Nesta sexta-feira é comemorado o dia do profissional responsável pela eternização de momentos: o fotógrafo


Ofício existe há mais de 180 anos

Thais Paim

Em algum momento você já pensou como seria nossa vida se não houvesse a fotografia? O registro do primeiro aniversário, o casamento, batizado, aquele show incrível e diversas situações em que apenas a lembrança na memória não é suficiente para guardar as experiências que temos. No Brasil, a data 8 de janeiro foi escolhida para homenagear o profissional que faz com que seja possível contar essas histórias. 

Foi em 1840 quando chegou a primeira câmera fotográfica ao nosso país. De lá para cá, muita coisa mudou. Hoje, a maioria dos celulares possuem uma câmera e a possibilidade de tirar a ‘foto perfeita’ se tornou uma realidade mais próxima. Isso fez com que ao longo dos anos não só a fotografia, como a profissão de fotógrafo fosse se reinventando. 

Conhecidos pela grande responsabilidade de eternizar momentos, os profissionais da fotografia vão muito além de apenas apertar um botão. Afinal, mais do que reproduzir a realidade, as imagens também podem e são, arte, poesia contada através da visão. 

A sensibilidade envolvida na arte de transformar alguns segundos em eternidade é de fato para ser celebrada. Para além da conexão natural por quem exerce a profissão, existem diversos cursos que podem auxiliar e capacitar aqueles que têm o desejo de se tornar fotógrafos um dia. 

Se a opção for iniciar ou se aperfeiçoar na área, existem programas de bolsas de estudo, como o Educa Mais Brasil, que oferecem descontos nas mensalidades de até 70%. Em um cenário como o atual, auxílios como esse podem fazer toda a diferença. 

Apesar de possuir mais de 108 anos, o ofício ainda não é regulamentado. Atualmente, existe uma proposta que tramita no Congresso para mudar esse quadro. O objetivo do texto é que o exercício da atividade possa ser feito por diplomados em cursos superiores e em cursos técnicos de fotografia. 

As áreas de atuação desses profissionais também são variadas, podendo o trabalho possuir um cunho comercial, documental ou jornalístico. Fotos de pessoas e eventos, de publicidade para campanhas de Marketing ou de Moda, fatos históricos, fotografias artísticas e diversas outras categorias são boas opções. 

Mesmo não precisando do curso superior, criatividade, conhecimento da técnica e bastante prática são características importantes que se espera que um bom fotógrafo possua. Quem nunca sorriu ou se emocionou ao observar uma imagem com mais cuidado? Para isso, em cada registro, existe muito da impressão do profissional. Até porque, um mesmo objeto, pode passar diferentes mensagens dependendo de como ele foi capturado. 

Profissionais apaixonados pela arte da fotografia 

Edilson Lopes, um fascinado pela fotografia. Fotos: Edilson Lopes

É exatamente pelo fascínio de ‘congelar’ momentos que Edilson Lopes, de 27 anos, tem as primeiras lembranças da sua paixão pela fotografia. Apesar da sua atividade ter começado como um hobby, ele lembra como sempre foi entusiasta de apreciar não só os momentos, como as paisagens também. 

Exercendo a profissão desde 2017, Lopes conta que desde que comprou o seu primeiro equipamento profissional tem buscado aprimorar as técnicas que usa e também suas ferramentas. Pernambucano, ele explica que atualmente mora e exerce a sua profissão em Maceió, Alagoas. 

Questionado sobre o que seria necessário para ser um fotógrafo, Edilson é prático, mas também amoroso na resposta: “Importante é ter o olhar fotográfico, que é uma forma de apreciar e registrar as coisas que vemos através das lentes, com o objetivo de mostrar isso para outras pessoas. Passar sentimentos com as fotos”. 

Como já comentamos, é uma grande responsabilidade dominar a arte de registrar momentos que muitas vezes são únicos e especiais. Um caso engraçado, mas também importante na carreira de Edilson foi o registro de um parto. No dia, os médicos comentaram o receio de que o profissional acabasse passando mal, já que é algo muito comum com diversos pais que participam desse grande acontecimento.

Mesmo sendo muito especial dominar esse ofício, o pernambucano afirma que não se deve ter medo de investir na área, se esse for o seu desejo. “Acho que o principal conselho é que qualquer pessoa pode fotografar, é uma arte que mexe com nossas sensações e sentidos. Por isso, não devemos ter medo de experimentar”. 

Apaixonado pelo que faz, Edilson conta que os seus planos para o futuro na fotografia é viajar e investir mais em fotos de paisagens e da natureza também. A ideia era colocar em prática esse projeto já em 2020, mas por conta da pandemia do novo coronavírus foi preciso adiar. 

Saiba mais

Instagram Fotografo Edilson Lopes – Edilson Araújo (@edfotoo) • Fotos e vídeos do Instagram

Site: Início – Edilson Araújo Fotógrafo (46graus.com)

Em Maceió, dia de Iemanjá é celebrado na praia


Celebração acontece com adaptações devido à pandemia de Covid-19

Thais Paim

O cenário de pandemia tem provocado mudanças em diversas celebrações e esse ano o dia de Iemanjá foi celebrado diferente dos anos anteriores, em que milhares de pessoas se reuniam na orla de Pajuraça, em Maceió, para festejar.

Apesar das restrições, os devotos não deixaram com que o dia fosse esquecido. Religiosos da Umbanda celebraram a festa das águas neste 8 de dezembro com menos pessoas, além do uso da máscara e a adoção de medidas de prevenção ao coronavírus.

Enquanto na Bahia o dia da mãe dos Orixás é comemorado 2 de fevereiro, em Alagoas, a data é a mesma de Nossa Senhora da Conceição.  Os dias da celebração sofrem mudanças de um estado para outro por causa do sincretismo religioso.

“Hoje é o dia para eles cultuarem esse Orixá, eles fizeram uma correlação entre Nossa Senhora Conceição e Iemanjá, como fizeram com São Jorge e outros santos da igreja católica. E hoje, dia 8, é o dia de comemoração à Iemanjá, é o dia que nós comemoramos as águas, a nossa mãe da natureza. Nós adoramos à natureza, o rio, o mar, a água. Hoje o dia de oferendar a grande rainha do mar, que é Iemanjá”, explica o babalorixá Pai Célio.

As pessoas que faziam suas homenagens na praia, também fizeram  uso do álcool gel, para higienização das mãos. Grupos da capital e do interior levaram oferendas à Deusa das Águas e seguiram as recomendações sanitárias.

Os terreiros foram orientados que poucas pessoas de cada grupo levassem as homenagens para a praia e que a celebração fosse em pontos espalhados da orla. O intuito é evitar aglomerações.

A festa começou de madrugada e se estende durante todo o dia.

Você sabe o significado da Páscoa?


A Páscoa é uma importante celebração da igreja cristã em homenagem a ressurreição de Jesus Cristo. De acordo com o calendário cristão, o evento consiste no encerramento da chamada Semana Santa. As comemorações referentes à Páscoa começam na “Sexta Feira Santa”, onde é celebrada a crucificação de Jesus, terminando no “Domingo de Páscoa”, que celebra a sua ressurreição e o primeiro aparecimento aos seus discípulos.

A Semana Santa é a última semana da Quaresma, período em que os fiéis cristãos devem permanecer por 40 dias em constante jejum e penitências.

O dia da Páscoa foi estabelecido por decreto do Primeiro Concílio de Niceia (ano de 325 d.C.), devendo ser celebrado sempre ao domingo após a primeira lua cheia do equinócio da primavera (no Hemisfério Norte) e outono (no Hemisfério Sul).

A Páscoa é classificada como uma festa móvel, assim como todas as demais festividades que estão relacionadas a esta data, como o Carnaval, por exemplo. Sua  comemoração no entanto, costuma ser entre os dias 22 de março a 25 de abril.

A Páscoa é celebrada em vários países, principalmente aqueles com fortes influências do cristianismo. Os espanhóis chamam a data de Pascua, os italianos de Pasqua e os franceses de Pâques.  Etimologicamente, o termo Páscoa se originou a partir do latim Pascha, que por sua vez, deriva do hebraico Pessach Pesach, que significa “a passagem”.

Páscoa Judáica

Para os judeus, a Páscoa (Pessach ou Pesach) é uma antiga festa realizada para celebrar a libertação do povo hebreu do cativeiro no Egito, aproximadamente em 1280 a.C.  As festividades começavam na tarde do dia 14 do mês lunar de Nisan. Era servida uma refeição semelhante a que os hebreus fizeram ao sair apressadamente do Egito (o Sêder de Pessach).

Os símbolos da Páscoa

Os Símbolos da Páscoa são representações que fazem parte dos rituais da Semana Santa. Conheça o significado de alguns dos símbolos dessa festa.

As folhas de palmeira

A Semana Santa começa com o Domingo de Ramos, que lembra a entrada de Jesus em Jerusalém, ocasião em que as pessoas cobriam a estrada com folhas de palmeira, para comemorar sua chegada. Atualmente, as folhas de palmeiras são usadas na decoração das Igrejas durante as comemorações da Semana Santa, como um sinal de “boas-vindas a Cristo”.

O cordeiro

Este é um dos símbolos mais antigos da Páscoa, lembrando a aliança que Deus teria feito com o povo judeu no Antigo Testamento. Naquela época, a Páscoa era celebrada com o sacrifício de um cordeiro. Para os cristãos, Jesus Cristo é o “cordeiro de Deus que tirou os pecados do mundo”.

O Círio Pascal

O Círio Pascal é uma grande vela, decorada com as letras gregas alfa e ômega, que significam “início” e “fim”, respectivamente, e usada durante as missas da Semana Santa. Durante a Vigília Pascal é inserido na vela os cinco pontos das chagas de Cristo na cruz. É acesa no Sábado de Aleluia e sua Luz representa a Ressurreição de Cristo.

O peixe

O peixe é um símbolo trazido dos apóstolos que eram pescadores. É um símbolo de vida, usado pelos primeiros cristãos, no acróstico IXTUS – peixe em grego. As letras são as iniciais de “Iesus Xristos Theos Huios, Sopter”, que significa “Jesus Cristo, Filho de Deus, o Salvador”. Faz parte do ritual da Semana Santa comer peixe na Sexta Feira Santa, para lembrar o ritual dos 40 dias de jejum de carne, seguidos pelos cristãos durante a Quaresma.

O ovo de Páscoa

Por representar o nascimento e a vida, presentear com ovos era um costume antigo entre os povos do Mediterrâneo. Durante as festividades para comemorar o início da primavera e a época de plantio, os ovos eram cozidos, pintados e presenteados, para representar a fertilidade e a vida.

O costume passou a ser seguido durante as festividades dos cristãos, onde eram pintados com imagens de Jesus e Maria, representando simbolicamente o nascimento do Messias. Muitas culturas mantêm até hoje esse costume. No mundo moderno, o ovo fabricado com chocolate virou uma tradição de presente no Domingo de Páscoa.

O coelho da Páscoa

O coelho de Páscoa tornou-se o símbolo da fertilidade e da vida, devido a particularidade deste animal de se reproduzir em grandes ninhadas.

Está relacionado com a Páscoa por representar a esperança de vida na Ressurreição de Jesus Cristo. Vários povos da antiguidade já consideravam o coelho como símbolo da fertilidade, pois com a chegada da primavera, eram os primeiros animais a saírem de suas tocas.

Com o passar dos tempos, os coelhinhos de chocolate entraram para os costumes das festividades da Semana da Páscoa. Assim como os ovos de chocolate, os coelhinhos viraram tradição de presente no Domingo de Páscoa. O Blog Carvalho News deseja a todos uma Feliz Páscoa!

Competência aliada à sensibilidade


1000-petalas-de-rosas-cor-rosa-artificiais-

O Dia Internacional da Mulher é comemorado em oito de março, essa celebração é estendida por todo esse mês, sendo uma ótima oportunidade para refletirmos sobre as conquistas femininas ao longo das décadas, seus sonhos, dificuldades etc. A data não poderia passar em branco aqui no Blog Carvalho News. Por isso, decidimos comemorar de uma forma diferente. Ouvimos algumas itapeenses que fazem a diferença para essa cidade. Conheça-as um pouco melhor, lendo a matéria a seguir. Parabéns mulheres!

Durante um longo período, ser mulher era sinônimo de submissão e poucas perspectivas na vida. Uma grande parcela delas não podia nem mesmo estudar ou escolher o futuro marido. Felizmente, todo esse panorama mudou e as mulheres, atualmente, possuem mais opções.

A Filha do Tempo
A filha do tempo

Na opinião da especialista em Educação Física Escolar e Psicomotricidade, Crystiane Ferreira (foto 5), o Dia Internacional da Mulher representa uma oportunidade de reflexão. “Devemos pensar nos direitos das mulheres e na condição feminina na sociedade”, afirma.

“Um reconhecimento da nossa incansável luta pelos nossos direitos e também é uma data específica para promovermos palestras e discutirmos melhorias para nossa classe feminina.” É assim que a universitária de Psicologia e pastora da Igreja Batista Missionária da Paz, Renilda Santos (foto 2) a data de homenagem às mulheres.  “Significa uma conquista merecida para todas nós, independente de fatores sociais, culturais, econômicos e familiares”, ressalta.

A escritora Maria Emanuelle Felix Miranda ‘Manu’ -( foto1) defende que são muitos os obstáculos a superar. “No meu caso, fazer as pessoas me aceitarem como uma escritora foi um desafio. Tem gente que não reconhece a profissão de escritora como séria”, acredita. Manu avalia que há um grande preconceito por profissões ligadas ao ramo das artes. “Escritores e artistas precisam se superar constantemente para obter reconhecimento e aceitação”, aconselha.

A professora e ex-secretária de Educação de Itapé, Leila Carine Trindade Carlos (foto 3) também lembra dos desafios ao longo da carreira. “Meu grande teste foi liderar uma equipe de Gestão em Educação aqui em Itapé em 2011”, revela. Carine atribui o fato de entender a grande responsabilidade em atuar no cenário educacional na cidade onde cursou toda a educação básica. “Sempre tive em mente que a responsabilidade e o comprometimento com as políticas públicas educacionais deveriam estar acima de qualquer partidarismo. Vale ressaltar que no percurso encontrei parceiros que compartilharam do mesmo ideal me motivando e colaborando a cumprir o desafio e por isso, sou eternamente grata”, garante.

A professora aposentada, Eunice Trindade (foto 4 D), também se lembra dos muitos desafios que teve de superar ao longo da carreira. “Andei muito a pé até o Entroncamento para estudar todos os dias, pois não havia ônibus direto para Itabuna. Mais tarde, comecei a lecionar na Estiva e também ia a pé. Sem falar nas perseguições políticas e a falta de material didático e de apoio”, declara a também ex-diretora.

Richie
Richie do Alma Sacra “mulheres merecem nosso respeito”

O produtor cultural e idealizador do Alma Sacra Project, Richie Harald defende que as mulheres já demonstraram sua inteligência ao longo da história, através de seus feitos seja na arte, nos negócios e continuam sendo fonte de inspiração para nós homens com sua versatilidade. “Da habilidade com a família ao sucesso nos negócios, quebrando a estigma de sexo fraco. As mulheres comprovam diariamente que merecem o nosso total respeito”.

A professora Aurea Maria Menezes Pinto aconselha as mulheres a se valorizarem. “Nós podemos tudo, somos tão competentes quanto os homens”, afirma ela, que durante décadas ministrou cursos de datilografia, decoração, corte costura, entre outros, para jovens de Itapé, Itabuna, Itapetinga e outras cidades. “Até curso de graça já cheguei a dar, pois sempre me preocupei com a aprendizagem dos jovens”, conta ela, que ainda guarda na lembrança as festas que organizava com seu buffet, “eram maravilhosas e todos gostavam muito”, garante.

Elenita Rodrigues Souza, a Dona Bezinha (foto 4 E), como é carinhosamente conhecida, acredita que atualmente as mulheres se sentem mais valorizadas. “Hoje temos mais oportunidades”, acredita a aposentada, que já atuou como doméstica e também cuidadora de idosos.  Muito religiosa, Dona Bezinha é ministra da Eucaristia e participa de quase todas as pastorais e grupos da Igreja Católica.

Às vezes, os veículos de comunicação veiculam casos de discriminação e assedio moral contra mulheres. Crystiane Ferreira (foto 5) lamenta por essa realidade. “A discriminação é muito frequente, principalmente, no universo esportivo onde as mulheres tiveram que lutar para participar dos jogos olímpicos como o grande exemplo de Maria Lenk, primeira mulher Sul americana a competir na Olimpíada de Los Angeles, em 1932. Com apenas 17 anos, ela já era uma atleta da Natação de nível internacional”, ressalta a educadora.

Leila Carine culpa o machismo pelos preconceitos que as mulheres vêm enfrentando. “Isso fica evidente tanto que os manifestos e mobilizações feministas acontecem constantemente, buscando erradicação histórica do machismo”, acredita.

A pastora Renilda está otimista em relação ao futuro feminino, independente do ranço do machismo. “Temos insistido e mostrado que possuímos potencial, somos fortes e com plenas condições para assumirmos o nosso papel dentro da sociedade tanto no poder Legislativo e Executivo, Igrejas como Líderes Espirituais, Saúde, Educação etc”, garante a líder religiosa e revela: “já me sentir discriminada no meu chamado quando fui consagrada ao Senhor Jesus à pastora nesse tempo só havia pastores e foi muito difícil para mim” Mas a Graças a Deus vencemos e estamos trabalhando para o Reino de Deus com muita diligência e hoje rompemos com os paradigmas impostos pela sociedade.rosas000

Discussões a respeito de licença-maternidade, aposentadoria, aborto e saúde da mulher, entre outros temas, passam a fazer parte das agendas políticas. Em relação à escolaridade, as pesquisas apontam que as mulheres estão com mais anos de estudo que os homens, o que possibilitaria credenciá-las a melhores vagas no mercado  trabalho.

Áurea aconselha as moças que invistam em aperfeiçoamento profissional e tenham projetos de vida. Dona Bezinha também compartilha da opinião. “Elas precisam manter o foco  e sempre serem responsáveis com suas vidas e com suas obrigações”, aconselha a religiosa.

Na opinião de Eunice é importante ter coragem, discernimento e flexibilidade. “Esse é o caminho do sucesso profissional, mas sem esquecer-se da família”.

Se por algum motivo bater um desânimo ao longo da caminhada, a professora Crystiane aconselha a não se abater. “A tática é utilizar erros e insucessos como fonte de aprendizado e batalhar sempre”, garante.

Para Manu as mulheres que estão no mercado de trabalho devem ser fortes e não aceitar o estigma de serem fracas e de não aguentarem a pressão.  “A mulher não nasceu só para ter filhos e cuidar de casa, pois tem uma grande importância. Temos que reconhecer a nossa natureza de sermos mais sensíveis e utilizar isso a nosso favor”, orienta a autora dos livros ‘A Filha do Tempo e Elementar’.

Saiba mais: https://carvalhonews.com.br/homenagem-surgiu-nos-eua/