Crivela denunciado pelo Ministério Público Eleitoral


O Prefeito em exercício até Janeiro, pode perder seus direitos políticos e ficar inelegível por oito anos

André Lucas

Nessa quarta feira, dia 16 de dezembro, o ministério público eleitoral (MPE)  denunciou o Prefeito Marcelo Crivela e mais duas pessoas pelo caso dos guardiões de Crivela. O fato ficou conhecido numa reportagem da Globo na televisão que detalhou como o esquema funcionava. No decorrer do ano outras reportagens de outros meios de comunicação eram publicadas e o caso ia ganhando forma. O caso foi usado ate na eleição contra o prefeito que acabou perdendo para Eduardo Paes que assume no começo do ano que vem.

 Marcelo Crivella (Republicanos), a candidata à vice em sua chapa, Andrea Firmo, e Marcos Paulo de Oliveira Luciano, assessor especial da prefeitura do Rio, esses são os três denunciados e acusados de serem os líderes do grupo dos guardiões.

O órgão acusa os três de abuso de poder político, conduta vedada prevista na Lei Eleitoral e pede que eles sejam declarados inelegíveis por oito anos e paguem multa.

Os “ guardiões do Crivela” era um grande grupo formado por funcionários públicos que recebiam cerca de R$4 mil para ficar na frente de hospitais públicos, com o intuito de dificultar a produção de reportagens.

Os “guardiões do Crivella”, funcionários públicos que ficavam na frente de hospitais públicos, com o intuito de dificultar a produção de reportagens. Fotos: divulgação

Naquele momento a cidade do Rio de Janeiro vivia um momento critico de caos na saúde pública. Leitos lotados, filas, falta de aparelhos, hospitais de campanha de faixada (essa denúncia é contra o ex governador não o prefeito), entre outros problemas que a cidade vivia, em relação aos hospitais.

O prefeito via essas denúncias nas manchetes de jornais como uma grande inimiga. Em ano de eleições, ter esse tipo de denúncia na televisão e jornais seria um grande problema. Daí, Crivella decidiu impedir que essas denúncias continuassem, e assim nasce os “guardiões”.

Os funcionários públicos que recebiam para isso tinha o dever de impedir as gravações e entrevistas. Quando os repórteres começavam a trabalhar os guardiões gritavam, xingavam e tentavam expulsar os agentes da imprensa. Até um certo ponto o plano de Crivela dava certo, os vídeos das pessoas gritando e xingando com repórteres da Globo faziam muito sucesso entre apoiadores, além de incentivar que eles também fizessem isso. Porém quando a Rede Globo de televisão descobriu e noticiou a popularidade do prefeito despencou. Nas eleições candidato do PSL Luiz Lima atacou o Crivela dizendo que “dinheiro para os hospitais não tem, mais para gastar 4 mil com guardiões…”

Em apuração do jornal O Globo – O promotor Rogério Pacheco Alves declaro que durante este ano – mais intensamente na pandemia – funcionários públicos foram designados para impedir ou dificultar reclamações e a realização de reportagens sobre a situação precária da saúde municipal.

Na denúncia, o MPE aponta que Crivella participou de pelo menos um dos grupos e que teve “a oportunidade de tomar parte das conversas e acompanhar os relatórios publicados pelos funcionários”.. 

O MPE denunciou os envolvidos e pediu a suspensão dos direitos políticos de Crivela. O prefeito pode ficar ate oito anos inelegível, ou seja, sem poder concorrer a cargos públicos.  Qualquer atualização do caso, você encontra aqui no Carvalho News (CN).

Réveillon cancelado no Rio de Janeiro


Medida foi tomada pensando na segurança de todos e no respeito a todas as vítimas

André Lucas

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou na última terça feira dia 15, que não vai ter réveillon na cidade do Rio de Janeiro por conta do Covid 19. A prefeitura explica que decisão foi tomada pensando na segurança de todos e no respeito a todas as vitimas.   

O prefeito Marcelo Crivella, em entrevista ao UOL, falou sobre o assunto.  “Esta é uma decisão necessária para a proteção de todos. A festa será a da esperança por bons resultados das vacinas para conter a pandemia. Será ainda um momento de reflexão sobre um ano difícil, de luta, com lamentáveis perdas de tantas pessoas.”  

Antes a tradicional festa da virada estava marcada com grandes mudanças. Não teria queima de fogos e nem encontro na praia. A expectativa da prefeitura era transmitir o Réveillon pelas mídias digitais e TV, fugindo das festas de virada do ano que provocam aglomerações em toda a cidade.  Mudanças que ocorreram em outubro tinham construído mudanças significativas ao criar um padrão de festa sem aglomerações, bem diferente do que o tradicional, preservando a segurança. 

As boas-vindas ao ano de 2021 aconteceriam em um formato diferente do tradicional conhecido por cariocas e turistas. No Réveillon Rio 2021 tremíamos seis palcos espalhados em pontos turísticos emblemáticos da cidade do Rio de Janeiro, porém, sem presença de público, com todas as áreas isoladas. O público poderiam acompanhar os shows pela televisão, por um canal aberto, e pelas plataformas digitais, por meio do canal oficial da Riotur no Youtube.

Além dos shows, este réveillon teria luzes e efeitos visuais inéditos no Brasil, além de uma surpresa emocionante, que só seria conhecida na noite da virada e todos poderiam ver de suas casas, pela televisão e pela Internet. Este novo modelo tinha o objetivo de criar uma atmosfera de respeito, com homenagens às vítimas da Covid-19 e também aos profissionais que estão na linha de frente do combate à pandemia. Além disso, a celebração incluía pela primeira vez, uma integração entre diversos pontos de referência turística do estado do Rio no réveillon carioca.

Os números da doença agravam, já são. 22.256 óbitos e 343.995 casos, UTIs lotadas em quase 90%, informações divulgada pela coordenação da secretaria de saúde do estado do rio de janeiro. Especialista  da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o aumento de casos no estado “já está provocando grande estresse no sistema de assistência à saúde”. Segundo o documento, é “urgente que as autoridades governamentais implementem ações para o enfrentamento desse novo aumento de casos de covid-19”, incluindo o fechamento das praias e  proibição de eventos presenciais.           

O Prefeito de Niterói Rodrigo Neves seguiu o exemplo de Crivella e cancelou as festas de fim de ano também , em nota a prefeitura explica. “Medida tem como objetivo manter o controle da pandemia da Covid-19 e vale para casas de festa, bares, clubes, restaurantes e comemorações com venda de ingresso, além das festas nas praias do município.”

O prefeito se pronunciou em uma live dizendo: “Nossa orientação é que não haja nenhum tipo de evento de réveillon que não seja o das famílias, com pessoas que já estão convivendo. Nosso objetivo é salvar vidas, evitar a disseminação do novo coronavírus e manter as atividades econômicas abertas e funcionando”

Jair Bolsonaro é acusado de usar Abin para benefício do filho, Flavio Bolsonaro


Novo capítulo das rachadinha envolve Abin e GSI

André Lucas

Um dos assuntos que ganharam notoriedade nos últimos dias foi a denúncia da intervenção da ABIN(Agência Brasileira de inteligência), no caso das “rachadinha”, inquérito contra Flavio Bolsonaro que apura se houve esquema de desvio de dinheiro  em seu antigo gabinete. A denúncia veio numa reportagem da revista época, que informou que a defesa do senador e o presidente da República, Jair Bolsonaro, usaram órgãos públicos para provar que a Receita Federal agiu de forma ilegal para coletar dados de transferências bancárias da conta do Republicano.

 A primeira notícia foi publicada em 28 de outubro, e contava como ocorreu uma reunião no gabinete presidencial, no dia 25 de agosto, entre  Jair Bolsonaro, as advogadas do senador Luciana Pires e Juliana Bierrenbach, o ministro Augusto Heleno, chefe do GSI, e Alexandre Ramagem, diretor da Abin — Flávio estava com covid-19 e não participou.  

Ainda segundo a matéria da revista veja, as advogadas do senador “apresentaram na reunião uma série de indícios no relatório do Coaf, que, na avaliação da defesa, o distinguiria dos demais tradicionalmente feitos pelo órgão por trazer informações das quais este não dispõe em seus bancos de dados”.  Além disso elas estavam com um documento que “ provava conduta ilegal de funcionários do antigo Coaf.

A reportagem informa ainda que a reunião foi um pedido da defesa do senador, que afirmavam ter documentos que provava a existência de um grupo criminoso dentro da receita federal e conseguiu acesso aos dados do filho do presidente de forma ilegal.

Os dados foram levantados pelo UIF (Unidade de inteligência financeira), antigo COAF, e foram usados como base para o Ministério Público abrir investigação contra Flavio em uma suspeita de lavagem de dinheiro dentro de seu gabinete na ALERJ, na época que era deputado, com Queiroz como operador desse esquema, contratando funcionários fantasmas com altos salários que devolviam boa parte do salário.  

Em entrevista a BBC, o professor em direito penal Davi Tangerino, explica que, caso a defesa consiga provar conduta ilegal para o a aquisição das informações bancárias, o processo pode ser parcialmente ou completamente anulado. O professor também explica que caso seja provado que o presidente usou a Abin e, ou, outros órgãos públicos para benefícios próprio ou de sua família, é caracterizado desvio de conduta, crime de responsabilidade que pode servir como base para impeachment. 

Senador Flávio Bolsonaro está bem encrencado. Foto: divulgação

A Abin divulgou uma nota sobre o caso, onde dizia: 

“As acusações se pautam em torpe narrativa, desprovida de conjunto probatório, supostamente contida em documentos que não foram produzidos pela Agência Brasileira de Inteligência. O intuito único é desacreditar uma instituição de Estado e os servidores que compõem seus quadros…”  

Não demorou muita para o caso chegar ao STF. A ministra Cármen lúcia deus 24 horas para a GSI ( Gabinete de Segurança Inconstitucional) e a Abin explicarem sua atuação no caso. 

Jair Bolsonaro além de ser suspeito de usar a Abin para benefício de seu filho, enfrenta acusações sobre uma possível interferência na polícia Federal. O ministro Alexandre de Moraes, decidiu adiar o prazo final do processo que acabaria no dia 27 de Janeiro, o ministro deu mais 90 dias para as investigações se desenvolverem. O ministro explicou o motivo da decisão em despacho. 

“Considerando a necessidade de prosseguimento das investigações, a partir do encerramento do julgamento do agravo regimental iniciado pelo Plenário em 08/10/2020, bem como a proximidade do recesso, (…) prorrogo por mais 90 dias, contados a partir do encerramento do prazo final anterior (27 de janeiro), o presente inquérito.”

Além desses problemas no STF o presidente ainda enfrenta as eleições no congresso e a votação do orçamento para o ano que vem, o que deixa essas ultimas duas semanas de 2020 bem agitada na praça dos três poderes. 

Operação contra quadrilha suspeita de fraudes bancárias acontece no DF, Bahia e mais quatro estados


Polícia Federal é responsável pela ação

Thais Paim

Operação desenvolvida pela Polícia Federal, nesta quarta-feira (16), resultou no cumprimento de 28 mandados, sendo 11 de prisão e 17 de busca e apreensão. As ações ocorreram na Bahia, Distrito Federal e mais quatro estados. 

A polícia do Mato Grosso está sendo responsável por coordenar a ação e tem como objetivo desarticular uma organização criminosa suspeita de cometer fraudes bancárias através da internet. Segundo informações, prefeituras estavam entre os alvos da quadrilha que desviava dinheiro das contas mantidas na Caixa Econômica Federal.

A organização tinha integrantes espalhados em várias partes do país e contava com a participação de hackers e de funcionários de empresas de telefonia, de acordo com informações divulgadas pela polícia. 

Segundo as investigações, o grupo já causou prejuízos superiores a R$ 18 milhões. Em Pontes e Lacerda o desvio foi de cerca de R$ 2 milhões. Em outros munícipios, o furto dos recursos públicos provocou atrasos nos salários de funcionários e no pagamento de fornecedores.

Os alvos da operação nesta quarta foram no DF, Goiás, Pará, São Paulo, Maranhão e Bahia. De acordo com o G1, os dados dos envolvidos não foram divulgados. Os responsáveis vão responder pelos crimes de invasão de dispositivo informático mediante fraude e furto qualificado.

Itabuna: escolas tiveram que se adequar aos recursos online


Marcelo Carvalho

O uso da tecnologia para aproximar professores, estudantes e familiares (pais e responsáveis) da Rede Municipal de Ensino, vem sendo estimulado nos últimos meses pela Secretaria Municipal da Educação (SME). Desde o início da pandemia causada do COVID-19, as escolas tiveram de se adequar aos recursos online.

“No caso de Itabuna, o grande desafio era justamente promover uma maior interação entre todos os sujeitos dos espaços escolares e driblar as dificuldades dos profissionais causadas pelo distanciamento das salas de aula. Nesse sentido, muitas ações vêm sendo desenvolvidas pela SME, através do Departamento de Pesquisas, Planejamento e Informações Gerenciais (DPPIG) e seus setores: Setor de Manutenção de Informática (SMI) e o Núcleo de Tecnologia Municipal (NTM)”, declara  a secretária da Educação, professora Nilmecy Gonçalves.

Secretária da Educação de Itabuna (BA), Nilmecy Gonçalves. Foto: divulgação.

O Departamento de Pesquisas, Planejamento e Informações Gerenciais (DPPIG) foi crucial para trabalhar as informações da Rede Municipal de Ensino que precisou remanejar todo o seu atendimento para o sistema online, por conta da pandemia.

O departamento é responsável pelo sistema de gestão, o E-polis, no qual todas as informações relativas à SME e às unidades escolares estão interligadas. “O E-polis, que já roda desde 2014 na rede, passou por algumas atualizações e possui muitas funcionalidades que possibilitam ao departamento fornecer dados em tempo real, facilitando assim, o dia a dia no setor”, comenta a diretora do DPPIG, professora Ritta Conrado.

Por se tratar de uma tecnologia em tempo real, ela explica que o software permite acompanhar todo o trabalho desenvolvido pelo professor em sala de aula, a realidade das escolas, o número de alunos matriculados, as estatísticas e o andamento de todas as unidades da Rede Municipal de Ensino.

Outro destaque é que, com o sistema, os pais conseguem acompanhar toda a vida escolar dos filhos: acesso ao histórico, à frequência, às notas, atividades e provas, apenas com o código do aluno, via computador ou celular, de forma 100% online. “Isso ajudou a evitar o contato físico e a aglomeração durante a pandemia nas escolas”, destacou Gonçalves. “Antes, as matrículas eram realizadas de modo presencial nos postos disponibilizados pela SME. Agora, tudo é pela internet”, ratificou.

O site para acessar as informações está disponível no endereço www.itabuna-educa.ids.inf.br/aluno/#/inicio. Quaisquer dúvidas sobre como acompanhar a vida escolar dos estudantes na internet, a SME sugere que os pais busquem as informações completas nas secretarias das escolas.

Hospitais lotados no Rio de Janeiro e número de contágio continua subindo


Com filas nas UTIs, número de infectados sobe e preocupa especialistas

André Lucas

O Estado do Rio de Janeiro estar em uma situação grave, além de ser um dos estados mais afetados pelo covid 19, agora sofre com hospitais lotados e leitos de UTI com filas enormes de mais de 400 pessoas. Se a situação já era complicada com os hospitais de campanha sem eles a situação ficou desesperadora.  Especialistas dizem que com as festas de fim de ano o cenário só vai piorar.

Em entrevista à ”BBC”, alguns especialistas comentaram a situação. Para o infectologista Alberto Chebabo, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e diretor do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse que o principal fator para a retomada da gravidade da situação é a flexibilização das medidas restritivas.

”O Rio de Janeiro nunca teve controle completo da transmissão do vírus. O estado foi flexibilizando as medidas de isolamento social quando os casos ainda estavam em alta. As pessoas voltaram a se reunir, fazer encontros, os bares voltaram a ficar lotados e houve muitos eventos com aglomeração… Se considerarmos que a curva de casos começou a subir há 3 semanas, é provável que os números de mortes, que estão estáveis, também subam. Muitas pessoas que contraem a doença e apresentam quadro grave acabam morrendo ao longo das semanas”

O Rio estar em uma alta constantes de casos, e com hospitais lotados e as filas nas UTIs o cenário fica caótico. A Prefeitura do Rio junto ao governo do estado decidiu voltar com as medidas de restrição. Foi anunciado nessa sexta feira dia 12 de dezembro, medidas para combate a proliferação do covid-19, as medidas determinadas foram: 

• Escalonamento dos horários de funcionamento da indústria (a partir das 7h); dos serviços (a partir das 9h); e do comércio (a partir das 11h), para evitar aglomeração nos transportes públicos.

• Proibição de estacionamento na orla nos fins de semana e feriados;

• Cancelamento das áreas de lazer nas orlas de Copacabana, Ipanema e Leblon e no Aterro do Flamengo aos domingos e feriados (as pistas, portanto, não serão fechadas ao trânsito de veículos);

• Proibição do uso de áreas comuns de lazer em condomínios, onde não são usadas máscaras, como saunas e piscinas.

. Permissão para shoppings e Centros Comerciais ficarem abertos 24 horas, para evitar aglomerações nos meios de transporte.

A prefeitura informa que as ambulantes legais que ficam na orla receberão cesta básica enquanto as medidas provisórias durarem.

 Na nota oficial fala também que o governador e prefeito estão preocupados com o alto índice de transmissão das ultimas semanas, incentiva a usar máscara e lavar a mão com álcool gel, a nota fala que as medidas postas em prática visa proteger os cidadãos sem por em risco a economia. 

Os números da doença no estado é grande, são 184 mil casos e 13.844 mortes, nas últimas 24 horas o estado registrou 3.298 casos e 84 mortes. Em relação ao combate a doença, o s números são mais graves,  93% das UTIs estão lotadas e 87% das enfermarias. 436 pacientes estao aguardando leitos.

Regulamentação do FUNDEB estar marcado para essa semana


Governo tenta adiar a PEC para 2022, relatora debate e fala sobre apagão na educação no ano que vem

André Lucas

O Fundo de manutenção e desenvolvimento da Educação básica e valorização dos profissionais da educação(FUNDEB) um importante instrumento de distribuição de recursos da educação porque faz uma avaliação e um mapeamento das necessidades de cada região, atuando em prol do desenvolvimento da educação no país. Esse ano FUNDEB ganhou as manchetes dos jornais algumas vezes, quando o governo levou em consideração reduzir a verba complementar e dividi-la com o renda Brasil, o projeto do governo para substituir o Bolsa família. O Congresso aprovou  em agosto uma PEC (projeto de emenda a constituição) que torna o FUNDEB permanente, o texto já foi promulgado. Agora o próximo passo é Regulamentação do fundo é aprovar a regulamentação que estar pautando nas casas legislativas. Essa regulamentação é necessária para o governo destinar a verba no ano que vem, por isso a uma necessidade do texto ser votado ainda esse ano.

Na ultima quinta dia 10 de dezembro, a câmara aprovou o  projeto e encaminhou para o senado, como procedimento normal. O senador o senador Izalci Lucas (PSDB-DF),  disse que o presidente da Casa, Davi Alcolumbre, pautará o projeto para a próxima sessão, na terça-feira (15). 

O texto a ser votado define como será o repasse do recursos ao fundo, e tem uma meta até 2026. os deputados incluíram a possibilidade de destinação de 10% dos recursos do Fundeb para instituições filantrópicas comunitárias, confessionais e para educação profissionalizante, inclusive promovida por entidades do Sistema S (Senai e Senac) – já financiadas pela taxação de 2,5% sobre a folha de pagamento das empresas brasileiras. Esses valores são recolhidos com os tributos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O projeto planeja que até 2026 a complementação do  governo seja de 20% cerca de 33 bilhões de reais, atualmente a colaboração da União é de 10% cerca de 16 bilhões de reais, com isso o investimento por aluno até 2026 passará de 3,6 mil reais para 5.5 mil reais. A equipe econômica ainda busca uma forma de não repassar esse investimento, o presidente da República chegou a pedir para adiar a regulamentação para 2022, já o Ministro da economia disse que o projeto é incompleto pôs não diz de onde vai vim o dinheiro, congressistas  debatem e dizem que é papel do executivo definir da onde vem o dinheiro.

Paulo Guedes insisti em tentar usar a metade da complementação no renda Brasil, projeto bolsonarista para substituir o bolsa família. O Ministro convocou uma reunião com a relatora do texto, Professora Dorinha ( DEM) para tentar negociar, Guedes que colocar o Renda Brasil na PEC, já que estar fora do teto de gastos, porém o FUNDEB é um dispositivo que só permite sua aplicação na manutenção do ensino e na remuneração dos professores.  A deputada Dorinha explicou: 

“O ministério tem a ideia de fortalecer a educação infantil, que vem ao encontro do que a gente quer também, O que não pode é tirar da educação recursos que já são reduzidos. Mas, de maneira complementar, nós podemos trabalhar muito.”

A PEC será votada essa semana no senado é a expectativa é a aprovação, mas o governo ainda costura acordo com o centrão para adiar a regulamentação para 2022, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, explicou:

“O governo é a favor do Fundeb. Teremos um Fundeb com melhor desenho, mais eficiência e mais recursos. Não vamos tirar dinheiro, vamos aumentar a quantidade de recursos e queremos fazer da maneira mais eficiente possível”

A fala do secretário foi criticada pela deputada Dorinha:

“Significaria um ano de 2021 sem Fundeb. Com a proposta de entrar em vigor só em 2022, vamos ter um apagão na educação pública, porque o Fundeb responde por 63% do financiamento da educação básica”.       

E é no meio desse cenário de debates e críticas que a proposta vai para votação. A PEC estar marcada para entrar em pauta amanha (15) no Senado Federal. 

Eleitos em Maceió serão diplomados nesta quinta-feira de forma virtual


Edital com as instruções deverá ser publicado nesta terça-feira (14)

O cenário de pandemia provocou diversas mudanças na nossa realidade e com a política não seria diferente. Pela primeira vez a diplomação dos candidatos eleitos de Maceió no pleito de 2020 será realizada de forma virtual.  A Justiça Eleitoral marcou o evento para a próxima quinta-feira (17), a partir das 10h. 

O Juízo da 2ª Zona Eleitoral da Capital está sendo responsável pela organização da cerimônia. O edital com todas as instruções deve ser publicado na edição de amanhã (14), do Diário Oficial da Justiça Eleitoral. 

A regra determina que serão diplomados os eleitos para os cargos majoritários (Executivo), proporcionais (Câmara Municipal) e até o terceiro suplente de cada partido que elegeu ao menos um vereador nas eleições de 2020. A observação é que os candidatos têm até esta terça para apresentar a prestação de contas da eleição à 3ª Zona Eleitoral. 

Por isto, a diplomação alcança o prefeito eleito de Maceió, João Henrique Caldas, o JHC (PSB), o vice-prefeito eleito, Ronaldo Lessa (PDT), e os 25 vereadores que comporão a futura legislatura. São eles: Delegado Fábio Costa (PSB), Luciano Marinho (MDB), Kelmann (PODE), Chico Filho (MDB), Gaby Ronalsa (DEM), Francisco Sales (PSB), Fernando Hollanda (MDB), Davi Davino (PP), Galba Novaes (MDB), Aldo Loureiro (PP), Marcelo Palmeira (PSC), Oliveira Lima (Republicanos), Zé Marcio Filho (PSD), Brivaldo Marques (PSC), Siderlane Mendonça (PSB), Eduardo Canuto (PODE), Teca Nelma (PSDB), Olívia Tenório (MDB), Silvânia Barbosa (PRTB), Cal Moreira (PSC), Leornado Dias (PSD), João Catunda (PSD), Joãozinho (PODE), Samyr Malta (PTC) e Dr. Valmir (PT).

Prefeito eleito de Maceió, João Henrique Caldas. Foto: divulgação

Segundo o chefe do cartório da 2ª Zona Eleitoral, Teddie Menezes, todos os participantes receberão nos e-mails informados ao TRE o link para acesso à reunião virtual da diplomação. Além disso, apenas os envolvidos na cerimônia e a imprensa poderão acompanhar. O motivo da decisão é a restrição do número de participantes determinada pela plataforma utilizada.

O chefe do cartório, que também será o cerimonialista, falou sobre o evento e explicou que: “Como todo o processo será remoto, os diplomas aos eleitos serão enviados por e-mail. Os documentos vão ser assinados eletronicamente pelo juiz responsável. Se isto não acontecer até a quinta-feira, vamos marcar a data para o envio assim que os diplomas estiverem prontos”. 

Em outros momentos, quando este tipo de solenidade acontecia de forma presencial, pelo menos o candidato eleito na majoritária e um vereador tinham a oportunidade para falar em nome dos demais. Mas com a necessidade de adaptação, o evento deve ser rápido, durando no máximo uma hora, e vai depender do juiz eleitoral a concessão para discurso dos que vão ser diplomados.

Pedreiros, os construtores da civilização


O nome pedreiro teve sua origem do latim petrarium, ou seja, relativo às pedras

André Lucas

Já parou para pensar que a sua casa, sua escola, o hospital, a padaria, as estradas e todos os outros tipos de estruturas existentes foram construídas por pessoas? Indivíduos que com muito esforço e determinação construíram cidades. Os responsáveis pela transição do homem das cavernas para o civilizado, e tão importantes para o mundo que vivemos hoje, são chamadas de pedreiros.

A profissão de pedreiro é uma das mais antigas da história. No mundo Árabe, recebia o nome de “alvanel”, a pessoa que erguia paredes de alvenaria com pedras, tijolos ou outros materiais. O nome pedreiro teve sua origem do latim petrarium, ou seja, relativo às pedras.

A arte de construir chegou no Brasil por volta de 1500, junto com os portugueses, e aqui construíram seus primeiros anos grandes monumentos como, por exemplo, o Palácio de Nova Friburgo, e a Feitoria de Cabo Frio.

Na década de 1960, o então presidente da república, Juscelino Kubitschek, após a construção de Brasília em 1961, mandou fazer uma estátua em homenagem aos profissionais, para que todos lembrem da importância destes para a sociedade. Atualmente no país, a construção civil é uma das indústrias mais poderosas. O setor movimenta 10% do PIB e emprega 10 milhões de trabalhadores. Empresas gigantes como as Construtora Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Duratex, Construtora Oas, Delta Construção, Votoran, são exemplos desse nicho tão forte na economia nacional, outra empresa que se destaca na área da construção civil é o Senai, que oferece curso profissionalizante que cresceram muito nos últimos sete anos.

Segundo o dicionário Aurélio, o pedreiro é um profissional contratado ou avulso. Ele atua nas áreas ligadas à construção civil de obras públicas ou privadas, executando alvenarias exteriores e interiores em casas e edifícios; edificando a estrutura de edifícios, revestindo maciços de alvenaria, de pedra, tijolo ou outros materiais, utilizando diversas argamassas. A profissão tem seus direitos garantidos pela CLT, e possui o seu sindicato desde 1934 – Sinduscon.  O piso salarial da categoria estar por volta de 1.200 reais dependendo do estado, a média nacional estar em 2.010 reais.

Conhecendo o dia a dia deste profissional

Ex-pedreiro, Carlos Roberto de Oliveira Barroso, de 55 anos, pedreiro dos 26 aos 38 anos. 

O que é preciso para ser um bom pedreiro?

Carlos – Precisa muita vontade e disposição, tem que chegar na hora sempre, acordar bem cedo e tomar um bom café, usar bem as ferramentas e ter o máximo de atenção possível, o trabalho é perigoso e pode machucar sério, não só machucar o pedreiro, mais um erro pode levar risco para as pessoas que dependem daquilo que você construiu.

Qual a maior dificuldade da profissão?

Carlos – (Ele respondeu com um sorriso irônico). Acordar cedo e trabalhar duro né? O trabalho é bem pesado exige muito do nosso físico e disposição, agora imagina trabalhar duro assim 6:40 da manhã? Duro né?

Qual o maior prazer em ser pedreiro?

Carlos – É ver pronto. Todo seu esforço, trabalho, tempo e determinação resulta numa casa bonita, em um muro certinho, em um “chãozão” com pisos retos e bonitos, isso compensa a gente, melhor ainda quando o dono sorrir ou chora de emoção né, mas só de ver pronto já dá uma alegria enorme.

Nesse dia 13 de dezembro é o dia desse profissional importantíssimo para a história, o presente, e para o futuro da civilização, fica aqui nossa homenagem para todos os pedreiros do Brasil.

Eclipse solar total: como ver o fenômeno de 14 de dezembro no Brasil


Por 24 minutos, a lua nova vai passar sobre a face do Sol e cobri-lo completamente por pouco mais de dois minutos, mas visual deve variar de acordo com local de observação

Julia Vitória

Dia 14 de dezembro será um dia especial para quem é fã de astronomia, por vinte e quatro minutos a lua passará na frente do sol, esse fenômeno é chamado de eclipse solar. O evento poderá ser visto em vários países da América do Sul, inclusive o Brasil, contudo o  será mais visível no Chile e na Argentina. A astrônoma Tania Sales Marques explica que a lua vai passar pelo sol por vinte e quatro minutos e cobrirá ele completamente por dois minutos.

O chamado caminho da Lua faz com que o dia se transforme em noite por alguns minutos. Roberto Costa professor de astronomia do IAG e da USP, explica que o fenômeno só poderá ser visto parcialmente no Brasil. No rio Grande do Sul poderá ser visto o disco do sol encoberto pela lua cerca de sessenta por cento, no Paraná um pouco menos e São paulo e Rio de Janeiro somente quarenta por cento. o Segundo o professor o eclipse começará no final da manhã e terminará aproximadamente quatro horas da tarde. 

Mas para quem quiser ir ver esse evento o cuidado com os olhos deve rigoroso e com a pandemia o distanciamento é crucial.

Mas afinal o que é um eclipse solar total? É quando o sol e a lua se alinham de forma total de uma maneira que a luz do sol não chegue ao planeta.  lua muito menor que o sol cerca de 400 vezes, contudo ela parece maior porque está perto de nós e ela pode cobrir o disco do sol. quando isso ocorre no meio dia por exemplo causa uma grande escuridão por alguns minutos.

A ponta da América do sul ficará na escuridão completa por volta de meio dia, isso por causa do eclipse, a nasa transmitirá ao vivo o eclipse na América do Sul a partir das onze horas e quarenta minutos do dia 14 de dezembro.  Além do Brasil o fenômeno poderá ser visto parcialmente também no Peru, Bolívia, Uruguai e paraguai. Mas a visualização do eclipse será diferente dependendo do lugar onde a pessoa estiver isso por causa do horário exato do escurecimento do sol.

No Chile um dos locais onde o eclipse será total as áreas onde poderá ser melhor visualizado será na Araucanía Los Ríos e Biobío. Já na Argentina o fenômeno poderá ser visto no norte da Patagônia, a nasa agência espacial americana fala que o eclipse poderá ser observado também em algumas áreas dos oceanos Atlânticos e Pacifico sul além da Antártida, Sales afirma que pode acontecer de ter cinco eclipses solares em um ano, contudo o total só acontece a cada 18 meses.

Os próximos eclipses totais serão variados entre 2021 e 2027. Para acompanhar este fenômeno em segurança, é necessário utilizar óculos de sol ou  visores manuais especiais, sendo importante que estes filtrem 99%das luzes solar. Telescópios, celulares e binóculos também podem ser usados mas com a devida proteção. Devido ao coronavírus os deslocamentos territoriais são limitados.