Pequenos provedores auxiliam na inclusão digital


Eles são responsáveis por quase 50% do acesso a internet no Brasil

Marcelo Carvalho

Muitos não se dão conta mas, quase a metade (47%) do acesso à internet no Brasil é fornecido por provedores de pequeno porte (PPP). Segundo os especialistas, eles são hoje os responsáveis pela inclusão digital no país.

Cerca de dez mil pequenas operadoras fornecem atualmente banda larga para 41 milhões de assinantes em todo o território nacional. Somente na Bahia são 4.123 PPPs atuando no setor.

Muitas vezes oferecendo navegação mais rápida (500 GB), preços mais em conta (a partir de  R$ 30), e soluções para empresas, PPPs costumam conectar lugares os quais as grandes telecoms pouco têm interesse.

Em tese, locais de baixa renda, como os bairros mais afastados dos centros urbanos (periféricos), o interior do estado, a zona rural.

Mercado fragmentado

Antes dominados por cinco grandes companhias, como Vivo, Tim, Claro, Oi, e Sky, os dados revelam um setor pulverizado, com os pequenos negócios se consolidando. Os números são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e da Associação de Provedores de Internet do Brasil (Apieb).

As concessionárias são obrigadas a compartilhar as estruturas (dos postes). Para operar, o PPP não precisa de outorga da Anatel, apenas a comunicação dos serviços. Todos reconhecem a atuação de “clandestinos”.

Gerente de Universalização e Amplicação do Acesso na Anatel, Eduardo Jacomassi destaca que um grupo de trabalho discute o preço do aluguel de poste, e outro comitê os PPPs. Ainda segundo ele, “existe um movimento de consolidação das empresas de pequeno porte”.

“Muitas estão crescendo, incorporando outras, atendendo com equipamentos de melhor qualidade. Às vezes, a estrutura de determinado lugar é antiga, e entram com fibra óptica, oferecendo internet com até 500 gigabytes de velocidade, que poucas grandes conseguem atender”, conta. Na página da Anatel na internet há a relação de todas as empresas autorizadas.

Inclusão digital

Um dos clientes da AN Telecom é a Clivale, rede de clínicas médicas com 80 anos de mercado e seis unidades em Salvador. O gerente de TI, Wu Wai Kong, conta que precisava de um “link mais rápido” para rodar o sistema de agendamento e marcação de consultas, entre outros,  quando a AN ofereceu a melhor solução.

Quem são e como vivem os ciganos do Brasil


Andie Carolina

Certamente pelo menos uma vez na vida, você já imaginou a figura de uma mulher cigana representada por roupas de estampas coloridas, peças longas, lenços na cabeça e claro, dançarinas e que possuíam o dom de adivinhar o futuro. É desta forma que a mídia tem vendido a imagem do povo cigano ao longo dos anos. Mas será que você realmente conhece e sabe como vivem os ciganos, sobretudo no Brasil? Continue lendo esse artigo e descubra.

Preconceito universal

Estudos descrevem os ciganos como um povo nômade, que perambulava por toda a Europa, atingidos pelo preconceito, já que esse estilo de vida causava repulsa na sociedade europeia. E um fato interessante é que, por não possuírem um idioma próprio, sua história foi descrita justamente pelo povo não-cigano. E esses historiadores apontam a Índia como o país de origem dos ciganos, que anos mais tarde, também teriam adentrado o Egito e a Espanha.

Foi no território espanhol, aliás, que surgiu o primeiro documento que atestava a presença de ciganos em um local. Esse fato ocorreu no ano de 1423, quando esse povo teria pedido permissão para cruzar o país e assim, peregrinar até a cidade de Santiago de Compostela.

Visita ao assentamento da comunidade cigana Calon. Foto: divulgação

Ciganos no Brasil

Falando especificamente sobre o Brasil, os ciganos chegaram em terras Tupiniquins junto aos navegantes de Portugal, país que, por sua vez, longe de ser um “amigo” deste povo, os enxergava apenas como “seres indesejáveis”.

Independente disso, a chegada foi bem-sucedida e a permanência também, pois é estimado que o Brasil o segundo país com o maior número de habitantes (800 mil), ficando apenas atrás dos Estados Unidos (1 milhão). Os ciganos se espalharam por todo território nacional, mas é na Bahia onde vivem a maior porcentagem deles.

Esses moradores ilustres são divididos em três grandes grupos. O primeiro, originário de Portugal e da Espanha, são falantes do dialeto Caló. O segundo, originário do Leste Europeu, são falantes do dialeto Romani. E o último, originário da Alemanha e da França, também falantes do mesmo dialeto.

Profissões e linha de conduta

Mulheres ciganas. Foto: Fabrio Rodrigues pozzebom

Os homens ciganos costumam trabalhar em ofícios comuns como os outros de culturas diferentes. No Brasil, eles exercem as funções de ferreiros, comerciantes e cuidadores de animais. Já as mulheres, como mencionado no início deste artigo, realmente costumam se dedicar à leitura das mãos e das cartas com a intenção de adivinhar o futuro, mas são muito mais do que isso!

As ciganas também são vistas em grande número como costureiras e rendeiras, enquanto uma outra parte se dedica aos cuidados do lar. Um fato curioso sobre a cultura cigana é que eles costumam se casar apenas entre si, sendo extremamente apegados às suas famílias.

E um detalhe bastante triste em relação aos ciganos é que, durante muitos anos, e inclusive nos dias atuais, é que eles roubam crianças e que costumam mentir sobre diversos assuntos. O que muitas pessoas desconhecem, é que, na verdade, existe um código na cultura cigana que condena qualquer tipo de desonestidade entre eles e para com o próximo.            

Para finalizar, um fato que vale muito mais a pena ser citado: existem diversas datas para celebrar a vida e a cultura cigana ao redor do mundo. No Brasil, a comemoração acontece no dia 24 de Maio. A data foi celebrada pela primeira vez em 2007 e leva o nome de Dia Nacional do Cigano.

Andie Carolina é graduada em Publicidade e Propaganda. E, apaixonada por música, séries, televisão e cinema. Instagram: @AndieCarolinaP

Salvador: carnaval de rua de 2022 está cancelado


Marcelo Carvalho

Após o governador Rui Costa (PT) anunciar que não haverá festas de rua no período carnavalesco em 2022, as prefeituras de Salvador -principal destino turísticos do estado- confirmou o cancelamento do Carnaval deste ano.

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), confirmou na semana passada o cancelamento da festa na capital baiana. Em entrevista a jornalistas durante a assinatura de uma ordem de serviço na terça-feira (28), ele apoiou a decisão do governador e destacou que os principais artistas e blocos já haviam sinalizado que não participariam da festa.

Cinco dias antes, o governador Rui Costa (PT) já havia oficializado o cancelamento do Carnaval em municípios baianos, alegando preocupação com a variante ômicron da Covid-19 e o aumento dos casos de gripe H3N2.

Nos últimos meses, empresários ligados ao Carnaval pressionaram prefeitura e governo a liberar a realização da festa nas ruas da cidade. Em novembro, um grupo chegou a fazer um protesto no Farol da Barra em defesa do Carnaval.

A partir de dezembro, contudo, a maior parte começou a se desmobilizar. Artistas como Daniela Mercury, Léo Santana e Bell Marques anunciaram que não participariam do Carnaval, caso este acontecesse, alegando falta de tempo hábil para viabilizar a participação na festa.

Blocos como As Muquiranas, Nana Banana e Camaleão também informaram em dezembro que não iriam desfilar em 2022.

A mesma decisão foi tomada pela empresária Flora Gil, que toca o camarote Expresso 2222. Em dezembro, ela anunciou que o espaço não funcionaria mesmo se o Carnaval fosse autorizado.

Outros empresários, por outro lado, devem realizar festas privadas em Salvador no período do Carnaval.

De acordo com a prefeitura de Salvador, apenas uma empresa entrou até o momento com pedido de licenciamento junto à prefeitura para a realização de festa no período carnavalesco.

O decreto da pandemia em vigor no Estado da Bahia permite festas com até 5.000 pessoas, mediante a exigência de comprovação do ciclo completo de vacinação.

Pesquisa aponta que homens são os principais transmissores da Covid-19


O artigo ainda não tem revisão por pares 

Thais Paim

Um levantamento epidemiológico com 1.744 casais brasileiros levou cientistas a identificarem que os homens são os principais transmissores do coronavírus. Ainda de acordo com os resultados, eles também são mais susceptíveis a apresentar quadros graves de Covid-19 e a morrer em decorrência da doença. 

A constatação foi feita em um estudo do Centro de Estudos do Genoma Humano e de Células-Tronco. Os resultados do trabalho foram divulgados na plataforma medRxiv, em artigo ainda sem revisão por pares e as informações foram publicadas em reportagem da Agência Fapesp.

Os pesquisadores do Centro publicaram estudo na revista Diagnostics no início de agosto com base em um exame de detecção do Sars-CoV-2 pela saliva. De acordo com a reportagem da Fapesp, a pesquisa mostrou que os homens apresentam carga do vírus no fluido cerca de dez vezes maior do que mulheres, particularmente até os 48 anos de idade. 

O estudo revelou que essa diferença de carga viral não foi detectada em testes com amostras nasofaríngeas. A responsável por coordenar essa pesquisa é a professora Maria Rita Passos-Bueno.

“Como o vírus é transmitido principalmente por gotículas de saliva, deduzimos que isso explicaria por que os homens transmitem mais vírus do que as mulheres”, sinalizou Mayana Zatz, professora do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo e coordenadora do Centro de Estudos do Genoma, um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão financiados pela Fapesp.

Em entrevista à Fapesp, a pesquisadora também comentou que ouviu relatos dos que apontavam que a mulher foi infectada pelo vírus e apresentou sintomas leves ou moderados, enquanto o homem permaneceu assintomático. A maioria dos casais ouvidos eram de médicos, e alguns meses depois, o cônjuge também foi infectado após o contato com pacientes do sexo masculino, o que reforçou a teoria de que homens transmitem mais o novo coronavírus.

Fonte: Bahia Notícias 

Menino de 12 anos ganha R$ 2 milhões com coleção de imagens de baleias


Pai afirma que está completamente orgulhoso 

Thais Paim

Em um ramo que se apresenta como muito promissor, um menino de 12 anos, morador de Londres, no Reino Unido, ganhou cerca de £ 290 mil (aproximadamente R$ 2 milhões) durante as férias escolares, depois de criar uma série de obras de arte pixeladas chamadas Weird Whales e vender como NFTs (“token não fungível”, em tradução livre) .

Se você nunca ouviu falar sobre, deixa que a gente te conta. Através dos NFTs, uma obra de arte pode ser “tokenizada” para criar um certificado digital de propriedade que pode ser comprado e vendido. Eles geralmente não fornecem ao comprador a obra de arte propriamente dita ou seus direitos autorais.

Benyamin Ahmed, o garoto de 12 anos, está mantendo seus ganhos na forma de Ethereum — a criptomoeda em que foram vendidos. O que isso significa? Que o valor pode aumentar ou diminuir — e não há respaldo das autoridades se a carteira digital em que ele guarda o montante for hackeada ou comprometida. Ahmed destaca ainda que nunca teve uma conta bancária tradicional. 

Extremamente orgulhoso

Mesmo tendo adquirido sua recém cripto fortuna e ele tendo feito vídeos no YouTube sobre seu hobby, que ele gosta tanto quanto natação, badminton e taekwondo, os colegas de escola de Benyamin ainda não sabem. 

“Meu conselho para outras crianças que talvez queiram entrar neste espaço é não se obrigar a fazer codificação, talvez porque haja pressão dos colegas — assim como se você gosta de cozinhar, cozinhe, se gostar de dançar, dance, apenas faça o melhor que puder”, diz ele.

O pai de Benyamin, Imran, um desenvolvedor de software que trabalha com finanças tradicionais, incentivou Benyamin e seu irmão, Yousef, a começar a codificar aos cinco e seis anos. Ele conta que  os meninos tiveram a vantagem de ter uma forte rede de especialistas em tecnologia para pedir conselhos e ajuda.

“Era meio que um exercício divertido — mas percebi muito cedo que eles eram muito receptivos e muito bons nisso”, conta Imran. Os meninos faziam 20 ou 30 minutos de exercícios de codificação por dia — inclusive nos feriados.

Weird Whales é a segunda coleção de arte digital de Benyamin, lançada na sequência de uma coleção anterior inspirada no videogame Minecraft que vendeu menos.

Desta vez, ele se inspirou em uma imagem bem conhecida de um meme de baleia pixelada e em um estilo popular de arte digital — mas usou seu próprio programa para criar a coleção de 3.350 baleias do tipo emoji.

Fonte: G1 

WhatsApp lança programa para capacitar gratuitamente 10 mil empreendedores


Iniciativa é uma parceria com o Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (CIEDS)

Thais Paim

O Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (CIEDS) e o WhatsApp lançaram uma grande oportunidade para quem busca uma capacitação. O programa Conecta+ Brasil pretende dar suporte a profissionais formais e informais de comunidades e periferias do país.

O lançamento foi realizado na última sexta-feira (23). Lembrando que as inscrições são gratuitas e estão abertas para empreendedores de todo o Brasil. 

Sobre a iniciativa 

O objetivo é apoiar a retomada econômica de um dos grupos mais afetados pela pandemia. O programa vai trabalhar conteúdos sobre empreendedorismo, boas práticas comerciais, além das ferramentas gratuitas do WhatsApp Business. A estimativa é de que cerca de 10 mil empreendedores sejam atendidos.

“Num momento em que já se discute o pós-pandemia, é muito importante levarmos em consideração os mais afetados pela crise. O Conecta+ Brasil tem esse objetivo de capacitar trabalhadores de todos os tipos, para que eles também sejam protagonistas nessa fase de retomada”, comenta Vandré Brilhante, presidente do CIEDS. “Acreditamos que o empreendedorismo vai além de abrir um negócio, tem também o potencial de ser um forte agente de mudança”, completa.

Além da capacitação para um uso mais abrangente das funcionalidades do WhatsApp Business, os participantes também vão poder participar de treinamentos exclusivos voltados para o cenário empreendedor como inovação, criatividade, finanças pessoais e finanças para negócios, a fim de otimizar o desenvolvimento destes pequenos negócios.

Dados e cenário atual 

Pesquisa realizada pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) mostra que 66% das micro e pequenas empresas brasileiras ainda estão em um nível analógico ou emergente, buscando tecnologias e melhorias para seu modelo de negócio.

 “Um programa como esse permitirá que as empresas tenham mais possibilidades para engajar-se com seus clientes, entrando no mundo tão importante da economia digital”, afirma Igor Calvet, presidente da ABDI.

Para o presidente do Sebrae Carlos Melles, o programa é importante para o cenário dos empreendedores no Brasil. “As pesquisas nos mostram a força do WhatsApp como ferramenta fundamental para os pequenos negócios nesta pandemia. O aplicativo ajudou os donos de micro e pequenas empresas a manter contato com clientes e fechar vendas. A utilização do WhatsApp pelo empreendedor foi transformadora e muito positiva”, ressalta Melles.

Fonte: IstoÉ 

Professor de história faz sucesso com audios de WhatsApp e cativa os alunos


Cenário de pandemia fez com que profissional precisasse se adaptar 

Thais Paim

O professor da rede estadual do Ceará, Octavianus Cesar, acabou se destacando pela forma que se adaptou e passou a lhe dar com os seus alunos através do WhatsApp. “Na escola que trabalho, cada turma ficou com um professor responsável como padrinho para encaminhar as atividades dos outros professores. Ou seja, esse professor assumiu o papel de intermediador entre os alunos e a escola, para a realização das atividades. Esse foi o meu caso e sentia que precisava otimizar os canais de comunicação com os estudantes”, explica ele. 

O desejo de mudar e inovar nessa comunicação veio da experiência do ano passado e que também precisou ser realizada de forma online. Segundo Cesar, ele teve a ideia de mandar áudios para os alunos todos os dias quando abria o grupo e no início, a intenção era somente começar as atividades com um áudio positivo, alegre e lembrando as atividades do dia, mas depois, tentando melhorar o formato, passou a fazer áudios com músicas e sempre tentando relacionar as músicas com os estudos ou com a época em que estavam: dia das mães, dia da mulher, dia dos namorados, músicas temas de filmes ou séries como “A Casa de Papel”, “Rock: o lutador”,  “Missão Impossível”, “A Pantera Cor de Rosa” e, por último, um mês inteiro com temas juninos.

Os áudios são curtos, a maioria não passa de dois minutos e contém mensagens que misturam bom humor e motivação, sem esquecer de salientar que os alunos devem entrar na plataforma do Google Sala de Aula e fazer as atividades, mantendo o foco nos estudos. 

O professor explica como essa interação dinâmica tem desempenhado um importante papel no desempenho da turma: “Perguntam sobre o que falei, sobre as atividades, riem, comentam, e, dos 35 alunos da turma, com exceção de dois com necessidades educacionais especiais que não interagem muito e um desistente, todos os outros 32 entregam as provas parciais e bimestrais – sendo que a maioria entrega as atividades propostas pelos professores”, pontua ele.

De acordo com Cesar, a iniciativa trouxe resultados tão positivo que com o passar dos meses, outros professores começaram a querer utilizar os seus áudios em outras turmas também. Atualmente, ele todos os dias dois áudios pela manhã, um para a sua turma e outro mais geral, para ser usado indistintamente por outros professores. 

“Isso sem falar nos parentes de outros estados que também envio para reforçar o vínculo, já que a presença física ainda está difícil. Acredito que nessa pandemia todos tivemos que nos reinventar, mas o principal foi reaprender a utilizar os nossos sentidos. Ver quem gostamos ao vivo, ficou sendo pelo celular ou pela tela do computador, beijar, também ficou mais difícil, um abraço, o toque, esse também não pode, mas o que mais foi exercitado, foi o escutar”, conclui ele. 

Fonte: Por Vir 

Evento-teste é adiado pela Prefeitura de Salvador


Expectativa era de que evento acontecesse no dia 29 de julho

Thais Paim

A Prefeitura de Salvador informou que o evento-teste que seria realizado neste mês de julho foi adiado. O evento havia sido anunciado para o próximo dia 29, mas no momento não há previsão para uma nova data. 

O presidente da Empresa Salvador Turismo, Isaac Edington , falou sobre o processo de planejamento. “Acho que assim que tiver tudo ajeitado, assim que tudo isso tiver validado pelos órgãos competentes, e tem todo interesse da gente está debruçado em cima disso, a gente deve anunciar juntamente com as entidades”, pontou ele. 

Ele também admitiu a dificuldade de definir uma nova data neste momento, uma vez que a decisão está condicionada à definição de protocolos e a situação da pandemia. “Eu não posso já estabelecer uma data, mas tudo nos leva a crer que acontece em agosto ou no máximo até setembro, tudo sendo validado pelos órgãos competentes, isso seja realizado”. 

Algumas semanas atrás quando o evento foi anunciado, ele dividiu opiniões e provocou polêmica. O governador Rui Costa (PT), por exemplo, que até o momento tem agido de forma coordenada com o prefeito Bruno Reis (DEM), desaprovou a ideia. “Se acabamos de pedir para que as pessoas não façam eventos juninos, como é que agora vamos juntar 500 pessoas ou mil pessoas para fazer um evento-teste? Então, não acho adequado, a mensagem não é boa nesse momento”, criticou Rui.

De acordo com o que foi divulgado pela gestão municipal, o plano era realizar um evento para 500 pessoas, todas elas vacinadas ao menos com a primeira dose, e monitorar esse público depois. 

Fonte: Bahia Notícias 

Governador da Bahia diz que salário de professor que não comparecer às aulas poderá ser cortado


Posicionamento foi dado após anúncio do retorno das aulas semipresenciais 

Thais Paim

O governador Rui Costa (PT) disse que os professores poderão ter o salário cortado pelos dias que não comparecerem às unidades de ensino. A informação foi anunciada após a determinação de que as aulas sejam retomadas em modo semipresencial na rede pública da Bahia. 

 A decisão não está sendo bem avaliada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia, que protesta contra o retorno às escolas antes que toda a categoria esteja imunizada com as duas doses da vacina contra a Covid-19, o que a entidade estima que vá acontecer até a primeira quinzena de agosto.

Durante entrevista, o governador afirmou: “Dia 26 as aulas retornam e, a partir daí, será contabilizada as presenças para, evidente, implicar na remuneração dos professores que serão remunerados com os dias que derem aula, assim como todo trabalhador é remunerado com os dias que comparece ao seu trabalho”. 

Rui Costa também foi questionado se isso significaria corte de salário para os faltantes e ele foi enfático ao afirmar: “exatamente”. 

“No caso do servidor público, ele precisa faltar 30 dias seguidos para, eventualmente, responder por um processo administrativo por abandono de emprego e, eventualmente, não ter mais seu emprego”, alertou. 

O presidente do sindicato, professor Rui Oliveira, disse que os colegas não vão atender ao chamado da Secretaria de Educação do Estado (SEC) enquanto todos não estiverem completamente imunizados.

Quanto a isso, o governador afirmou que eles estão em situação de privilégio se comparados a outras categorias profissionais. “Todos os trabalhadores do Brasil inteiro já estão trabalhando e outros que ainda não estão, que organizam shows, eventos, estão ansiosos pra trabalhar, então precisamos dar nossa parcela de contribuição”. 

Além disso, Rui afirmou disse que: “os professores, eu diria, têm reunido uma condição que nenhum outro trabalhador reuniu. Ou seja, de ir à aula já vacinado. Muitos, eu vou dizer a grande maioria, já com a segunda dose porque vários tomaram a segunda dose e mesmo que uma parcela [esteja] como eu, que só tomei a primeira dose, e continuo trabalhando”, comparou. 

Fonte: Bahia Notícias 

Instituto oferta vagas para 11 cursos gratuitos; saiba como participar


Inscrições são voltadas para pessoas em vulnerabilidade social 

Thais Paim

Para quem sempre está buscando uma oportunidade de se profissionalizar e adquirir mais conhecimento, essa pode essa a oportunidade ideal para você. O Instituto Centro de Ensino Tecnológico (Centec) está com inscrições abertas para 11 cursos gratuitos online. 

As vagas foram disponibilizadas nesta segunda-feira (11) e terminam amanhã ou até o término das vagas. Para participar é só acessar o site do instituto.  

As formações são voltadas para cearenses a partir de 16 anos em situação de vulnerabilidade social – desempregados, com renda mensal de até um salário mínimo e/ou beneficiários do cartão Mais Infância. 

Se você se interessou e gostaria de saber um pouco mais sobre os cursos ofertados, confira abaixo: 

Técnicas de negociação e vendas

Eletricidade básica residencial

Excelência no atendimento ao cliente

Noções de liderança e gestão de pessoas

Técnicas do assistente administrativo

Ferramentas digitais

Noções de higiene e segurança no trabalho

Formação inicial em Linux

Fundamentos do empreendedorismo

Noções de informática

Prevenção e controle de verminoses em ovinos e caprinos

A escolaridade necessária varia entre ensino fundamental e ensino médio.

Requisitos para participar 

Os alunos que desejam participar precisam ter acesso a um computador ou celular com internet. Apenas os cursos de Formação inicial em Linux e Noções de informática só podem ser realizados pelo computador. 

Só é permitida uma inscrição por pessoa. A relação dos aprovados será divulgada na sexta-feira (16). Após a divulgação, o professor de cada curso entrará em contato com os alunos por e-mail, para fornecer informações sobre as aulas.

Os cursos são ofertados pelos Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) do Centec em 12 cidades do Ceará, em parceria com a Secretaria Estadual da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece). Como são formações remotas, é possível participar de qualquer município.

Fonte: Diário do Nordeste