Subiu para 106 o número de mortes causadas pelas fortes chuvas em Pernambuco


William Gama

São inúmeros alagamentos, deslizamentos de terras e enchentes, que provocou mortes, desaparecimento de pessoas e aumento do número de desabrigados.

As chuvas ocorridas nos últimos dias em Pernambuco têm causado muita dor e sofrimento a milhares de famílias pernambucanas. São inúmeros alagamentos, deslizamentos de terras e enchentes, que provocou mortes, desaparecimento de pessoas e aumento do número de desabrigados.

Já são 106 o número de mortos confirmados pelo estado, causados pelas incidências das chuvas no Recife. O número de pessoas desabrigadas subiu para 6.198 pessoas sem um teto no estado.  Esse percentual de mortes foi maior do que a quantidade de vítimas que perderam suas vidas em uma cheia acontecida em 1975, onde boa parte do centro do Recife ficou submersa devido ao transbordamento do Rio Capibaribe, que cortas as ruas do centro da capital pernambucana. 

24 municípios atingidos

Trabalho de resgate no Recide (PE) em 29 de maio de 2022. Foto: Brenda Alcântara/AFP

O número de cidades que estão em estado de emergência aumentou para 24 municípios pernambucanos. Antes eram 14 cidades nesta situação. Em Goiana, na Zona da Mata Norte, Rio que corta a cidade transbordou, causando alagamentos nas casas e comércios situados no centro da cidade.

Segundo a Secretaria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe), Pernambuco ainda continua em estado de alerta, pois novos riscos por deslizamentos continuam devido as condições dos solos encharcados pelas chuvas. O Corpo de Bombeiros divulgou que das dez pessoas desaparecidas, oito já foram identificadas. 

Moradores que sofreram perdas materiais estão revoltados com a situação. Em Olinda, o canal que corta o bairro de Ouro Preto, transbordou e inundou casas localizadas na parte mais baixa deste córrego.

Outras que ficam situadas em frente à beira do canal, pessoas ficaram ilhadas sem poderem sair de suas residenciais.  Em Recife e Jaboatão dos Guararapes, cidades mais atingidas pelas chuvas, o desespero toma contas dos moradores que tem suas casas localizadas nas encostas e morros.

Umas das moradoras dessas encostas a dona de casa Lúcia da Silva, de 56 anos, conseguiram sair a tempo, antes de ser soterrada por um deslizamento ocorrido na sua comunidade. Infelizmente, ela relatou que seus vizinhos, de uma família formada por onze pessoas morreram e uma ainda não foi encontrada.

“Foi muito triste, foi como perder a minha família. Moro aqui há 40 anos, eram pessoas que eu via desde pequena. Encontraram onze, vão ser enterrados, e uma menina de 32 anos está desaparecida, ainda não encontraram o corpo dela”, contou a dona de casa aos prantos. 

Moradores destas comunidades afirmam estarem indignados com esta situação, pois poderiam ser evitadas e denunciam o descaso das autoridades dos governos municipal e estadual. “Muitas pessoas aqui perderam tudo. Suas vidas, suas casas. Precisamos de remédios, comida”. É um pedido de socorro para o Jardim Monte Verde! Se vierem nos tirar daqui têm e dar uma solução, não é só chegar e fazer campanha eleitoral” afirmou o Pedreiro Jailson Gomes de Souza, de 34 anos.

Outro morador fez o seu desabafo com a situação em que o lugar que mora a tanto tempo tem sofrido nos últimos anos. “Em 25 anos que moro aqui, nada efetivo da prefeitura. Só dizem que está em projeto, em análise e nada feio. Se tivessem feito, não teria tido isso”, declarou Alex Santos, de 45 anos, ao Jornal Folha de São Paulo. 

Apoio federal é necessário

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, foi na última segunda-feira (30) à Brasília em busca de apoio federal para conseguir verbas com o intuito de resolver as demandas causadas pelas fortes chuvas torrenciais ocorridas no estado.

Esse apoio seria concentrado nas regiões da Zona da Mata Sul e do Agreste pernambucano. “Há uma preocupação do governo estadual com uma nova previsão de chuvas fortes a partir de quinta-feira (1), feita pela Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC). Estamos monitorando o leito dos rios, a situação das barreiras, o solo que está muito encharcado. Encaminharemos lonas aos municípios”, afirmou o Secretário de Planejamento e Gestão, Márcio Steffani, após uma reunião de governo no Palácio dos Campos das Princesas, sede estadual do governo.

Fontes: G1 PE, JN, AFP, AP.

William Gama é formado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e Mestrando em História (UNICAP). Gosta de produzir matérias de diferentes nichos em Mídias e Redes Sociais. Instagram: williamgama.j