Ilhéus: exposição de Arte Sacra fica em cartaz até o dia 30


Após missa solene do Dia da Cidade realizada na Catedral de São Sebastião, na manhã de sexta-feira (28), visitantes prestigiaram a abertura da Exposição de Arte Sacra. A iniciativa destaca projeto de 500 anos de Ilhéus e integra o calendário de comemorações de 485 anos de fundação. O ato contou com a participação do prefeito Mário Alexandre, que destacou a importância de se manter viva a história das artes sacras.

“Ilhéus é uma cidade de muitas histórias, ninguém pode negar. Muitos são os registros documentados para se manter viva suas raízes, e aqui, valorização da cultura sacra com peças que fazem parte de acervos particulares e acervos das principais instituições religiosas. Vamos trabalhar para que estas raízes se perpetuem e se mantenham vivas em nossas memórias”, ressaltou Mário Alexandre.

Segundo informações da curadoria da mostra, as obras de grandes artistas vão do século XVI ao XIX, com peças pertencentes aos acervos particulares e da Igreja Matriz de São Jorge. A Exposição de Arte Sacra ficará 30 dias de cartaz e deve reunir, até dia 27 de julho, das 8 às 12h e das 13 às 17h, apaixonados por cultura sacra, devotos e apreciadores de imagens e esculturas.

Durante todo o período colonial, a arte sacra foi predominante no Brasil, e anos mais tarde, modernistas e contemporâneos também aderiram ao estilo. A iniciativa é elaborada pelo Centro de Estudos e Pesquisas de Olivença e Ilhéus (CEPOI), Diocese do município, Instituto Nossa Senhora da Piedade e apoio da Prefeitura e demais patrocinadores.

Exposição reuniu colecionadores de veículos e praticantes de aeromodelismo


Neste fim de semana (6 e 7), a Avenida Dois de Julho recebeu colecionadores e apaixonados por automóveis antigos de Ilhéus e outros lugares, que exibiram mais de 200 veículos na terceira edição da exposição realizada pela Ilhéus Old School, com execução de Paulo Rosário Produção Artística e apoio da Prefeitura Municipal. Presentes expositores de Itabuna, Vitória da Conquista, Eunápolis, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, e até da Colômbia.

A programação foi enriquecida com a presença de representantes do Projeto Verão Duas rodas, aeromodelismo de Ilhéus e Itabuna e outros clubes que além de atrair dezenas de pessoas também é considerado de cunho social , pois para participar os expositores precisam doar dois quilos de alimentos que serão doados ao abrigo São Vicente.

Um evento apropriado para toda a família e que trouxe algumas alterações nesta terceira edição. “Este ano, tivemos mais lojas, atrativos para agradar a todos, a praça de alimentação com maior variedade de alimentos, atendendo gostos diversificados, comercialização de miniaturas de veículos, brinquedos e shows com bandas variadas, um evento de fato para todas as idades”, acrescentou Paulo Rosário.

Cleber Bonina mora em Itabuna, é engenheiro e veio acompanhado da esposa e do filho. “Uma opção a mais para a agente se distrair no final de semana, e aproveitar vir a Ilhéus, uma cidade deliciosa tanto de dia como a noite, estamos adorando”, disse.

Expo Lama sem Alma homenagea vítimas de Brumadinho


A tragédia de Brumadinho (MG) deixou vários mortos, desabrigados, desaparecidos e muita dor. Como forma de homenagear as vítimas e suas famílias do ocorrido foi criada a expo Lama sem Alma, uma exposição virtual, no site e no blog oficial HQMIX (www.hqmix.com.br), com mais de 60 trabalhos, de 55 cartunistas, que foram recolhidos de suas postagens nas redes sociais pelo presidente da Associação dos Cartunistas do Brasil, JAL Lovetro, como forma de protesto.

A história do Brasil passa pelas mentes e mãos desses cartunistas e, infelizmente, os assuntos polêmicos são os mais tratados, pois o humor gráfico tem que fazer o seu papel de beliscar o cérebro das pessoas para acordarem e agirem pelo bem comum e tempos melhores.

De acordo com JAL, as notícias, as imagens e o horror de cenas que, depois de três anos em Mariana, aconteceram novamente, em Brumadinho, Minas Gerais, não podem cair no esquecimento. “Para digerirmos mais esse acontecimento que caminha para ser de centenas de mortos, fica difícil explicar para nossos filhos o que estamos fazendo com os cuidados com a natureza e vida de pessoas no Brasil. Para que não mais aconteça, é importante a união de todos para que essas mortes não sejam em vão como tem acontecido”, enfatiza.

Expo LAMA sem ALMA

Site: www.hqmix.com.br

Blog: blog.hqmix.com.br

Início: 30 de janeiro de 2019

Exposição da DreamWords chega ao CCBB


O CCBB do RJ e o CCBB de BH serão palcos de uma exibição que viaja o mundo e destaca alguns dos filmes mais amados do estúdio como, por exemplo, FORMIGUINHAZ (1998), Shrek (2001), Madagascar (2005), Kung Fu Panda (2008), Como Treinar o Seu Dragão (2010), Trolls (2016) e outros clássicos do DreamWorks Animation.  A DreamWorks Animation: A Exposição – Uma Jornada do Esboço à Tela – chega em fevereiro de 2019 ao Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro, onde fica em cartaz de 6/02 a 15/04. Com entrada gratuita, a mostra reúne 400 itens de acervo – muitos nunca exibidos antes –, entre desenhos, storyboards, máscaras, mapas, fotografias, pôsteres, pinturas e artes originais. No Rio a exposição ocorre em 2019, de 6/02 a 15/04; em Belo Horizonte, de 15/05 a 29/07/2019

Os itens do acervo, incluem um modelo de Night Fury, Toothless, do filme Como Treinar o Seu Dragão (2010). A exposição traz, também, itens raros e inéditos, como desenhos, storyboards, máscaras, mapas, fotografias, pôsteres, pinturas e artes originais, diretamente dos arquivos do DreamWorks Animation. Também serão exibidas entrevistas e imagens de bastidores que mostram como se dá o complexo e criativo processo do esboço de um desenho às telas.

Da perspectiva dos insetos de FORMIGUINHAZ (1998), passando pelas técnicas de animação stop-motion com argila de Fuga das Galinhas (2000) até o mundo cheio de detalhes de Shrek (2001), vencedor do Oscar, além do universo musical e colorido de Trolls (2016), vencedor do Grammy, e das incríveis cenas de artes marciais de Kung Fu Panda 3 (2016), DreamWorks Animation: A Exposição tem inspiração nos filmes mais amados do estúdio, um dos maiores do mundo e que trabalha com técnicas únicas de animação.

Apesar de visualmente diferentes, todos os filmes têm em comum as três marcas registradas do DreamWorks: personagens icônicos, história original e um universo mágico onde tudo ganha vida. Por meio de experiências digitais imersivas os visitantes poderão explorar diferentes mundos, ver de perto as expressões faciais de personagens queridos e conferir efeitos visuais, sonoros e de iluminação de última geração, além de criar sua própria animação 2D.

DreamWorks Animation: A Exposição – Uma Jornada do Esboço à Tela foi criada pelo Australian Centre for the Moving Image (ACMI), de Melbourne (Austrália), em parceria com a Universal Brand Development e em nome do DreamWorks Animation. A mostra já passou por Austrália, Canadá, Coréia do Sul, México, Nova Zelândia, Cingapura e Taiwan. No Brasil, a entrada será gratuita nos CCBBs.

Quatro Seções

A exposição está dividida em quatro seções. Em Characters será possível apreciar a evolução do que realmente confere vida aos filmes produzidos pelo estúdio DreamWorks Animation, do conceito original dos desenhos e sketches às personalidades totalmente construídas – como Po, de Kung Fu Panda (2008), os Zoosters de Madagascar (2005), e a gangue do carismático ogro Shrek.  Em Story, por sua vez, será possível conferir o processo de construção de uma história completa, da inspiração ao desfecho. Telas digitais vão mostrar os enredos originais de Shrek e Madagascar e também recriarão uma sessão de brainstorming de Os Sem-Floresta.

Em World o destaque fica para a magia incorporada ao universo dos filmes do DreamWorks Animation. Uma projeção de 180 graus, criada especialmente para a mostra, vai levar o visitante a sobrevoar a cidade viking de Berk a partir das costas de um dragão. Haverá ainda a Drawing Room, a última parada da exposição. Nessa área, os quiosques especialmente projetados permitirão que o público desenhe e crie um curta animado, a partir da tecnologia do estúdio DreamWorks Animation.

 

Manu Pessoa expõe obras em homenagem a Jorge Amado na galeria do TMI


manu passos 2
A arte de Manu Passos Foto: divulgação

Com criações que provocam uma releitura da obra de Jorge Amado, a exposição da artista plástica Manu Pessoa, aberta na noite de segunda-feira (6), na Galeria do Teatro Municipal, marcou o início das homenagens ao criador de “Gabriela Cravo e Canela”, que se estendem até 10 de agosto, data de nascimento do escritor. A mostra, com trabalhos em pintura naif e acrílica, fica à disposição do público até o dia 31 deste mês, sempre das 9 às 18 horas, e conta com apoio da Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Cultura (Secult).

Pedagoga graduada pela Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), Manu Passos é estudante do curso de Metodologia do Ensino da Arte e autodidata. O estilo naif apareceu durante a revolução da arte moderna no final do século XIX quando Henri Rousseau, pintor francês autodidata foi acolhido pelos pintores impressionistas da escola de Paris. (Fotos: Secom Ilhéus)

Sebrae lança artesanatos com selo de indicação geográfica


Artesanatos de oito regiões brasileiras que receberam os primeiros selos de indicação geográfica (IG) do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) podem ser vistos gratuitamente pelo público na exposição Feito Aqui, aberta esta semana no Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (Crab), na Praça Tiradentes, região central do Rio de Janeiro. A mostra permanecerá aberta até 18 de novembro.

A coordenadora do projeto de Indicações Geográficas do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Nacional), Hulda Giesbrecht, ressaltou que a indicação geográfica traz um diferencial e torna o produto mais competitivo.

“O produto recebe o selo porque é produzido de acordo com uma descrição, com um regulamento de uso. Além de vir daquela região, ele tem uma qualidade específica que o diferencia dos demais produtos da mesma natureza que, às vezes, também são fabricados na mesma região”, explicou Hulda. Ao destacar essa qualidade, acrescentou Hulda, a indicação geográfica agrega valor, aumenta a competitividade do produto e traz desenvolvimento à região.

Seleção

Segundo Hulda, a seleção dos produtos artesanais que poderiam ser protegidos pelo selo de IG foi um movimento natural. O Sebrae divulgou o conceito de indicação geográfica, as regiões com produtos representativos procuraram o órgão. “A partir daí, o que nós fizemos foi aplicar um diagnóstico para verificar se as regiões atendem os critérios colocados pelo INPI”, disse.

Rio de Janeiro - A exposição Feito Aqui apresenta oito produtos de artesanato com o selo de Indicação Geográfica (IG), concedida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), no Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro(CRAB), no Rio (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
A exposição Feito Aqui, no Rio  Fotos: Tânia Rêgo

Identificado o potencial das regiões, o Sebrae orientou os artesãos sobre o processo, ensinando-os a obter os documentos necessários, a levantar evidências, a descrever corretamente os produtos e a medir a qualidade deles. “A gente ajuda nesse processo até levar ao INPI, que analisa a documentação e faz o reconhecimento”. Hulda reforçou que outras regiões com artesanato típico podem pedir apoio do Sebrae para obterem a classificação.

Atualmente, 55 produtos brasileiros receberam o selo de indicação geográfica do INPI, entre os quais café, queijo, cachaça, frutas e, de artesanato, os oito produtos que a exposição Feito Aqui apresenta.

Peças

A mostra reúne artesanato em capim dourado da Região do Jalapão, no Tocantins, primeiro produto artesanal a receber o selo de IG do INPI, em agosto de 2011; panelas de barro de Goiabeiras (ES), primeiro bem cultural registrado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio imaterial em 2002 e que conquistou o selo de IG do INPI em outubro de 2011, e peças artesanais em estanho de São João del Rei (MG), que obtiveram o selo de IG em fevereiro de 2012.

Os demais produtos com identificação geográfica são opalas preciosas e joias artesanais de Pedro II (PI), com selo obtido em abril de 2012; têxteis em algodão colorido de Campina Grande (PB), com selo concedido em outubro de 2012; renda irlandesa da região de Divina Pastora (SE), com certificação concedida em dezembro de 2012; renda renascença do Cariri Paraibano (PB), que ganhou o selo em setembro de 2013, e bordado filé da Região das Lagoas Mundaú–Manguaba (AL), com selo obtido em abril de 2016.

Caixa Cultural São Paulo apresenta obras de Goya


Obras do artista espanhol Francisco de Goya (1746-182 8) estarão na mostra Loucuras Anunciadas na Caixa Cultural São Paulo, no centro da capital paulista, de 29 de julho até 24 de setembro. O público poderá apreciar uma coleção de gravuras que revela o período artístico considerado o mais obscuro e complexo de Goya, segundo a curadoria do evento.

A coleção, também chamada de Disparates, reúne 20 obras de Goya, que corresponde a uma edição póstuma, adquirida em 1864 pela Academia de Belas Artes de Madri. O período em que as gravuras foram feitas não é muito preciso. De acordo com especialistas, elas devem ser do período entre 1815 a 1820. Goya tinha decidido não publicá-las por causa da perseguição aos iluministas na época.

As gravuras são as últimas obras gráficas do artista e forma a uma série que revela visões, violência, sexo, deboche das instituições relacionadas com o regime absolutista, crítica aos costumes e ao clero.

A curadora Mariza Bertoli disse que a exposição terá como característica a interatividade. “Pensei em um espaço que gerasse inquietações e curiosidade. Os participantes estarão vivenciando, de fato, o exercício estético. O estético na arte é o que comove, e a sua finalidade é colocar-nos na obra que está nos nossos olhos, promover um conhecimento sensível”, disse.

goya222
Naked Maja

Haverá duas grandes gravuras impressas para que as pessoas possam tirar fotografoas diante das imagens. Uma delas contará com sacos, tal como na gravura original “Os ensacados (Los Ensacados)”, que estará na exposição. Essa gravura remete à opressão, ao desespero e à própria sensação da surdez, explicou a curadora. Goya perdeu a audição aos 46 anos.

Acessórios e vestuários também estarão à disposição do público, para que possam se caracterizar e fazer suas próprias produções para fotografia. Além disso, haverá diversas máscaras e dois espelhos, um côncavo e outro convexo. O objetivo é que os visitantes se vejam os trabalhos do artista por outras perspectivas.

“Será uma experiência forte fotografar-se nestes cenários, que são as gravuras aumentadas. Ver-se entre os loucos é inusitado. Valorizar a liberdade de não estar ‘ensacado’. Afinal, no início da mostra, nos perguntamos: pode-se anunciar loucuras?”, acrescentou Mariza Bertoli.

A exposição Loucuras Anunciadas – Francisco de Goya estreia em 29 de julho e fica em cartaz até 24 de setembro na Caixa Cultural São Paulo, localizada na Praça da Sé, 111, centro da capital paulista. A entrada é gratuita e há acesso para pessoas com deficiência.

Museu do Amanhã, no Rio, tem inovações de 40 artistas brasileiros


Os caminhos, muitas vezes tortuosos, que levam brasileiros à inovação poderão ser percorridos a partir de hoje (25) no espaço do Rio de Janeiro dedicado à ciência e ao futuro. De forma lúdica e com linguagem audiovisual e interativa, Inovanças – Criações à Brasileira, a nova exposição temporária do Museu do Amanhã proporciona ao visitante uma viagem pelo mundo das criações nacionais, apresentando grandes feitos e, em alguns casos, talentos poucos reconhecidos.

A mostra é a primeira de caráter temporário integralmente concebida pela equipe do Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), que administra o Museu do Amanhã, e tem como curadores Luiz Alberto Oliveira e Leonardo Menezes.

Inspirada no cenário do filme Dogville, do cineasta dinamarquês Lars von Trier, o espaço, de 600 m², foi idealizado sem paredes, numa alusão à fluidez do processo criativo.

De acordo com o curador Leonardo Menezes, a ideia é mostrar que não há limites, nem barreiras ao conhecimento e à inventividade, além de apoiar ações que promovam a sustentabilidade e contribuam para a popularização e difusão da ciência e da tecnologia.

“Os processos naturais são fonte de inovação que inspiram os humanos a buscarem soluções de forma criativa. Desvios representam oportunidades na busca por soluções inéditas. Por tentativa e acerto, brasileiros e brasileiras criaram soluções que inovaram o país e o mundo”, disse ele, também gerente de Conteúdo, de Exposições e do Observatório do Amanhã do museu.

O visitante é apresentado a cerca de 40 inovações – do high ao low tech, com destaque para as tecnologias sociais – que transformam e beneficiam indivíduos e grupos em todas as regiões do Brasil e do exterior. As invenções são mostradas em vídeos, com declarações de seus criadores, e presencialmente, com a exposição dos objetos.

museu_do_amanha-_foto-_raquel_cunha-6
Mostra fica até 22 de outubro Fotos: Raquel Cunha

As criações estão distribuídas por sete áreas, que remetem a diferentes conceitos que caracterizam a inovação brasileira. Essas áreas receberam os nomes de Pyahu-Açu (“novidade grande”, em tupi-guarani), Inspirais, Errâncias, Brasilianxs, Inexspectata (“inesperado, em latim) Impromptu (“improviso”, em latim) e Awani Jö (“estamos juntos”, em iorubá).

A inspiração na natureza, a história do Brasil contada a partir da inovação, o “jeitinho brasileiro” utilizado de forma positiva na busca de soluções com profundo rigor técnico e a criatividade compartilhada entre profissionais heterogêneos são algumas das várias temáticas das sete áreas expositivas.

A exposição Criações à Brasileira fica em cartaz até 22 de outubro e pode ser visitada de terça-feira a domingo, das 10h às 18h. O ingresso para a mostra temporária está incluído no valor da entrada para o museu, que custa R$ 20, a inteira, e R$ 10, a meia. O Museu do Amanhã fica na Praça Mauá, 1, no centro do Rio.

Itapé: exposição AVE Avis Rara recebe visita de estudantes do CCAMS


AVE Avis Rara é a exposição, do artista plástico Antônio Carlos Moura, que está em cartaz até o próximo dia 10 de junho, no Campus da UFSB (Universidade Federal do Sul da Bahia), em Itabuna. Moura apresenta suas telas produzidas através da técnica de colagem sobre tela. No local também se pode contemplar algumas das peças que compunham a exposição anterior do artista : “Faces da Beleza Negra e Mestiça”.

De acordo com Moura, AVE Avis Rara está em latin e significa salve aves raras. “Em minha cidade, Camacan, estou envolvido em causas ambientais , em recuperação da natureza que esta sendo degradada pela ação do homem, me inspirei para fazer essa exposição enaltecendo a beleza das aves da fauna brasileira, alertando que se continuarmos degradando o meio ambiente, vamos destruir o habitat natural destas criaturas e eles vão se perder, e no futuro o  mesmo acontecerá com a gente, pois sem o meio ambiente o homem não irá sobreviver”, explica o artista plástico.

exposição

Nos dias 6 e 7, os alunos da EJA3 e EJA 1/2, respectivamente, do Colégio Comunitário Alzair Martins Silva (CCAMS) de Itapé (BA), puderam conferir de perto o trabalho do artista plástico. “O Antônio nos recebeu muito bem e sua arte é uma forma de reciclagem, que é muito bom para nosso meio ambiente que já está tão devastado”, declara a estudante da EJA3 Kaliane Alves Ribeiro, que afirma ter ficado fascinada pelas obras que retratam a beleza negra e mestiça. “São muito interessantes e uma forma de nos valorizar de ter orgulho da nossa raça”, justifica. Veja um pouco da exposição

O também aluno da EJA3, Kaio Henrique Souza Alves, aprovou a iniciativa do CCAMS. “Achei muito bom poder visitar uma exposição. Nunca tinha tido essa oportunidade”, comemora. Já Sara Santos, da mesma classe, se sentiu agraciada por ter um contato mais próximo com a arte. “Deu para ver os quadros de perto, entender como são feitos e tirar algumas duvidas com o próprio autor, que demonstrou ser uma pessoa bem gentil”, explica. Conheça um pouco da exposição

Para a professora de Língua Portuguesa, Adriana Araújo, o contato dos estudantes com quem produz arte é sempre benéfico e enriquecedor.  “Minha turma da EJA1/2 ficou eufórica, quando avisei que faríamos essa visita à exposição AVE Aves Rara. E esse encontro veio bem a calhar, pois estou trabalhando poesias com eles”, revela a educadora. Conheça algumas das obras do artista

 

Saiba mais: AC Moura (73)99113-2709/98843-4678  e-mail: [email protected]

Agricultores familiares expõem no Aleluia Ilhéus Festival


Agricultura familiar presente no Aleluia Ilhéus Festival. Foto Alfredo Filho Secom Ilheus
Agricultura familiar presente no Aleluia Ilhéus Festival. Foto Alfredo Filho e Hilquias Santos

A terceira edição do Aleluia Ilhéus Festival representa mais uma oportunidade de negócios para pequenos agricultores da região e integrantes do segmento conhecido como economia criativa. Numa parceria entre a Companhia de Ação Regional (Car), secretarias de Agricultura da Bahia e de Ilhéus, BahiaPesca e cooperativas, cerca de 35 expositores apresentam seus produtos até o próximo sábado, último dia do evento.

Nos estandes, os visitantes podem conferir artesanatos em argilas, produtos desidratados – que aumenta o prazo de validade, cocadas, arte decoração, além de uma variedade de frutas cultivadas no interior do município de Ilhéus e de cidades vizinhas, “o que demonstra a riqueza de nosso solo”, afirmou o secretário municipal de Agricultura, Sebastião Vivas.

Alberto Matos, 54 anos, que cultiva banana na zona rural de Ilhéus, conta que antes costumava perder boa parte da produção porque não tinha como escoar. “Depois que tivemos acesso à técnica de desidratar a fruta, garantimos maior prazo de validade, evitamos perdas e agora podemos vender, principalmente para a alimentação escolar”.

A variedade de produtos atrai a atenção dos visitantes. Miguel Veigda que é chileno e visitava os estandes na noite desta quinta-feira, 24, afirmou que é ‘interessante celebrar uma festa religiosa, o município tem padrão santo religioso, e chama atenção que há muito que ver, comprar, principalmente relacionado à agricultura familiar e ao chocolate”.

Pesca –Durante o Aleluia Ilhéus Festival, a BahiaPesca, empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, realizará a doação de alevinos (filhotes de peixes) e cadastrará os pescadores e aquicultores em programas sociais e de crédito dos governos estadual e federal.

Dentre as atividades desenvolvidas no estande da Bahia Pesca está o cadastramento dos pescadores e aquicultores no CadCidadão, sistema que registra a situação social e econômica dos profissionais e encaminha-os para diversos serviços públicos de assistência e crédito, a exemplo do Vida Melhor.

 

O Aleluia Ilhéus Festival é uma realização da Prefeitura Municipal de Ilhéus e do Governo do Estado da Bahia com apoio do Sebrae, Bahiagás, Bahiapesca, Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), Supermercados Meira, Ilhéus Convention Bureau, Associação de Turismo de Ilhéus (Atil), Bahiatursa e Secretaria Estadual de Turismo.