Idosa descobre que foi vítima de golpe após ver PIX de R$ 24 mil em sua conta


Inazeli Azevedo diz que crime foi muito bem elaborado

Thais Paim

Uma idosa de 78 anos descobriu que foi vítima de um golpe após receber orientações por telefone de uma suposta funcionária de banco em Santos, no litoral paulista. A professora aposentada descobriu o que aconteceu após ver que havia um PIX no valor de R$ 24 mil em seu nome. 

Além do valor retirado de sua conta, ela também percebeu que havia empréstimos, limite do cartão estourado e cheque especial feitos em seu nome, o que fez com que ela denunciasse o caso à Polícia Civil.

Inazeli Azevedo Nóbrega e Silva falou sobre o golpe e lamentou o ocorrido. “Estou inconformada. Tenho 78 anos, nessa idade, uso computador, vou ao banco sozinha, foi um grande progresso. Mas não tenho, evidentemente, o mesmo raciocínio que tem um jovem. Nunca caí em um golpe, mas esse foi muito bem elaborado”. 

Entendendo o caso 

O golpe teve início no fim de julho, quando uma suposta funcionária do banco do qual a idosa é cliente entrou em contato com o filho dela, informando que haviam tentado acessar a conta da aposentada. Apesar de ele poder fazer procedimentos de segurança e mudar a senha, o filho preferiu informar a mãe sobre o caso.

Logo após esse contado, a idosa recebeu a ligação da mulher que se apresentava como funcionária. Durante a chamada, ela informou que tentaram entrar na conta da idosa indevidamente, e que seria necessário trocar de senha e que a aposentada precisava ir em um caixa eletrônico alterar a senha.

Após a tentativa fracassada de alterar a senha pelo caixa eletrônico, Inazeli foi até uma agência bancária e explicou tudo que ocorreu para uma atendente, que achou estranho, segundo conta a idosa.

Mesmo assim, a funcionária procurou no sistema e viu que, de fato, haviam tentado entrar na conta no dia 17 de julho. A idosa, se precavendo, mudou as senhas e registrou a biometria, como orientado pela mulher que conversou com ela ao telefone.

A idosa conta que assim que saiu da agência recebeu outra ligação da suposta funcionária: “Ela disse ‘você não fez o módulo de segurança, tem que fazer, porque a conta continua vulnerável'”, explicou. 

A idosa voltou à agência e seguiu as orientações dadas por telefone sobre quais botões apertar e o que fazer no caixa para ativar o que seria o módulo de segurança e, após alguns minutos, a mulher disse que estava tudo certo, e que, finalmente, o módulo havia sido acionado.

Ao sair do banco, ela passou em uma farmácia e viu que não conseguia efetuar o pagamento no débito nem no crédito. Voltando para casa e abrindo o aplicativo do banco, viu uma transferência via PIX em seu nome, no valor de R$ 24.700. Também descobriu que haviam usado o cheque especial, empréstimos e todo o limite do cartão.

Inazeli fez um pedido de contestação, que foi negado pelo banco. Ela recorreu novamente, e aguarda um posicionamento, para saber como prosseguir diante da situação. Para dar prosseguimento, ela registrou um boletim de ocorrência no 3º Distrito Policial de Santos como estelionato, e o caso será investigado. Entretanto, mesmo tomando todas as medidas, o medo e a frustração são constantes.

Fonte: G1 

Quadrilha que fraudava benefícios do INSS na Bahia é desarticulada pela PF


A ação aconteceu no município de Jeremoabo, a 380 quilômetros (km) de Salvador

Por: Thaís Paim

O estado da Bahia amanheceu com mais uma resolução de crime nesta quarta-feira (02). Isso porque a Polícia Federal (PF), junto com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia deflagraram a Operação Cucurbitum e conseguiram desarticular uma organização criminosa que fraudava benefícios do INSS.

De acordo com as informações da polícia, o grupo era especializado na prática de fraudar benefícios previdenciários e assistenciais na Bahia, mas também em outros estados.

A ação ocorreu no município de Jeremoabo, que fica a 380 quilômetros da capital baiana. Ao todo foram 11 medidas judiciais, sendo dois mandados de prisão preventiva e nove mandados de busca e apreensão.  

Atuação da quadrilha

As investigações apontam que o grupo criminoso atuava desde 2017 e fazia o uso de documentos falsos para criar pessoas fictícias que iriam obter benefícios previdenciários e assistenciais fraudulentos, na maioria das vezes de prestação continuada.

Para que a fraude ocorresse, era preciso a colaboração de pessoas que, com documentação falsa fornecida pela quadrilha, comparecia nas agências do INSS ou da rede bancária e conseguiam sacar os valores de forma ilegal.

“O valor do prejuízo estimado com as fraudes já supera os R$ 10 milhões, relativos a cerca de 150 benefícios previdenciários/assistenciais suspeitos, números estes que muito provavelmente aumentarão com o avançar das investigações e a identificação de outras fraudes”, afirmou a PF em nota.

Crimes

Os integrantes do grupo criminoso e os envolvidos vão responder por diversos crimes, dentre eles integrar organização criminosa, estelionato previdenciário, falsificação de documento público, uso de documento falso, dentre outros. A previsão é de que as penas somadas possam chegar a mais de 25 anos de prisão.

Prestação continuada

Apesar de não ser comentado tão popularmente como outros benefícios, o Benefício de Prestação Continuada (BPC) é bastante significativo para idosos e pessoas com deficiência que se encontram em situação de vulnerabilidade social.

O objetivo principal do BPC é amparar pessoas à margem da sociedade e que não conseguem prover o seu sustento.

Suspeita de corrupção na Câmara de Vereadores de Itapé


Vereadores suplentes serão convocados para substituir titulares

Cinco dos nove vereadores da Câmara de Itapé foram afastados de suas atividades por suspeita de corrupção. Segundo o Ministério Público, acredita-se que esses parlamentares desviaram mais de 50 mil reais.

Entre os investigados, está o presidente do órgão, Nilton Rosa Pinto, que já estava afastado por 120 dias. Também foram destituídos dos cargos, o primeiro secretário – Klebson de Jesus Santos (Dagalinha), o segundo secretário – Cledson Gomes Alves (Pocado), Agnaldo Santos Filho e Eduardo Coelho dos Santos (Eduardo de Badalo).

Segundo informações do promotor de Justiça, Inocêncio de Carvalho, todos esses vereadores são investigados há quase três meses pelo Ministério Público do Estado da Bahia por suspeita de desvio de dinheiro da Câmara.  “Só de cheques emitidos foram quase R$30 mil, para pagamento de empréstimo e materiais para construção”, conta.inocencioCom o apoio da Polícia Militar, a equipe do MP ficou por cerca de quatro horas na Câmara recolhendo documentos, como por exemplo, contra cheques de vereadores, processos de pagamento e de licitações. Tudo para reunir provas de suspeita de desvio de valores para investigação que iniciou a partir de uma denúncia feita em julho deste ano de falsidade de assinaturas em cheques do segundo secretário Cledson Gomes Alves. Segundo Carvalho, o MP pedirá a 27ª Zona eleitoral, responsável por Itapé, a posse dos vereadores suplentes.

Com informações do BATV

Cuidado com o Telefone.ninja


Mais um perigo ronda a internet. A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) alerta para uma nova fraude na Internet. O site telefone.ninja, compartilhado em redes redes sociais, rouba dados dos usuários e espalha vírus associando a seu IP de acesso aos dados pesquisados, o chamado phising.

O site possui uma interface simples e, ao ser feita a pesquisa por nome, apresenta parte do endereço e telefones associados a uma pessoa.

O-site-telefone.ninja-é-um-exemplo-de-monstro-criado-por-internautas

O phising, segundo agentes da DRCI, é uma forma de fraude eletrônica, caracterizada por tentativas de adquirir fotos, músicas e outros dados pessoais ao se fazer passar por uma pessoa confiável ou uma empresa enviando uma comunicação eletrônica oficial.

Os agentes alertam que tais tipos de crimes são comuns em formas de links, imagens e MP3. Até a publicação desta reportagem, o site continuava no ar.

Senado instala CPI da Previdência para investigar rombo e casos de fraude


A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência foi instalada hoje (26) no Senado e o senador Paulo Paim (PT-RS), autor do requerimento e criação da CPI, foi eleito o presidente dos trabalhos. O cargo de vice ficou com o senador Telmário Mota (PTB-RR) e a relatoria com o senador Hélio José (PMDB-DF).
A escolha dos nomes foi possível por acordo, uma vez que é praxe na Casa que o autor do requerimento de criação da CPI fique com um dos cargos da mesa. A comissão vai analisar os números da Previdência Social para identificar se há rombo e qual o seu tamanho, além de procurar identificar casos de fraudes e sonegações por parte de grandes empresas.
senaaado cpi
Para o relator, o principal objetivo será avaliar se há outras opções para resolver o problema da Previdência que possam amenizar a reforma em curso. “Direitos adquiridos são sagrados. Quem entrou em um jogo com uma regra espera que o jogo termine com a mesma regra com que iniciou. Qualquer mudança, para quem vai adentrar o jogo, é possível, permissível e normal. Então, nós estamos perplexos com algumas mudanças. Esperamos que consigamos chegar a uma situação boa, a um norte legal, quando nós tivermos, por meio desta CPI aqui, conseguido desvendar todas as questões que são faladas a respeito da situação”, disse Hélio José.
A oposição acredita que vai conseguir, por meio da CPI, comprovar que a reforma apresentada pelo governo não é necessária e que o problema da Previdência tem a ver com fraudes e sonegações. Já os governistas aprovam que a conclusão do inquérito vai corroborar para a aprovação da reforma no Senado.

Projeto que extingue foro privilegiado a autoridades é aprovado


Em uma reviravolta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, os parlamentares aprovaram de maneira expressa o projeto que extingue o foro privilegiado para todas as autoridades, com exceção dos chefes dos Três Poderes. O texto não estava na pauta desta quarta-feira, 26, mas foi incluído a pedido do relator, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e aprovado de maneira simbólica pelos integrantes do colegiado. A proposta seguirá para o plenário da Casa com calendário especial.

foro privilegiado
Os presidentes da República, Senado e Câmara continuam com foro privilegiado

Randolfe acatou uma emenda do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), que estabelece que os presidentes da República, da Câmara, do Senado e Supremo Tribunal Federal (STF) continuam sendo julgados pela Suprema Corte por infrações penais comuns.
Em casos de crime de responsabilidade, ministros de Estado, comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, membros dos Tribunais Superiores e do Tribunal de Contas da União e chefes de missão diplomática de caráter permanente também continuam com foro.