WhatsApp se defende após polêmicas sobre compartilhamento de dados com o Facebook


Aplicativo anunciou novos termos de uso e tem provocado insatisfação dos usuários

Thais Paim

Após as diversas polêmicas envolvendo os novos termos de uso do WhatsApp, o mensageiro foi ao Twitter para se defender. A plataforma decidiu publicar um posicionamento a respeito dos novos termos de uso e compartilhamento de dados do aplicativo. 

A publicação contém um infográfico feito para indicar o que o WhatsApp pode e não pode fazer, além de apontar os poderes do usuário. Entre essas possibilidades apresentadas, está a opção de baixar os dados quando quiser e colocar uma “data de validade” em mensagens consideradas importantes, mas que devem sumir até mesmo do seu dispositivo.

Em trecho da publicação, o aplicativo de mensagem instantânea afirma: 

“Nós gostaríamos de abordar alguns rumores e ser 100% claros, nós continuamos a proteger as suas mensagens privadas com criptografia ponta-a-ponta. (…) Nossa atualização nas políticas de privacidade não afeta a privacidade das suas mensagens com amigos ou família”.  

Na rede social, o público está dividido nos comentários, especialmente após notícias de que concordar com os novos termos seria obrigatório. Até mesmo um órgão brasileiro de defesa do consumidor pode intervir.

Análise sobre o posicionamento da plataforma 

O site Android Authority avaliou as mensagens e, ao comparar com as atuais políticas do WhatsApp, encontrou algumas incompatibilidades. Apesar de negar a troca de conteúdos de chats com o Facebook, o FAQ atualizado da plataforma lista uma série de informações paralelas que acabam nas mãos da companhia de Mark Zuckerberg — incluindo o vago “informações sobre como você interage com outras pessoas”.

Além disso, alguns trechos do tweet foram considerados contraditórios. A questão sobre coleta de dados de localização, por exemplo, está bem sinalizada nos termos de uso e indica que o mensageiro de fato se apropria de algumas dessas informações.

Como consequência da atual crise, rivais como o Signal ou o Telegram, que não pertencem a uma gigante da tecnologia, dispararam em downloads e agora aproveitam a fama que pode ou não ser momentânea.

Aviso polêmico do WhatsApp provoca disparada de downloads do Signal


Novos termos de uso do aplicativo desagradaram alguns usuários

Thais Paim

Com o anúncio recente feito pelo WhatsApp sobre seus termos de uso, aplicativos como Signal e Telegram registraram um grande aumento no número de downloads. A polêmica tem provocado uma mudança na utilização dos serviços de mensagens instantâneas. 

O Signal, que lidera ou está muito bem posicionado em rankings tanto em lojas de app para Android quanto para iOS, está aproveitando a fama repentina. Atualmente, ele é considerado como uma das melhores alternativas para quem não deseja ter os dados das conversas compartilhados. 

De acordo com o site Android Police, o Signal lidera a lista de downloads da Google Play Store em diversas regiões, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Líbano e França. O mesmo acontece na App Store, do iPhone.

Já no Brasil, o aplicativo é o segundo colocado na lista de “Principais apps gratuitos” e na categoria “Em Alta” do Android. O Telegram também aparece, mas ocupa uma posição inferior. O Wire, outro mensageiro seguro com foco em utilização corporativa, também tem ganhado certo destaque. 

Sobre as listas, é importante lembrar que as lojas digitais de aplicativos fazem atualizações com frequência e indicam aplicativos com alta taxa de downloads em um determinado período. Por isso, o WhatsApp, já bastante popular, pode não estar tão bem posicionado. 

Qual o motivo? 

O que tornou o Signal popular de forma tão repentina foi o anúncio de que o WhatsApp vai obrigar usuário a compartilhar dados com o Facebook, inclusive bloqueando quem recusar o envio.

A sugestão de uso do mensageiro por celebridades como Elon Musk, ajudou a fazer os downloads do serviço dispararem. 

Presidente anuncia suspensão da compra de seringas até preços serem normalizados


A informação foi confirmada através das redes sociais

Thais Paim

As polêmicas envolvendo o processo de imunização no Brasil continuam surgindo.  A mais recente foi provocada pelo anúncio do presidente Jair Bolsonaro de que a compra de seringas foi suspensa até que os preços do material sejam normalizados. 

O posicionamento foi anunciado pela conta no Facebook do presidente, nesta quarta-feira (06). O Ministério da Saúde tomou essa decisão após o preço do produto ter registrado alta, provocada pelo interesse da pasta na aquisição. 

“Como houve interesse do Ministério da Saúde em adquirir seringas para seu estoque regulador, os preços dispararam e o MS suspendeu a compra até que os preços voltem à normalidade”, afirmou Bolsonaro na rede social.

A intenção é de que a pasta aguarde até que os preços possam ser normalizados. As seringas seriam utilizadas para vacinação da população contra a Covid-19. 

O gestor também explicou que no momento essa decisão não afeta o início do processo de imunização. “Estados e municípios têm estoques de seringas para o início das vacinações, já que a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande”, concluiu ele. 

Uma licitação para a compra de seringas e agulhas para a campanha de vacinação contra a Covid-19 foi aberta pelo governo, mas foi possível comprar apenas um pequeno percentual do que estava proposto. 

Diante do fracasso da concorrência, o Ministério da Saúde anunciou que os estoques excedentes dos fabricantes brasileiros desses insumos seriam requisitados, além da adoção de barreiras à exportação desses produtos.

Promova sua imagem da forma correta


E aí, tem cuidado da sua imagem pessoal? Muitos ainda não se deram conta, mas a forma como somos vistos, seja no ambiente profissional, acadêmico ou na vizinhança, é muito importante, podendo influenciar de forma decisiva no nosso progresso como cidadão. Num mundo competitivo como o nosso é necessário ter objetivos definidos e utilizar de estratégias para alcança-los.

O Marketing Pessoal pode nos ajudar bastante nessa tarefa delicada. Ele é uma ferramenta usada para a promoção pessoal de modo a alcançar êxito. Uma estratégia usada para “vender” a imagem, e influenciar a forma como as pessoas olham para quem a utiliza.

Que tal melhorar ainda mais a visão que as pessoas têm de você? Separamos algumas dicas que podem ser muito úteis, fazendo a diferença ao seu favor:

Sua forma de falar – procure não usar gírias, busque o equilíbrio entre uma linguagem formal e a coloquial. Tente sempre pensar um pouco antes de se manifestar para que possa ser entendido da maneira correta, evitando assim mal entendidos ou ruídos na comunicação;

Sua apresentação pessoal – muitas vezes somos julgados pela roupa que estamos usando. Portanto, tenha atenção redobrada nesse quesito.  Procure vestir-se de forma adequada ao local que você frequenta ou irá visitar;

marketing pessoal

Sua relação com colegas e superiores – procure ser sempre cordial e atencioso, evitando se envolver em fofocas e diz que diz que. Lembre-se: uma pessoa que fala mal de outra pelas costas, pode falar em breve de você também;

Tenha humildade – o humilde sabe admitir seus erros e tem a consciência de que dos fracassos podemos adquirir conhecimentos úteis para a vida;

Seja positivo (a) – quanto maior o otimismo, mais motivação haverá para batalhar e atingir seus objetivos. Portanto, aprenda a cultivar o positivismo em você.

Não se exponha nas redes sociais de forma desnecessária– Facebook, Twitter, Instagran e demais mídias sociais chegaram para ficar. Elas fazem parte da nossa realidade sendo uma importante ferramenta de integração e divulgação. Mas tudo isso pode ser uma faca de dois gumes. Por isso, cuidado para não se expor demais nas redes. Algumas empresas, inclusive, costumam visitar perfis de candidatos a vagas que as mesmas estão oferecendo, para ter uma noção de como é o perfil do futuro colaborador. Conheço pessoas que já perderam ótimas oportunidades profissionais por esse motivo.

Lembre-se nosso nome é uma espécie de marca que deve ser implementada e bem promovida e esse trabalho quem deve realizar é você. Portanto, invista em você, estude, trabalhe estabeleça metas claras e conquiste seu valor.

 

Justiça bloqueia R$ 38 milhões do Facebook por não repassar dados do Whatsapp


A Justiça Federal do Amazonas determinou o bloqueio de R$ 38 milhões da empresa Facebook do Brasil por descumprir decisão judicial que a obrigava a fornecer dados de cadastros e quebrar o sigilo de mensagens trocadas pelo aplicativo WhatsApp para fins de investigação. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o valor corresponde à soma das multas individuais de R$ 1 milhão estipuladas para cada dia de descumprimento da decisão judicial.
Em nota enviada à imprensa, o MPF afirma que a proteção absoluta à intimidade dos usuários do WhatsApp faz com que o Facebook crie “um ambiente propício para a comunicação entre criminosos, favorecendo aqueles que cometem crimes graves, como terrorismo, sequestro, tráfico de drogas etc”.

3d illustration of a series of transparent blue signal waves radiating away from a metallic Facebook logo over a reflective blue surface
O órgão afirma que o Facebook do Brasil, na condição de administrador e representante no país da rede social de mesmo nome e do aplicativo WhatsApp, “vem demonstrando enorme desprezo pelas Instituições brasileiras, principalmente a Justiça, o Ministério Público e a Polícia ao não atender a ordens judiciais que determinam o fornecimento de informações”.
O procurador da República Alexandre Jabur afirma que a medida é um importante instrumento para buscar a devida aplicação das leis brasileiras em casos envolvendo pedido de acesso a dados sob a guarda de empresas estrangeiras antes de recorrer diretamente ao bloqueio do próprio serviço como medida inicial.