Fábrica clandestina de explosivos em Muritiba é desmontada pela PM


A Polícia Militar desmontou, na tarde de segunda-feira (28), uma fábrica clandestina de explosivos, na cidade de Muritiba. No local foram apreendidos pouco mais de meia tonelada de pólvora e 125 kg de materiais utilizados, na confecção dos artefatos.

Uma denúncia anônima levou as equipes do Pelotão do município até a zona rural, nas proximidades do Hotel Fícus. No local indicado, um sítio, os PMs encontraram 590 kg de pólvora, 100 kg de salitre, 25 kg de enxofre, um saco de carvão pilado, balança e misturador industriais, além de uma socadora automatizada.

Um homem, ainda não identificado, foi encontrado, no local, e conduzido para a Delegacia Territorial de Muritiba. “Fundamental flagrante que resultará na redução ainda maior dos roubos a banco com explosivos. Temos que agradecer a ajuda da população”, destacou o comandante do Policiamento na Região Leste, coronel Luziel Andrade.

 

Projeto que eleva pena para roubo a caixa eletrônico com explosivo é aprovado pelo Senado


O Senado aprovou no último dia (27) o projeto que endurece as penas para diversas modalidades de roubo, incluindo o de caixas eletrônicos com uso de explosivos (PLS 149/2015). O texto final incorporou modificações da Câmara dos Deputados que obrigam os bancos a instalarem dispositivos que inutilizem as cédulas dos caixas atacados. O projeto segue agora para sanção presidencial. A medida eleva em dois terços a pena por roubo quando há uso de explosivos para destruir um obstáculo. Já a prática de furto com o emprego de explosivos passa a ser uma modalidade de furto qualificado, com pena de quatro a dez anos de prisão.

O furto e o roubo de equipamentos explosivos também teve suas penas aumentadas: quatro a dez anos de prisão, para o caso de furto, e elevação da pena em até 50%, para o caso de roubo. Além disso, o roubo realizado com uso de armas também teve sua punição agravada: passa a render aumento de dois terços da pena. Caso o ato de roubo resulte em lesão corporal grave contra a vítima, a pena para o criminoso passa a ser de sete a 18 anos de reclusão – atualmente, a pena é de 7 a 15 anos.

Aprovado com modificações na Câmara no final de fevereiro, o PL originário do Senado precisou retornar à Casa para que sua tramitação fosse concluída. A medida altera trechos do Decreto-Lei nº 2.848, um dispositivo legal do Código Penal da década de 1940. Atualmente, a legislação prevê pena de dois a oito anos de reclusão e multa para o crime de furto qualificado. O texto também estabelece que as instituições financeiras serão obrigadas a instalarem equipamentos que inutilizem as cédulas depositadas em caixas eletrônicos em caso de arrombamento, movimento brusco ou alta temperatura.

Polícia Militar apreende 3.300 explosivos no município de Ibitiara


 

2

Quatro guarnições da 29ª Companhia Independente da Polícia Militar da cidade de Seabra, após denúncia anônima, apreenderam no povoado de Aguada, no município de Ibitiara, 3.300 artefatos explosivos. As “bananas de dinamite” foram encontradas na residência de Lildenir Vieira de Macedo da Silva, 42 anos. Durante depoimento, a mulher indicou que o material pertence a seu irmão José Vieira de Macedo, mais conhecido com “Zé Baiano” e a um homem de prenome Rogério. Ambos não estavam na residência na hora da ação policial.

A grande quantidade de explosivos estavam divididos em 81 sacos com artefatos granulados, 47 sacos emulsificados (cada um contendo mais ou menos 70 explosivos), além de 11 rolos de cordel (utilizado como estopim) e uma caixa com 1.000 espoletas de detonação. Lildenir e todo o material foram apresentados na 13ª Coordenadoria de Polícia do Interior (13ª Coorpin), com sede em Seabra.

“Agradecemos a população pela confiança na polícia, através da denúncia anônima. A questão da segurança pública é um dever de todos. Investigamos diuturnamente as quadrilhas especializadas na prática de roubos a bancos e chegaremos ao verdadeiros donos desses explosivos”, afirmou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa.

O Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) auxiliará a 13ª Coorpin nas investigações, juntamente com a Superintendência de Inteligência da SSP. Outras informações podem ser transmitidas através do Disque-Denúncia (3235-0000).

 

Polícia aumenta em 558% apreensão de artefatos explosivos


A redução de 63% de roubos a bancos nos dois primeiros meses de 2016, comparado ao mesmo período do ano passado, é reflexo das operações policiais, alicerçadas no trabalho de inteligência, iniciadas desde o final de 2014. Em 2015, foram apreendidas 224 bananas de dinamite, índice 558% maior do que no ano anterior, quando foram retirados das mãos de quadrilhas especializadas nesses ataques 34 artefatos explosivos.

A produtividade policial, em relação ao combate aos roubos contra instituições financeiras, teve também um crescimento de 31,4% no item prisão de assaltantes. Foram 180 bandidos capturados no ano passado contra 137 em 2014. Além disso, 49 assaltantes morreram em confronto. “Desarticulamos 19 organizações criminosas, que atuavam na Bahia e em outros estados. O trabalho integrado das forças de segurança federal e estadual nos permitiu desmantelar bandos que invadiam pequenas cidades baianas”, ressaltou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa.

Com essas quadrilhas foram apreendidas 118 armas, número 25,5% maior do que no ano de 2014 (94 armamentos). “Avançamos muito com a implantação do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), das unidades especializadas da Polícia Militar no interior baiano e com o trabalho de inteligência”, enfatizou.

Operação no Oeste

Em mais uma ação que ratificou a integração e o trabalho de inteligência realizado no combate aos roubos a bancos, a polícia desarticulou, na quarta-feira da semana passada (9), uma quadrilha que agia na região Oeste da Bahia. Dez pessoas foram presas, sendo sete nas cidades de Luís Eduardo Magalhães e Barreiras, uma em Jacobina e duas no estado de Tocantins.

Com os criminosos a polícia encontrou três pistolas ponto 40, bananas de dinamite, munição, coletes balísticos e quatro veículos adulterados, dentre outros materiais. “Na semana anterior, numa ação integrada, no município de Santa Rita de Cássia, capturamos três bandidos e um morreu em confronto. Eles faziam parte de um bando que também roubava bancos”, explicou o coordenador da 11ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Barreiras), delegado Rivaldo Luz, acrescentando que “o trabalho feito com a Polícia Militar tem sido ponto importante no combate à violência na região”. (Fotos: Asvom/PC)