Cena pós-créditos de Viúva Negra impacta o MCU; saiba como


Filme já está disponível nos cinemas e na Disney +

Thais Paim

A espera dos fãs pode ter fim após vários adiamentos, finalmente o filme solo da Viúva Negra chegou ao Brasil e marca o retorno de Scarlett Johansson ao papel de Natasha Romanoff, além de trazer uma empolgante cena pós-créditos.

A produção já está disponível tanto nos cinemas, quanto no Premier Access do Disney+ e sua estreia atingiu recordes nos Estados Unidos. 

Como sempre, o trecho planta sementes interessantes para o futuro e os questionamentos sobre como Viúva Negra impacta os próximos passos do Universo Cinematográfico da Marvel já começaram a surgir.

História da personagem 

O filme Viúva Negra é ambientado no passado da heroína, focando especialmente no período em que ela fugiu das autoridades após os eventos de Capitão América: Guerra Civil. Já a cena pós-créditos volta aos dias atuais e mostra Yelena Belova se despedindo de Natasha, sua “irmã mais velha”.

A personagem de Florence Pugh visita o túmulo da Viúva Negra, falecida durante a missão dos Vingadores em Ultimato. O momento tocante é interrompido pela Condessa Valentina Allegra de Fontaine, misteriosa personagem de Julia Louis-Dreyfus. Afirmando que só estava ali para “prestar homenagem” à Vingadora, ela propõe um trabalho para a espiã.

Quando Yelena pede um aumento, indicando que elas trabalham juntas para uma agência de espionagem, Valentina responde que ela vai conseguir graças ao próximo alvo. Alegando que quis fazer a oferta pessoalmente, Fontaine questiona se a jovem não quer a oportunidade de caçar o “homem responsável pela morte de sua irmã” e entrega uma foto do Gavião Arqueiro.

Apesar de não ser possível precisar o futuro, a cena indica que Yelena realmente irá participar da série do Gavião Arqueiro e que a jovem será uma das antagonistas da produção. Mesmo com essa confirmação, não é possível saber se ela irá aceitar ou não caçar Clint, já que sua irmã tinha uma relação de amizade tão próxima com o herói

Por outro lado, esse momento também confirma que a Condessa Valentina Allegra de Fontaine terá um papel fundamental no desdobramento das próximas Fases do MCU. Considerando que ela trabalha para uma organização ainda misteriosa, é possível que a personagem seja pela formação dos Thunderbolts no MCU. 

Outra possibilidade, é que ela acabe formando os Vingadores Sombrios. Nas HQs, essa equipe foi reunida por Norman Osborn, que se tornou chefe do M.A.R.T.E.L.O. — organização que substituiu a S.H.I.E.L.D. após sua queda. 

Considerando que Val já tem um “Capitão América do mal” nas mãos, é possível que ela esteja promovendo uma versão alternativa dos Vingadores. Especialmente porque não se sabe se a equipe ainda existe após os eventos de Vingadores: Ultimato.

Apesar de todas as suposições e possíveis futuros para o universo, no momento só resta aguardar o próximo lançamento da série Gavião Arqueiro que está previsto para 2022. 

Fonte: Jovem Nerd 

Gosta de filmes de herói? Veja quais vão estrear em 2021


Com 2020 sendo um ano muito difícil para o cinema, já que muitas produções precisaram sofrer alterações em decorrência da pandemia do novo coronavírus, o universo dos heróis também não ficou de fora desses prejuízos. 

Vários títulos precisaram ser adiados, como o caso de Viúva Negra que, ao sofrer atraso em seu lançamento, fez com que o ano passado fosse o primeiro em dez anos que não houve estreia de um filme da Marvel, um fato histórico em um ano de tantas mudanças e adaptações. 

Apesar disso, alguns longas já voltaram a estrear, como é o caso da Mulher-Maravilha 1984, da DC, que chegou aos cinemas em dezembro de 2020.  Mesmo o lançamento tendo representado o ato de matar um pouco da saudade de produções do gênero, tem recebido diversas críticas pelo seu roteiro. 

Então, se você assim como muitos, está ansioso para que o ano de 2021 possa trazer diversas estreias de filmes de herói, confira a lista com os lançamentos desse ano. Lembrando que as datas ainda podem sofrer alterações já que o cenário ainda não está normalizado. 

Snyder Cut de Liga da Justiça

Zack Snyder deixou a direção de Liga da Justiça, que foi terminado por Joss Whedon. Agora, depois da comoção dos fãs, a Warner lançará o Snyder Cut, a versão de Zack Snyder do filme da DC. A exibição será feita pela HBO Max e será dividida em quatro partes, de uma hora cada.

Março 2021 (EUA)

Morbius

Com Jared Leto como protagonista, Morbius foca no vilão do Homem-Aranha que, ao procurar a cura para uma doença sanguínea, acaba se transformando em um vampiro vivo. O elenco conta também com Jared Harris, Tyrese Gibson e Matt Smith.

18 de março de 2021

Viúva Negra

Estrelado por Scarlett Johansson, o filme da Marvel aborda os segredos de Natasha Romanoff e mostra detalhes do passado da Viúva Negra. David Harbour, Florence Pugh e Rachel Weisz completam o elenco.

7 de maio de 2021 (EUA)

Venom: Tempo de Carnificina

Dirigido por Andy Serkis, a sequência traz Tom Hardy novamente ao papel do principal, assim como Michelle Williams. Ainda não se sabe muitos detalhes sobre a trama, apenas que Woody Harrelson será Cletus Kasady, conhecido como o supervilão Carnificina.

24 de junho de 2021

Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings

O filme da Marvel sobre o Mestre do Kung Fu é dirigido por Destin Cretton e conta com o roteiro de Dave Callaham, de Mulher-Maravilha 1984. O longa é estrelado por Simu Liu, que vive Shang-Chi, e também conta com as atuações de Awkafina e Tony Leung.

9 de julho de 2021 (EUA)

O Esquadrão Suicida

A continuação de O Esquadrão Suicida (2016) é dirigida por James Gunn e conta com o retorno de Margot Robbie ao papel de Arlequina e Viola Davis como Amanda Waller. De novos nomes, o longa da DC tem Idris Elba, John Cena, Alice Braga e até mesmo Sylvester Stallone.

5 de agosto de 2021

G.I. Joe Origens: Snake Eyes

Estrelado por Henry Golding, o filme foca na relação entre Snake Eyes e Storm Shadow, vivido pelo ator Andrew Koji. A direção é de Robert Schwentke e conta com Samara Weaving, Úrsula Corberó, Haruka Abe, Iko Uwais e Takehiro Hira no elenco.

22 de outubro de 2021

Os Eternos

Dirigido por Chloé Zhao, o filme da Marvel sobre os protetores da Terra chama a atenção por seu grande elenco, composto por: Richard Madden como Icharus, Angelina Jolie como Thena, Salma Hayek como Ajak, Bryan Tyree Henry como Phastos, Lia McHugh como Sprite, Don Lee como Gilgamesh, Lauren Ridloff como Ikari, Kit Harrington como Cavaleiro Negro e Kumail Nanjiani como King. Ufa!

5 de novembro de 2021 (EUA)

Homem-Aranha 3

Terceiro filme solo do Homem-Aranha estrelado por Tom Holland, o longa conta com o retorno de Jamie Foxx ao papel do Electro, além de Benedict Cumberbatch como o Dr. Estranho. Ainda não há muitos detalhes da trama, mas rumores apontam para a criação do tão esperado Aranhaverso no MCU.

Vai ficar em casa? Veja os melhores filmes em streaming para assistir nesse fim de ano


Seleção promete muita emoção 

Thais Paim

Esse fim de ano promete ser diferente de todos que já vimos e a pandemia do coronavírus e o distanciamento social tem uma parcela bem grande de responsabilidade nisso. 

Então se você é um dos muitos que em 2020 acompanhará a chegada de um novo ano em casa e sem muitos festejos, essa seleção de filmes promete alegrar o seu fim de ano e tornar ainda melhor a experiência no conforto da sua casa. 

Todo o conteúdo selecionado está disponível na NetflixAmazon e Disney +

Veja a lista completa abaixo: 

SOUL

Disponível no Streaming do: Disney +

Diretores: Pete Docter e Kemp Powers

Elenco: Jamie Foxx, Tina Fey, Alice Braga e Angela Bassett.

Soul é o filme mais maduro da Pixar. O estúdio te devastou emocionalmente com filmes sobre aventureiros geriátricos (Up) e brinquedos (Franquia Toy Story) e agora aborda algo um pouco mais intangível: a vida após a morte. Comentários na internet prometem muitas lágrimas durante a animação. 

SOUND OF METAL

Disponível no Streaming da: Amazon Prime Video

Diretor: Darius Marder

Elenco: Riz Ahmed, Olivia Cooke e Paul Raci.

Um dos melhores filmes do ano é Sound of Metal, que está no streaming da Amazon Prime. O drama independente é estrelado por Riz Ahmed como um baterista que repentinamente perde a audição e é forçado a mudar de vida.

A VOZ SUPREMA DO BLUES

Disponível no Streaming da: Netflix

Diretor: George C. Wolfe

Elenco: Viola Davis, Chadwick Boseman, Glynn Turman, Colman Domingo e Michael Potts

A Voz Suprema do Blues conta uma história ocorrida na Chicago de 1927, onde o clima fica tenso quando a pioneira Mãe do Blues se reúne com sua banda em um estúdio de gravação. O filme é baseado na peça teatral de August Wilson.

MANK

Disponível no Streaming da: Netflix

Diretor: David Fincher

Escritor: Jack Fincher

Elenco: Gary Oldman, Amanda Seyfried, Lily Collins, Tom Pelphrey e Charles Dance

David Fincher aborda a Hollywood dos anos 1930 em seu filme original para Netflix. Mank, conta a história tumultuosa de Herman J. Mankiewicz, roteirista da obra-prima icônica de Orson Welles, “Cidadão Kane” e sua luta contra Welles pelo crédito do texto do grandioso longa. 

SMALL AXE

Disponível no Streaming da: Amazon Prime Video

Diretor: Steve McQueen

Elenco: John Boyega, Sheyi Cole, Shaun Parkes, Kenyah Sandy e Letitia Wright.

Small Axe é uma antologia de cinco filmes do diretor Steve McQueen. Cada um dos cinco filmes é baseado em histórias reais de opressão e de orgulho.

MULAN

Disponível no Streaming da: Disney +

Diretora: Niki Caro

Elenco:  Liu Yifei, ‎Donnie Yen‎, ‎Jason Scott Lee e Jet Lee.

Mulan se afasta do conteúdo original para contar uma história mais fiel a lenda. Essas mudanças fazem o longa funcionar como uma releitura da clássica animação, o que pode frustrar alguns fãs. Mas entre os acertos e erros de narrativa o saldo é positivo e deve agradar.

O dublador Raphael Rossatto


Ele tem 30 anos, é ator, cantor (um dos fundadores da banda de pop rock Jack B) e dublador e sua voz é inconfundível. Estamos falando do carioca Raphael Rossatto, que ficou conhecido por emprestar a voz para Flynn Rider (José Bezerra) nas canções do Filme “Enrolados” da Disney.  Ele também foi a voz de Kristoff em “Frozen”, de Peter Quill, o Senhor das Estrelas (Chris Pratt) nos filmes Guardiões da Galáxia, Cisco Ramón em “The Flash”, e muitos outros personagens. Rossatto recebeu gentilmente a reportagem do Blog Carvalho News para falar do “mágico” mundo da dublagem.

Raphael Rossato3
Raphael Rossatto Fotos: divulgação

 

Carvalho News – O que o levou a se tornar um dublador?

Raphael Rossatto – Sou de família circense, sempre atuei como palhaço desde criança, acrobacias, apresentava o espetáculo junto com meu pai, entã aprendi a usar e colocar a minha voz desde cedo. Em duas ocasiões me abordaram perguntando se eu era dublador. Fiquei curioso e descobri um curso de dublagem perto de onde estava trabalhando naquela época, o Vamos fazer arte, do meu querido Cláudio Galvan. Apareci para fazer uma aula de experiência com a minha mestra na dublagem, Mabel Cesar, e me apaixonei, a partir dali eu soube que era uma coisa que queria fazer pra sempre, é apaixonante.

CN – Como foi o início de sua carreira?

Raphael Rossatto– Costumo dizer que dei muita sorte, pois tudo aconteceu muito rápido, o que não ocorre normalmente nesse ramo.O Cláudio Galvan, assim que terminei o curso de dublagem, me convidou para ir com ele em alguns estúdios de dublagem para conhecer como as coisas funcionavam na prática e me apresentar. O último que visitei foi a Delart, lembro que nesse dia estavam dublando Lost, quem estava dirigindo era o Mário Jorge, e lá na sala estava presente outro mestre, Garcia Junior, que na época era o responsável pela dublagem da Disney Brasil. O Claudio me apresentou, disse que havia terminado o curso de dublagem, que além de ator eu também era cantor e que estava pronto pra começar a trabalhar. O Garcia pediu algumas gravações minhas cantando, pois sempre estavam precisando novos cantores para gravar as canções, e por sorte eu tinha algumas trilhas gravadas. Enviei e, pouco tempo depois, ele me convidou para fazer o teste para uma canção de um longa da Disney, Enrolados. Fiz e fui aprovado, logo em seguida também me convidou para fazer o teste para dublar o protagonista, Flynn Rider. Fiz e passei também. Fiquei muito feliz pois meu primeiro trabalho seria cantando e dublando o protagonista de um filme da Disney. Mas pouco tempo antes de dublar, chegou a notícia de que o marketing da Disney tinha escolhido o Luciano Huck para dublar o personagem, mas que eu ainda gravaria as canções. Foi assim que entrei nesse universo mágico, a partir dali o Garcia me indicou para o Manolo Rey e logo comecei a dublar com ele outra série da Disney chamada Shake it up, e foram me indicando e em pouco tempo estava dublando em quase todos os estúdios e fazendo meus primeiros protagonistas.

Raphael Rossato4

CN – Para quais personagens já emprestou sua voz?

Raphael Rossatto – Vou citar alguns, pois são muitos ao longo de sete anos de dublagem. Em filmes dublei o Augustus Waters em A culpa é das estrelas, recentemente o Will Traynor em Como eu era antes de você, Peter Quill (Senhor das estrelas) em Guardiões da Galáxia, Óh em Cada um na sua casa, Adam em Se eu Ficar, Alex em Simplesmente acontece, Flynn Rider (cantando) em Enrolados, Kristoff em Frozen, Guy em Os Croods, Finnick Odair em Jogos Vorazes, Cavaleiro Solitário em O Cavaleiro Solitário, Owen em Jurassic World… e em séries, dublo o Ezra Fitz em Pretty Little Liars, Aethewulf em Vikings, Cisco Ramón em The Flash, Ty Rux em Dinotrux, sou a nova voz do Pokedéx em Pokemón, Hendrickson em Nanatsu no Taizai, Kieran na série Scream, Danny na nova série da Sony The Catch, Dave Rose em Happy endings, e tem mais, rs

raphael-rossatto-daniel-arenas
Rossatto é a voz de Daniel Arenas de “A Gata” e “Coração Indomável”, do SBT.

CN –  A dublagem brasileira é uma das melhores do mundo?

Rossatto – Sempre foi considerada, e merecidamente. Temos os melhores profissionais nesse ramo e isso é indiscutível. Em vários casos, nem consigo mais ver o filme legendado, pois dependendo de quem seja o ator, a voz e a interpretação na dublagem ficam muito melhores e mais engraçadas que o original.

CN – Como você avalia o mercado de dublagem no Brasil, nos dias atuais?

Rossatto – A dublagem vem crescendo consideravelmente. Hoje em dia,  quase todos os produtos são dublados, a demanda é enorme, e como cada vez mais a dublagem tem se tornado notícia. É natural que a procura por esse mercado tenha crescido também, mas junto com isso aumenta também a picaretagem, como em qualquer ramo. Muita gente desqualificada abrindo cursos, iludindo e preparando mal os novos dubladores, muitos estúdios novos abrindo em vários cantos do país, o que não seria problema se tivesse gente competente a frente disso, o que não é o caso. Estúdios picaretas que não pagam bem os diretores e por isso colocam qualquer um que aceite ganhar migalhas pra trabalhar. Essas coisas enfraquecem o nosso trabalho, com diretores ruins, não adianta trabalhar com dubladores bons, o trabalho fica comprometido, Nós também não aceitamos trabalhar nessas condições, o que levam os estúdios ruins, com diretores ruins a procurar dubladores novos, desinformados e despreparados, que pela gana e tesão de começar a trabalhar, aceitam qualquer coisa. A posição do diretor é muito séria, ele não tem só que dizer se a fala ficou curta ou longa, ele precisa ter muito conhecimento, de línguas, de cultura geral, precisa conhecer bem os dubladores e as vozes com quem vai trabalhar, pois muitas coisas são mudadas na hora em que gravamos, existem termos, coisas que desconhecemos, e o diretor precisa ter inteligência, sagacidade e conhecimento para dar uma solução eficaz quando encontramos esse tipo de problemas. Queremos muito encontrar uma forma de combater esse tipo de coisa, pois realmente estão sucateando a nossa profissão, e isso não é bom para ninguém, nem para nós que vivemos disso e levamos muito a sério, e muito menos pro consumidor, que gosta e valoriza nosso trabalho.

Raphael Rossato5
Em um momento de descontração Foto: arquivo pessoal

CN – Como sua “herança” circense o auxilia na composição de seus personagens?

Rossatto  – Nasci e morei no circo até meus 20 anos. A vivência desde criança, a forma como aprendi a lidar com o público, e o jeito lúdico e desprendido como atuamos lá me prepararam muito para ser quem sou hoje, em todos os aspectos, no teatro, na dublagem, na música e na vida. Assim como a dublagem, o circo é uma grande escola, temos momentos bons e muitos ruins, passamos perrengues atrás de perrengues, é uma vida extremamente gostosa, mas muito sacrificante. Não tenho dúvidas de que se hoje gostam do meu trabalho como ator e dublador, eu devo muito ao circo por ter me preparado dessa forma. Acho que é mais fácil encarar os desafios impostos hoje, pessoais ou profissionais, por ter enfrentado tantos outros a vida inteira.