Operação contra fake news vai ao encontro de ações do TSE que pedem cassação de Bolsonaro


De acordo com reportagem publicada no jornal Folha de São Paulo, as provas colhidas pela Polícia Federal (PF) na operação do último dia 27podem trazer novos elementos às ações no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e fortalecer os processos que analisam os pedidos de cassação da chapa de Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão por eventuais crimes eleitorais.

Na operação contra os apoiadores do presidente Bolsonaro, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, quebrou os sigilos fiscal e bancário do empresário Luciano Hang (Velho da Havan) suspeito de financiar a disseminação de notícias falsas durante as eleições de 2018.

Assim, evidências encontradas pela PF em endereços de aliados do governo podem ajudar a desvendar se o suposto esquema de propagação de fake news usado na campanha eleitoral foi mantido após a vitória de Bolsonaro e trazer novos elementos às ações do TSE.

Moraes é o relator do inquérito que apura a veiculação de notícias falsas e ameaças a ministros do STF. Ele determinou perícias nos dados financeiros de alvos da operação a partir de 2018.

Durante o segundo turno das eleições de 2018, a  Folha publicou reportagem acusando correligionários de Bolsonaro por disparos em massa de centenas de milhões de mensagens, prática vedada pelo TSE. O esquema foi financiado por empresários sem a devida prestação de contas à Justiça Eleitoral, o que pode configurar crime de caixa dois.

As informações se transformaram em duas ações em tramitação no TSE, apresentada por PT e PDT e ainda em tramitação. Elas apuram um esquema específico do período eleitoral de disseminação de fake news.

A decisão de Moraes pode trazer novos elementos a essas ações, que não tinham quebrado o sigilo de empresários investigados na corte eleitoral. Nas representações, os partidos de oposição apontam como o principal financiador da prática Luciano Hang,  um dos alvos da operação autorizada por Moraes.

Bolsonaro e Haddad disputam o segundo turno


O resultado do primeiro turno das eleições 2018 confirmou a vitória parcial de Jair Bolsonaro, com 46%, dos votos. O segundo lugar ficou Fernando Haddad, que conquistou 29,3%. Ciro Gomes ficou com 12,5%.

Veja abaixo como cada um desses três candidatos se destacou em cada região do Brasil.

– Centro-Oeste: 58% Bolsonaro, 21% Haddad, 10% Ciro.

– Nordeste: 26% Bolsonaro, 51% Haddad, 17% Ciro.

– Norte: 43% Bolsonaro, 37% Haddad, 9% Ciro.

– Sudeste: 53% Bolsonaro, 19% Haddad, 12% Ciro.

– Sul: 57% Bolsonaro, 20% Haddad, 9% Ciro.

– Exterior: 59% Bolsonaro, 10% Haddad, 14% Ciro.

Demais resultados

Geraldo Alckmin, 4,76%

João Amoedo, 2,51%

Cabo Daciolo, 1,26%

Henrique Meirelles, 1,20%

Marina Silva, 1,00%

Álvaro Dias, 0,80%

Guilherme Boulos, 0,58%

Vera Lúcia, 0,05%

José Maria Eymael, 0,04%

João Goulart Filho, 0,03%

Votos válidos, 91,22%

Votos brancos, 2,65%

Votos Nulos, 6,13%

Pelas intenções de voto Bolsonaro vence


As eleições serão realizadas no dia de hoje. Os eleitores brasileiros vão escolher deputados estaduais e federais, senadores, governadores e presidente da república. De acordo com informações do Ibope Inteligência a última pesquisa de intenção de votos para a Presidência da República antes do pleito, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) tem 41% dos votos válidos e Fernando Haddad (PT) soma 25%. Ciro Gomes (PDT) tem 13% e Geraldo Alckmin (PSDB), 8%.  Marina Silva (Rede) e João Amoêdo (Novo) aparecem com 3% cada um. Henrique Meirelles (MDB), Cabo Daciolo (Patriota), Alvaro Dias (Podemos) registram 2% cada. Guilherme Boulos (PSOL) tem 1%. Vera Lúcia (PSTU), João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram.

Os votos válidos não consideram os votos em branco, nulos e indecisos. Para vencer em primeiro turno, o candidato pecisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

De acordo com o Ibope, nos votos totais (considerados brancos, nulos e eleitores indecisos), Bolsonaro atinge 36%, Haddad, 22%; Ciro, 11%; Alckmin, 7%; e Marina, 3%.

Amoêdo, Meirelles e Cabo Daciolo têm 2% cada. Alvaro Dias e Boulos, 1%. Vera Lúcia, João Goulart Filho e Eymael não pontuaram. Brancos e nulos somam 7%. Não sabem ou não responderam 5%. O nível de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Já no segundo turno

A pesquisa do instituto revela uma eventual disputa em 2° turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, o candidato do PSL teria 45% dos votos e Haddad, 41%. Brancos e nulos somam 12% e não sabem, 3%. Se o segundo turno fosse entre Ciro e Bolsonaro, Ciro venceria com 45%, Bolsonaro teria 41%, com 11% de votos em branco ou nulo e 2% não declararam.

Um disputa entre Alckmin e Bolsonaro, o tucano teria 40% e Bolsonaro, 43%. Nessa hipótese, 14% dos entrevistados declaram voto em branco ou nulo e 3% preferiram não declarar.

Jair Bolsonaro (46%) venceria em um eventual confronto com Marina (36%). Nesse cenário,15% dos entrevistados declaram voto em branco ou nulo e 3% preferiram não declarar.

O levantamento do Ibope foi realizado nos dias 5 e 6 de outubro e ouviu 3.010 eleitores. A pesquisa foi contratada pela TV Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral.

Fonte: Agência Brasil