Secretário da SSP/BA é afastado pelo STJ


Operação Faroeste foi deflagrada nesta segunda-feira (14)

Thais Paim

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou o afastamento do secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, por um ano. Além de não exercer mais suas funções, ele está proibido de frequentar as dependências da pasta e de se comunicar com funcionários do órgão.

As fases 6ª e 7ª da Operação Faroeste foram deflagradas nesta segunda-feira pela Polícia Federal. O secretário foi alvo de mandados de busca e apreensão durante a manhã de hoje. Delegado licenciado da PF, Barbosa recebeu a visita de seus colegas de corporação em sua casa e no seu gabinete na SSP. 

Além do secretário, a delegada Gabriela Macedo também foi afastada das funções, chefe de gabinete do secretário. O motivo seria a suspeita de que ela teria vazado informações sigilosas antes de operações policiais que tinham como alvos investigados na Faroeste. 

Secretário de Segurança Pública da Bahia, afastado por um ano, Maurício Barbosa. Foto: divulgação

De acordo com as informações, um dos beneficiados por ela foi o quase cônsul da Guiné-Bissau Adailton Maturino, considerado chefe do esquema de venda de sentenças no Judiciário baiano, desbaratado pela Faroeste. 

Outra acusação sobre Gabriela é a de que ela seria responsável pelo transporte de joias de Carlos Rodeiro, também alvo das investigações.

O joalheiro, conhecido da alta sociedade baiana, é suspeito de auxiliar a ex-presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago, no crime de lavagem de dinheiro, por meio da venda de joias para ela. 

Novas fases da operação apuram se Barbosa e Gabriela atuariam na “blindagem institucional” do esquema de venda de sentenças para tentar proteger investigados. O objetivo é a desarticulação de possível esquema criminoso voltado à venda de decisões judiciais por juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA).