Projeto Besouros está de volta


Fernando Moura e Carlos Malta exploram de forma criativa o repertório dos Beatles

Marcelo Carvalho

“Os Besouros” é um projeto do pianista Fernando Moura e do flautista e saxofonista Carlos Malta, que utiliza como matéria prima as músicas da banda Os Beatles. Em 2017, os dois instrumentistas gravaram um álbum com doze pérolas do quarteto inglês – entre outras, Eleanor Rigby, Yesterday e Come Together. A aposta deu tão certo que inspirou Besouros: The Beatles Songs 2, que está disponível desde ontem (25) nos aplicativos de música, através da gravadora Deck. 

O novo álbum foi produzido durante a pandemia, soando como um doce remédio para quem o fez e para quem o ouve. Grande parte do repertório de John, Paul, George e Ringo é reconhecível ao primeiro assobio. Daí que, sabiamente, o duo resiste à tentação de afogar temas conhecidos em devaneios jazzísticos e demonstrações de virtuosismo estéril. Carlos Malta e Fernando Moura jogam o fino, mas jogam simples. “O importante é dar carga na nota verdadeira, a que identifica a canção”, define Malta. “O discurso musical que adotamos é criativo, porém sintético, a intenção foi criar pequenas joias que o ouvinte vai curtir do começo ao fim”, acrescenta.

Fernando Moura (E) e Carlos Malta, os Besouros Fotos: Daniele Yanes

A audição de Besouros: The Beatles Songs 2 encanta pelos caminhos abertos por Carlos Malta e Fernando Moura em terreno já tão visitado desde os anos 60. Músicos brasileiros, ambos pertencem a uma geração que cresceu ouvindo a banda. Carlos Malta lembra com carinho de um compacto de Help, seu cartão de apresentação ao Fab Four. Depois, já como profissional, participou do projeto Beatles’n Choro, comandado pelo cavaquinista Henrique Cazes, e vislumbrou o quanto músicas tão conhecidas tinham a ganhar com releituras.

Fernando Moura foi fisgado em grande estilo: em 1993, George Martin, lendário produtor musical mais conhecido como “o quinto Beatle”, veio ao Rio para comandar um grande concerto na Quinta da Boa Vista. O pianista e arranjador foi convidado a tocar no tributo ao grupo inglês, feito com banda e orquestra, e também incumbido de separar as partes musicais da apresentação. “Ali notei como aquele universo era mais complexo do que imaginava, além de legal à beça. E me encantei quando, de dentro da orquestra, ouvi os violoncelos de Eleanor Rigby”, conta. O encantamento, agora, com Besouros: The Beatles Songs 2, é nosso também.

Ouça através do link ao lado: Carlos Malta, Fernando Moura – Besouros: The Beatles Songs 2 (lnk.to)

Fonte: Batucada Comunicação

McCartney III é o novo disco de Paul McCartney


Músicos e críticos avaliam o novo disco do cantor que gravou sozinho num estúdio caseiro durante a pandemia

Julia Vitoria

Em 1990 o cantor Paul McCartney se apresentou pela primeira vez no Brasil. Nessa época o cantor já tinha duas décadas de carreira depois de sair do que foi considerado o fim da mais importante banda de rock os Beatles, o cantor também já tinha lançado dois discos com seu sobrenome e este ano lançou o terceiro McCartney III, esse é o 18° disco individual do artista. Os discos McCartney saiu em 1970, logo depois de deixar os Beatles; e McCartney II é de 1980, quando desfez a Wings, sua segunda banda. 

O artista não tinha planos de gravar ano passado, pois iria sair em turnê, contudo devido a pandemia teve que ficar em casa com a família no sul da Inglaterra em quarentena, e para passar o tempo acabou com as novas canções, algumas delas baseadas em canções antigas. Que nunca tinham sido lançadas. O disco compõe 11 faixas variando entre o rock e baladas que foram gravadas em um estúdio caseiro. E em maior parte gravou ao vivo os vocais, guitarra  e piano também completou com baixo e bateria.

Em declaração ele disse que começou a gravar com o instrumento que compôs a canção e depois foi adicionando o demais, na abertura do novo cd tem um instrumental Long tailed winter bird à qual adicionou as falas: “Você sente a minha falta?/ Você consegue me sentir?/ Você confia em mim?” Entre as outras faixas do set list estão: Find may way, Petty boys, Women and wives, Deep deep felling, Seize the day e Winter bird/ When winter comes, que fecha o set list.

O Guitarrista e fundador da Let it Beatle, banda brasiliense cover dos Beatles, Rodrigo Karashima só elogia o novo disco de Paul McCartney ele fala que o cantor poderia está apenas colhendo os frutos de seu gigantesco sucesso e legado pelo mundo mas que ao compor é gravar novas músicas aos 78 anos mostra que suas habilidades de compositor continuam afiadas. E assim como os outros discos McCartney (1970) e McCartney II (1980) ele adotou um conceito instrumental livre de padrões.

Ele ainda completa falando que só de abrir o disco em uma faixa de 5 minutos como Long tailed winter bird já se ouve o instrumental e já não tem qualquer padrão de música pop atual Assim como Deep deep feeling, com mais de oito minutos de climas dark e melancólico. Ele também fala que novo álbum segue as pegadas dos anteriores, e mesmo a voz não sendo a mesma ele fala que se tem alguém que ele queira que continue fazendo música é  Paul McCartney. 

O vocalista e guitarrista da Friends,Sergei Quintas é fã dos Beatles e lembra do lançamento do disco Help e ao ouvir a música Yesterday se encantou com a beleza melancólica e rica com o instrumental tendo violinos, violas e violoncelos em arranjo de George Martin, ele fala que ali ele viu que tinha um fenômeno musical que duraria por anos,  Quintas fala que cantou as músicas por cinquenta anos com o grupo Friends e depois os Beatles acabaram.

Ao ouvir o disco de Paul ele ficou surpreendido pois para ele nada supera o anos dourados dos Beatles ou a carreira solo de McCartney,  mas que o trabalho com melhor qualidade e o melhor atual da tecnologia onde o artista foi cantor, compositor maestro e Tudo mais exibindo um talento que transborda.