Mais de 50% da população brasileira adulta já recebeu as duas doses da vacina contra Covid


Marcelo Carvalho

O sistema do Ministério da Saúde já computa mais de 222 milhões de doses das vacinas contra a Covid-19 aplicadas na população brasileira. De acordo com a pasta, o país alcançou nesta segunda-feira (20) a marca de 50% da população adulta, estimada em 158 milhões de pessoas, com o esquema vacinal completo com as duas doses ou a dose única da vacina Covid-19. O número corresponde a 80,5 milhões de brasileiros.

Na última semana, o Ministério da Saúde recomendou a redução do prazo entre as duas doses da Pfizer, de 12 para oito semanas. Com a medida, deve acelerar o processo de imunização da população.

Segundo o Ministério, a visão é de que com cada vez mais brasileiros protegidos, o sistema de saúde fica menos sobrecarregado, podendo atender com mais eficiência pacientes com outros tipos de enfermidades. Mais de 22 estados apresentaram taxa de ocupação abaixo de 50%, parâmetro considerado como dentro da normalidade.

Desde o começo da campanha, em janeiro deste ano, cerca de 141 milhões de pessoas já tomaram a primeira dose da vacina, o que equivale a quase 90% da população maior de 18 anos.

New York Times publica artigo sobre polêmica relação de Bolsonaro com militares


Texto foi publicado em espanhol

Thais Paim

Desde o começo do seu mandato, a relação estreita entre o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) e as Forças Armadas provoca grande críticas e repercussão. Recentemente, esse tema atingiu o debate internacional.

Em um artigo publicado no jornal The New York Times, no final de agosto, o cientista político e diretor-executivo do Observatório Político da América Latina e do Caribe no Sciences Po, em Paris, Gaspard Estrada, afirma que Bolsonaro estimula uma “ruptura institucional na segunda maior democracia do continente americano” e que “os escalões superiores das Forças Armadas têm tido papel central nesse objetivo”.

O texto foi publicado em espanhol com o título “O dilema dos militares brasileiros: apoiar Bolsonaro ou a democracia”. Nele, Estrada compara o presidente brasileiro a Donald Trump e diz que a única diferença entre eles, no esforço de enfraquecer instituições democráticas, é o apoio dos militares.

 “Muitas vezes respaldam o ataque autoritário do capitão reformado”, cita o cientista, como os ataques do chefe do Executivo ao sistema eleitoral um ano antes das eleições e que tem ganhado força nos últimos dias.

Para Estrada, a ação é incompatível com o papel das Forças Armadas e que é preciso observar que o futuro do país também está nas mãos dos homens que juraram servir o país.

Ele lembra, ainda, da nota assinada pelo ministro da Defesa, Braga Netto, divulgada no início do mês, em repúdio às declarações do presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), que afirmou que durante muitos anos o país “não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo”.

Na ocasião, Braga Netto afirmou que os militares não aceitariam “qualquer ataque leviano às instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro”. Sobre o assunto, o cientista político afirmou que a ação foi uma maneira de exigir a impunidade dos colegas e apoiar, novamente, os “desejos golpistas de Bolsonaro”.

Para o cientista, apoiar “cegamente um governo que realiza um dos processos mais extremos de destruição da democracia no mundo” fará com que as patentes militares estejam, historicamente, associadas à Bolsonaro.

Estrada, então, afirma que só há um caminho para que as instituições militares recuperem a plena integridade: o rompimento com o presidente da República. “Se as Forças Armadas querem manter a adesão às leis e à Constituição, devem decidir se estão com Bolsonaro ou com a democracia”.

Fonte: Correio Braziliense

Pfizer desiste de liberação emergencial no Brasil


Empresa afirma que as exigências especificas da Anvisa faz o processo ser muito demorado

André Lucas

A vacina da Pfizer desistiu do uso emergencial no Brasil. A empresa estadunidense culpou a Anvisa (Agência Nacional Vigilância Sanitária) pela sua saída, em nota Pfizer informou que a burocracia e exigências da agência retarda o processo de liberação. 

“As condições estabelecidas pela agência requerem análises específicas para o Brasil, o que leva mais tempo de preparação. Um exemplo é a solicitação de uma análise dos dados levantados exclusivamente na população brasileira, o que demanda tempo e avaliações estatísticas específicas. Outras agências regulatórias que possuem o processo de uso emergencial analisam os dados dos estudos em sua totalidade, sem pedir um recorte para avaliação de populações específicas, A submissão de uso emergencial também pede detalhes do quantitativo de doses e cronograma que será utilizado no país, pontos que só poderão ser definidos na celebração do contrato definitivo”. 

A empresa norte americana no dia 14 de dezembro, teve uma reunião com a Anvisa, no intuito de esclarecer as dúvidas e acelerar o processo de liberação emergencial. Porém as exigências brasileiras são específicas, o que torna o processo mais demorado. 

Além disso, a Anvisa também exige quantidade de doses disponíveis e cronograma de entrega das doses no Brasil, questões que no ponto de vista da empresa Pfizer, só podem ser decididas depois de um contrato já assinado com o governo brasileiro.    

Com base nisso, a empresa norte – americana optou pela desistência do uso emergencial, mas, a empresa continua com o processo de regulamentação para o registro concreto na Anvisa. 

“A Pfizer já submeteu à Anvisa, pelo processo de submissão contínua, nossos resultados estudos Fase 3, o que significa mais um passo rumo à aprovação de nossa vacina”, esclarece a nota emitida pela empresa.  

A relação da empresa com o governo brasileiro.

A Pfizer e Jair Bolsonaro não se entenderam muito bem dês do começo, nos últimos dias uma nova discussão entre o presidente e os representantes da empresa no país, Bolsonaro disse: 

“O Brasil tem 210 milhões de habitantes. Então, o mercado consumidor de qualquer coisa é enorme. Os laboratórios não tinham que estar interessados em vender pra gente? Por que que eles, então, não apresentam a documentação na Anvisa?” a declaração foi no Palácio da alvorada em Brasília, em conversa com apoiadores.

Bolsonaro concluiu suas declarações falando sobre o medo dos efeitos colaterais que a vacina pode trazer.  

“Só que aqui tem um detalhe. Eu já falei que o povo vai saber que na bula, nos contratos, que eu vi até agora, tá escrito lá: não nos responsabilizamos por efeitos colaterais. Que efeito colateral é esse? Não sei. Não vou nem fazer uma brincadeira aqui porque falam depois que eu estou zombando”.  

O presidente ainda insinuou que os laboratórios de pesquisa que estão desenvolvendo a vacina estão de olho na verba de 20 bilhões liberadas pelo ministério da saúde via medida provisória. 

A resposta veio em uma nota entregue ao Jornal Nacional , da tv Globo, a empresa afirmou que “quer, sim, vender para o Brasil, mas que o processo aqui exige mais tempo”. 

A vacina norte americana ainda segue aguardando o registro na agência brasileira, apesar de ter desistido da liberação emergencial, a empresa ai estar no processo contínuo para conseguir a liberação formal e concreta da Anvisa.

Doria volta ao Brasil após noticia do vice estar contaminado, e governo de São Paulo não divulga nível de eficácia da coronavac


Vacinas como Pfizer e Moderna tem eficácia de 95% e 94,5%, respectivamente,  secretário afirmou ter mais de 50% porém não deu um número exato

André Lucas

O Governador de São Paulo estava de férias após o início do recesso, e viajou para o Estado Unidos na madrugada desta quarta feira. No dia seguinte foi surpreendido e teve que voltar as presas para o país, seu vice Rodrigo Garcia foi diagnosticado com corona vírus e foi afastado do cargo, Doria não terá férias esse ano.  O governador foi flagrado no aeroporto, em uma grande fila (aglomeração) para viajar à Miami. Horas depois de chegar ao EUA ele teve que voltar. Em suas redes sociais ele explicou: 

“Acabo de receber a notícia de que o vice-governador, Rodrigo Garcia, testou positivo para Covid-19. Por conta disso, estou cancelando minha licença e retorno ainda hoje para SP para seguir o trabalho à frente do Governo de SP. Desejo pronta recuperação ao Rodrigo Garcia”

Além da declaração no Twitter o governo do estado de São Paulo publicou uma nota falando sobreo caso:

“O governador de São Paulo João Doria licenciou-se por 10 dias depois de um ano de trabalho ininterrupto. Comprou com dinheiro próprio sua passagem e viajou para os Estados Unidos, em avião de carreira, onde chegou esta manhã. Lá, iria descansar com sua esposa e dar duas palestras sobre oportunidades de investimentos no Estado e o Plano de Retomada Econômica de São Paulo. Uma das conferências, no World Trade Center-Florida e a outra na Brazilian-Florida Chamber of Commerce, dias 28 e 29 de dezembro. Diante da notícia desta manhã de que o vice-governador Rodrigo Garcia havia se contaminado com a Covid-19, Doria imediatamente decidiu voltar a São Paulo, onde chega amanhã de manhã.”

  Sem recesso Doria estar em exercício, e já tinha compromisso marcado para essa quarta.

Nesse dia 23 de dezembro, quarta feira, o governador de São Paulo não cumpriu com promessa de anunciar os dados da vacina. Doria adiou mais uma vez a divulgação de dados, é a segunda vez que o governo de São Paulo adia a divulgação do dados. A justificativa para o adiamento da divulgação dos dados é a empresa Sinovac, desenvolvedora da vacina, pediu ao Instituto Butantan e aos parceiros em outros países que enviasse todos os dados da fase 3 antes que divulgasse. A intenção da empresa chinesa e juntar o resultado de todos o testes e apresentar dados unificados . 

“Eles entenderam o fato de nós  eficácia superior a isso (50%), porém diferente de outros países em que essa vacina está em uso, merece uma reavaliação. O fato disso acontecer transmite isonomia”, explicou o secretário estadual da Saúde de SP, Jean Gorinchteyn. 

O secretário não explicou se a eficácia da vacina no Brasil foi superior ou inferior aos outros países, nem deu o resultado só do Brasil, mas garantiu que a vacina estar na média requisitada e que espera avaliação da Anvisa. O governo ainda reafirmou que o plano de imunização ainda estar previsto para iniciar dia 25 de Janeiro, e disse que tudo depende da agilidade da Anvisa.

“Atingimos o limiar da eficácia, que permite o processo de solicitação de uso emergencial, seja aqui no Brasil ou na China. Temos um contrato com a Sinovac que especifica que o anúncio desse número precisa ser feito em conjunto”, disse o presidente do Butantan, Dimas Covas.