Casa da Mulher Brasileira pode mudar de lugar ainda no primeiro semestre


Segundo a secretaria da mulher a mudança para Ceilândia pode ajudar outras regiões que também precisam

Julia Vitória

Ainda no primeiro semestre deste ano a Casa da Mulher Brasileira pode ser mudada para Ceilândia, segundo a  secretária da Mulher do Distrito Federal, Ericka Filippelli afirmou que estando perto de outras regiões como Samambaia, Recanto das Emas, Taguatinga, podem oferecer um serviço melhor as regiões que precisam, ela também destacou a importância da da pasta de trabalho de contra a violência de gênero. 

Desde 2015 quando a casa foi inaugurada, passa por problemas em sua estrutura com  serviços para a população. Acabou existindo uma briga judicial para saber quem ficaria responsável pelo espaço, depois de um estudo a decidiram que seria em Ceilândia, já com o local e processos para assinatura de contrato. A escolha do novo local se deu pela localização, por ficar perto de outras regiões, podem oferecer mais serviços a quem precisa. 

A secretária também falou sobre o combate violência de gênero, segundo ela são dois anos de trabalho em cima deste assunto junto com a secretaria de segurança pública. Ela relata que houve uma diminuição significativa de casos comparado com 2019. O Distrito Federal foi o primeiro estado a implantar uma lei para introduzir o programa sinal vermelho, e todos as instituições podem participar da rede de proteção, serão preparadas com cartilhas e vídeos para melhor ajudar as vítimas de violência, desta forma o estabelecimento se compromete a levar a mulher para a delegacia ou acionar o 190.

A secretária destacou com o é importante a sociedade se inteirar sobre o assunto, e também a imprensa levar a discussão sobre isso, a União destas forças para ajudar as mulheres que precisam. Também há treinamento para os policiais, abordarem no local o autor do crime e a vítima.