Programa Vitória Sustentável é lançado


Marcelo Carvalho

A Prefeitura de Vitória lançou, na tarde desta segunda-feira (28), o Programa de Requalificação Urbana e Segurança Cidadã de Vitória (Programa Vitória Sustentável) para as ações a serem realizadas com os recursos captados junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Entre os processos licitatórios de destaque, estão: base da Guarda Municipal; contenção de encostas; planta de parcelamento e regularização de terrenos; Plano Urbanístico da Orla Noroeste; Plano Diretor de Mobilidade Urbana e Inventário de Arborização Urbana. As ações estão listadas no site do Programa Vitória Sustentável.

“Estamos acertando as últimas medidas do pontapé inicial formal nas ações do BID. Trata-se de um grande contrato de investimentos na cidade de Vitória. Só para se ter uma ideia, é mais do que duas vezes de tudo o que foi captado antes na cidade para investimentos de infraestrutura. É um valor de quase R$ 1 bilhão que vai ser desenvolvido ao longo dos próximos anos e fazer a transformação da cidade em várias áreas””, comentou o prefeito de Vitória, Luciano Rezende.

Investimentos

Além de requalificar a primeira parte da Orla Noroeste na Grande São Pedro, a cidade investirá na ampliação da rede de proteção aos mais vulneráveis à violência, especialmente jovens e mulheres das regiões de São Pedro, Maruípe, Santo Antônio, Centro e Jucutuquara, com mais escolas de tempo integral, modernização do PA de São Pedro e novas unidades de saúde, construção de cinco novos Cras e dois Creas, novos equipamentos de esporte e de cultura, ampliação do Circuito Cultural e ações de cidadania, direitos humanos e geração de trabalho e renda.

Guarda Municipal

A nova sede da Guarda Municipal de Vitória e da Secretaria de Segurança Urbana (Semsu) será construída em um terreno localizado no cruzamento da avenida Paulino Müller com a rua Hermes Carneiro Curry, na Ilha de Santa Maria.

Será um prédio inteligente e moderno para abrigar todos os setores administrativos. Também será ecologicamente correto, pois toda energia utilizada será renovável.

“A futura base da Guarda Municipal é um ponto onde nós teremos todas as gerências em um só local. Permitirá uma evolução ainda maior da Guarda Municipal de Vitória”, destacou o secretário de Segurança Urbana, Fronzio Calheira.

Mobilidade

O Plano Diretor de Mobilidade Urbana de Vitória vai elaborar um mapa da malha viária da cidade, incluindo todos os modais, e nortear as decisões que serão tomadas pela administração municipal. Vai analisar de forma global que tipo de transporte as pessoas mais utilizam, quais as vias mais usadas, quantas pessoas circulam pela cidade e como a Prefeitura pode melhorar tudo isso.

“Hoje, em Vitória, temos uma realidade diferente da que tínhamos anos atrás. A população da cidade abraçou novos modais de transporte, como bicicletas, patinetes e motos elétricas. Por isso a mobilidade urbana da cidade tem de ser pensada de uma forma macro e que atenda a todos esses modais. Esse plano diretor será uma radiografia da malha viária”, disse a secretária de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana de Vitória, Ana Elisa Nahas Amorim.

Orla Noroeste

Projeto Orla Viva

Projeto Orla Noroeste: calçadão, ciclovia, píeres e deques de São Pedro a Resistência

Tudo pronto para a licitação da empresa que vai desenvolver o Plano Urbanístico da primeira fase do projeto Orla Noroeste, a grande reurbanização da Baía Noroeste. A Secretaria de Desenvolvimento da Cidade concluiu o termo de referência para a contratação do estudo.

A primeira fase do Orla Noroeste vai de São Pedro a Resistência, o que totaliza 5,2 km. Ela está em fase final de projeto executivo. Nesse trecho, 19.235 moradores de São Pedro, Ilha das Caieiras, Nova Palestina e Resistência terão calçadão, ciclovia, píeres e deques, arquibancadas alagáveis, queimadores de mariscos, oficina de recuperação de embarcações, ampliação do Museu do Pescador, revitalização do Parque da Baía Noroeste, uma praça e o novo trevo de acesso ao bairro Resistência, universalização da coleta e tratamento de esgoto, entre outros equipamentos.

Indiretamente, 33.746 moradores de toda a Grande São Pedro (Região 7) serão beneficiados com esse amplo espaço de lazer, que vai permitir deslocamentos a pé e de bicicleta entre os bairros, contemplando uma paisagem singular dos manguezais e das ilhas da região.

Plano Urbanístico

O Plano Urbanístico tem como objetivo compreender a vocação e as tendências de uso e de ocupação da área de 40 hectares, realizar diagnósticos, síntese dos atuais problemas e soluções de circulação de pedestres, ciclistas, passageiros do transporte coletivo, motoristas e movimentação de cargas, propor ampliação das áreas de contemplação da paisagem, fomentar a ocupação de imóveis vagos ou subutilizados, propor um modelo de ocupação com diversidade de usos, entre outros.

Item obrigatório pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o estudo é importante para subsidiar ações municipais posteriores à implantação do projeto, garantindo o desenvolvimento e a qualidade de vida dos moradores. Na sua totalidade, o Orla Noroeste prevê a reurbanização de 15 km de orla, do Tancredão, em Mário Cypreste, até Maria Ortiz.

Regularização fundiária e contenção de encostas

Os termos de referência para a regularização fundiária no bairro Resistência e as obras de contenções de encosta, que na primeira etapa contemplarão os bairros de Gurigica, Consolação, Bonfim, São Benedito, Itararé, Santa Martha, Joana D’Arc, Tabuazeiro e Jesus de Nazareth, que terão emprego de recurso BID, estão em fase de preparação para licitação.

Arborização

Uma das ferramentas mais importantes para o manejo da arborização urbana é o Inventário da Arborização, trazendo inúmeros benefícios para a população e para o meio ambiente. A ferramenta permite catalogar quais espécies são plantadas nas cidades, qual a sua distribuição, localização e estado fitossanitário, entre outros atributos, o que possibilita um panorama geral da arborização urbana, facilita o manejo e potencializa os benefícios que as árvores trazem à cidade.

Fonte: SEGES/SUB-COM, Matheus Thebaldi e Jaldecy Pereira

Usuários da Cracolândia (SP) mudam de lugar


A Guarda Civil Metropolitana (GCM) realizou uma ação na tarde desta terça-feira para mover os dependentes químicos da Cracolândia para o ponto onde se encontravam até ontem, na Alameda Cleveland em frente à estação Julio Prestes do trem, no centro de São Paulo. Após uma operação de limpeza na região, realizada na noite de segunda, o fluxo havia se deslocado para a esquina entre as ruas Helvétia e Barão de Piracicaba, a apenas um quarteirão de distância da concentração original.

Alguns dos dependentes retornaram voluntariamente para a Alameda Cleveland, mas aqueles que se recusaram a deixar a Barão de Piracicaba foram levados à força pela GCM. A operação, no entanto, não utilizou bombas de efeito moral ou gás lacrimogêneo. O maior contingente policial deixou o local após a operação.

Na noite da última segunda-feira, os guardas-civis realizaram um serviço de limpeza na região. A remoção de algumas barracas revoltou os usuários, que atearam fogo em colchões e outros objetos. Em nota, a Prefeitura afirmou se tratar de uma operação rotineira: “De acordo com informações preliminares, a GCM apoiava uma ação de zeladoria de rotina e, no momento em que foi solicitada a retirada de barracas das calçadas, algumas pessoas que estavam no local colocaram fogo nos materiais”. Apesar do confronto, a administração garante que as ações sociais “de acolhimento, saúde e segurança” serão mantidas.

A mudança de endereço, ainda que temporária, é comum após ações policiais no fluxo. Oliveira afirmou que, nesta manhã, os usuários estavam calmos e que o comércio local não sofreu outros problemas. Ao passar pelo local onde a concentração havia se instalado, reparou no aumento das forças policiais, que já planejavam a ação desta tarde.