o atacante do River, o Var entrou em ação e viu impedimento na origem da jogada e anulou o pênalti. Ainda um jogador expulso no River Plate, o zagueiro Rojas foi expulso aos 73 minutos de jogo(28 minutos do segundo tempo).

A intervenção do Var não só chamou a atenção do público como gerou indignação de muitos. O renomado jornalista Mauro César escreveu em sua coluna na UOL, “VAR salva Palmeiras na noite de classificação à final em vergonhosa atuação. –  O gol anulado de Borré no começo do segundo tempo após o VAR “pesquisar” atentamente um impedimento na origem do lance em nada afetou o comportamento dos comandados de Marcelo Gallardo. O River seguia dominando, agredindo diante de um Palmeiras apático, tendo como única saída ofensiva lançamentos para Rony”. 

Abel fala sobre superioridade do Five Plate

Após ser criticado por falta de criatividade e recursos no jogo contra o contra o River, o técnico português, Abel Ferreira falou sobre o jogo contra os argentinos. “O River tem um treinador melhor do que eu. Tem também jogadores com grande experiência . Nos últimos cinco anos eles estiveram nas semifinais, e ganharam a competição duas, mas quer eu, quer meus jogadores, só há uma maneira de ganhar experiência e viver, passar por isso. Por isso, hoje subimos a montanha, vimos a vista lá de cima e é muito boa. Agora, vamos descer outra vez, recuperar nossos jogadores, ver o time que teremos para a próxima partida… Hoje, ficamos sem o Gómez e o Zé Rafael. Não tínhamos um volante sequer no banco para nos ajudar. Até deixei o Luan de fora na expectativa dele ter que entrar no meio, porque o Zé Rafael não jogava há muito tempo e podia não aguentar os 90 minutos. A vida do treinador é isso. Nosso adversário veio aqui com força máxima, e nós, com os jogadores que tínhamos, demos tudo, Tivemos que sofrer, sim, mas a classificação foi fruto do que fizemos na Argentina. Foi um jogo em que poderíamos ter feito mais gols, pois as mesmas oportunidades que eles tiveram aqui nós tivemos lá. Em duas mãos, deu 3 a 2 para nós”.

Prefeitura de Itabuna decreta situação de emergência após mais de 9 meses sem ônibus


Empresas paralisaram suas atividades no início da pandemia

Thais Paim

O cenário de pandemia provocou diversas alterações no nosso cotidiano, mas para os moradores de Itabuna, no sul da Bahia, a dificuldade é ainda maior. A prefeitura precisou decretar situação de emergência por falta de ônibus na cidade. 

Publicada nesta terça-feira (12), a medida tem validade de seis meses e visa a contratação, com dispensa de licitação, de “entidade, empresa, pessoa jurídica ou física com qualificação fiscal, jurídica, econômico-financeira e técnica para prestar os serviços necessários ou fornecimento de bens, durante o prazo de até 180 dias até a conclusão do procedimento licitatório com vistas à contratação da melhor proposta para a administração público municipal”.

Os serviços foram interrompidos pelas empresas no ano passado, no início da pandemia. Ao todo, já são quase 10 meses sem ônibus do transporte público em Itabuna. Para contornar a situação, os moradores estão tendo que utilizar veículos do transporte alternativo.

Atualmente, duas empresas são responsáveis por prestar o serviço na cidade: uma delas entregou carta de acordo com a prefeitura para manter o serviço, enquanto a outra se nega colocar os ônibus na rua, sob alegação de falta de dinheiro.

Ainda não se tem uma previsão exata para que a prestação de serviço seja normalizada no município. 

Anvisa alerta para golpes envolvendo a venda de vacinas falsas contra a Covid-19


Ofertas têm sido feitas através da internet

Thais Paim

A ansiedade e expectativa pela vacina tem se intensificado no Brasil após diversos países iniciarem o processo de imunização da população. Com isso, a venda de vacinas falsas contra o novo coronavírus se tornou comum, principalmente através da internet. 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alertou para os riscos envolvendo esse tipo de contato e aquisição. De acordo com o órgão, o produto vem sendo oferecido em sites e através de mensagens enviadas pelas redes sociais.

Até o momento não há nenhuma vacina contra a Covid-19 registrada ou autorizada para uso emergencial no país, destacou a Anvisa. Além disso, também foi informado que sem essas autorizações, um medicamento não pode ser comercializado e disponibilizado à população, sob risco para a saúde dos consumidores.

“É preciso ressaltar que somente empresas devidamente certificadas pela Anvisa e licenciadas pela autoridade sanitária local poderão, quando for o caso, distribuir, fabricar, importar, transportar e aplicar as vacinas de Covid-19 autorizadas. No caso de vacinas importadas, a norma sanitária prevê que a empresa importadora é responsável pela qualidade, eficácia e segurança dos lotes importados das vacinas. Cada lote importado é submetido a ensaios completos de controle de qualidade pelo fabricante e deve possuir um certificado de liberação, de acordo com as especificações estabelecidas no registro do produto junto à Anvisa”, informou a agência. 

Lembrando que a falsificação de medicamentos pode ocasionar danos irreversíveis à saúde, podendo levar à morte, uma vez que não é possível verificar a segurança, a qualidade e a eficácia desses produtos.   

De acordo com a Anvisa, a Polícia Civil investiga o caso. O órgão determina normas para que as vacinas possam ser consumidas no Brasil e para exportação. A vacina é avaliada de acordo com as normas sanitárias, quanto às condições de armazenamento e transporte, de modo que haja liberação de todos os lotes dos produtos pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS).

Saiba qual o primeiro alvo da Mulher-Maravilha brasileira nos quadrinhos


Thais Paim

Recentemente os fãs DC Comics ficaram bastante empolgados ao descobrirem a estreia de uma Mulher-Maravilha brasileira. Yara Flor, heroína criada pela quadrinista Joëlle Jones, provocou bastante alvoroço e mistério, já que não haviam sido revelados muitos detalhes sobre a trama. 

Além da sua estreia na HQ Future State: Wonder Woman, a Mulher-Maravilha brasileira também vai aparecer em Future State: Superman/Wonder Woman. Nesse quadrinho, o primeiro alvo da heroína serão políticos incompetentes e corruptos no Brasil.

Na cena em questão, a personagem resgata um helicóptero que estava prestes a cair em São Paulo enquanto transportava um vereador. O detalhe? Durante o resgate, Yara aproveita a situação para dar uma lição no passageiro sobre suas responsabilidades como representante do povo e como deveria se importar em melhorar as vias e o trânsito da cidade e não desviar dinheiro da infraestrutura.

Sobre a personagem: 

Yara Flor é uma das personagens que estão estreando no DC Future State, linha editorial de quadrinhos ambientados no futuro, em uma linha do tempo vasta que vai de 2025 até o fim dos tempos.

Mesmo que a HQ solo se desenvolva de forma completamente independente, é válido lembrar que ela também vai dar as caras em outros títulos como Liga da Justiça e Superman/Mulher-Maravilha. 

Cheia de reverência ao folclore nacional, a história começa no meio de um embate entre Yara Flor e uma hidra selvagem. Após algumas páginas com muita pancadaria mitológica, ela derrota o monstro até ser surpreendida pela Caipora. O roteiro é de Dan Watters com arte de Leila Del Duca e Lee Weeks.

Governo oficializa reajuste para aposentados e beneficiários do INSS


Teto sobe para R$ 6.433

Thais Paim

O reajuste de 5,45% para aposentados e beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que recebem acima de 1 salário mínimo foi oficializado pelo governo, nesta quarta-feira (13).  Portaria do Ministério da Economia foi publicada no “Diário Oficial da União” e altera o teto dos benefícios de R$6.101,06 para R$6.433,57.

Pela legislação federal, o índice de reajuste do benefício de aposentados e pensionistas que recebem valor superior ao do salário mínimo é definido pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que, em 2020, o INPC ficou em 5,45%. A lei também prevê que aposentadorias, auxílio-doença, auxílio-reclusão e pensão por morte pagas pelo INSS não podem ser inferiores a 1 salário mínimo, fixado em R$ 1.100 para 2021.

Mesmo o reajuste aplicado ao salário mínimo pelo governo em 2020 (5,26%) tendo ficado abaixo do INPC, o que significa que o valor do salário mínimo teria de ser reajustado para R$ 1.101,95, evitando assim uma perda do poder de compra, o Ministério da Economia ainda não se posicionou sobre o assunto.

Para quem teve o benefício concedido ao longo de 2020, o percentual de reajuste é diferente. Confira abaixo o percentual de reajuste, de acordo com as respectivas datas de início do benefício:

até janeiro de 2020: 5,45%

em fevereiro de 2020: 5,25%

em março de 2020: 5,07%

em abril de 2020: 4,88%

em maio de 2020: 5,12%

em junho de 2020: 5,39%

em julho de 2020: 5,07%

em agosto de 2020: 4,61%

em setembro de 2020: 4,23%

em outubro de 2020: 3,34%

em novembro de 2020: 2,42%

em dezembro de 2020: 1,46%

Alíquotas de contribuição ao INSS

O reajuste também se reflete na cobrança da contribuição dos trabalhadores para o INSS. Para empregados com carteira assinada, domésticos e trabalhadores avulsos, a tabela de recolhimento passa a ser:

7,5% para até um salário mínimo (R$ 1.100)

9% para quem ganha entre R$ 1.100,01 e 2.203,48

12% para quem ganha entre R$ 2.203,49 e R$ 3.305,22

14% para quem ganha entre R$ 3.305,23 e R$ 6.433,57

É importante destacar que com a reforma da previdência, essas taxas passaram a ser progressivas, ou seja, cobradas apenas sobre a parcela do salário que se enquadrar em cada faixa, o que faz com que o percentual de fato descontado do total dos ganhos (a alíquota efetiva) seja menor.

Um exemplo que elucida essa determinação é: um trabalhador que ganha R$ 1.500 mil pagará 7,5% sobre R$ 1.100 (R$ 82,50), mais 9% sobre os R$ 400 que excedem esse valor (R$ 36), totalizando R$ 118,50 de contribuição.

Qualificação e diversidade de funcionários


Empresas investem cada vez mais em qualificações para os funcionários um dos setores que mais sofrem pela falta de mão de obra é o industrial

Julia Vitoria

Por causa da crise que se arrastou devido a pandemia, vários brasileiros ainda buscam oportunidades de trabalho, com o início da pandemia diversos setores de produtividade tiveram que parar, isso acabou gerando uma crise, que afetou a todos. Contudo apesar do desemprego está alto as empresas ainda encontram dificuldades para contratar isso devido a falta de mão demora qualificada.

De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal, que foi publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística, o desemprego no Brasil já atinge mais de 14 milhões de pessoas com uma estatística de 14,6% no último trimestre de 2020 essa é a maior estatística registrada  pesquisa desde que começou em 2012.

Se por um lado o desemprego está em alta a falta de mão de obra especializada também bate recordes, se destacar no mercado de trabalho está cada vez mais difícil. Segundo especialista o caminho a seguir é o da qualificação profissional, pois apesar do desemprego as vagas não estão sendo preenchidas, fazendo as empresas não completarem o quadro de funcionários e perdendo em competitividade, como consequência a falta de qualificação faz com que o tempo do trabalhador no mesmo emprego seja pequena.

Segundo dados que integram um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o setor mais afetado pela falta de mão de obra qualificada  é o industrial, num país com milhões de pessoas desempregadas, metade das fábricas têm dificuldades de contratar. Uma pesquisa realizada pelo Fórum Econômico Mundial em 2015 colocou o Brasil em 78º de qualificação profissional dentre 124 países. Com isso, muitas empresas estão investindo na capacitação do profissional, fortalecendo sua qualificação profissional, conseguindo se destacar em um se for profissional. 

Um exemplo disto é a Suzano, uma empresa de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis na América Latina, a empresa está construindo uma nova fábrica no Sul do estado e buscando na região mão de obra soube a importância de investir na qualificação profissional. Para preencher algumas vagas fez uma parceria com o Senai para a qualificação dos trabalhadores, segundo a empresa mais de 300 pessoas trabalham na construção da fábrica e mais de 200 irão atuar na área quando já estiver pronta.

 O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) é o  responsável pela formação técnica e profissional de grande parte dos jovens e trabalhadores brasileiros para vários setores da indústria. A coordenadora da instituição de Cachoeiro de Itapemirim ressalta a importância das empresas entenderem o desenvolvimento profissional dos jovens alunos. No processo de qualificação em parceria com a Suzano o Senai percebeu o interesse da empresa em qualificar os funcionários e a possibilidade de novas qualificações futuras. 

A coordenadora fala que o que se percebe é que muitas empresas já buscam o profissional totalmente qualificado, mas neste caso específico a empresa buscou qualificar e ficar no desenvolvimento das pessoas dando um novo sentido profissional a eles.

Lara Sathler,  diretora executiva da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Espírito Santo (ABRH-ES) relata que o profissional se qualifica com cursos preparatórios e livres e dessa forma tem uma visão teórica e também prática e deve acompanhar as tendências do mercado para se perdoar para novos desafios.  O secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip Navarro, disse que o estado deve ter um bom ano no mercado de trabalho devido aos novos empreendimentos e grandes obras. Ele ressalta que grandes instalações estão sendo feitas no espírito santo e que está confiante com as obras que serão realizadas e que o setor empresarial vê o estado com bons olhos.

As empresas buscam vai vez mais apostar na diversidade do profissional além da recolocação e qualificação profissional ao abrir 90 vagas para empregar nossos funcionários a empresa Suzano focou na diversidade abrindo a seleção para todos, em relação a diversidade profissional  uma das metas da empresa é que até 2025 cerca de 30% dos cargos de liderança da empresa sejam ocupados por mulheres além de melhorar a imagem da empresa, a diversidade pode ajudar na produção e em diversos outros pontos e fazer com que as pessoas queria fazer parceria com ela. Isso facilita a atração de novos talentos, uma vez que  as opções de candidatos para preencher as vagas são abundantes e qualificadas.

França não quer mais importar soja do Brasil


O presidente Macron anunciou um Plano de Desenvolvimento Agrícola para garantir a independência da produção e da Soberania Nacional

André Lucas

O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou  que vai começar a reduzir a importação da soja brasileira como forma de combater o desmatamento no país. Macron postou um vídeo em suas redes sociais onde prometeu criar uma espécie de “soja Europeia”. 

“Continuar a depender da soja brasileira seria o mesmo que apoiar o desmatamento da Amazônia. Somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa”, escreveu. O argumento francês é questionado pelo governo brasileiro, que insiste que a soja não é produzida na Amazônia. 

Nos últimos anos o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro e o Macron trocaram farpas por diversos motivos, esse é mais um capítulo dessa rivalidade que pode atrapalhar os planos do Brasil de fazer acordos com a União Europeia.  

Nessa terça feira o Presidente Jair Bolsonaro visitou produtores agrícolas e gravou um vídeo dizendo que os franceses são incoerentes, tomam medidas contra o desmatamento, porém, ao mesmo tempo importam produtos que desmataram a floresta brasileira. 

“A maneira concreta de fazer não é apenas dizer, mas agir. E agir é dizer: nós precisamos hoje da soja brasileira para viver. Portanto, vamos produzir a soja europeia ou o equivalente”, insistiu. 

Macron ainda falou que a tal proposta é uma maneira de garantir a soberania nacional do país, acabando com uma política de mais de 50 anos importando proteínas da América do Sul, Macron ainda explica que existe um projeto para desenvolver a produção agrícola no continente Africano, e tornar sustentável. 

O discurso não agradou os produtores de soja no Brasil.  A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse em nota que “lamenta que o presidente da França, Emmanuel Macron, busque justificar sua decisão de subsidiar os agricultores franceses atacando a soja brasileira”. 

“Como bem sabe Macron, a soja produzida no bioma Amazônia no Brasil é livre de desmatamento desde 2008, graças a Moratória da Soja, iniciativa internacionalmente reconhecida, que monitora, identifica e bloqueia a aquisição de soja produzida em área desmatada no bioma, garantindo risco zero do envio de soja de área desmatada (legal ou ilegal) deste bioma para mercados internacionais”, completaram. 

Em 2020 o presidente Francês já tinha anunciado que ia investir no desenvolvimento agrário do país, para construir a independência de produtos agrícolas, principalmente da soja brasileira. 

A França é um dos países que mais depende da soja, anualmente o país importa 3,3 milhões de toneladas de soja, do Brasil e dos Estados Unidos. 

O Ministro da agricultura da França, Julien Denormandie, anunciou o Plano de desenvolvimento agrícola argumentando que chegou a hora do país produzir seu próprio estoque de proteínas, separar de depender de outros países e de acabar com a “importação do desmatamento”. 

Paris e Brasília não tem uma boa relação já não é de hoje, no ano passado Macron foi um dos responsáveis por parar as negociações entre Brasil e UE, com argumentos relacionados ao clima e desmatamento, o presidente francês teve influência suficiente para botar a UE contra o Brasil.

Divas brasileiras


Grandes heroínas da cultura brasileira ganharam uma homenagem da Graphic Novel

Julia Vitória

O século XX foi cheio de mulheres que lutavam para que as transformações necessárias dos avanços das ideias progressistas pudessem ter espaço na sociedade. Mas de fato pode- se perceber que os esforços feitos pelos homens acabam tendo mais visibilidade  do que os das mulheres. A historiografia celebra essas histórias de diversas maneiras e ressignificação é um dos motivos para que o livro D.I.V.A.S brasileiras fosse criado. O livro é obra de Guilherme Smee e Eduardo Ribas, conta a histórias de dez mulheres reais em dez capítulos em formas de quadrinhos. 

Com um narrativa mística comum em histórias de super heróis D.I.V.AS brasileiras conta a história de uma organização Damas Intrépidas Vigiando Amorosamente a Sociedade, que foca em personagens históricas que se unem para combater o vírus 1D3O-LOG14D-GEN, a história começa em 1914 com Nair de Teffé, “a primeira-dama brasileira mais vanguardista da história” segundo o livro, o foco narrativo da história que vai até os dias atuais com personagens como Maria da Penha, passando por personagens como a pintora Anita Malfatti e a modelo Roberta Close.

o roteirista e colunista de LRS Guilherme Smee fala que decidiram produzir uma história em quadrinhos com mulheres brasileiras porque existe poucas histórias em que o tema é falado de forma que  não são calcadas e ultrapassadas. Por isso na HQ  existe uma representante de cada década do século XX.

As ilustrações de Eduardo Ribas fazem o universo dinâmico, como o  das histórias de super-heróis, e também faz a leitura ser levemente divertida e envolvente  a edição tem notas da professora doutoranda, integrante da Associação de Pesquisadores em Artes Sequenciais, historiadora e pesquisadora do feminismo e do feminino nas histórias em quadrinhos Natania Aparecida da Silva Nogueira, ela fala que buscaram alguns fatos reais das personagens como uma licença  poética.

O livro teve lançamento oficial em um dos maiores eventos da cultura pop do mundo CCXP Worlds que aconteceu dos dias 4 a 6 de dezembro totalmente online pelo site do evento. O livro foi selecionado para prêmios em 2020. 

Os autores do livro já tem quadrinhos publicados, Guilherme “Smee” Sfredo Miorando tem doutorado em ciências das comunicações e Mestre em Memória Social e Bens Culturais, Especialista em Imagem Publicitária e Especializando em Histórias em Quadrinhos também é Roteirista, quadrinista, redator e designer gráfico. Seus trabalhos são reconhecidos e ele já tem histórias em quadrinhos como: Desastres Ambulantes, Sigrid, Bem na Fita e Só os Inteligentes Podem Ver.

Já o quadrinista, designer Eduardo Silva Ribas também se aventura na marcenaria em horas vagas, nasceu em São Vicente em São Paulo e se mudou para a cidade de Campo Bom no Rio Grande do Sul no ano de 2005, ele divide seu tempo entre os quadrinhos e a loja de decoração que tem com sua esposa e em 2017 lançou seu primeiro quadrinho O Jogo Mais Difícil do Mundo.

2021 só começará depois da vacinação


Fiocruz já pediu o uso emergencial das vacinas feitas pela Oxford e pela AstraZeneca

Julia Vitória

O ano de 2021 só começa depois da vacina contra o novo coronavírus, por este motivo a instituição está trabalhando para que todos sejam vacinados logo segundo Nísia Trindade Doutora em sociologia e presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ela fala que o primeiro passo foi dado pois solicitaram o uso emergencial do imunizante produzido pela Oxford e AstraZeneca  para Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e logo logo será reproduzida em solo nacional.

Para ela todos poderão ser vacinados o mais rápido possível seguindo os requisitos da Anvisa. Ela foi nomeada presidente da Fiocruz mestra segunda e ficará no cargo por mais três anos.

Em entrevista ela disse que muito tem sido feito para que a vacina seja trazido para o Brasil em pouco tempo, fizeram aquisições com as doses estão analisando em laboratório do Instituto Serum, da Índia. E a possibilidade de essas doses chegarem aqui rapidamente é bem alta, tem previsão para o dia 20. Ela também relata que estavam programando trazer a vacina para o país antes da aprovação, e a partir desse ponto tudo vai depender dos movimentos do Ministério da Saúde, que coordena o Programa Nacional de Imunização (PNI) e ora distribuir de acordo  com o grupo prioritário como já foi apresentado. 

O presidente do Brasil enviou um pedido à índia para que a vacina chegue o mais rápido possível. Para Nísia esse procedimento só ressalta a importância de que o imunizante chegue rápido ao Brasil, contudo a previsão continua sendo dia 20 de janeiro. Todos estão preocupados com os prazos, contudo apesar de ser importante vacinar a todos de uma forma rápida também tem que ter uma sustentação da vacina, somente sendo possível com a produção nacional. Ela ressalta também que precisamos aprender com a pandemia pois nem todas as doenças têm vacinas e por este motivo as pesquisas devem ser contínuas e laboratórios nacionais como Fiocruz e Butantan são extremamente importantes.

Muita gente tem dúvida da eficácia da vacina pelo rápido período que ela foi feita. A presidente da Fiocruz fala que há alguns pontos que precisam ser considerados como as vacinas não estão vindo do nada, existe um processo de pesquisa que eram desenvolvidas contra o coronavírus, e que existe um histórico de novas  doenças que podem ameaçam a humanidade há pelo menos 20 anos. O Brasil é um país que tem avançado muito na pesquisa de prevenção dessas doenças com grupos excelentes que desenvolvem isto. Além disso, o país tem instituições experientes que são indicadas para participar da fase 3.

Para Nísia o que se pode esperar da produção o Brasil é a tecnologia que estão dominando a partir do segundo semestre, outro ponto é que a vacina se mostra muito adequada , se for pensar pela política da saúde pública ela se mostrou bem  eficaz e de baixo custo, um elemento crucial não só para o Brasil mas para outros países que estão se desenvolvendo também. Esta vacina é a que mais tem acordos firmados com uma eficácia de 73% tendo uma melhor resposta com um intervalo de 8 a 12 semanas que é o tempo dos anticorpos e células imunes se criarem. De acordo com a presidente, mais de 200 milhões de doses estão previstas para este ano, a expectativa é que as primeiras entregas aconteçam em fevereiro e que até abril já tenham entregado 50 milhões de doses.

Justiça dá 72 horas para Planalto explicar sigilo no cartão de vacina do Bolsonaro


A AGU argumenta que informações dizem respeito a vida privada, intimidade, honra e imagem

André Lucas

Em resposta a ação movida pela Deputada Federal e Presidente do PT (Partido dos trabalhadores), Gleisi Hoffman, a 20° vara federal de Brasília protocolou hoje a decisão que obriga o Planalto a prestar esclarecimento  sobre o motivo do cartão de vacinação do Presidente da República, Jair Bolsonaro, tem sigilo de até 100 anos, o governo tem 72 horas para explicar o caso.

Em ação popular, Gleisi pede a suspensão da medida que garante o sigilo, e pede para o Gabinete de Segurança da instituição e para a Advocacia Geral da União apresentarem o aval para aplicar o sigilo. 

No pedido Hoffman afirma que o sigilo é ilegal, uma vez que as informações referentes ao presidente se encontram divididas entre aquilo que é de sua vida privada e aquilo que é público. Em meio a pandemia do Covid 19 informações sobre a vacina são de interesse público, e devem ser divulgadas de forma correta como previsto em lei. 

A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffman. Foto: divulgação.

A deputada Gleisi Hoffman falou sobre o caso, e disse, “Justamente pela controvérsia social instaurada, em que o senhor presidente da República fez questão de expor suas opiniões, é indubitável o interesse público na informação acerca do histórico de Jair Bolsonaro quanto à sua saúde e imunização, dado não se estar a tratar de um cidadão qualquer, mas do chefe de Estado e de governo da nação brasileira”, escreveu a parlamentar no último domingo. 

O sigilo foi decretado após pedido de acesso ao cartão de vacinação do presidente feito por meio da Lei de Acesso à Informação pela coluna do jornalista Guilherme Amado, da revista Época.

Segundo a Presidência, o decreto foi feito porque os dados “dizem respeito à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem” do presidente. 

Bolsonaro tem questionado a eficácia e a segurança dos imunizantes contra a Covid-19 e dito que não vai vacinar. “Não vou tomar a vacina e ponto final. Se alguém acha que a minha vida está em risco, o problema é meu e ponto final”, afirmou ele em 15 de dezembro. 

Dias depois, ele questionou os efeitos colaterais no imunizante. “Lá na Pfizer, tá bem claro lá no contrato: ‘nós não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral’. Se você virar um chi… virar um jacaré, é problema de você, pô. Não vou falar outro bicho, porque vão pensar que eu vou falar besteira aqui, né? Se você virar super-homem, se nascer barba em alguma mulher aí ou algum homem começar a falar fino, eles não têm nada a ver com isso. Ou, o que é pior, mexer no sistema imunológico das pessoas”, disse.  

Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) afirmou que o sigilo atendeu aos critérios da LAI e citou o artigo 31 da norma, pelo qual “o tratamento das informações pessoais deve ser feito de forma transparente e com respeito à intimidade, vida privada, honra e imagem das pessoas, bem como às liberdades e garantias individuais, as informações pessoais, a que se refere este artigo, relativas à intimidade, vida privada, honra e imagem: terão seu acesso restrito, independentemente de classificação de sigilo e pelo prazo máximo de 100 (cem) anos a contar da sua data de produção, a agentes públicos legalmente autorizados e à pessoa a que elas se referirem”.