Turismo ecológico: um respiro da urbanidade


Segmento cresce 25% ao ano, utilizando patrimônios naturais de forma sustentável, incentivando a evolução da economia combinada com a preservação do meio ambiente.

Isabelle Carvalho

Em meio à rotina estressante na cidade grande, buzinas, obras, trânsito caótico, quem não gostaria de um escape? Um final de semana com mais contato com a natureza tem se popularizado cada vez mais e é fácil entender porquê. Cercar-se de árvores, silêncio, comida caseira e cores pode ser a solução para recuperar as energias perdidas no cotidiano urbano. 

Economia forte e consciência ambiental

Segundo dados da Organização Mundial do Turismo (OMT), o chamado turismo ecológico é uma das áreas do turismo que mais cresce no mundo, com um aumento de 25% ao ano. Tal segmento utiliza de patrimônios naturais de forma sustentável, incentivando a evolução da economia combinada com a preservação do meio ambiente. Através dessa atividade, é possível formar cidadãos mais conscientes e conectados com a natureza. 

Chapada dos Guimarães (MT), um dos locais preferidos para o turismo ecológico. Foto: divulgação.

No turismo tradicional, não há uma interação das pessoas com os lugares, é uma participação mais observativa. Em contrapartida, no turismo ecológico, a graça é se envolver e se tornar parte do ecossistema visitado. Existem diversas práticas que podem ser realizadas, como acampamento, ciclismo, caminhada, rapel, escalada, mergulho, entre outras. Diversas cidades, que contam com essas paisagens mais rústicas, têm investido em se tornarem destinos que atraem perfis de viajantes mais aventureiros ou apenas quem deseja escapar da rotina. 

O turismo ecológico pode alavancar bastante a economia de tais regiões. Dados estimam que em 2019 parques naturais brasileiros receberam mais de 13 milhões de visitantes. Com a chegada dos turistas nessas áreas, haverá mais gastos com alimentação, hospedagem, passeios e outros serviços. Além de gerar empregos. 

Outro impacto muito relevante quando falamos em ecoturismo é a influência dos visitantes nas comunidades locais. Entende-se que parte do dinheiro gerado pela atividade seja devolvido a esses ambientes através de esforços de conservação, como reflorestação e repovoamento de espécies ameaçadas de extinção. E a partir do momento que os habitantes locais veem que seus espaços podem ser fonte de renda, eles mesmos vão se dedicar a proteger esses ambientes. Esses moradores estarão, então, sempre bem-informados, compreendendo melhor o lugar que se encontram e suas necessidades e especificidades.

 

Gruta do Lago Azul, Bonito (MT). Foto: Ichiro Guerra Rico

Bonito, Floresta Amazônica e Jalapão

O Brasil é um dos destinos mais procurados por viajantes brasileiros e também estrangeiros. Há muitos locais maravilhosos para se conhecer, que aliam paisagens de tirar o fôlego e culturas ricas e diversas. Veja abaixo alguns dos lugares mais populares para quem deseja embarcar no turismo ecológico:

Bonito, no Mato Grosso do Sul, é perfeito para quem busca uma imersão total na natureza. São paisagens paradisíacas do pantanal, como cachoeiras, cavernas submersas e corredeiras. 

A Floresta Amazônica, no Amazonas, é outra experiência marcante pois abriga uma infinidade de espécies da fauna e flora, isso sem falar na cultura local que é extremamente rica e interessante. 

O Jalapão, no Tocantins e a Chapada Diamantina, na Bahia, são outros dois destinos de sucesso entre os viajantes. São cenários deslumbrantes da natureza que reúnem praias, cachoeiras e grutas de uma beleza extraordinária. Que tal experimentar o turismo ecológico na sua próxima viagem? 

Para ouvir está notícia clique no link abaixo https://carvalhonews.com.br/wp-content/uploads/2022/05/Soar-turismo-ecologico-um-respiro-da-urbanidade-ix0t6-speed-1.1x-1.mp3

A jornalista

Isabelle Carvalho é carioca, tem 27 anos, sendo formada em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Também é graduada em Cinema. Além de possuir especialização em Jornalismo Cultural, é apaixonada por cultura, cinema, ciência e atualidades.