Qualificação e diversidade de funcionários


Empresas investem cada vez mais em qualificações para os funcionários um dos setores que mais sofrem pela falta de mão de obra é o industrial

Julia Vitoria

Por causa da crise que se arrastou devido a pandemia, vários brasileiros ainda buscam oportunidades de trabalho, com o início da pandemia diversos setores de produtividade tiveram que parar, isso acabou gerando uma crise, que afetou a todos. Contudo apesar do desemprego está alto as empresas ainda encontram dificuldades para contratar isso devido a falta de mão demora qualificada.

De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal, que foi publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística, o desemprego no Brasil já atinge mais de 14 milhões de pessoas com uma estatística de 14,6% no último trimestre de 2020 essa é a maior estatística registrada  pesquisa desde que começou em 2012.

Se por um lado o desemprego está em alta a falta de mão de obra especializada também bate recordes, se destacar no mercado de trabalho está cada vez mais difícil. Segundo especialista o caminho a seguir é o da qualificação profissional, pois apesar do desemprego as vagas não estão sendo preenchidas, fazendo as empresas não completarem o quadro de funcionários e perdendo em competitividade, como consequência a falta de qualificação faz com que o tempo do trabalhador no mesmo emprego seja pequena.

Segundo dados que integram um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o setor mais afetado pela falta de mão de obra qualificada  é o industrial, num país com milhões de pessoas desempregadas, metade das fábricas têm dificuldades de contratar. Uma pesquisa realizada pelo Fórum Econômico Mundial em 2015 colocou o Brasil em 78º de qualificação profissional dentre 124 países. Com isso, muitas empresas estão investindo na capacitação do profissional, fortalecendo sua qualificação profissional, conseguindo se destacar em um se for profissional. 

Um exemplo disto é a Suzano, uma empresa de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis na América Latina, a empresa está construindo uma nova fábrica no Sul do estado e buscando na região mão de obra soube a importância de investir na qualificação profissional. Para preencher algumas vagas fez uma parceria com o Senai para a qualificação dos trabalhadores, segundo a empresa mais de 300 pessoas trabalham na construção da fábrica e mais de 200 irão atuar na área quando já estiver pronta.

 O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) é o  responsável pela formação técnica e profissional de grande parte dos jovens e trabalhadores brasileiros para vários setores da indústria. A coordenadora da instituição de Cachoeiro de Itapemirim ressalta a importância das empresas entenderem o desenvolvimento profissional dos jovens alunos. No processo de qualificação em parceria com a Suzano o Senai percebeu o interesse da empresa em qualificar os funcionários e a possibilidade de novas qualificações futuras. 

A coordenadora fala que o que se percebe é que muitas empresas já buscam o profissional totalmente qualificado, mas neste caso específico a empresa buscou qualificar e ficar no desenvolvimento das pessoas dando um novo sentido profissional a eles.

Lara Sathler,  diretora executiva da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Espírito Santo (ABRH-ES) relata que o profissional se qualifica com cursos preparatórios e livres e dessa forma tem uma visão teórica e também prática e deve acompanhar as tendências do mercado para se perdoar para novos desafios.  O secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip Navarro, disse que o estado deve ter um bom ano no mercado de trabalho devido aos novos empreendimentos e grandes obras. Ele ressalta que grandes instalações estão sendo feitas no espírito santo e que está confiante com as obras que serão realizadas e que o setor empresarial vê o estado com bons olhos.

As empresas buscam vai vez mais apostar na diversidade do profissional além da recolocação e qualificação profissional ao abrir 90 vagas para empregar nossos funcionários a empresa Suzano focou na diversidade abrindo a seleção para todos, em relação a diversidade profissional  uma das metas da empresa é que até 2025 cerca de 30% dos cargos de liderança da empresa sejam ocupados por mulheres além de melhorar a imagem da empresa, a diversidade pode ajudar na produção e em diversos outros pontos e fazer com que as pessoas queria fazer parceria com ela. Isso facilita a atração de novos talentos, uma vez que  as opções de candidatos para preencher as vagas são abundantes e qualificadas.

Rio Branco, Património histórico e cultural brasileiro


Vamos conhecer um pouco dessa cidade rica em história e pontos turísticos

André Lucas

Hoje, 28 de Dezembro, é o aniversário de Rio Branco, capital do Estado do Acre. Atualmente, de acordo com IBGE( Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o município tem uma população de 413.418 pessoas, com extensão territorial de 8 834,942 km², e um PIB de R$8 192 366 milhões, tendo sua Renda Per Capta de R$22 510, 95.  A capital é o centro financeiro, corporativo, político e cultural do estado. Sendo a capital mais ocidental do Brasil, à 3 030 quilômetros de distância de Brasília, capital federal, Rio Branco localiza-se às margens do Rio Acre. 

Um pouco da historia da Cidade

Inicialmente o Acre não fazia parte do Brasil. A Bolívia cedeu a área, em 1867, para o nosso país. O governo brasileiro, por sua vez, cedeu pequenas extensões de terra no Mato Grosso, pagou 2 milhões de libras esterlinas como indenização e se comprometeu a construir uma ferrovia que ligasse o Brasil à Bolívia ( ferrovia Corumbá-Santa Cruz de La Sierra). Foi a partir daí que a cidade de Rio Branco passou a ser território nacional.

O nome Acre origina-se de Aquiri, transcrita pelos exploradores desta região da palavra Uwakuru do dialeto dos índios Apurinã. Fundado pelo cearense Neutel Maia em 28 de dezembro de 1882. A expedição de Gálvez declarou o Acre como uma República independente em 1899. Mas o Brasil reconhecia o Acre como território boliviano, enviou então uma tropa para dissolver a Revolução Acreana que duraria 4 anos. Terminada a Revolução Acreana, após a assinatura do tratado de Petrópolis em 17 de novembro de 1903, e a anexação definitiva do Acre – agora Território Federal do Acre – ao Brasil, Rio Branco foi elevada à categoria de vila, tornando-se sede do departamento do Alto Acre. Somente em 1962, durante o governo do Presidente João Goulart, é que o Acre foi elevado à condição de estado, esse fato ocorreu em razão da região ter atingido o nível de arrecadação fiscal exigido pela constituição de 1946.

O ciclo da borracha foi importantíssimo para a construção do cenário da cidade do Rio Branco. O período em que no mundo despertava a paixão pelos carros, e para existir carros precisava dos pneus que são feitos de borrachas, a borracha vem das seringueiras, e o Acre era rico  dessa matéria prima. Refugiados da seca do nordeste, e outras pessoas que fugiam da fome, em busca de oportunidades, foram para o Nordeste acreditando na promessa de que o grande investimento e o grande mercado de látex, gerariam empregos e riquezas.        

O Rio Branco hoje é a capital do Acre, um estado no Nordeste dentro da República Federal do Brasil. A prefeita Socorro Neri é a chefe do executivo da cidade.

Os pontos turísticos

Rico em história, Rio Branco não podia ser outra se não uma paraíso dos pontos turísticos. Lugares lindos, com contato com a natureza áreas de lazer e muito conteúdo histórico que mostra a origem dessa grande cidade.

Parque Ambiental Chico Mendes – Uma excelente opção para contato com a Floresta Amazônica e com as tradições dos seus povos. Antigo seringal, o Parque Ambiental Chico Mendes, em Rio Branco funciona como um centro de preservação natural, educação ambiental e de convivência. Com uma vegetação exuberante e várias espécies de animais nativas como onças, macacos e serpentes, o Parque oferece também opções de trilhas na mata, mirante, academia ao ar livre e um memorial dedicado ao seu patrono, Chico Mendes.

Praça da revolução coronel Plácido de Castro–  em homenagem os heróis anônimos que lutaram na Revolução Acreana em defesa do Acre, foi construído um monumento de 12 metros de altura, além de uma estátua de Plácido de Castro. A praça está localizada na parte Central de Rio Branco, com cerca de 11.250 m², bastante arborizada com diferentes espécies nativas da região, o cenário é usado também para as apresentações musicais, espetáculos teatrais, feira de animais, feira de artesanato, entre outras manifestações culturais. Lugar onde turistas gostam de tirar fotos.

Passarela Joaquim Macedo – A passarela Governador Joaquim Macedo, em Rio Branco, foi inaugurada há dois anos e hoje é um dos principais cartões-postais da capital do Acre. A obra simboliza as transformações urbanas pela qual a cidade vem passando desde o início dos anos 2000. Outro lugar ótimo para as fotos, A recomendação é que o passeio seja feito em duas vezes: pela manhã e pela noite. São dois momentos diferentes onde a beleza da passarela e seu entorno podem ser admiradas e fotografadas!