Ilhéus: em quatro dias, 6.020 idosos foram vacinados


Marcelo Carvalho

A secretaria de saúde da Prefeitura de Ilhéus (Sesau) informou que 6.020 idosos foram vacinados em Ilhéus na última semana, dentro de um período de quatro dias.

A pasta, sob a chancela do secretário Geraldo Magela, destaca a proatividade da saúde de Ilhéus no combate à Covid-19, com a rápida realização da aplicação das vacinas, que já alcança o público de idosos a partir dos 66 anos.

“A Sesab monitora os municípios que estão realizando com eficiência a vacinação, de modo que só enviam novas remessas de doses na medida em que há o escoamento das doses recebidas. No nosso caso, recebemos novas doses toda semana, justamente porque as equipes de vacinação estão em campo vacinando o maior número possível de ilheenses, de acordo com o plano municipal de imunização”, declarou Magela.

A distribuição das doses em Ilhéus está acontecendo à medida que chegam as novas remessas repassadas pelo estado ao município, de acordo com o plano municipal de imunização e as fases previstas, com divulgação do cronograma de aplicação, realizada pela Sesau, semana a semana.

Mais de 70 representações de ‘fura-fila’ em vacinação são apresentadas ao MP/BA


Ao todo 46 municípios estão envolvidos

Thais Paim

De acordo com o Ministério Público da Bahia (MP-BA), o órgão já recebeu 74 denúncias de supostos casos de “fura-fila”, por agentes públicos e cidadãos comuns, da vacinação da Covid-19. Os dados foram calculados até a terça-feira (26) e levam em conta o início da imunização no estado. 

Ao todo, 46 municípios baianos registraram possíveis casos de “fura-fila”. 

O Grupo de Trabalho para acompanhamento das ações de enfrentamento do novo coronavírus (GT Coronavírus) do MP informou que os agentes podem ser acusados de cometerem ato de improbidade administrativa, infração sanitária, e crimes de abuso de autoridade, de expor a perigo a vida de outra pessoa, peculato e de concussão. 

Conforme definido pelo Ministério da Saúde, os grupos prioritários na primeira etapa da vacinação são:

Pessoas com 60 anos ou mais vivendo em instituições como abrigos ou casas de repouso, funcionários desses locais

Pessoas com deficiência que residem em instituições e respectivos trabalhadores

Indígenas vivendo nas terras da respectiva comunidade

E trabalhadores da saúde em atividade nos locais de atendimento de pacientes com Covid-19, com prioridade para aqueles na linha de frente do enfrentamento da doença.

O MP informou que a população pode denunciar pelo número 08006424577 ou pelo e-mail [email protected].

Parte da polêmica foi iniciada após o prefeito de Candiba ter se vacinado, sem fazer parte dos grupos incluídos na primeira fase da imunização. 

Em Nota Técnica, o GT ressalta que estão incluídos na primeira fase da vacinação apenas profissionais de saúde, população indígena aldeada em terras demarcadas, povos e comunidades tradicionais e pessoas com mais de 75 anos abrigados em instituições de longa permanência.

Profissionais da saúde comemoram a chegada da vacina


Sendo um dos grupos que irão receber a vacina contra o coronavírus os profissionais de saúde comemoram depois de meses de lutas

Julia Vitoria

Foram meses de trabalho duro, desgaste físico e emocional para cuidar dos pacientes infectados pela covid 19, e agora os profissionais da saúde se sentem mais aliviados e comemoram a chegada da vacina, eles são um dos grupos que receberão a vacina na primeira fase. Nesta primeira fase da vacina cerca de 48 mil pessoas serão vacinadas, dentre este número 42 mil são profissionais da saúde, s outras 6 mil doses do insinuante serão distribuídos entre os 3 mil  idosos com mais de 60 anos que estão em casas de longa permanência, 2,8 mil indígenas e 210 pessoas com deficiências.

A primeira pessoa que foi vacinada no Espírito Santo foi a técnica de enfermagem Iolanda Brito, que tem 55 anos e trabalha no hospital Jayme dos Santos Neves, a primeira dose foi aplicada na segunda-feira dia 18 de janeiro logo após o avião com o lote de  vacinas chegar ao estado. Raimundo Xisto de Ramos Filho é enfermeiro e contraiu o vírus ainda em abril ele fala que teve medo de morrer, ele que é acostumado a cuidar das pessoas, acabou sendo o paciente e em sua mente só ficava o pensamento de quem iria cuidar de sua esposa e filhos. Ele ainda relata  que viu outros colegas adoecerem e que um médico morreu. Ele fala que o colega foi um  soldado abatido pela doença. 

Adenilton Rampineli, médico intensivista relata que além da rotina estressante, lidar com tantas mortes e dores o levou ao limite físico e emocional em vários momentos na pandemia. O médico relata que muitas vezes durante este processo ele foi da notícia sobre o óbito a família e acabava se emocionando ele fala também que os recursos tecnológicos não ajudava em nada e que durante o dia ou no final do mesmo ele assinavam 3 a 4 atestados de óbito e isso a longo prazo pode deixar uma sequela, um trauma nos profissionais de saúde. Contudo com a chegada da vacina o sentimento de esperança aparece de forma intensa, e Rampinelli relata que tem vontade de gritar e  comemorar, e que todos devem abraçar esta causa pois talvez a grande esperança seja a vacina. 

O médico intensivista Antonio Viana fala que a vacina não só ajudará os pacientes com covid, mas também aquelas que tem outras enfermidades e que terão mais leitos disponíveis assim que os casos de coronavírus diminuíram, Antônio fala que as pessoa tem que entender que não existe apenas essas doenças, mas outras patologias também, ele falou que viu diversos tratamentos e cirurgias efetivas serem canceladas por causa da covid 19.

Réveillon cancelado no Rio de Janeiro


Medida foi tomada pensando na segurança de todos e no respeito a todas as vítimas

André Lucas

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou na última terça feira dia 15, que não vai ter réveillon na cidade do Rio de Janeiro por conta do Covid 19. A prefeitura explica que decisão foi tomada pensando na segurança de todos e no respeito a todas as vitimas.   

O prefeito Marcelo Crivella, em entrevista ao UOL, falou sobre o assunto.  “Esta é uma decisão necessária para a proteção de todos. A festa será a da esperança por bons resultados das vacinas para conter a pandemia. Será ainda um momento de reflexão sobre um ano difícil, de luta, com lamentáveis perdas de tantas pessoas.”  

Antes a tradicional festa da virada estava marcada com grandes mudanças. Não teria queima de fogos e nem encontro na praia. A expectativa da prefeitura era transmitir o Réveillon pelas mídias digitais e TV, fugindo das festas de virada do ano que provocam aglomerações em toda a cidade.  Mudanças que ocorreram em outubro tinham construído mudanças significativas ao criar um padrão de festa sem aglomerações, bem diferente do que o tradicional, preservando a segurança. 

As boas-vindas ao ano de 2021 aconteceriam em um formato diferente do tradicional conhecido por cariocas e turistas. No Réveillon Rio 2021 tremíamos seis palcos espalhados em pontos turísticos emblemáticos da cidade do Rio de Janeiro, porém, sem presença de público, com todas as áreas isoladas. O público poderiam acompanhar os shows pela televisão, por um canal aberto, e pelas plataformas digitais, por meio do canal oficial da Riotur no Youtube.

Além dos shows, este réveillon teria luzes e efeitos visuais inéditos no Brasil, além de uma surpresa emocionante, que só seria conhecida na noite da virada e todos poderiam ver de suas casas, pela televisão e pela Internet. Este novo modelo tinha o objetivo de criar uma atmosfera de respeito, com homenagens às vítimas da Covid-19 e também aos profissionais que estão na linha de frente do combate à pandemia. Além disso, a celebração incluía pela primeira vez, uma integração entre diversos pontos de referência turística do estado do Rio no réveillon carioca.

Os números da doença agravam, já são. 22.256 óbitos e 343.995 casos, UTIs lotadas em quase 90%, informações divulgada pela coordenação da secretaria de saúde do estado do rio de janeiro. Especialista  da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o aumento de casos no estado “já está provocando grande estresse no sistema de assistência à saúde”. Segundo o documento, é “urgente que as autoridades governamentais implementem ações para o enfrentamento desse novo aumento de casos de covid-19”, incluindo o fechamento das praias e  proibição de eventos presenciais.           

O Prefeito de Niterói Rodrigo Neves seguiu o exemplo de Crivella e cancelou as festas de fim de ano também , em nota a prefeitura explica. “Medida tem como objetivo manter o controle da pandemia da Covid-19 e vale para casas de festa, bares, clubes, restaurantes e comemorações com venda de ingresso, além das festas nas praias do município.”

O prefeito se pronunciou em uma live dizendo: “Nossa orientação é que não haja nenhum tipo de evento de réveillon que não seja o das famílias, com pessoas que já estão convivendo. Nosso objetivo é salvar vidas, evitar a disseminação do novo coronavírus e manter as atividades econômicas abertas e funcionando”

Hospitais lotados no Rio de Janeiro e número de contágio continua subindo


Com filas nas UTIs, número de infectados sobe e preocupa especialistas

André Lucas

O Estado do Rio de Janeiro estar em uma situação grave, além de ser um dos estados mais afetados pelo covid 19, agora sofre com hospitais lotados e leitos de UTI com filas enormes de mais de 400 pessoas. Se a situação já era complicada com os hospitais de campanha sem eles a situação ficou desesperadora.  Especialistas dizem que com as festas de fim de ano o cenário só vai piorar.

Em entrevista à ”BBC”, alguns especialistas comentaram a situação. Para o infectologista Alberto Chebabo, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e diretor do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse que o principal fator para a retomada da gravidade da situação é a flexibilização das medidas restritivas.

”O Rio de Janeiro nunca teve controle completo da transmissão do vírus. O estado foi flexibilizando as medidas de isolamento social quando os casos ainda estavam em alta. As pessoas voltaram a se reunir, fazer encontros, os bares voltaram a ficar lotados e houve muitos eventos com aglomeração… Se considerarmos que a curva de casos começou a subir há 3 semanas, é provável que os números de mortes, que estão estáveis, também subam. Muitas pessoas que contraem a doença e apresentam quadro grave acabam morrendo ao longo das semanas”

O Rio estar em uma alta constantes de casos, e com hospitais lotados e as filas nas UTIs o cenário fica caótico. A Prefeitura do Rio junto ao governo do estado decidiu voltar com as medidas de restrição. Foi anunciado nessa sexta feira dia 12 de dezembro, medidas para combate a proliferação do covid-19, as medidas determinadas foram: 

• Escalonamento dos horários de funcionamento da indústria (a partir das 7h); dos serviços (a partir das 9h); e do comércio (a partir das 11h), para evitar aglomeração nos transportes públicos.

• Proibição de estacionamento na orla nos fins de semana e feriados;

• Cancelamento das áreas de lazer nas orlas de Copacabana, Ipanema e Leblon e no Aterro do Flamengo aos domingos e feriados (as pistas, portanto, não serão fechadas ao trânsito de veículos);

• Proibição do uso de áreas comuns de lazer em condomínios, onde não são usadas máscaras, como saunas e piscinas.

. Permissão para shoppings e Centros Comerciais ficarem abertos 24 horas, para evitar aglomerações nos meios de transporte.

A prefeitura informa que as ambulantes legais que ficam na orla receberão cesta básica enquanto as medidas provisórias durarem.

 Na nota oficial fala também que o governador e prefeito estão preocupados com o alto índice de transmissão das ultimas semanas, incentiva a usar máscara e lavar a mão com álcool gel, a nota fala que as medidas postas em prática visa proteger os cidadãos sem por em risco a economia. 

Os números da doença no estado é grande, são 184 mil casos e 13.844 mortes, nas últimas 24 horas o estado registrou 3.298 casos e 84 mortes. Em relação ao combate a doença, o s números são mais graves,  93% das UTIs estão lotadas e 87% das enfermarias. 436 pacientes estao aguardando leitos.

Botafogo faz péssima partida e toma goleada do líder do campeonato São Paulo


Domínio total do São Paulo, além de não chegar na área do adversário, o alvinegro foi bombardeado pelo time paulista

André Lucas

A vida do Botafogo não esta fácil! O time tinha um jogo a menos, entrou para fazer um ponto e melhorar um pouco a situação, mas tomou uma goleada do líder do campeonato, afundando um pouco mais no campeonato Brasileiro.

Um ponto que poderia colocar o alvinegro carioca na cola do Curitiba. E, começar a ensaiar uma recuperação, porém o objetivo do time não foi alcançado. Completamente dominado o Botafogo viu o São Paulo ter 2 terços da posse de bola, 66%, o time do Diniz deu 31 chutes ao gol, enquanto o time do Mercier De Lucena apenas 8. Diego Cavalieri ainda fez duas grandes defesas que poderiam deixar o placar ainda mais largo.

O Botafogo além de não conseguir se defender, também não conseguia atacar, o time não tem transição da defesa para o ataque, não conseguia botar a bola no chão, entregou a pose de bola e o campo para o São Paulo, e quando subia para o contra ataque não conseguia chegar perto da área do adversário. Esse péssimo sistema tático nos últimos 11 jogos foram 8 derrotas e 3 empates, resultados que deram ao Fogão a penúltima colocação da tabela, a um ponto do lanterna Goiás. Essa dificuldade do time de atacar não foi só no jogo de ontem, o time tem uma transição muito lenta, o astro Honda, responsável por ligar a defesa ao ataque e fazer a transição não encaixou no time, e já demonstrou estar infeliz com o clube. A ultima Vitória do Clube carioca foi no dia 11 de outubro, exatamente 60 dias atrás.

A campanha do Botafogo não é nem perto de satisfatória. O time não chegou em nenhuma final nas competições estaduais desse ano, na taça Guanabara não foi nem a semi final. Na copa do Brasil caiu nas oitavas para o Cuiabá, e no Brasileirão em 24 rodadas o time só ganhou 3.

A péssima temporada do ano passado deixou o Bota fora de uma competição continental, bastava a 14 colocação para conquistar a vaga na sul americana, além disso as cotas televisiva do time caiu esse ano, e o time despencou em patrocínio nos últimos 4 anos, no ano passado a verba de patrocínio foi 11 milhões, a metade de 2017. Com esses resultados o clube não teve investimentos esse ano, trouxe Honda e Kalou de graça, e teve esperança do meia e o atacante acerta o time, porém nenhum dos dois deu muito certo no clube e a temporada estar sendo um desastre.

O Botafogo precisa de reforços e isso é um fato que todos sabem, mas para ter reforços precisar de dinheiro, e o clube não consegue ser rentável, pelo contrário o time é deficitário a muito tempo o que explica a divida enorme do Clube. No cenário mais otimista o time se acerta, se recupera, sai da zona de rebaixamento e quem sabe alcança a vaga na competição Continental. Na pior hipótese o time é rebaixado joga a serie b ano que vem, a receita despenca ainda mais e o time se afunda na segunda divisão igual o Cruzeiro atualmente. 

A grande esperança do clube

Existe no senado hoje uma lei que permite que clubes se tornem empresas, o texto já passou no congresso e espera votação no senado, a demora ocorre muito por conta da pandemia, o congressos tem muitas pautas relacionado a crise sanitária e acaba não tendo espaço para que outros projetos sejam votados. O clube carioca ver a venda do clube como única forma de pagar a dívida e investir forte no time. A diretoria afirma que 40 investidores estão em diálogo com o clube. Resta agora o Senado aprovar a lei. 

Os próximos jogos do Botafogo:

Inter: 12/12 sábado ás 19:00 

Curitiba: 19/12 sábado Ás 21:00

Corinthians 27/12 domingo ás 16:00

Anvisa libera uso emergencial da vacina exclusivamente para o SUS


A autorização emergencial  só vale para o sistema público de saúde, excluindo a rede privada

Por: André Lucas

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu uma nota nesta quarta-feira, dia 2 de dezembro, com regras para a autorização do uso emergencial das vacinas contra o Covid – 19.

Segundo a nota, as regras definem critérios necessários para garantir eficácia, segurança e qualidade do produto. O que mais chamou a atenção foi a exclusão da rede privada do acesso as vacinas distribuídas sobre o pretexto de autorização emergencial.

“Elas só poderão ser utilizadas no que a gente chama de uso institucional. Sendo destinadas a programas do governo, específicos para que possa ter um controle. Ficando claro, que é uma autorização de uso emergencial com um foco muito específico”, afirma a nota emitida pela agência.

A Anvisa definiu os critérios para que o pedido de autorização emergencial fosse aceita e disponibilizou em um guia que explica o passo a passo para conseguir a liberação, o guia foi enviado até os laboratórios de pesquisas para deixar claro como vai funcionar a autorização especial. A agência citou como “’Guia sobre Requisitos Mínimos para submissão de Autorização Temporária de Uso Emergencial, em caráter experimental, de vacinas Covid-19’’. 

A opinião dos especialistas

O Diretor da Sociedade Brasileira de imunização, Renato kfouri  declarou em entrevista ao Jornal Cultura que  concorda com o procedimento. Segundo ele, a decisão não interfere no estudo científico, sendo um passo importante na luta contra o Covid 119. “As agências regulatórias têm procurado abreviar o tempo de licenciamento economizando na burocracia, aceitando dossiês prévios. O tempo da ciência não se pode mexer mas com a normas burocráticas sim, pode, e devemos acelerar”, declara.

Estudos não clínicos e clínicos feitos em humanos, a qualidade, boas práticas de fabricação, estratégias de monitoramento e controle, resultados provisórios de ensaios clínicos são os pontos que a nota aborda.

“Além disso, a empresa deve apresentar informações que comprovem que a fabricação e a estabilidade são adequadas para garantir a qualidade da vacina”, destaca a nota. 

Os requisitos para a autorização emergencial são:

I – Verificar prazos de validade e estabelecer mecanismos para garantir condições gerais e manutenção da 

qualidade das vacinas. 

II – Prestar orientações aos serviços de saúde e pacientes sobre uso e cuidados de conservação da vacina, bem como sobre como notificar queixas técnicas e eventos adversos a elas relacionados;

III – Criar mecanismos para a realização do monitoramento pós-distribuição e pós-uso da vacina pelos 

serviços de saúde e para que os casos de queixas técnicas e eventos adversos identificados sejam informados 

à Anvisa, por meio dos sistemas de informação adotados; e

IV – Responsabilizar-se pelo recolhimento da vacina quando determinado pela Anvisa.

A Anvisa deixa bem claro que a medida é provisória e pode mudar a qualquer momento:

  • “ A qualquer tempo, a autorização temporária para uso emergencial poderá ser modificada, suspensa ou revogada pela Anvisa, por razões técnicas e científicas que alterem a relação risco/benefício ou com base nas informações provenientes do controle e do monitoramento das vacinas autorizadas para uso emergencial” , aponta a nota. 

Mesmo com a liberação, nem todas as vacinas que estão aqui no Brasil poderão ser autorizadas, isso porque uma das premissas é estar na terceira fase de teste.

As vacinas dentro dos critérios são Oxford, Coronavac, Pfizer, Johnson e Johnson. Fora apenas a Sputnik v.

Estado do Rio de Janeiro tem filas com mais de 300 pessoas para vagas na UTI


As filas demoram dias para andar, o número de pacientes triplicou em duas semanas e a situação fica crítica

Por: André Lucas

O Estado do Rio Janeiro é o segundo mais afetado pelo Covid 19, atrás somente de São Paulo, o Rio tem 22.683 mortes, e 357.982 casos, nas últimas 24 horas foram 93 mortes, o Estado vive uma das piores crises sanitárias da história.

Hospitais de campanha no Rio de Janeiro ou já fecharam ou nem abriram, na capital do estado exemplo, dos 7 hospitais de campanha, apenas o do Maracanã foi aberto, e mesmo assim não funcionou com 100% da capacidade, dos 1.300 leitos previstos somente 200 estavam pronto para ajudar no combate do covid 19. Além dos hospitais que não funcionaram, aparelhos também nunca chegaram, como por exemplo os respiradores que o estado comprou  muitos não chegaram, e parte dos que chegaram estavam com defeitos. Corrupção ou incompetência do governo estadual, não importa, a questão é que sem os hospitais de campanha, os leitos existente nos hospitais públicos regulares não estão dando conta da grande quantidade de pacientes, e com filas para entrar nos hospitais a situação é assustadora e aponto um futuro ainda pior. 

O município do Rio de Janeiro tem 271 leitos de UTI em sua rede, nenhuma dessas vagas estão sobrando. Na rede do SUS, que inclui municipal, estadual e federal, 95%  dos leitos estão em uso, a fila para receber atendimento já tem mais de 358 pessoas em espera, o caso é grave, a falta de atendimento aumenta a letalidade do vírus o paciente uma vez que não tem o atendimento necessário aumenta as possibilidades da vítima perder a vida. 

As aglomerações continuam 

No Estado do Rio de Janeiro as aglomerações nunca pararam, durante o pandemia a muitas denúncias e flagras foram feitos na capital e em outros pontos, baile funk, festas em barcos, bar lotado, roda de samba, entre outros. Do dia 16 março ao dia 9 de abril, 6.648 denúncia de aglomerações foram registradas, uma media de mais de 221 denuncias por dia. Mesmo com a multa de 15 a 26 mil reais, as pessoas não param de cometer essa infração gravíssima que pode tirar outras vidas. Agora com as praias liberadas, e o calor forte que faz no fim do ano do Rio de Janeiro, as praias estão lotadas a dias. A aglomeração não só das praias mas também no bares, restaurante e shoppings, podem disparar o contágio, e sem leitos de UTI nos hospitais para atendimentos o numero de mortes pode crescer muito nos últimos dias do ano.