Casos de Família, um programa sem noção


Oi gente bonita! Tudo bem? Sou Vanessa Merendolinna Barcellos, Vivi para os mais íntimos. E, toda semana estarei aqui no Blog Carvalho News para falar um pouco de televisão, cinema ou teatro. Não sou exatamente uma crítica, mas aprecio esses veículos e entendo um pouco desse tipo de entretenimento.

Minha primeira análise aqui no Blog é sobre o programa Casos de Família, que vai ao ar nas tardes de segunda a sexta-feira, no SBT, tendo como apresentadora a singular Cristina Rocha, e a psicóloga Anahy fazendo a análise psicológica dos convidados. A loira está à frente da atração desde 2009, obtendo entre 6 e 8 pontos de audiência em capitais como Rio de Janeiro e São Paulo.

Christina-Rocha1
Cristina Rocha costuma pegar pesado na condução de seu programa. Fotos: divulgação

O que eu posso dizer sobre esse programa que todos já não saibam? A apresentadora expõe sem dó ou piedade as misérias dos seus convidados com a desculpa de os estar ajudando. Mas na verdade, a loira só quer mesmo audiência e os participantes que tentem resolver seus problemas em casa e sozinhos, de preferência.

Dra Anahy
Dra. Anahy: sempre disposta a concordar com tudo que Cris fala

Os temas são todos sensacionalistas e a participação de mulheres espancadas, gays, travestis e lésbicas é praticamente certa. A produção até seleciona casos com personagens interessantes, mas a forma que a apresentadora conduz as conversações é no mínimo questionável. A bela Cristina faz “fofocas” entre os participantes, sempre se descontrola com homens inconvenientes e, como uma típica feminista dos anos de 1950, defende as mulheres com unhas, dentes e seguranças, independentes se estas estejam com a razão ou não. Clube da Luluzinha perde para isso.

Outra coisa bizarra que ocorre é o fato de nem todos os programas contarem com a participação da “Dra. Anahy”. Eu pergunto a vocês: para que ir a um programa expor suas misérias via satélite, se a pessoa que poderia propor algum tipo de terapia que poderia ajudar na solução não está presente? Que eu saiba a Cristina não está qualificada para substituí-la.

Resumindo, a atração poderia realmente fazer a diferença na programação das tvs abertas. Entretanto, por seguir um formato adquirido no exterior, pega pesado demais no sensacionalismo, expondo muitas vezes os participantes ao ridículo total. Meu conselho: vá ler um livro.

Mara não vê problemas em ter filho gay


Depois da polêmica com os gays, durante uma entrevista em 2013, a cantora Mara Maravilha agora diz não ver problemas caso seu filho seja gay. Ao site Ego, ela contou que o que importa é o caráter.

“Quando a gente ama, a gente ama. Hoje o ser humano tendo saúde, já é uma grande graça de Deus. O problema do ser humano é no caráter. Eu tenho amigos que são gays e que têm um supercaráter, mas tem outros que não têm. O problema não é ser gay ou não, é ter ou não caráter. Aceito toda escolha do meu filho, só não aceito mau-caratismo”, disse.

Sobre a declaração polêmica do passado – onde chegou a criticar o beijo que a cantora Daniela Mercury deu em Malu Verçosa durante a Parada Gay de São Paulo -, Mara afirmou terem distorcido suas palavras, mas manteve sua posição.

“Eu continuo com a mesma opinião. Não acho que seja bacana um casal que seja heterossexual ou homossexual ficar se agarrando em público. Se o que falei foi deturpado, fizeram furdunço… me entenderam mal. Todo bibinha é mara. Eu sou arco-íris, sou supercolorida”, completa.

mara
Mara “o importante é ter caráter”                                Foto: Divulgação