ENEM 2021: maior abstenção da história


Coordenadores citam medo e falta de preparo para explicar o alto índice de faltas

André Lucas

O ENEM ( Exame Nacional do Ensino Médio) registrou a maior taxa de desistência da história, mas 50 % dos candidatos não foram fazer o exame esse ano. A principal justificativa é o medo do Covid 19, que fez com que muitos alunos evitassem fazer a prova esse ano para não se colocar em aglomeração. 

A taxa de desistência nessa primeira fase foi a maior da história, no ano passado por exemplo o registro foi de 27% de candidatos que optaram por não ir fazer a prova. 

Segundo o coordenador do curso Anglo, Madson Molina, a ausência dos candidatos inscritos pode ser explicada por basicamente três fatores: a insegurança provocada pelas mudanças impostas pela pandemia, o receio dos estudantes em contrair a covid-19 e o fato de que algumas instituições de ensino optaram por não utilizar a nota do Enem como entrada para seus vestibulares específicos. 

Efeitos da pandemia de covid-19

O coordenador explicou  que o fato dos estudantes principalmente do 3° ano no ensino médio terem sido muito impactados pela crise do covid 19 e consequentemente as aulas paralisadas durante a pandemia. Os alunos desistiram da prova por não se sentirem seguros e preparados para  o grande dia.  

Outro motivo é a insegurança em relação a uma possível exposição ao novo coronavírus. Além de os estudantes terem que ficar na mesma sala com outros candidatos durante várias horas, há ainda a questão do deslocamento, que também implica um risco.  

Madson esclarece que na prática o que muda é o aumento da chance na hora de concorrer as vagas. Através do vestibular o sistema usa as notas dos participantes para construir um Ranking e as maiores notas ficam no topo. 

Os primeiros colocados conseguem as vagas, e os últimos são de certa forma desclassificados (apesar de poder usar a nota para conseguir bolsas em faculdades privadas). 

Com poucas pessoas participando o Ranking fica menor e assim menos competitivos permitindo que alunos com notas mais baixas que a comum conquiste a tão sonhada vaga na faculdade. 

“Pode ocorrer, por exemplo, de alguma instituição não impor uma nota mínima para um determinado curso. Nesse caso, como a quantidade de vagas é fixa e tem-se uma população menor, é muito provável que a nota de corte abaixe”, afirma o pedagogo. 

A denúncia dos alunos que ficaram barrados no corredor

Alunos denunciaram as medidas de segurança que barravam alunos das salas por superlotação. Na internet são diversos os posts de alunos frustrados e revoltados por conta da situação. 

Para o pesquisador Fernando Cassio, houve um subdimensionamento das estruturas dos locais de prova pelo Inep e instituições aplicadoras como Cesgranrio e Fundação Getúlio Vargas. “Foi um erro gravíssimo.” 

Na análise de Fernando a Medida de segurança foi no mínimo amadora, e colocou em risco a lisura do exame,  “Eles mandaram gente pra casa e não têm registros formais para a ação, já que tudo foi feito no improviso. Qual a garantia de que eles conseguirão diferenciar quem de fato se ausentou, de quem se atrasou, ou de quem foi e voltou?

A redação do Enem pode ser o diferencial


Com regras bem específicas a redação do Enem pode ser o terror dos candidatos

Julia Vitoria

Além das perguntas que serão respondidas os candidatos que farão a prova do Enem  neste domingo dia 17 os estudantes também irão encarar a redação, que com critérios de correção bem específicos pode ser o diferencial na nota dos alunos. O professor e fundador do Laboratório de Redação, Adriano Chan fala que não terá grandes mudanças na redação, os estudantes devem partir do tema pressuposto junto aos textos motivadores que não poderão ser copiados e então fazer uma redação dissertativa argumentativa, com uma proposta de intervenção para o problema apresentado no texto.

O professor  fala que é um equívoco o estudante pensar que precisa saber bem o tema, para ele o aluno deve saber ler bem e intérpretar o que está sendo pedido nos textos motivadores e na proposta principal do tema. 

Segundo a professora Tatiana Nunes Câmara, de língua portuguesa e produção textual do Colégio Mopi, a estrutura não altera, o que muda são os argumentos que o estudante usará para compor o texto, ela acredita que quando o estudante sabe a estrutura do texto ele consegue condiz melhor com a redação.

Alguns professores ressalta a importância dos estudantes treinaram a redação de de forma manuscrita, devido a pandemia do coronavírus, este ano as aulas foram onlines e os alunos entregaram a redação de forma digitada não treinando a função motora, é importante que o estudante treine bastante para conseguir administrar o tempo, este ano também os estudantes deverão usar máscaras, um dos itens obrigatórios para fazer a prova devido às condições do país. Para a professora  Tatiana escrever de máscara é diferente e os estudantes devem revisar as redações já feitas e pesquisar sobre os temas que estão sendo comentados. 

Os estudantes podem acessar a cartilha de redação do Enem 2020 publicada pelo Inep, nesta cartilha estão os critérios de correção e exemplos de degradação que tiraram nota mil no exame de 2019. As relações passam por cinco competências na hora de serem corrigidas elas são: demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa; compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; e elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos. 

Cada prova é avaliada por todos corretores e se a diferença de pontos for muito alta um terceiro corretor é acionado caso ainda haja muita diferença uma banca de corretores avaliam o texto.

Para participar dos programas do governo com a nota da prova os alunos não podem zerar a redação, os critérios que podem anular a nota são: 

fuga total ao tema;

não obediência ao tipo dissertativo-argumentativo;

Navegar

Busca

Geral

Entretenimento

Economia

Saúde

Trabalho

Polícia

Política

Esportes

Vídeos

Colunas

Cidades

Blogs

ECONOMIA

MAIS NOTÍCIAS 

ESPECIAL

Carreiras e Profissões

Caminhos do Desenvolvimento

Transformação Digital

Nova Previdência

Especial Mercado Imobiliário

Saque do FGTS

Marcas Ícones 2020

SAÚDE

MAIS NOTÍCIAS 

ESPECIAL

Especial Mente e Corpo

POLÍTICA

MAIS NOTÍCIAS 

TRABALHO

MAIS NOTÍCIAS 

FV Currículos

GERAL

MAIS NOTÍCIAS 

Instituto Américo Buaiz

Publicidade Legal

ESPECIAL

Tragédia em Brumadinho

Riquezas de Norte a Sul

Especial Mulher

Especial Torta Capixaba

Especial Educação

Adote uma Causa

Chuva no Espírito Santo

Meio Ambiente

Conflito EUA X IRÃ

Coronavírus

Cidades: O Novo Normal

Helio Dórea – 65 Anos De Colunismo Diário

MULTIVERSO CORPORATIVO

Quero Ser

Quero Ter

Quero Aparecer

Quero Voltar a Vencer

ENTRETENIMENTO

MAIS NOTÍCIAS 

HOTSITES

Mais Doce

ESPECIAL

Conexão Verão

Carnaval 2020

POLÍCIA

MAIS NOTÍCIAS 

ESPORTES

MAIS NOTÍCIAS 

ESPECIAL

Geração Gamer

Circuito Rede Vitória de Tênis

Circuito Rede Vitória de Golf

VÍDEOS

MAIS VÍDEOS 

TV VITÓRIA

ES no Ar

Balanço Geral

Fala ES

Cidade Alerta

Jornal da TV Vitória

FOLHA VITÓRIA

De Olho no Poder

ELEIÇÕES 2020

Pesquisa eleitoral: análise de cenário

COLUNAS

SOCIAIS

Helio Dórea

Andrea Pena

ECONOMIA

Mundo Business

Imóvel Para Você

ENTRETENIMENTO

Resenhando

BLOGS

GERAL

Livre Pensar

Empregos e Concursos

Mídia & Mercado

Pet Blog

Vem Ler Comigo

Direito ao Direito

Bem Pensado

Viva Mais

Educatech

Momento Décor

Gente e Gestão

Virginia Pelles

Português em Dia

Priorize Você!

Economia Circular

Radar

ENTRETENIMENTO

Na Balada

Espaço Gourmet

Folhinha Kids

ECONOMIA

Carro, Moto e Cia

Gestão e Resultados

Faz a Conta

SAÚDE

Mente Sã

Em Forma!

POLÍTICA

De Olho no Poder

Esplanada

Guia Eleições 2020

ESPORTES

Corrida de Rua

Louca por Esportes

No Pique

CIDADES

Domingos Martins

Guarapari

CLICARROS

IR PARA O SITE 

GERAL

Enem: conheça os critérios de correção da redação

Com regras específicas de correção, redação pode ser o diferencial

Redação Folha Vitória

13 de Janeiro de 2021 às 06:06

Atualizado 13/01/2021 06:06:33

Foto: Divulgação

No domingo (17), milhões de estudantes de todo o país farão a primeira prova da edição impressa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Além de responder às questões objetivas de linguagens e ciências humanas, os participantes farão a prova de redação, a única parte subjetiva do exame. Com critérios específicos de correção, a redação pode ser o diferencial na nota dos estudantes.

“A primeira coisa é que a prova não vai ter grandes mudanças na redação”, diz o professor e fundador do Laboratório de Redação, Adriano Chan. Na prova, os estudantes devem, a partir do tema proposto e dos textos motivadores – que não podem ser copiados – escrever um texto em prosa do tipo dissertativo-argumentativo. Os participantes devem defender uma tese, ou seja, uma opinião a respeito do tema proposto, apoiada em argumentos consistentes. Devem também elaborar uma proposta de intervenção social para o problema apresentado no desenvolvimento do texto.

“É um equívoco o aluno acreditar que precisa saber bem do tema. Tem que saber ler bem o que está na proposta, identificar os desafios que estão na proposta em relação ao tema principal. Isso é muito importante. Não é achar qualquer problema, mas um problema dentro do universo proposto e relacionar esse desafio com o conteúdo adquirido e aprendido”, afirma Chan.

“A estrutura não muda, o que vai alterar é a argumentação que o estudante vai ter que construir em função do tema. Eu acredito que quando o aluno conhece bem a estrutura da redação, o tema que vier ele vai conseguir fazer”, diz a professora Tatiana Nunes Câmara, de língua portuguesa e produção textual do Colégio Mopi.

Para os professores, os estudantes devem, na reta final para a aplicação do exame, treinar a escrita, em papel, como será feito no dia da prova, usando máscara de proteção facial, item obrigatório este ano por causa da pandemia do novo coronavírus. “[Com as aulas sendo realizadas de forma remota], geralmente o estudante tem de entregar a redação digitada e não está treinando a questão do exercício motor de escrever a redação. É importante que o aluno faça o treino da escrita no papel, até para que não seja pego de surpresa em relação ao tempo”.

“Escrever de máscara é diferente. Recomendo treinar a redação de máscara, contando o tempo”, acrescenta Tatiana. “Seria interessante agora revistar as redações que fizeram e foram corrigidas pelos professores, para que possam dar uma olhada na estrutura e nas orientações. Acho que também vale a pena observar temas que as pessoas têm falado ou assuntos que estão mais em voga, fazer uma espécie de retomada desses enfoques temáticos”, sugere.

Correção

Para ajudar no preparo para a prova, os estudantes podem acessar a cartilha da redação do Enem 2020, divulgada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Na cartilha, estão detalhados os critérios de correção da redação e como é feita essa correção. Estão disponíveis também exemplos de redação que tiraram a nota máxima, nota 1 mil, na edição do Enem de 2019.

Este ano, o Inep divulgou também, de forma inédita, as apostilas de capacitação dos corretores de redação, elaboradas para a edição de 2019. Assim, é possível saber o que os corretores levam em consideração na hora de atribuir notas às provas.

As redações do Enem são avaliadas em cinco competências, cada uma vale 200 pontos: demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa; compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; e elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Cada prova passa por dois corretores. Caso haja uma diferença de mais de 100 pontos em relação à nota total da prova ou de mais de 80 pontos em relação a alguma das competências, o texto passa, então, por um terceiro corretor. Se a diferença persistir, a prova é avaliada por uma banca composta por três professores, que atribuiu a nota final do participante.

Motivos para nota zero

Para participar de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece vagas em instituições públicas de ensino superior, e o Programa Universidade para Todos (ProUni), que concede bolsas de estudo em instituições privadas de ensino superior, é necessário não ter tirado zero na redação. A redação receberá nota zero se apresentar uma das características a seguir:

 fuga total ao tema;

não obediência ao tipo dissertativo-argumentativo;

extensão de até sete linhas manuscritas, qualquer que seja o conteúdo, ou extensão de até dez linhas escritas no sistema Braille;

cópia de texto(s) da Prova de Redação e/ou do Caderno de Questões sem que haja pelo menos oito linhas de produção própria do participante;

impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação, em qualquer parte da folha de redação;

números ou sinais gráficos sem função clara em qualquer parte do texto ou da folha de redação;

parte deliberadamente desconectada do tema proposto;

assinatura, nome, iniciais, apelido, codinome ou rubrica fora do local devidamente designado para a assinatura do participante;

 texto predominante ou integralmente escrito em língua estrangeira;

folha de redação em branco, mesmo que haja texto escrito na folha de rascunho; e texto ilegível, que impossibilite sua leitura por dois avaliadores independentes.

Neste ano, cerca de 5,8 milhões de estudantes estão inscritos para realizar a prova, devido a pandemia foram criadas duas provas, impressas e digitais, impressas serão aplicadas nos dias 17 e 24 de janeiro e as digitais nos dias 31 e 7 de fevereiro.

As medidas de segurança para a prova contará com o número reduzido se estudante por sala isso de máscaras obrigatórias sendo que o estudante pode ter risco de ser eliminado caso não use e o álcool em gel ficará disponível em todos os ambientes de aplicação da provas.

Secretário da Saúde da Bahia diz que atual comportamento da pandemia impede realização do Enem


Posicionamento foi compartilhado através das redes sociais

Thais Paim

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está se aproximando e a pressão para que a prova seja adiada novamente aumenta. O motivo? O agravamento da pandemia do novo coronavírus em diversos estados do Brasil, com o crescimento do número de casos e óbitos pela doença. Nesta terça-feira (12), foi a vez do secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, se posicionar e apoiar o movimento que pede um novo adiamento das provas. 

O Enem, marcado para os próximos dois domingos (17 e 24) acontecerá presencialmente, apesar de entidades médicas, políticos, associações científicas e estudantes cobrarem uma nova mudança na data das provas. O exame estava inicialmente previsto para novembro de 2020. 

Em sua rede social, o titular da Sesab fez uma publicação em que argumenta que o comportamento da pandemia em todo o Brasil impede que o exame seja realizado.  

“O comportamento assimétrico e de franca expansão da pandemia no Brasil impede a realização do ENEM na data de 17 de janeiro de 2021. Em praticamente todos os Estados do Brasil diversas regiões de saúde apresentam alto risco de transmissão da COVID-19”, afirmou Vilas-Boas no Twitter. 

Ele seguiu afirmando que “diante do iminente início do processo de vacinação da população brasileira, entendemos ser oportuno e necessário prorrogar a realização do exame”. Além disso, a hashtag #adiaenem também foi usada por ele. 

Além do secretário da Saúde da Bahia, senadores e deputados baianos têm se manifestado a favor do adiamento da prova. 

Por sua vez, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ligado ao Ministério da Educação e responsável pelas provas, não pretende mudar as datas.

MEC abre inscrições para o ProUni no Espírito Santo


Mais de 4 mil estudantes podem conseguir bolsa em faculdades através do Prouni eles têm até sexta para se inscreverem

Júlia Vitória

As inscrições para quem quer participar do Programa Universidade Para Todos (Prouni). Começam nesta terça feira dia doze até dia quinze de janeiro sexta feira, só no Espírito Santo são mais de quatro mil vagas a serem concorridas sendo 1.917 bolsas integrais e 2.669 bolsas parciais em faculdades particulares. De acordo com o MEC, as instituições particulares que participam do programa irão  oferecer 162.022 divididas entre integrais e parciais.

As relações das instituições com os cursos oferecidos estão na página do programa, através do site também é possível pesquisar mais sobre a bolsa, cidades que são oferecidos os cursos e se são parciais ou integrais.

Para conseguir a bolsa completa o estudante precisa comprovar sua renda familiar mensal que não pode passar de 1,5 salário mínimo por pessoa. Já para a bolsa parcial não pode passar de 3 salários mínimos por pessoa. O candidato também tem que ter feito o Enem não ter zerado a redação e ter alcançado média de no mínimo quatrocentos e cinquenta pontos.

Além disso, o interessado deve ter completado o ensino médio em escola pública ou ter sido bolsista integral em escola privada. Professores também podem disputar a bolsa, mas neste caso o limite de renda não é exigido. Como este ano o Enem 2020 ter a o resultado oficial somente depois das inscrições, os confinados irão usar a nota da prova de 2019. As provas irão acontecer dia dezessete e vinte e quatro de janeiro na versão impressa, já a versão digital será aplicada nos dias trinta e Um de janeiro e sete de fevereiro. Algumas entidades no entanto como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), pediram o adiamento da prova em virtude da covid 19.

O resultado da primeira chamada do ProUni será divulgada este mês dia dezenove de janeiro, o programa ainda oferece mais duas chances ao candidato que é a segunda chamada e lista de espera. O cronograma completo também pode ser visto na página do programa.

Reaplicação do Enem este ano deverá incluir quem estiver com covid-19


Quem estiver comprovadamente contaminado com o novo coronavírus (covid-19) até um dia antes da aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcado para 1º e 8 de novembro, deverá comunicar sua condição na página do participante e poderá ser incluído na reaplicação da prova, em data a ser definida.

A previsão consta no edital com as regras do Enem divulgado na terça-feira (31) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

A participação na reaplicação da prova costuma ser permitida para quem estiver com doença infectocontagiosa. A lista, neste ano, inclui a covid-19. São também incluídas coqueluche, difteria, rubéola, sarampo e meningite, entre outras doenças. A lista completa pode ser conferida no item 6.16.1 do edital.

Já o participante que sofrer um acidente e ainda assim quiser fazer a prova poderá solicitar atendimento especializado até um dia antes da aplicação do Enem, e não mais somente no período de inscrição.enem2020

Pelo edital deste ano, em caso de acidentes ou casos fortuitos ocorridos após o período de inscrição, o candidato deverá solicitar o atendimento especial por meio da Central de Atendimento do Enem, no número 0800 616161, até 24 horas antes da prova.

“O Inep analisará a situação e, se houver disponibilidade para o atendimento, o recurso será disponibilizado”, diz o edital. Caso não seja possível atender à solicitação com necessidade comprovada, o participante será incluído na reaplicação do Enem, cuja data será definida.

Em junho do ano passado, a Justiça Federal do Pará determinou, em ação aberta pelo Ministério Público Federal (MPF), que o Inep permitisse a solicitação de atendimento especial após o período de inscrição para os casos de acidente ou fortuitos.

Na sentença, a juíza Lorena de Sousa Costa, da 5ª Vara Federal de Belém, considerou que o Inep tem capacidade de atender aos pedidos de atendimento especializado nesses casos de acidente, pois “o número de candidatos solicitantes de atendimentos especializado e/ou específico, frente ao número total de inscritos, mostra-se ínfimo”.

Outros tipos de atendimento especializado, como nos casos de deficiência visual ou auditiva, devem ser solicitados em um período de inscrição determinado, entre 11 e 22 de maio. Os resultados das solicitações serão divulgados em 29 de maio. Para os pedidos que forem negados, está prevista uma fase para apresentação de recurso. O resultado final estará disponível em 10 de junho.

Enem: estudante tem até o dia 17 para solicitar a isenção da taxa de inscrição


Estudantes fiquem atentos! Iniciou ontem (6) e vai até o dia 17 de abril o prazo para solicitar a isenção do pagamento da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2020). Nesse mesmo período, poderão ser realizadas as justificativas de ausência dos participantes inscritos que faltaram ao exame em 2019 e desejam ter isenção novamente neste ano.

Esses procedimentos não garantem a inscrição no Enem 2020. Todos os interessados em realizar esta edição do exame, inclusive os que tiverem as solicitações aprovadas, deverão fazer a inscrição para o Enem 2020 de 11 a 22 de maio, na Página do Participante.

Pode solicitar a isenção da taxa quem cursa a última série do ensino médio em 2020 em escola da rede pública declarada ao Censo Escolar; tenha cursado todo o ensino médio em escolas públicas ou como bolsista integral na rede privada, e tenha renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio; declare estar em situação de vulnerabilidade socioeconômica, por ser membro de família de baixa renda, inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), que requer renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos.

Ausências – Os candidatos que tiveram a isenção da taxa de inscrição do Enem 2019 e não compareceram aos dois dias de prova deverão justificar a ausência para pedir uma nova isenção em 2020.  O processo deve ser feito pela internet também na Página do Participante.

Cadastro – Para justificar a ausência em 2019 e/ou solicitar a isenção em 2020, os participantes deverão ter o login único do governo federal, pelo portal gov.br. O acesso poderá ser realizado pela Página do Participante do Enem. A senha deverá ser memorizada ou anotada em local seguro, pois será necessária para acompanhar todas as etapas do exame, desde a solicitação de isenção da taxa de inscrição até a consulta dos resultados, em 2021. Os resultados dos pedidos de isenção e das justificativas de ausência serão divulgados em 24 de abril.

Sisu recebe inscrições a partir de 21 de janeiro


As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) poderão ser feitas de 21 a 24 de janeiro de 2020. O calendário do processo seletivo do primeiro semestre do ano que vem foi divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) no Diário Oficial da União.

O resultado da seleção será divulgado no dia 28 de janeiro e a matrícula dos selecionados deverá ser feita de 29 de janeiro a 4 de fevereiro. Aqueles que não forem selecionados poderão participar da lista de espera também entre os dias 29 de janeiro e 4 de fevereiro.

O Sisu oferece vagas em instituições públicas de ensino superior. A seleção é feita com base no desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para participar é preciso ter obtido nota acima de zero na redação do exame.

Para o primeiro semestre de 2020 valerão as notas do Enem 2019. Os resultados das provas, que foram aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro serão divulgados em janeiro na página https://enem.inep.gov.br/participante/#!/ e no aplicativo do Enem. Para acessar, é preciso informar CPF e senha. Ao todo, 3,9 milhões de candidatos participaram de pelo menos um dia de prova do Enem.

As regras e a quantidade de vagas que serão oferecidas no ano que vem pelo Sisu ainda não foram divulgadas. No primeiro semestre deste ano, foram ofertadas 235,5 mil vagas em 129 instituições públicas de todo o país.

Veja dicas para ter um bom exame no Enem


A hora da verdade para os estudantes que prestarão as provas do Enem está chegando. As provas do Exame Nacional do Ensino Médio serão realizadas nos dias 3 e 10 de novembro e, nessa reta final de preparação é importante manter o foco.

Separamos algumas dicas que podem ser úteis para os nossos estudantes, que buscam uma vaga em uma das universidades do país. O Carvalho News deseja boa sorte a todos!

Durma bem: o sono tem um papel fundamental na consolidação das aprendizagens cotidianas.

  1. Alimente-se adequadamente: para o bom funcionamento de nosso corpo e mente, é necessário consumir alimentos saudáveis – tais como frutas, verduras, grãos e proteínas. Para fortalecer sua memória, invista no consumo de ovos, peixes ricos em ômega 3 e frutas que contenham vitamina C.
  2. Evite situações estressantes, baladas e viagens na véspera do exame: esta carga de imprevisibilidade pode gerar impactos sobre os quais não temos controle e você não quer perder o exame para o qual tanto se dedicou, não é mesmo? Outra dica: se o seu deslocamento será de uma cidade para outra, é melhor ir no dia anterior à prova e se hospedar em um local próximo à realização de sua prova.
  3. Revise os principais conteúdos: para isso, o aluno pode utilizar esquemas e mapas mentais feitos ao longo do ano. Caso você não tenha esse hábito, existem diversos sites, portais e blogs que disponibilizam gratuitamente estes recursos para todos.
  4. Planeje seu deslocamento: é fundamental pensar a maneira como você vai chegar ao local da prova e o tempo de deslocamento – considerando o trânsito carregado deste dia. Independentemente do meio de transporte que escolher, planeje-se para chegar com uma hora de antecedência, pois imprevistos podem acontecer, inclusive, nas vias de acesso ao seu local de prova.
  5. Prepare seu lanche: você precisará de alimentos que não te causem trabalho e nem sonolência. O ideal é levar uma garrafa de água e alimentos leves, como castanhas e frutas. Balas, chicletes e chocolate apenas para o caso de uma crise de hipoglicemia.
  6. Entenda o tema da redação: para garantir que você compreendeu corretamente a proposta, é necessário ler o tema e ficar atento às palavras-chave.
  7. Planeje seu texto: faça um planejamento, organizando e hierarquizando as informações e os argumentos, relacionando-os a um repertório sociocultural. Verifique sua tese, selecione argumentos para defendê-la e elabore uma proposta relacionada a ela.
  8. Elabore uma proposta de intervenção: é fundamental que o candidato seja capaz de elaborar uma proposta de intervenção pertinente à discussão desenvolvida no texto, apresentando uma ação concreta, o modo como ela será executada e os efeitos – buscando o máximo de detalhamento.
  9. Revise o seu texto: é muito importante reler o texto, garantindo a ortografia e a pontuação correta, além de uma boa conexão entre as ideias, ou seja, a coesão textual.

 

ProUni recebe inscrições


Na próxima terça-feira (11) serão abertas as inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni) do segundo semestre de 2019. O programa oferta bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior.

O prazo para participar da seleção vai até 14 de junho. A inscrição deverá ser feita pela internet, no site do ProUni. É preciso informar o número de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 e a senha.

Podem se inscrever candidatos que não tenham diploma de curso superior e que participaram do Enem 2018. É necessário ter obtido uma nota mínima de 450 pontos na média aritmética nas provas do Enem. Outra exigência é a de que o aluno não tenha tirado zero na redação.

Cada estudante precisa ter cursado o ensino médio completo em escola pública ou em instituição privada como bolsista integral. Também podem participar do programa estudantes com deficiência e professores da rede pública.

Bolsas

As bolsas de estudo ofertadas são parciais e integrais. Sendo as últimas destinadas a estudantes com renda familiar bruta per capita de até 1,5 salário mínimo. Já as bolsas parciais contemplam os candidatos que têm renda familiar bruta per capita de até 3 salários mínimos.

Resultado

A divulgação do resultado da primeira chamada está prevista para 18 de junho deste ano. Já a segunda chamada será no dia 2 de julho. O candidato pré-selecionado deverá comparecer à respectiva instituição de ensino superior para comprovação das informações no período de 18 a 25 de junho, caso tenha sido selecionado na primeira chamada e de 2 a 8 de julho na segunda. A lista de espera, caso as vagas não sejam ocupadas, fica disponível no site para consulta pelas instituições de ensino no dia 18 de julho.

 

Enem será em novembro


O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) deste ano já tem datas fixadas: 3 e 10 de novembro. Segundo cronograma divulgado, recentemente, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Pelo calendário, as inscrições estarão abertas de 6 a 17 de maio.

Entre 1º e 10 de abril os estudantes poderão pedir isenção da taxa de inscrição. Nesse mesmo período, o Inep vai receber as justificativas dos que faltaram às provas em 2018. O edital do Enem, conforme o instituto, será publicado no próximo mês.

No ano passado, 5,5 milhões de pessoas se inscreveram para fazer o Enem, mas 4,1 milhões compareceram aos dois dias de provas. Nos dois domingos de exame, os estudantes precisam desenvolver conhecimentos de linguagens, incluindo redação, ciências humanas, ciências da natureza e matemática.

Os resultados do Enem podem ser usados em processos seletivos para vagas no ensino superior público, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas de estudo em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e para obter financiamento do curso pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Em 2019 o Sisu ofereceu 235,4 mil vagas, distribuídas em 129 universidades públicas de todo o país. Além de universidades brasileiras, os estudantes podem se inscrever em 37 instituições portuguesas que têm convênio com o Inep.