Saiba das novidades do mercado nacional dos quadrinhos


Isabelle Carvalho

Muito se fala sobre quadrinhos internacionais, principalmente com o sucesso estrondoso do Universo Cinematográfico da Marvel (seus filmes e séries são baseados nos quadrinhos da Marvel Comics). Para quem é fã do gênero, vale se aventurar também pelos quadrinhos nacionais.

Você pode até não se dar conta, porém a produção brasileira é bastante rica e variada, tendo muitos livros explorando temas referentes a nossa cultura e história. 

A origem dos quadrinhos no Brasil data de 150 anos atrás. Todo mundo conhece as Aventuras da Turma da Mônica, é possível que os personagens criados por Mauricio de Sousa tenham feito parte da infância de muitos brasileiros. Suas narrativas fazem parte da memória social e, até hoje, as tramas de Cebolinha, Mônica, Cascão e Magali são sucesso entre crianças. 

Muitas opções interessantes

Além dos clássicos, existem milhares de títulos que podem render boas leituras. “O Rancho do Corvo Dourado”, por exemplo, é uma coletânea baseada na obra de Monteiro Lobato, Sítio do Picapau Amarelo. O diferencial é que o conteúdo adota um cenário pós-apocalíptico, em que o mundo foi quase destruído por bombas atômicas e os nazistas venceram a Segunda Guerra Mundial. 

Criado por Monteiro Lobato, o Sítio do Picapau Amarelo encanta gerações.

“Ser artista mulher é…” aborda situações machistas e preconceituosas que artistas mulheres passam mesmo nos dias atuais. Tudo isso de uma maneira bastante humorada e, assim, propagar a grande diferença de tratamento entre homens e mulheres no mercado artístico no Brasil. 

“O último assalto” conta a história de Kevin, que é morador de uma periferia de São Paulo e seu sonho é ser lutador de boxe. Tentando deixar no passado um crime que cometeu, começa a lutar em uma academia. A partir disso, vários acontecimentos o fazem entender que seu maior desafio não será no ringue. 

Trash e terror

“VHS” é uma coleção de histórias em quadrinhos trash e de terror. A proposta é homenagear e referenciar clássicos do terror dos anos 80 e 90. As imagens são em preto e branco e estão no formato de uma fita VHS. 

O Rancho do Corvo Dourado: uma versão pós-apocalíptica steampunk do Sítio do Picapau Amarelo.

Em “10 dias perdidos”, relembra-se o ano de 1582 quando na mudança do calendário Juliano para o Gregoriano, dez dias foram pulados. Os quadrinhos contam o que sucedeu nesse tempo perdido na História. O conteúdo mistura magia e ciência, humanos e deidades e seus personagens terão apenas 240 horas para salvar a humanidade. 

Por um lado, o mercado de quadrinhos nacional é positivo pois cada vez mais surgem histórias autorais. No entanto, os leitores diminuem com o passar do tempo. Além disso, o meio digital causou grande impacto na produção desses livros, principalmente na forma com que esses conteúdos são divulgados e consumidos. É muito importante a conquista de seu público e a valorização do próprio trabalho para que quadrinistas alcancem uma boa repercussão de suas obras.

Isabelle Carvalho é carioca, tem 27 anos, sendo graduada em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Também é graduada em Cinema. Além de possuir especialização em Jornalismo Cultural, é apaixonada por cultura, cinema, ciência e atualidades.

O Instagram da Isabelle é o @isacond.e