Brasil é o quarto maior produtor de resíduos


A quantidade de resíduos sólidos urbanos gerada no país em 2015 totalizou 79,9 milhões de toneladas, 1,7% a mais do que no ano anterior. No período, foi registrado também aumento de 0,8% na produção per capita de resíduos sólidos: de 1,06 quilo (kg) ao dia em 2014, para 1,07 kg ao dia em 2105. Os dados foram divulgados hoje (4) pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).

“O resultado coloca o Brasil como o quarto maior gerador de resíduos sólidos no mundo, é muita coisa, e o que nós percebemos é uma rota ascendente, que tem vindo dessa forma na última década, e que ainda não demonstrou uma linha de reversão. É um dado preocupante”, disse o diretor presidente da Abrelpe, Carlos Roberto Vieira.

residuos

De acordo com o levantamento, houve uma leve melhora nos números sobre a destinação final dos resíduos sólidos. Em 2015, 58,7% do lixo produzido foi destinado para locais adequados, como aterros sanitários. Em 2014, esse índice foi 58,4%. No entanto, os dados mostram que cerca de 60% das cidades brasileiras ainda destinam seu lixo inadequadamente, ou seja, para lixões ou para os chamados aterros controlados.

“Uma das pistas que temos para explicar esse problema, essa nossa deficiência e porque temos levado tanto tempo para avançar, está no volume de recursos aplicados no setor de resíduos sólidos, que em 2015 foi de R$ 10 por habitante por mês para fazer frente a todos os serviços de limpeza urbana”, ressaltou Vieira.

Os serviços de coleta mantiveram o alto índice observado nacionalmente nos anos anteriores, de 90,8%. No entanto, ainda persistem as diferenças regionais: no Sudeste, 97,4% do lixo produzido é coletado; em seguida vêm as regiões Sul (94,3%); Centro-Oeste (93,7%); Norte (80,6%); e Nordeste (78,5%).

Cachoeira: um rio que pede socorro


Ele se forma no Município de Itapé, na confluência do Rio Colônia com o Rio Salgado. Se você acha que estou me referindo ao Rio Cachoeira, acertou! Esse curso de água é um dos mais importantes do Sul da Bahia, pois abastece a 12 cidades. Entretanto, sofre com o descaso de nossos governantes e com os maus tratos por parte de empresas e população.

Geógrafa Eliana Trindade avalia condições do Rio Cachoeira Foto: Eliane Trindade
Geógrafa Eliana Trindade avalia condições do Rio Cachoeira Fotos: Eliana Trindade

 

Segundo os especialistas, o Cachoeira sempre foi rico em diversidade de peixes, com destaque para robalos e pitú (um crustáceo raro que existe apenas em alguns rios do Brasil). Infelizmente, o panorama atual é outro. Em seu estudo a biogeoquímica, Maria Pinheiro Lima, alerta que as atividades ligadas ao manejo florestal e agrícola e a urbanização alteram os ciclos biogeoquímicos dos ecossistemas aquáticos. A especialista afirma que as principais atividades impactantes no Rio Cachoeira estão associadas às atividades agro-industriais e ao lançamento de esgotos domésticos e resíduos sólidos.

A geógrafa, Eliana Trindade, também lamenta a atual situação do Cachoeira. “Serviços de lavagem de veículos, construções nas margens do rio, ausência de mata ciliar, extração de areia, lançamento de lixo e esgoto in natura e outras ações ao longo dos anos são provas da desinformação e do descaso por parte da população e das autoridades locais com o rio”, justifica a também professora.

A especialista defende que o rio é um espelho de como a população cuida do meio ambiente. “O Cachoeira já foi caudaloso e limpo, servindo como fonte de renda e lazer para os habitantes do seu entorno. Hoje, após tantos maus tratos, ele teve o seu volume diminuído consideravelmente e está a cada dia mais poluído. As baronesas e os urubus presentes em suas  águas são evidências concretas de que a população itapeense e circunvizinha precisam de educação ambiental”, finaliza Eliana.