Cachoeira: um rio que pede socorro


Ele se forma no Município de Itapé, na confluência do Rio Colônia com o Rio Salgado. Se você acha que estou me referindo ao Rio Cachoeira, acertou! Esse curso de água é um dos mais importantes do Sul da Bahia, pois abastece a 12 cidades. Entretanto, sofre com o descaso de nossos governantes e com os maus tratos por parte de empresas e população.

Geógrafa Eliana Trindade avalia condições do Rio Cachoeira Foto: Eliane Trindade
Geógrafa Eliana Trindade avalia condições do Rio Cachoeira Fotos: Eliana Trindade

 

Segundo os especialistas, o Cachoeira sempre foi rico em diversidade de peixes, com destaque para robalos e pitú (um crustáceo raro que existe apenas em alguns rios do Brasil). Infelizmente, o panorama atual é outro. Em seu estudo a biogeoquímica, Maria Pinheiro Lima, alerta que as atividades ligadas ao manejo florestal e agrícola e a urbanização alteram os ciclos biogeoquímicos dos ecossistemas aquáticos. A especialista afirma que as principais atividades impactantes no Rio Cachoeira estão associadas às atividades agro-industriais e ao lançamento de esgotos domésticos e resíduos sólidos.

A geógrafa, Eliana Trindade, também lamenta a atual situação do Cachoeira. “Serviços de lavagem de veículos, construções nas margens do rio, ausência de mata ciliar, extração de areia, lançamento de lixo e esgoto in natura e outras ações ao longo dos anos são provas da desinformação e do descaso por parte da população e das autoridades locais com o rio”, justifica a também professora.

A especialista defende que o rio é um espelho de como a população cuida do meio ambiente. “O Cachoeira já foi caudaloso e limpo, servindo como fonte de renda e lazer para os habitantes do seu entorno. Hoje, após tantos maus tratos, ele teve o seu volume diminuído consideravelmente e está a cada dia mais poluído. As baronesas e os urubus presentes em suas  águas são evidências concretas de que a população itapeense e circunvizinha precisam de educação ambiental”, finaliza Eliana.