Ilhéus: município vacinou 7.424 pessoas contra a Covid-19, informa Sesau


Marcelo Carvalho

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) divulgou na última sexta-feira (5) o balanço semanal da vacinação contra a Covid-19 em Ilhéus. De acordo com informações do setor de Imunização, dos dias 1º a 5 de fevereiro, 1.318 pessoas que integram os grupos prioritários foram imunizadas. Desde o dia 19 de janeiro, início da campanha, até ontem (5) foram aplicadas 7.424 doses, das 7.847 enviadas pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

Na segunda-feira (1º), foram vacinadas 235 pessoas, sendo 167 indígenas, 51 profissionais da saúde que atuam linha de frente do combate à Covid-19 e 17 idosos acamados. Na terça-feira (2), 74 pessoas foram imunizadas, das quais 50 indígenas e 24 trabalhadores da saúde.

Na quarta-feira (3), a dose do imunizante foi aplicada em 327 pessoas, sendo 168 indígenas, 150 trabalhadores da saúde e 9 idosos acamados. Já na quinta-feira (4), 216 pessoas foram vacinadas, sendo 135 indígenas e 81 profissionais da saúde.
Nesta sexta-feira (5), 40 trabalhadores da saúde e 426 indígenas receberam a vacina contra a Covid-19, totalizando 466 doses aplicadas.

A Sesau informa que os profissionais da saúde que atuam no combate à pandemia continuarão sendo vacinados, conforme o planejamento.

Com relação à vacinação de idosos, a população será informada sobre o cronograma, com dias e horários. A Sesau reitera que Ilhéus antecipou a imunização de pessoas acima de 80 anos, diante da necessidade de priorizar grupos mais vulneráveis ao vírus.

Itabuna: município cadastra idosos com dificuldade de locomoção para vacinação contra o covid-19


Marcelo Carvalho

Parentes ou cuidadores de idosos com dificuldade de locomoção, já podem fazer o cadastro nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Saúde da Família (USF) mais próxima.  A medida é necessária para que tomem a vacina contra o novo coronavírus em casa tão logo novas doses sejam disponibilizadas pela Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).

Segundo a coordenadora da Rede de Frio, Camila Brito, são requisitos a carteira de identidade (RG), Cartão SUS, CPF e comprovante de residência. “Após a coleta de dados, vamos distribuir as doses para os profissionais dos postos de saúde iniciarem a vacina em domicílio”, acrescentou. Pode ser efetuado cadastro nas UBS e USF de quaisquer idosos acamados ou com dificuldade de locomoção.

Na quinta-feira, dia 4, em quatro locais da cidade aconteceu, pelo sistema drive- thru, a vacinação para idosos acima dos 90 anos no Centro de Saúde José Maria de Magalhães Neto (antigo Sesp) Praça Antoninho Queiroz, no Bairro de Fátima; Praça do Rotary, no Góes Calmon; e próximo à Faculdade Santo Agostinho, no Nova Itabuna. Foram destinadas 980 doses da Coronav, sendo imunizados 391 idosos.

A secretária municipal de Saúde, Lívia Mendes Aguiar, afirmou em entrevistas que esse modelo de vacinação (drive-thru) foi adotado por dar mais comodidade às pessoas. Lívia informou  que o quantitativo de vacinas usado na primeira dose foi definido pela Secretaria de Saúde Bahia,. “Daqui há quatro semanas vamos receber uma quantidade igual de vacinas para assegurar a segunda dose desse grupo”, afirmou.

A Rede de Frio estipulou que na segunda-feira, dia 8, serão vacinados contra a Covid-19 os motoristas da Secretaria Municipal de Saúde, a partir das 8 horas no antigo Sesp. Na parte da tarde haverá a entrega de vacinas de rotina. Na terça-feira, serão vacinados os Agentes de Endemias, também a partir das 8 h, no mesmo local.

A Secretaria Municipal de Saúde também adverte que calendários falsos de vacinação (fake news) estão sendo divulgados nas redes sociais. Além de prejudicar a programação oficial de vacina, o repasse cria falsa expectativa nas pessoas. A recomendação é: aguardem a divulgação no site eletrônico da Prefeitura e nas redes sociais oficiais.

Ilhéus: Iemanjá recebe homenagem simbólica


Marcelo Carvalho

A tradicional homenagem à rainha das águas, neste ano de 2021, em Ilhéus, está sendo simbólica neste 2 de fevereiro, sem o grande cortejo devido à Covid-19. Os terreiros de candomblé da cidade rendem as honrarias à Iemanjá simbolicamente, com os rituais de costume no interior das casas e entrega dos balaios, mas sem aglomerações. Integrada ao calendário turístico e cultural de Ilhéus, a iniciativa é apoiada pela prefeitura. Os devotos devem seguir os devidos cuidados e prevenção com o uso de máscara, álcool em gel e distanciamento social. 

“Esse ano, infelizmente, devido a pandemia, não realizamos o grande cortejo e festa de Iemanjá”, disse pai Toninho do Ilê Axé Ballomi. Na zona norte o balaio fundamental vai sair do terreiro com os presentes, a oferenda e o prato de Iemanjá. “No próximo ano, com a graça de Deus e de Iemanjá, possamos fazer uma belíssima festa em agradecimento por nossa vitória sobre a doença e tudo o que vamos conquistar ao longo de 2021. Paz e saúde para todos nós”, completou, ao agradecer à prefeitura pelo apoio prestado. 

O prefeito Mário Alexandre destacou que apesar do momento difícil que todos passam em razão da Covid-19, a cultura continua viva no município, mas que deve ser manifestada sem aglomerar, respeitando a segurança das pessoas, com a devida proteção contra o coronavírus. “Com fé em Deus no próximo ano teremos uma bela festa com um grande cortejo, como de costume. Mas por enquanto não podemos aglomerar. Vamos continuar nos cuidando, prevenindo a doença e fazendo as práticas religiosas sem aglomeração”, disse o gestor.

Pacientes trazidos de Manaus já estão em condições de receber alta


Oito pacientes que chegaram na semana passada com covid já podem receber alta do hospital.

Julia Vitoria

Na última semana, 36 pacientes que estavam com coronavírus chegaram no Espírito Santo de Manaus, os pacientes foram transferidos devido ao colapso no sistema de saúde, com falta de oxigênio e sem leitos para os pacientes com Covid-19. A última atualização da Secretaria de Estado de Saúde na terça dia 25 de janeiro  dos  36 pacientes internados no hospital Jayme dos Santos Neves, 18 ainda se encontravam na unidade de tratamento intensivo (UTI) e os outros 18 já estavam na enfermaria, oito desses pacientes já estão em condições de receber alta. Até o final da semana passada, 27 pacientes estavam na unidade de tratamento intensivo e segundo a Sesa não tem registro de transferência de paciente pediátrico com covid para o estado.

15 estados estão recebendo pacientes do Amazonas os deslocamentos dos pacientes foi feito com os aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), só no Espírito Santo são 150 leitos disponíveis para os pacientes que chegarem no estado do Amazonas, segundo a secretaria de Estado da saúde, a chegada desses pacientes não afetará os atendimentos no estado do Espírito  Santo.

Na Bahia, empresas avaliam compra de vacinas contra Covid-19 e doação de 50% ao SUS


Possibilidades são analisadas após aval do governo 

Thais Paim

O Governo Federal deu o aval para que empresas possam importar, por conta própria, vacinas contra a Covid-19 para imunizar seus funcionários e com isso, algumas empresas da Bahia já estão se movimentando para adquirir o imunizante. 

A ideia é que a compra não beneficie apenas os funcionários e que a vacina adquirida, uma outra seja doada para o SUS.

O vice-presidente da Associação Comercial da Bahia, Paulo Cavalcanti, revelou que, além dessa medida, estão em análise outras questões sobre o tema. “Quem vai dar a vacina, você importa e precisa ter agulha e aonde vai tomar. Armazenar também. Questão logística. São esses detalhes”, afirmou ele. 

Alguns questionamentos sobre o processo de imunização e a participação das empresas nesse momento importante também foram mencionados por ele: 

“Como vai ser a operação? Você importa e o SUS fica com metade. Quem vai aplicar a vacina? Essas são as discussões. Temos total intenção e estamos analisando as possibilidades dessa negociação. Tem a questão do lote ideal para importação. Quando vai para a associação você tem que ver o orçamento das empresas. Tem empresas grandes e fortes que podem contribuir”, disse.

A compra das vacinas pelo setor privado já vem causando controvérsias. O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), afirmou não concordar que o setor privado adquira e comercialize a vacina contra a Covid-19. Segundo ele, “só vai ter acesso quem conseguir pagar”.

FIEB ainda aguarda deliberação

Por sua vez, a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB) disse que a discussão ainda não foi debatida juntos aos associados, e caso haja deliberação sobre a aquisição de vacina por parte do empresariado, só então a FIEB definirá o seu papel e como poderá contribuir com o processo. 

Coronavírus: 16 pacientes são transferidos de Manaus para Hospital Universitário em Maceió


A previsão é que 1,5 mil pacientes sejam removidos do AM  

Thais Paim

Na noite da última terça-feira (26), outros 16 pacientes com Covid-19 transferidos de Manaus, desembarcaram no Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, em Rio Largo. Segundo o ministro da Saúde, a previsão é de que mais 1,5 mil pacientes sejam transferidos para outros estados. 

Os pacientes chegaram num avião aeromédico da Força Aérea Brasileira (FAB) e vão ficar internados no Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes (HUPAA), órgão suplementar da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

De acordo com o médico e superintendente do Hospital Universitário, Célio Fernando Rodrigues, o pedido para que a unidade hospitalar recebesse os pacientes foi feito pelo Ministério da Saúde aos hospitais que compõem a rede federal.

Ao falar sobre o estado de saúde dos pacientes, o médico explicou que considera moderado mas que podem ter sofrido alterações por causa da viagem e da pressurização da aeronave. Oito ambulâncias, sendo 3 do próprio HUPPA e as demais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foram preparadas para levá-los do aeroporto até o hospital.

Também foi informado que os pacientes ficarão internados numa ala que foi adaptada para manter o isolamento total deles. A previsão de permanência é até o recebimento de alta médica.

Transferências para a rede estadual

Essa não é a primeira vez que o estado de Alagoas consegue oferecer suporte para outras regiões. Na última quinta-feira (21), foram recebidos 14 pacientes transferidos de Manaus com Covid-19 que ocupam leitos colocados à disposição pelo governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

Atualmente, a capital do Amazonas vive uma crise com o avanço dos casos da doença. As internações bateram recordes e unidades de saúde ficaram sem oxigênio. 

Rondônia vive colapso na saúde e culpa nova cepa do covid 19


Enquanto isso, estudos na Inglaterra mostram aumento de 30% na letalidade da nova mutação

André Lucas

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, anunciou neste sábado que o sistema de saúde do estado de Rondônia está em caos por conta da pandemia do Covid 19. 

Não tem mais vaga para atender novos pacientes que chegam o tempo todo ao hospital. Os profissionais da saúde suspeitam que a variante do coronavírus registrada em Manaus, seja responsável pelo agravamento dos casos mais rápidos que na primeira onda. 

O Prefeito conta que mesmo construindo mais 50 leitos para os pacientes de covid, não está sendo suficiente para atender os novos casos. 

A explosão de casos é assustadora, em 1° de janeiro  o estado registrava 270 casos, nesse fim de semana já está chegando a 1500, a tendência é o número continuar crescendo. 

O prefeito confirmou as informações de que os pacientes estão piorando de estado muito mais rápido que na primeira onda, informação passada antes pelos médicos da cidade. Hildon  admitiu que o grande aumento de casos aconteceram por conta do relaxamento das medidas de segurança que aconteceram no fim do ano passado. 

Ontem, a Secretaria de Estado da Saúde anunciou que antecipou e disponibilizou mais 21 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) (11 no Hospital de Campanha e dez já existentes no Centro de Reabilitação) para reforçar o atendimento de pacientes com covid-19. A capacidade ocupada da rede era ontem superior a 95%. 

O mutação do vírus. 

O CN (Carvalho News), vem cobrindo as notícias da mutação desde o começo, quando o vírus foi identificado pela primeira vez em Londres. Menos de 2 meses depois e a nova mutação do vírus estar aqui, o primeiro ministro da Inglaterra anunciou neste fim de semana que o novo vírus tem até 30% de mais letalidade que o da primeira onda. 

A afirmação parte de resultados ainda não confirmados de um estudo feita pela NERVTAG (sigla em inglês para Grupo de Aconselhamento para Ameaças de Vírus Respiratórios Novos e Emergentes), que repassou as informações para o governo, a pesquisa ainda estar em estágio Preliminar. 

 Outros estudos já haviam mostrado que essa nova variante pode se espalhar com mais facilidade do que outras versões do vírus. 

“Além de se espalhar mais rápido, agora parece que há evidências de que a nova variante pode estar associada com uma taxa maior de mortalidade”, explicou o Primeiro Ministro Britânico. 

O NERVTAG analisou matematicamente tendências na mortalidade de pacientes infectados com a nova variante do Sars-CoV-2 e com a antiga. A conclusão inicial foi de que a nova linhagem aparenta ser 30% mais mortal do que a antiga. 

Um exemplo para que os dados sejam compreendidos melhor,  a cada 100 pessoas contaminadas pelo Covid na primeira onda, 10 morriam; na nova cepa a cada 100 pessoas contaminadas, morrem 13, um aumento de 30% (números fantasias, apenas por exemplo).  

A notícia boa é que que agora não existe nada que indique ineficácia das vacinas as contra o novo vírus, pelo menos o planejamento da OMS e dos governos europeus é que as vacinas de Oxford e Pfizer funcionem contra o novo vírus. 

Um ícone é vacinado em Canavieiras


Julia Vitoria

O primeiro a ser vacinado na cidade de Canavieiras na Bahia foi o médico pneumologista  de 77 anos Dr. Eneas de Carvalho Filho, a vacinação aconteceu no dia de ontem, 19 de janeiro. Ele é um símbolo na cidade tendo mais de 50 anos de carreira, ele deu aulas na Universidade Federal da Bahia (UFBA) local onde participou da formação da maioria dos médicos da cidade, inclusive o prefeito da cidade, Dr. Almeida que atualmente é diretor do Hospital Municipal Régis Pacheco.  

O médico relata que ficou muito feliz de receber a vacina e apesar de ser do grupo de risco e ter alguns problemas de saúde prometeu que exercerão a medicina enquanto estivesse respirando, o Dr. Eneas  espera  que o povo da cidade também tome a vacina.

O município recebeu cerca de 190  doses da vacina e logo foi colocado em prática o plano de vacina elaborado pela secretaria de Saúde do município. A Secretária de Saúde de Canavieiras, Polianna Goiabeira fala que nessa primeira fase os primeiros a serem vacinados serão os idosos com mais de 75 anos ou mais, a secretaria também tranquilizou a cidade falando que todos considerados prioritários receberão a vacina. Ela também relata que as doses aos ao o suficientes para  todos os priorizados, contudo as doses chegarão em remessas, nesse Primeiro lote serão priorizados os profissionais da saúde que estão na linha de frente e com maior risco de vulnerabilidade, assim que chegar mais insinuantes eles continuarão com os demais grupos de riscos.

O prefeito da cidade agradeceu os profissionais da saúde que arriscam suas vidas desde o começo e ainda falou que é um dia histórico para a cidade e todo o país.

ENEM 2021: maior abstenção da história


Coordenadores citam medo e falta de preparo para explicar o alto índice de faltas

André Lucas

O ENEM ( Exame Nacional do Ensino Médio) registrou a maior taxa de desistência da história, mas 50 % dos candidatos não foram fazer o exame esse ano. A principal justificativa é o medo do Covid 19, que fez com que muitos alunos evitassem fazer a prova esse ano para não se colocar em aglomeração. 

A taxa de desistência nessa primeira fase foi a maior da história, no ano passado por exemplo o registro foi de 27% de candidatos que optaram por não ir fazer a prova. 

Segundo o coordenador do curso Anglo, Madson Molina, a ausência dos candidatos inscritos pode ser explicada por basicamente três fatores: a insegurança provocada pelas mudanças impostas pela pandemia, o receio dos estudantes em contrair a covid-19 e o fato de que algumas instituições de ensino optaram por não utilizar a nota do Enem como entrada para seus vestibulares específicos. 

Efeitos da pandemia de covid-19

O coordenador explicou  que o fato dos estudantes principalmente do 3° ano no ensino médio terem sido muito impactados pela crise do covid 19 e consequentemente as aulas paralisadas durante a pandemia. Os alunos desistiram da prova por não se sentirem seguros e preparados para  o grande dia.  

Outro motivo é a insegurança em relação a uma possível exposição ao novo coronavírus. Além de os estudantes terem que ficar na mesma sala com outros candidatos durante várias horas, há ainda a questão do deslocamento, que também implica um risco.  

Madson esclarece que na prática o que muda é o aumento da chance na hora de concorrer as vagas. Através do vestibular o sistema usa as notas dos participantes para construir um Ranking e as maiores notas ficam no topo. 

Os primeiros colocados conseguem as vagas, e os últimos são de certa forma desclassificados (apesar de poder usar a nota para conseguir bolsas em faculdades privadas). 

Com poucas pessoas participando o Ranking fica menor e assim menos competitivos permitindo que alunos com notas mais baixas que a comum conquiste a tão sonhada vaga na faculdade. 

“Pode ocorrer, por exemplo, de alguma instituição não impor uma nota mínima para um determinado curso. Nesse caso, como a quantidade de vagas é fixa e tem-se uma população menor, é muito provável que a nota de corte abaixe”, afirma o pedagogo. 

A denúncia dos alunos que ficaram barrados no corredor

Alunos denunciaram as medidas de segurança que barravam alunos das salas por superlotação. Na internet são diversos os posts de alunos frustrados e revoltados por conta da situação. 

Para o pesquisador Fernando Cassio, houve um subdimensionamento das estruturas dos locais de prova pelo Inep e instituições aplicadoras como Cesgranrio e Fundação Getúlio Vargas. “Foi um erro gravíssimo.” 

Na análise de Fernando a Medida de segurança foi no mínimo amadora, e colocou em risco a lisura do exame,  “Eles mandaram gente pra casa e não têm registros formais para a ação, já que tudo foi feito no improviso. Qual a garantia de que eles conseguirão diferenciar quem de fato se ausentou, de quem se atrasou, ou de quem foi e voltou?

STF emite nota desmentindo Bolsonaro


No texto o supremo esclarece que não proibiu nenhuma medida do governo federal contra a covid 19

André Lucas

O STF informou, na última segunda-feira, que é mentira que é mentira que o supremo tenha vetado as ações de Bolsonaro contra a covid 19. 

Em nota, o STF informa que “não é verdadeira a afirmação que circula em redes sociais” nesse sentido. Apoiadores do governo, além do próprio presidente Jair Bolsonaro, vêm fazendo afirmações do tipo para rebater cobranças sobre a atuação da União no combate à pandemia. 

Desde que o STF analisou ações que discutiam a competência de estados e municípios para tomar providências para combater a Covid-19, no ano passado, o presidente Bolsonaro tem dito que foi impedido pelo tribunal de tomar ações mais efetivas contra a pandemia. A alegação também tem sido veiculada por parlamentares bolsonaristas e apoiadores do presidente.

Na última semana, quando a crise do oxigênio em Manaus se acentuou, o presidente voltou a usar o argumento. Em uma entrevista à Rádio Jovem Pan, voltou a dizer que as decisões do STF o impedem de tomar outras providências contra a pandemia. 

Na entrevista o presidente da República Jair Bolsonaro, diz que o aumento de casos em Manaus tem relações com a temperatura na região, e que apesar do STF o governo estar focado em atuar na recuperação do sistema de saúde da região, e estar enviando cilindro de oxigênio.  

Na rede bandeirante o presidente deu entrevista ao Datena na última sexta feira dia 15 de janeiro, o presidente disse , “Vou repetir aqui: que moral tem João Doria e Rodrigo Maia em falar em impeachment se eu fui impedido pelo STF de fazer qualquer ação contra a pandemia?”  

O discurso do presidente reverberou na sua base. Diante da discussão sobre o colapso de saúde em Manaus na semana passada, bolsonaristas passaram a eximir o presidente de culpa sob o argumento de que o Supremo o proibiu de agir contra a doença.

O STF, porém, afirma que esse discurso não é verdadeiro. Na nota, a corte menciona “afirmação que circula nas redes sociais” sobre o tema. 

A decisão descrita por Bolsonaro como medida que proíbe o governo federal de agir, na verdade apenas permite que estados e municípios possam tomar decisões de forma autônoma, na luta contra o covid 19. 

Na prática isso não interfere em nada nas decisões vindas do Planalto, que continua tendo sua autoridade intacta como um dos três poderes fundamentais para a existência da república e democracia.